PostGIS 2.5.0dev Manual

SVN Revision ()

The PostGIS Development Group

Abstract

PostGIS é uma extensão para o sistema de banco de dados objeto-relacional PostgreSQL que permite que objetos SIG (Sistema de Informação Geográfica) sejam armazenados em banco de dados. O PostGIS inclui suporte a índices espaciais baseado em GiST R-Tree, e funções para analise e processamento de objetos SIG.

Este é o manual para a versão 2.5.0dev

Este trabalho esta licenciado sobre a Creative Commons Attribution-Share Alike 3.0 License. Sinta-se livre para utilizar este material como quiser, mas pedimos que você atribua o crédito ao projeto PostGIS e sempre que possível cite o link http://www.postgis.org.


Table of Contents

1. Introdução
1.1. Comitê Diretor do Projeto
1.2. Contribuidores Núclero Atuais
1.3. Contribuidores Núclero Passado
1.4. Outros Contribuidores
1.5. Mais informações
2. Instalação do PostGIS
2.1. Versão Reduzida
2.2. Instalando pacotes requeridos
2.3. Obtendo o Fonte
2.4. Compilando e instalando da fonte: detalhado
2.4.1. Configuração
2.4.2. Construindo
2.4.3. Contruindo extensões PostGIS e implantado-as
2.4.4. Testando
2.4.5. Instalação
2.5. Criando uma base de dados espacial usando EXTENSÕES
2.6. Criar um banco de dados espacialmente ativado de um template
2.7. Instalando e usando o padronizador de endereço
2.7.1. Instalando Regex::Montar
2.8. Instalando, Atualizando o Tiger Geocoder e carregando dados
2.8.1. Tiger Geocoder ativando seu banco de dados PostGIS: Usando Extensão
2.8.2. Tiger Geocoder Ativando seu banco de dados PostGIS: Sem Utilizar Extensões
2.8.3. Usando Padronizador de Endereço com Tiger Geocoder
2.8.4. Carregando Dados Tiger
2.8.5. Atualizando sua Instalação Tiger Geocoder
2.9. Criar um banco de dados espacialmente ativado de um template
2.10. Atualizando
2.10.1. Atualização flexível
2.10.2. Atualização rígida
2.11. Problemas comuns durante a instalação
2.12. Carregador/Dumper
3. Perguntas frequentes PostGIS
4. Usando o PostGIS: Gerenciamento de dados e consultas
4.1. Objetos GIS
4.1.1. OpenGIS WKB e WKT
4.1.2. PostGIS EWKB, EWKT e Formas Canônicas
4.1.3. SQL-MM Part 3
4.2. Tipo de geografia POstGIS
4.2.1. Geografia Básica
4.2.2. Quando usar o tipo de dados Geografia sobre os dados Geometria
4.2.3. FAQ de Geografia Avançada
4.3. Usando os Padrões OpenGIS
4.3.1. The SPATIAL_REF_SYS Table and Spatial Reference Systems
4.3.2. A GEOMETRY_COLUMNS VIEW
4.3.3. Criando uma Tabela Espacial
4.3.4. Registrando manualmente as colunas geométricas em geometry_columns
4.3.5. Assegurando a confirmação de geometrias OpenGIS
4.3.6. Dimensionalidade estendida 9 Modelo de Interseção (DE-9IM)
4.4. Carregando dados GIS (Vector)
4.4.1. Carregando Dados Usando SQL
4.4.2. shp2pgsql: Using the ESRI Shapefile Loader
4.5. Recuperando dados GIS
4.5.1. Usando SQL para recuperar dados
4.5.2. Usando o Dumper
4.6. Construindo índidces
4.6.1. Índices GiST
4.6.2. Índices GiST
4.6.3. Usando Índices
4.7. Consultas Complexas
4.7.1. Tirando vantagem dos índices
4.7.2. Exemplos de SQL espacial
5. Gerência de dados raster, pesquisas e aplicações
5.1. Carregando e criando dados matriciais
5.1.1. Usando o raster2pgsql para carregar dados matricias
5.1.2. Criando rasters utilizando as funções rasters do PostGIS
5.2. Catálogos Raster
5.2.1. Catálogo de Colunas Raster
5.2.2. Panoramas Raster
5.3. Construindo Aplicações Personalizadas com o PostGIS Raster
5.3.1. PHP Exemplo Outputting usando ST_AsPNG em consenso co outras funções raster
5.3.2. ASP.NET C# Exemplo gerado usando ST_AsPNG em consenso com outras funções raster
5.3.3. O app console Java que gera a consulta raster como arquivo de imagem
5.3.4. Use PLPython para excluir imagens via SQL
5.3.5. Rasters de saída com PSQL
6. Usando a Geometria do PostGIS: Criando aplicativos
6.1. Usando o MapServer
6.1.1. Uso Básico
6.1.2. Perguntas Frequentes
6.1.3. Uso Avançado
6.1.4. Exemplos
6.2. Clientes Java (JDBC)
6.3. Clientes C (libpq)
6.3.1. Cursores de Texto
6.3.2. Cursores Binários
7. Dicas de desempenho
7.1. Pequenas tabelas de grandes geometrias
7.1.1. Descrição do problema
7.1.2. Soluções
7.2. CLUSTERizando índices geométricos
7.3. Evitando conversão de dimensões
7.4. Tunando sua configuração
7.4.1. Início
7.4.2. Runtime
8. Referência do PostGIS
8.1. PostgreSQL PostGIS Geometry/Geography/Box Types
8.2. Grandes Variáveis Unificadas Personalizadas do PostGIS (GUCs)
8.3. Funções de Gestão
8.4. Construtores de geometria
8.5. Acessors de Geometria
8.6. Editores de geometria
8.7. Saídas de geometria
8.8. Operadores
8.9. Relações espaciais e medidas
8.10. SFCGAL Funções
8.11. Processamento de Geometria
8.12. Referência linear
8.13. Suporte Temporal
8.14. Suporte de longas transações
8.15. Funções Variadas
8.16. Exceptional Functions
9. Referência Raster
9.1. Tipos de suporte de dados raster
9.2. Gerenciamento Raster
9.3. Construtores Raster
9.4. Assessores Raster
9.5. Assessores de banda raster
9.6. Assessores e Setters de Pixel Raster
9.7. Editores Raster
9.8. Editores de Banda Raster
9.9. Análises e Estatísticas de Banda Raster
9.10. Raster Outputs
9.11. Processamento Raster
9.11.1. Mapa Algébrico
9.11.2. Funções retorno de mapa algébrico embutido
9.11.3. DEM (Elevação)
9.11.4. Raster para Geometria
9.12. Operadores Raster
9.13. Relações raster e raster de banda espacial
10. Perguntas frequentes PostGIS Raster
11. Topologia
11.1. Tipos de topologia
11.2. Domínios de Topologia
11.3. Gerenciamento de Topologia e TopoGeometria
11.4. Construtores de topologia
11.5. Editores de Topologia
11.6. Assessores de Topologia
11.7. Processamento de Topologia
11.8. Construtores de TopoGeometria
11.9. Editores de TopoGeometria
11.10. Assessores de TopoGeometria
11.11. TopoGeometry Outputs
11.12. Relações de Topologia Espacial
12. Padronizador de endereço
12.1. Como o analisador sintático funciona
12.2. Tipos de padronizador de endereço
12.3. Mesas de padronizador de endereço
12.4. Funções do padronizador de endereços
13. PostGIS Extras
13.1. Tiger Geocoder
14. PostGIS Special Functions Index
14.1. PostGIS Aggregate Functions
14.2. PostGIS Window Functions
14.3. PostGIS SQL-MM Compliant Functions
14.4. PostGIS Geography Support Functions
14.5. PostGIS Raster Support Functions
14.6. PostGIS Geometry / Geography / Raster Dump Functions
14.7. PostGIS Box Functions
14.8. PostGIS Functions that support 3D
14.9. PostGIS Curved Geometry Support Functions
14.10. PostGIS Polyhedral Surface Support Functions
14.11. PostGIS Function Support Matrix
14.12. New, Enhanced or changed PostGIS Functions
14.12.1. PostGIS Functions new or enhanced in 2.4
14.12.2. PostGIS Functions new or enhanced in 2.3
14.12.3. PostGIS Functions new or enhanced in 2.2
14.12.4. PostGIS Functions new or enhanced in 2.1
14.12.5. PostGIS Functions new, behavior changed, or enhanced in 2.0
14.12.6. PostGIS Functions changed behavior in 2.0
14.12.7. PostGIS Functions new, behavior changed, or enhanced in 1.5
14.12.8. PostGIS Functions new, behavior changed, or enhanced in 1.4
14.12.9. PostGIS Functions new in 1.3
15. Reporting Problems
15.1. Reporting Software Bugs
15.2. Reporting Documentation Issues
A. Apêndice
A.1. Versão 2.2.0
A.2. Versão 2.2.0
A.3. Versão 2.2.0
A.4. Versão 2.2.0
A.5. Versão 2.2.0
A.6. Release 2.2.1
A.7. Release 2.2.1
A.8. Versão 2.2.0
A.9. Versão 2.1.8
A.10. Versão 2.1.7
A.11. Versão 2.1.6
A.12. Versão 2.1.5
A.13. Versão 2.1.4
A.14. Versão 2.1.3
A.15. Versão 2.1.2
A.16. Versão 2.1.1
A.17. Versão 2.1.0
A.18. Versão 2.0.5
A.19. Versão 2.0.4
A.20. Versão 2.0.3
A.21. Versão 2.0.2
A.22. Versão 2.0.1
A.23. Versão 2.0.0
A.24. Versão 1.5.4
A.25. Versão 1.5.3
A.26. Versão 1.5.2
A.27. Versão 1.5.1
A.28. Versão 1.5.0
A.29. Versão 1.4.0
A.30. Versão 1.3.6
A.31. Versão 1.3.5
A.32. Versão 1.3.4
A.33. Versão 1.3.3
A.34. Versão 1.3.2
A.35. Versão 1.3.1
A.36. Versão 1.3.0
A.37. Versão 1.2.1
A.38. Versão 1.2.0
A.39. Versão 1.1.6
A.40. Versão 1.1.5
A.41. Versão 1.1.4
A.42. Versão 1.1.3
A.43. Versão 1.1.2
A.44. Versão 1.1.1
A.45. Versão 1.1.0
A.46. Versão 1.0.6
A.47. Versão 1.0.5
A.48. Versão 1.0.4
A.49. Versão 1.0.3
A.50. Versão 1.0.2
A.51. Versão 1.0.1
A.52. Versão 1.0.0
A.53. Versão 1.0.0RC6
A.54. Release 1.0.0RC5
A.55. Versão 1.0.0RC4
A.56. Versão 1.0.0RC3
A.57. Versão 1.0.0RC2
A.58. Versão 1.0.0RC1

Chapter 1. Introdução

O PostGIS foi desenvolvido pela Refractions Research Inc, como uma tecnologia de banco de dados espacial.Refractions é uma empresa de SIG e consultoria em banco de dados, localizada em Victoria, na Colúmbia Britânica - Canadá, especializada em integração de dados e desenvolvimento customizado de software. Nós planejamos e suportamos o desenvolvimento do PostGIS para uma ampla de funcionalidades de SIG, incluindo suporte a padrões abertos, construções topológicas avançadas (coberturas, superfícies, redes), ferramentas desktop com interface gráfica para visualização e edição de dados GIS e ferramentas para o acesso web.

PostGIS é um projeto sob a tutela da fundação OSGeo. PostGIS é melhorado de forma contínua e financiado por muitos desenvolvedores FOSS4G, bem como por corporações por todo o mundo que se beneficiam de suas funcionalidades e versatilidade.

1.1. Comitê Diretor do Projeto

O Comitê Diretor do Projeto PostGIS (PSC - Project Steering Comitee, em inglês) é responsável pela direção geral, ciclos de lançamento, documentação e os esforços para o projeto. Além disso, o comitê dá suporte ao usuário comum, aceita e aprova novas melhorias da comunidade e vota em questões diversas envolvendo o PostGIS, como por exemplo, uma permissão de commit direta, novos membros do comitê e mudanças significativas da API (Application Programming Interface).

Mark Cave-Ayland

Coordena o esforço de manutençao e correção de bugs, alinhando as novas versões do PostGIS com as novas versões do PostgreSQL, seletividade dos índices espaciais, importador/exportador, e o Shapefile GUI Loader, integração de novas funções e novas melhorias.

Regina Obe

Manutenção do Buildbot, produção das versões experimentais e versões Windows, documentação, suporte ao usuário na lista de emails do PostGIS, suporte à X3D, suporte ao TIGER Geocoder, funções de gerenciamento e testes para novas funcionalidades ou grandes mudanças de código.

Bborie Park

O desenvolvimento raster, integração com GDAL, carregador raster, suporte ao usuário, correção de bugs em geral, testes em diversos sistemas operacionals (Slackware, Mac, Windows, e outros)

Paul Ramsey (Presidente)

Co-fundador do projeto PostGIS. Correção de bugs em geral, suporte a índices geométricos e geográficos (2D, 3D, nD e qualquer outro índice espacial), estruturas internas geométricas, PointCloud (em desenvolvimento), integração de funcionalidade da GEOS, carregador/descarregador e interface do carregador Shapefile.

Sandro Santilli

Correção de bugs e manutenção, integração de novas funcionalidades da GEOS e alinhamento com o ciclo de vida da mesma, suporte a Topologia, framework RASTER e funções de baixo nível.

1.2. Contribuidores Núclero Atuais

Jorge Arévalo

Desenvolvimento Raster, suporte do driver GDAL e importador.

Nicklas Avén

Melhorias em funções de distância (incluindo suporte a distância 3D e funções de relacionamento), Tiny WKB (TWKB) (em desenvolvimento) e suporte ao usuário geral.

Dan Baston

Adições da função de agrupamento de geometria, outros aprimoramentos de algoritmos de geometria e suporte geral ao usuário

Olivier Courtin

Funções para entrada e saída de XML (KML, GML)/GeoJSon, suporte a 3D e correção de bugs.

Björn Harrtell

MapBox Vector Tile and GeoBuf functions. Gogs testing.

Mateusz Loskot

Suporte CMake para o PostGIS, criou o carregador raster original em Python e funções de baixo nível da API raster

Pierre Racine

Arquitetura Raster, prototipação e suporte ao desenvolvimento.

1.3. Contribuidores Núclero Passado

Chris Hodgson

Antigo membro do comitê. Desenvolvimento em geral, manutenção do website e buildbot, gerente da incubação na OSGeo.

Kevin Neufeld

Ex PSC. Documentação e suporte a ferramentas de documentação, suporte e manutenção do builbot, suporte avançado de usuários em listas de discussão e melhorias em funções do PostGIS

Dave Blasby

Desenvolvedor original e co-fundador do PostGIS. Dave escreveu os objetos do servidor, chamadas de índices e muitas das funcionalidades analíticas presentes no servidor.

Jeff Lounsbury

Desenvolvedor original do importador/exportador de shapefiles. Atual representante do Dono do Projeto.

Mark Leslie

Manutenção e desenvolvimento de funções do núcleo. Melhorias para o suporte a curvas e no importador GUI.

David Zwarg

Desenvolvimento raster (funções analíticas de álgebra de mapas)

1.4. Outros Contribuidores

Contribuidores Individuais

Em ordem alfabética: Alex Bodnaru, Alex Mayrhofer, Andrea Peri, Andreas Forø Tollefsen, Andreas Neumann, Anne Ghisla, Barbara Phillipot, Ben Jubb, Bernhard Reiter, Brian Hamlin, Bruce Rindahl, Bruno Wolff III, Bryce L. Nordgren, Carl Anderson, Charlie Savage, Dane Springmeyer, David Skea, David Techer, Eduin Carrillo, Even Rouault, Frank Warmerdam, George Silva, Gerald Fenoy, Gino Lucrezi, Guillaume Lelarge, IIDA Tetsushi, Ingvild Nystuen, Jason Smith, Jeff Adams, Jose Carlos Martinez Llari, Julien Rouhaud, Kashif Rasul, Klaus Foerster, Kris Jurka, Leo Hsu, Loic Dachary, Luca S. Percich, Maria Arias de Reyna, Mark Sondheim, Markus Schaber, Maxime Guillaud, Maxime van Noppen, Michael Fuhr, Mike Toews, Nathan Wagner, Nathaniel Clay, Nikita Shulga, Norman Vine, Rafal Magda, Ralph Mason, Rémi Cura, Richard Greenwood, Silvio Grosso, Steffen Macke, Stephen Frost, Tom van Tilburg, Vincent Mora, Vincent Picavet

Patrocinadores corporativos

Estas são entidades corporativas que contribuiram com horas home, hospedagem ou suporte monetário direto ao projeto PostGIS

Em ordem alfabética: Arrival 3D, Associazione Italiana per l'Informazione Geografica Libera (GFOSS.it), AusVet, Avencia, Azavea, Cadcorp, CampToCamp, CartoDB, City of Boston (DND), Clever Elephant Solutions, Cooperativa Alveo, Deimos Space, Faunalia, Geographic Data BC, Hunter Systems Group, Lidwala Consulting Engineers, LisaSoft, Logical Tracking & Tracing International AG, Maponics, Michigan Tech Research Institute, Natural Resources Canada, Norwegian Forest and Landscape Institute, Boundless (former OpenGeo), OSGeo, Oslandia, Palantir Technologies, Paragon Corporation, R3 GIS, Refractions Research, Regione Toscana - SITA, Safe Software, Sirius Corporation plc, Stadt Uster, UC Davis Center for Vectorborne Diseases, University of Laval, U.S Department of State (HIU), Zonar Systems

Campanhas de financiamento coletivo

Crowd funding campaigns - Campanhas de financiamento de multidões são campanhas que executamos para obter os recursos que queremos para financiar um projeto por um grande número de pessoas. Cada campanha é especificamente focada em um recurso ou conjunto de recursos específicos. Cada patrocinador utiliza uma fração pequena do financiamento necessário e com o número suficiente de pessoas / organizações contribuindo, temos os fundos para pagar o trabalho que vai ajudar muitos. Se você tiver uma idéia de um recurso que você acha que muitos outros estariam dispostos a co-financiar, por favor, postar para o newsgroup PostGIS suas ideias, e juntos podemos fazer isso acontecer.

A versão 2.0.0 foi a primeira em que testamos esta estratégia. Utilizamos o PledgeBank e conseguimos realizar duas campanhas bem sucedidas.

postgistopology - 10 patrocinadores, cada um contribuiu com USD $250,00 para a construção da função toTopoGeometry e melhorias gerais no suporte a topologia da versão 2.0.0. Aconteceu!

postgis64windows - 20 patrocinadores, contribuiram com $100 USD cada, para pagar para a compilação do PostGIS no Windows 64bits. Aconteceu. Agora temos uma versão 64-bits do PostGIS 2.0.1 disponível na PostgreSQL Stack Builder.

Bibliotecas importantes

A GEOS, biblioteca geométrica e o trabalho em algoritmos de Martin Davis, manutenção autal de Mateusz Loskot, Sandro Santilli (strk), Paul Ramsey e outros.

A GDAL, Geospatial Data Abstraction Library (Biblioteca de abstração de dados geoespaciais), por Frank Wamerdam e outros é utilizada para rodar muitas das funcionalidades raster introduzidas na versão 2.0.0. Em tempo, as melhorias necessárias na GDAL para suportar o PostGIS tem sido contribuídas de volta para o projeto.

A biblioteca Proj4 e o trabalho de Gerald Evenden e Frank Wamerdam em sua criação e manutenção.

Por último, mas não menos importante, o PostgreSQL DBMS, o gigante sobre qual o PostGIS se apóia. Muito da velocidade e flexibilidade do PostGIS não seria possível sem a extensibilidade, um grande analisador de consultas, índice GIST e uma variedade de funcionalidades SQL dadas pelos PostgreSQl.

1.5. Mais informações

Chapter 2. Instalação do PostGIS

Este capítulo detalha os passos necessários para instalar o PostGIS.

2.1. Versão Reduzida

Para compilar, assumindo que você tem todas as dependências em seu caminho de busca (search path):

tar xvfz postgis-2.5.0dev.tar.gz
cd postgis-2.5.0dev
./configure
make
make install

Assim que o PostGIS esteja instalado, ele precisa ser habilitado em cada banco de dados que você deseje utilizá-lo.

[Note]

O suporte a raster é opcional, mas é instalado por padrão. Para instalar utilizando o modelo PostgreSQL 9.1 ou maior, o suporte a raster é requerido. Utilizar a extensão é preferido e mais amigável. Para habilitar espacialmente seu banco de dados:

psql -d yourdatabase -c "CREATE EXTENSION postgis;"
psql -d yourdatabase -c "CREATE EXTENSION postgis_topology;"
-- if you built with sfcgal support --
psql -d yourdatabase -c "CREATE EXTENSION postgis_sfcgal;"

-- if you want to install tiger geocoder --
psql -d yourdatabase -c "CREATE EXTENSION fuzzystrmatch"
psql -d yourdatabase -c "CREATE EXTENSION postgis_tiger_geocoder;"

-- if you installed with pcre
-- you should have address standardizer extension as well
psql -d yourdatabase -c "CREATE EXTENSION address_standardizer;"

Para maiores detalhes sobre pesquisa de extensões instaladas e disponíves e atualizações, veja: Section 2.4.3, “Contruindo extensões PostGIS e implantado-as”

Para os que decidiram não instalar o suporte a raster ou preferem a versão antiga, aqui estão as instruções para você:

Todos os arquivos .sql depois de instalados estão disponíveis na pasta share/contrib/postgis-2.3 de sua instalação do PostgreSQL

createdb yourdatabase
createlang plpgsql yourdatabase
psql -d yourdatabase -f postgis.sql
psql -d yourdatabase -f postgis_comments.sql
psql -d yourdatabase -f spatial_ref_sys.sql
psql -d yourdatabase -f rtpostgis.sql
psql -d yourdatabase -f raster_comments.sql
psql -d yourdatabase -f topology.sql
psql -d yourdatabase -f topology_comments.sql
-- se você compilou com suporte a sfcgal --
psql -d yourdatabase -f sfcgal.sql
psql -d yourdatabase -f sfcgal_comments.sql

O restante deste capítulo entra em detalhes em cada uma das etapas de instalação acima.

Assim como no PostGIS 2.1.3, out-of-db raters e todos os dirvers rasters são desativados por padrão. para reativá-los você precisa configurar as variáveis de ambiente a seguir POSTGIS_GDAL_ENABLED_DRIVERS e POSTGIS_ENABLE_OUTDB_RASTERS no ambiente do servidor. Para PostGIS 2.2, você pode usar a cross-platform mais próxima da configuração correspondente Section 8.2, “Grandes Variáveis Unificadas Personalizadas do PostGIS (GUCs)”.

Se quiser ativar o raster offline:

POSTGIS_ENABLE_OUTDB_RASTERS=1

Qualquer outra configuração ou nenhuma configuração vai desabilitar o banco de dados rasters.

Se quiser ativar os drivers GDAL disponíveis na sua instalação GDAL, configure esta variável de ambiente como segue:

POSTGIS_GDAL_ENABLED_DRIVERS=ENABLE_ALL

Se você quiser ativar drivers específicos, configure sua variável de ambiente como segue:

POSTGIS_GDAL_ENABLED_DRIVERS="GTiff PNG JPEG GIF XYZ"
[Note]

Se você está no windows , não cite a lista de driver

Configurar as variáveis de ambiente muda dependendo do OS. Para PostgreSQL instalado no Ubuntu ou Debian via apt-postgresql, a forma preferida é editar/etc/postgresql/9.3/principal/environment na qual 9.3 refere à versão do PostgreSQL e principal refere ao grupo.

Se você está usando o Windows, você pode configurar via variáveis de sistema as quais, para o Windows 7, você pode conseguir clicando com botão direito em Computador->Propriedades Avançadas Configurações de Sistema ou navegando no explorador para Painel de Controle\Todos os Itens do Painel de Controle\ Sistema. Depois clicando em Configurações Avançadas de Sistema ->Avançado->Variáveis de Ambiente e adicionando novas variáveis no sistema.

Depois de configurar suas variáveis de ambiente, você precisará reiniciar seu serviço PostgreSQL para as mudanças acontecerem.

2.2. Instalando pacotes requeridos

PostGIS tem os seguintes requisitos para a construção e uso:

Necessário

  • PostgreSQL 9.3 ou superior. A instalação completa do PostgreSQL (incluindo cabeçalhos de servidor) é necessária. PostgreSQL está disponível a partir do http://www.postgresql.org .

    Para uma matriz completa de suporte do PostgreSQL / PostGIS e do PostGIS/GEOS veja em http://trac.osgeo.org/postgis/wiki/UsersWikiPostgreSQLPostGIS

  • Compilador GNU C ( gcc). Alguns outros compiladores ANSI C podem ser utilizados para compilar o PostGIS, mas nós encontramos menos problemas ao compilar com gcc.

  • GNU Make (gmake ou make). Para varios sistemas, GNU make é a versão padrão do make. Verifique a versão invocando make -v. Outras versões do make pode não processar o PostGIS Makefile corretamente.

  • Biblioteca de reprojeção Proj4, versão 4.6.0 ou superior. A biblioteca Proj4 é utilizada para fornecer suporte a reprojeção de coordenadas dentro do PostGIS. O Proj4 esta disponível para Download em http://trac.osgeo.org/proj/ .

  • A biblioteca de geometria do GEOS, versão 3.3 ou superior, mas a versão GEOS 3.5+ é recomendada para tirar vantagem completa de todas as funções e recursos novos. Sem o GEOS 3.5, você estará perdendo algumas das maiores melhorias como ST_ClipByBox2D e ST_Subdivide. GEOS está disponível para download em http://trac.osgeo.org/geos/ e a versão 3.4+ está relativamente atrasada com versões mais antigas e até então seguras para atualização.

  • LibXML2, versão 2.5.x ou superior. LibXML2 é atualmente utilizado em algumas funções de importação (ST_GeomFromGML and ST_GeomFromKML). LibXML2 está disponível para baixar em http://xmlsoft.org/downloads.html.

  • JSON-C, versão 0.9 ou maior. JSON-C é atualmente utilizado para importar GeoJSON através da função ST_GeomFromGeoJson. JSON-C está disponível para download em https://github.com/json-c/json-c/releases/.

  • GDAL, versão 1.8 ou maior (1.9 ou maior é fortemente recomendado, já que algumas coisas não funcionam bem ou se comportam de maneira diferente das versões mais antigas). Isto é pré-requisito para suporte a raster e para instalar o PostGIS via CREATE EXTENSION postgis, e é muito recomendado para todos rodando o PostgreSQL 9.1 ou maior. http://trac.osgeo.org/gdal/wiki/DownloadSource.

Opcional

  • GDAL (pseudo opcional) somente se você não quer o suporte o raster e não se importa pela instalação através do comando CREATE EXTENSION postgis. Lembre-se que outras extensões podem requerer o PostGIS como uma extensão, que irá impedi-lo de instalá-las. É altamente recomendado que você compile o PostGIS com suporte a raster.

    Certifique-se também de ativar os dispositivos que deseja usar como está descrito em Section 2.1, “Versão Reduzida”.

  • GTK (requer GTK+2.0, 2.8+) para compilar o shp2pgsql-gui para formar o carregador de arquivo. http://www.gtk.org/ .

  • SFCGAL, versão 1.1 (ou superior) poderia ser usada para fornecer funções de análise 2D e 3D adicionais para o POstGIS cf Section 8.10, “SFCGAL Funções”. Também permite usar o SFCGAL além do GEOS para algumas funções 2D fornecidas por ambos (como ST_Intersection ou ST_Area, por enquanto). A variável de configuração postgis.backend do PostgreSQL permite ao usuário controlar qual backend pretende usar caso o SFCGAL estiver instalado (GEOS é o padrão). Nota: SFCGAL 1.2 depende pelo menos do CGAL 4.3 e Boost 1.54 (cf: http://oslandia.github.io/SFCGAL/installation.html) https://github.com/Oslandia/SFCGAL.

  • Com a intenção de construir o Chapter 12, Padronizador de endereço você também irá precisar do PCRE http://www.pcre.org (que normalmente já está instalado nos sistemas nix). Regex::Assemble o pacote perl CPAN só é necessário se quiser reconstruir os dados encoded em parseaddress-stcities.h. Chapter 12, Padronizador de endereço vai automaticamente ser construída se ele detectar uma biblioteca PCRE, ou você passa em um válido --with-pcre-dir=/path/to/pcre durante a configuração.

  • To enable ST_AsMVT protobuf-c library (for usage) and the protoc-c compiler (for building) are required. Also, pkg-config is required to verify the correct minimum version of protobuf-c. See protobuf-c.

  • CUnit (CUnit). Isto é necessário para o teste de regressão. http://cunit.sourceforge.net/

  • DocBook (xsltproc)é necessário para a construção da documentação. Docbook esta disponível em http://www.docbook.org/ .

  • DBLatex (dblatex) é necessário para a construção da documentação em formato PDF. DBLatex está disponível em http://dblatex.sourceforge.net/ .

  • ImageMagick (convert) é necessário para gerar as imagens usadas na documentação. ImageMagick está disponível em http://www.imagemagick.org/ .

2.3. Obtendo o Fonte

Obtenha o fonte do PostGIS através da seção de downloads do website http://postgis.net/stuff/postgis-2.5.0dev.tar.gz

wget http://postgis.net/stuff/postgis-2.5.0dev.tar.gz
tar -xvzf postgis-2.5.0dev.tar.gz

Isto irá criar um diretório chamado postgis-2.5.0dev no diretório de trabalho atual.

Outra alternativa ,é o checkout da fonte do svn repository http://svn.osgeo.org/postgis/trunk/ .

svn checkout http://svn.osgeo.org/postgis/trunk/ postgis-2.5.0dev

Mude para o recém criado postgis-2.5.0dev diretório para continuar a instalação.

2.4. Compilando e instalando da fonte: detalhado

[Note]

Muitos sistemas operacionas agora incluem pacotes pré-compilados para PostgreSQL / PostGIS. Em muitos casos, a compilação só é necessário se você quiser as versões ponta ou você é um mantenedor do pacote.

Esta seção inclui instruções gerais de compilação, se você está compilando para Windows etc ou outro sistema operacional, você pode encontrar ajuda mais detalhada adicional no PostGIS User contributed compile guides e PostGIS Dev Wiki.

Pacotes pré-instalados para vários SO estão listados no PostGIS Pre-built Packages

Se você é um usuário windows, você pode obter builds estáveis via Stackbuilder PostGIS Windows download site Também builds experimentais para windows são builds lançadadas geramente uma ou duas vezes por semana ou sempre que algo emocionante acontece. Você pode usá-los para experimentar os lançamentos em progresso de PostGIS

O módulo PostGIS é uma extensão para o servidor PostgreSQL. Além disso, PostGIS 2.5.0dev requer acesso completo ao PostgreSQL para compilação. Isso pode ser feito no PostgreSQL 9.3 ou superior. Versão anteriores não são compatíveis.

Refere-se ao guia de instalação do PostgreSQL se você ainda não tiver instalado o PostgreSQL http://www.postgresql.org .

[Note]

Para funcionalidade da GEOS, quando você instalar o PostgreSQL você pode ter que linkar explicitamente o PostgreSQL contra a biblioteca padrão C++:

LDFLAGS=-lstdc++ ./configure [SUAS OPÇÕES AQUI]

Isto é uma forma de contornar as exceções falso-positivas da interação do C++ com ferramentas de desenvolvimento mais antigas. Se você experimentar problemas estranho (backend fechando de forma inesperada ou coisas similares), tente este truque. Isto irá requerir que você compile o PostgreSQL do zero, claro.

Os passos a seguir demonstram a configuração e compilação dos fontes do PostGIS. Eles são escritos para usuários de Linux e não funcionarão em Windows ou Mac.

2.4.1. Configuração

Como a maior parte das instalações Linux, o primeiro passo é gerar o Makefile que será utilizado para construção do código fonte. Isto é feito utilizando o script shell

./configure

Sem parâmetros adicionais, este comando tentará automaticamente localizar os componentes necessários e bibliotecas para construção do fonte do PostGIS em seu sistema. Embora esta é a forma comum de uso do ./configure, o script aceita diversos parâmetros para aqueles que tem as bibliotecas e programas necessários em localizações do sistema operacional que não são padrão.

A lista a seguir mostra apenas os parâmetros comumente utilizados. Para uma lista completa, utilize os parâmetros --help ou --help=short.

--prefix=PREFIX

Esta é a localização onde as bibliotecas do PostGIS e scripts SQL serão instalados. Por padrão, esta localização é a mesma detectada pela instalação do PostgreSQL.

[Caution]

Este parâmetro está atualmente sem funcionalidade, já que o pacote somente irá instalar na localização do PostgreSQL. Visite http://trac.osgeo.org/postgis/ticket/635 para acompanhar este bug.

--with-pgconfig=FILE

O PostgreSQL oferece um utilitário chamado pg_config para habilitar extensões como o PostGIS a localizar a instalação do PostgreSQL. Use o parâmetro (--with-pgconfig=/path/to/pg_config para especificar manualmente uma instalação específica do PostgreSQL que será usada pelo PostGIS.

--with-gdalconfig=FILE

GDAL, uma biblioteca requerida, provê funcionalidades necessárias para o suporte a raster. Use o comando gdal-config para localizar o diretório de instalação da GDAL. Use este parâmetro (--with-gdalconfig=/path/to/gdal-config) para manualmente especificar uma instalação em particular da GDAL que o PostGIS irá utilizar.

--with-geosconfig=FILE

GEOS é uma biblioteca requerida, dá um utilitário chamado geos-config para localizar o diretório de instalação da GEOS. Use este parâmetro (--with-geosconfig=/path/to/geos-config) para especificar manualmente uma instalação da GEOS que o PostGIS irá utilizar.

--with-xml2config=FILE

LibXML é a biblioteca exigida para fazer os processos GeomFormKML/GML. É encontrada normalmente se você tem o libxml instalado, mas se não tiver ou quiser uma versão específica usada, você precisará apontar o PosGIS para um confi file xml2-config específico para ativar as instalações de software para localizar a lista de instalação do LibXML. Use esse parâmetro ( >--with-xml2config=/path/to/xml2-config) para especificar manualmente uma instalação do LibXML que o PostGIS irá construir contra.

--with-projdir=DIR

A Proj4 é uma bilbioteca pra reprojeção de coordenadas, na qual o PostGIS depende. Use este parâmetro (--with-projdir=/path/to/projdir para especificar manualmente uma instalação do Proj4 que o PostGIS irá utilizar para compilação.

--with-libiconv=DIR

Diretório onde o iconv esta instalado.

--with-jsondir=DIR

JSON-C é uma biblioteca MIT-licensed JSON exigida pelo suporte PostGIS ST_GeomFromJSON . Use esse parâmetro (--with-jsondir=/path/to/jsondir) para especificar manualmente uma instalação do JSON-C que o PostGIS irá construir contra.

--with-pcredir=DIR

PCRE é uma biblioteca BSD-licensed Perl Compatible Regular Expression requerida pela extensão address_standardizer. Use esse parâmetro (--with-pcredir=/path/to/pcredir) para especificar manualmente uma instalação do PCRE que o PostGIS irá construir contra.

--with-gui

Compile a interface de usuário para importação de dados (requer GTK+2.0). Isto irá criar a ferramenta de interface gráfica shp2pgsql-gui para o utilitário shp2pgsql.

--with-raster

Compilar com o suporte raster. Isto irá compilar a biblioteca rtpostgis-2.5.0dev e o arquivo rtpostgis.sql. Isto não é requerido e na versão final de lançamento o plano é compilar o suporte raster por default.

--without-topology

Compilar com suporte a topologia. Isto irá compilar o arquivo topology.sql. Não existe biblioteca correspondente, já que toda lógica para topologia está incluída na biblioteca postgis-2.5.0dev.

--with-gettext=no

Por padrão o PostGIS vai tentar detectar o suporte gettext e compilar com ele, porém se você tiver problemas incompatíveis que causem dano de carregamento, você pode o desabilitar com esse comando. Referir-se ao ticket http://trac.osgeo.org/postgis/ticket/748 para um exemplo de problema resolvido configurando com este. NOTA: que você não está perdendo muito desligando isso. É usado para ajuda internacional para o carregador GUI que ainda não está documentado e permanece experimental.

--with-sfcgal=PATH

Por padrão PostGIS não tentará instalar com suporte sfcgal sem esta mudança. PATH é um argumento opcional que permite especificar um PATH alternativo para sfcgal-config.

[Note]

Se conseguiu o PostGIS do SVN depósito , o primeiro passo é fazer funcionar o script

./autogen.sh

Este script gera a configurar script que na volta é usada para personalizar a instalação do PostGIS.

Se em vez de conseguir o PostGIS como tarball, rodando ./autogen.sh não é necessariamente como configurar já foi gerado.

2.4.2. Construindo

Uma vez que o Makefile tenha sido gerado, compilar o PostGIS é simples como rodar o comando

make

A última linha da saída deve ser "PostGIS was built successfully. Ready to install.."

Bem como PostGIS v1.4.0, todas as funções têm comentários gerados a partir da documentação. Se desejar instalar esses comentários nas suas geodatabases depois, rode o comando que exige o docbook. O portgis_comments.sql e outros pacotes de arquivos de comentários raster_comments.sql, topology_comments.sql também são empacotados na distribuição tar.gz no folder do documento, logo não precisa fazer comentários se instalar do tar ball.

fazer comentários

Apresentado ao PostGIS 2.0. Isto gera html cheat sheets adequadas para referências rápidas ou para handouts dos estudantes. Exige xsltproc para construir e vai gerar 4 arquivos no folder do documento topology_cheatsheet.html, tiger_geocoder_cheatsheet.html, raster_cheatsheet.html, postgis_cheatsheet.html

Você pode baixar alguns pre-construídos disponíveis em html e pdf de PostGIS / PostgreSQL Study Guides

faça anotações

2.4.3. Contruindo extensões PostGIS e implantado-as

As extensões do PostGIS são contruídas e instaladas automaticamente se você estiver usando PostgreSQL 9.1 ou superior.

Se você está compilando do repositório, você precisa de compilar a função de descrições primeiro. Estas são compiladas se você possui o docbook instalado. Você pode também construir manualmente com o comando:

fazer comentários

Construir a documentação não é necessário se você está construindo de uma versão de lançamento no formato tar ball, já que estas são empacotadas pré-construídas com o tar ball.

Se você está construindo o PostGIS contra o PostgreSQL 9.1, as extensão devem ser automaticamente construídas como parte do processo de make. Você pode, contudo, se necessário, construir das pastas de extensões ou copiar os arquivos se você precisar dos mesmos em um servidor diferente.

cd extensions
cd postgis
make clean
make
make install
cd ..
cd postgis_topology
make clean
make
make install
cd ..
cd postgis_sfcgal
make clean
make
make install

cd ..
cd address_standardizer
make clean
make
make install
make installcheck

cd ..
cd postgis_tiger_geocoder
make clean
make
make install
make installcheck
          

Os arquivos de extensões sempre serão os mesmos para a mesma versão do PostGIS, independente do Sistemas Operacional, então é fácil copiar os arquivos de extensão de um sistema operacional para outro, desde que você tenha os binários do PostGIS instalados em seus servidores.

Se você deseja instalar as extensões manualmente em um servidor diferente, do seu servidor de desenvolvimento, você precisará copiar os seguintes arquivos da pasta de extensões para a pastaPostgreSQL /share/extension da sua instalação do PostgreSQL, bem como os binários necessários para o PostGIS, se você não os tem ainda no servidor de destino.

  • Existe arquivos de controle que denotam informações como a versão da extensão a ser instalada, caso não seja especificada. postgis.control, postgis_topology.control.

  • Todos os arquivos na pasta /sql de cada extensão. Note que estes precisam ser copiados para a raiz da pasta share/extension do PostgreSQL extensions/postgis/sql/*.sql, extensions/postgis_topology/sql/*.sql

Quando você finalizar este processo, você deverá ver postgis, postgis_topology como extensões disponíveis no PgAdmin -> Extensões.

Se você está utilizando psql, pode verificar quais estensões estão instaladas executando essa query:

SELECT name, default_version,installed_version
FROM pg_available_extensions WHERE name LIKE 'postgis%' or name LIKE 'address%';

             name             | default_version | installed_version
------------------------------+-----------------+-------------------
 address_standardizer         | 2.5.0dev         | 2.5.0dev
 address_standardizer_data_us | 2.5.0dev         | 2.5.0dev
 postgis                      | 2.5.0dev         | 2.5.0dev
 postgis_sfcgal               | 2.5.0dev         |
 postgis_tiger_geocoder       | 2.5.0dev         | 2.5.0dev
 postgis_topology             | 2.5.0dev         |
(6 rows)

Se você tem a extensão instalada no banco de dados de seu interesse, você a verá mencionada na coluna installed_version. Se você não receber nenhum registro de volta, significa que você não tem extensões do PostGIS instaladas no servidor. PgAdmin III 1.14+ também irá lhe dar esta informação na seção extensions do navegador de banco de dados e até permitirá o upgrade ou a desinstação utilizando o clique com o botão direito.

Se você tem extensões disponíveis, pode instalar a extensão postgis no seu database escolhido usando a interface da extensão pgAdmin ou rodando esses comandos sql:

CREATE EXTENSION postgis;
CREATE EXTENSION postgis_sfcgal;
CREATE EXTENSION fuzzystrmatch; --needed for postgis_tiger_geocoder
--optional used by postgis_tiger_geocoder, or can be used standalone
CREATE EXTENSION address_standardizer;
CREATE EXTENSION address_standardizer_data_us;
CREATE EXTENSION postgis_tiger_geocoder;
CREATE EXTENSION postgis_topology;

No psql você pode ver quais versões foram instaladas e qual esquema eles estão instalando.

\connect mygisdb
\x
\dx postgis*
List of installed extensions
-[ RECORD 1 ]-------------------------------------------------
-
Name        | postgis
Version     | 2.5.0dev
Schema      | public
Description | PostGIS geometry, geography, and raster spat..
-[ RECORD 2 ]-------------------------------------------------
-
Name        | postgis_tiger_geocoder
Version     | 2.5.0dev
Schema      | tiger
Description | PostGIS tiger geocoder and reverse geocoder
-[ RECORD 3 ]-------------------------------------------------
-
Name        | postgis_topology
Version     | 2.5.0dev
Schema      | topology
Description | PostGIS topology spatial types and functions
[Warning]

Extensões table spatial_ref_sys, layer, topology não podem ter o backup feito explicitamente. Só podem ser feito o backup quando a respectiva postgis ou postgis_topology extensão estiver com o backup feito, o que só acontece quando você faz backup de todo o database. Assim como PostGIS 2.0.1, somente os registros srid não compactados com o PostGIS tem o backup quando há o backup do database, então não faça mudanças nos srids que nós compactamos e espere que suas mudanças estejam lá. Coloque em um em um bilhete se encontrar algum problema. As estruturas de extensões table nunca têm o backup feito desde que elas são criadas com CREATE EXTENSION e supostas a serem as mesmas para uma dada versão de uma extensão. Estes comportamentos são construídos na extensão atual do PostSQL, portanto não há nada que possamos fazer a respeito.

Se você instalou 2.5.0dev sem usar nosso sistema de extensão maravilhoso, você pode mudar para uma extensão baseada em primeiro atualizando para a última micro versão rodando as scripts atualizadas: postgis_upgrade_22_minor.sql,raster_upgrade_22_minor.sql,topology_upgrade_22_minor.sql.

Se você instalou postgis sem o auxílio raster, você vai precisar instalar o auxílio raster primeiro (usando o completo rtpostgis.sql

Então você poderá rodar os comandos abaixo para compactar as funções nas suas respectivas extensões.

CREATE EXTENSION postgis FROM unpackaged;
CREATE EXTENSION postgis_topology FROM unpackaged;
CREATE EXTENSION postgis_tiger_geocoder FROM unpackaged;

2.4.4. Testando

Se desejar testar o PostGIS, rode

make check

O comando acima irá rodar através de várias verificações e testes de regressão usando a biblioteca gerada contra o database do PostreSQL atual.

[Note]

Se você configurou o PostGIS usando o não padronizado PostgreSQL, GEOS, ou Proj4 localizações, talvez você precise adicionar a biblioteca de localizações deles à LD_LIBRARY_PATH variável de ambiente.

[Caution]

Atualmente, o faz verificação confia nas variáveis de ambiente PATH e PGPORT quando vai fazer as verificações - ele não usa a versão PostgreSQL que talvez tenha sido especificada utilizando o parâmetro de configuração --with-pgconfig. Portanto, certifique-se que para modificar seu PATH para ser compatível com a instalação do PostgreSQL detectada durante a configuração ou esteja preparado para iminentes aborrecimentos.

Se tiver êxito, a saída do teste deve ser parecida com a subsequente:

CUnit - A unit testing framework for C - Version 2.1-2
     http://cunit.sourceforge.net/


Suite: computational_geometry
  Test: test_lw_segment_side ...passed
  Test: test_lw_segment_intersects ...passed
  Test: test_lwline_crossing_short_lines ...passed
  Test: test_lwline_crossing_long_lines ...passed
  Test: test_lwline_crossing_bugs ...passed
  Test: test_lwpoint_set_ordinate ...passed
  Test: test_lwpoint_get_ordinate ...passed
  Test: test_point_interpolate ...passed
  Test: test_lwline_clip ...passed
  Test: test_lwline_clip_big ...passed
  Test: test_lwmline_clip ...passed
  Test: test_geohash_point ...passed
  Test: test_geohash_precision ...passed
  Test: test_geohash ...passed
  Test: test_geohash_point_as_int ...passed
  Test: test_isclosed ...passed
  Test: test_lwgeom_simplify ...passed
Suite: buildarea
  Test: buildarea1 ...passed
  Test: buildarea2 ...passed
  Test: buildarea3 ...passed
  Test: buildarea4 ...passed
  Test: buildarea4b ...passed
  Test: buildarea5 ...passed
  Test: buildarea6 ...passed
  Test: buildarea7 ...passed
Suite: geometry_clean
  Test: test_lwgeom_make_valid ...passed
Suite: clip_by_rectangle
  Test: test_lwgeom_clip_by_rect ...passed
Suite: force_sfs
  Test: test_sfs_11 ...passed
  Test: test_sfs_12 ...passed
  Test: test_sqlmm ...passed
Suite: geodetic
  Test: test_sphere_direction ...passed
  Test: test_sphere_project ...passed
  Test: test_lwgeom_area_sphere ...passed
  Test: test_signum ...passed
  Test: test_gbox_from_spherical_coordinates ...passed
  Test: test_gserialized_get_gbox_geocentric ...passed
  Test: test_clairaut ...passed
  Test: test_edge_intersection ...passed
  Test: test_edge_intersects ...passed
  Test: test_edge_distance_to_point ...passed
  Test: test_edge_distance_to_edge ...passed
  Test: test_lwgeom_distance_sphere ...passed
  Test: test_lwgeom_check_geodetic ...passed
  Test: test_gserialized_from_lwgeom ...passed
  Test: test_spheroid_distance ...passed
  Test: test_spheroid_area ...passed
  Test: test_lwpoly_covers_point2d ...passed
  Test: test_gbox_utils ...passed
  Test: test_vector_angle ...passed
  Test: test_vector_rotate ...passed
  Test: test_lwgeom_segmentize_sphere ...passed
  Test: test_ptarray_contains_point_sphere ...passed
  Test: test_ptarray_contains_point_sphere_iowa ...passed
Suite: GEOS
  Test: test_geos_noop ...passed
  Test: test_geos_subdivide ...passed
  Test: test_geos_linemerge ...passed
Suite: Clustering
  Test: basic_test ...passed
  Test: nonsequential_test ...passed
  Test: basic_distance_test ...passed
  Test: single_input_test ...passed
  Test: empty_inputs_test ...passed
Suite: Clustering Union-Find
  Test: test_unionfind_create ...passed
  Test: test_unionfind_union ...passed
  Test: test_unionfind_ordered_by_cluster ...passed
Suite: homogenize
  Test: test_coll_point ...passed
  Test: test_coll_line ...passed
  Test: test_coll_poly ...passed
  Test: test_coll_coll ...passed
  Test: test_geom ...passed
  Test: test_coll_curve ...passed
Suite: encoded_polyline_input
  Test: in_encoded_polyline_test_geoms ...passed
  Test: in_encoded_polyline_test_precision ...passed
Suite: geojson_input
  Test: in_geojson_test_srid ...passed
  Test: in_geojson_test_bbox ...passed
  Test: in_geojson_test_geoms ...passed
Suite: twkb_input
  Test: test_twkb_in_point ...passed
  Test: test_twkb_in_linestring ...passed
  Test: test_twkb_in_polygon ...passed
  Test: test_twkb_in_multipoint ...passed
  Test: test_twkb_in_multilinestring ...passed
  Test: test_twkb_in_multipolygon ...passed
  Test: test_twkb_in_collection ...passed
  Test: test_twkb_in_precision ...passed
Suite: serialization/deserialization
  Test: test_typmod_macros ...passed
  Test: test_flags_macros ...passed
  Test: test_serialized_srid ...passed
  Test: test_gserialized_from_lwgeom_size ...passed
  Test: test_gbox_serialized_size ...passed
  Test: test_lwgeom_from_gserialized ...passed
  Test: test_lwgeom_count_vertices ...passed
  Test: test_on_gser_lwgeom_count_vertices ...passed
  Test: test_geometry_type_from_string ...passed
  Test: test_lwcollection_extract ...passed
  Test: test_lwgeom_free ...passed
  Test: test_lwgeom_flip_coordinates ...passed
  Test: test_f2d ...passed
  Test: test_lwgeom_clone ...passed
  Test: test_lwgeom_force_clockwise ...passed
  Test: test_lwgeom_calculate_gbox ...passed
  Test: test_lwgeom_is_empty ...passed
  Test: test_lwgeom_same ...passed
  Test: test_lwline_from_lwmpoint ...passed
  Test: test_lwgeom_as_curve ...passed
  Test: test_lwgeom_scale ...passed
  Test: test_gserialized_is_empty ...passed
  Test: test_gbox_same_2d ...passed
Suite: measures
  Test: test_mindistance2d_tolerance ...passed
  Test: test_rect_tree_contains_point ...passed
  Test: test_rect_tree_intersects_tree ...passed
  Test: test_lwgeom_segmentize2d ...passed
  Test: test_lwgeom_locate_along ...passed
  Test: test_lw_dist2d_pt_arc ...passed
  Test: test_lw_dist2d_seg_arc ...passed
  Test: test_lw_dist2d_arc_arc ...passed
  Test: test_lw_arc_length ...passed
  Test: test_lw_dist2d_pt_ptarrayarc ...passed
  Test: test_lw_dist2d_ptarray_ptarrayarc ...passed
  Test: test_lwgeom_tcpa ...passed
  Test: test_lwgeom_is_trajectory ...passed
Suite: effectivearea
  Test: do_test_lwgeom_effectivearea_lines ...passed
  Test: do_test_lwgeom_effectivearea_polys ...passed
Suite: miscellaneous
  Test: test_misc_force_2d ...passed
  Test: test_misc_simplify ...passed
  Test: test_misc_count_vertices ...passed
  Test: test_misc_area ...passed
  Test: test_misc_wkb ...passed
  Test: test_grid ...passed
Suite: noding
  Test: test_lwgeom_node ...passed
Suite: encoded_polyline_output
  Test: out_encoded_polyline_test_geoms ...passed
  Test: out_encoded_polyline_test_srid ...passed
  Test: out_encoded_polyline_test_precision ...passed
Suite: geojson_output
  Test: out_geojson_test_precision ...passed
  Test: out_geojson_test_dims ...passed
  Test: out_geojson_test_srid ...passed
  Test: out_geojson_test_bbox ...passed
  Test: out_geojson_test_geoms ...passed
Suite: gml_output
  Test: out_gml_test_precision ...passed
  Test: out_gml_test_srid ...passed
  Test: out_gml_test_dims ...passed
  Test: out_gml_test_geodetic ...passed
  Test: out_gml_test_geoms ...passed
  Test: out_gml_test_geoms_prefix ...passed
  Test: out_gml_test_geoms_nodims ...passed
  Test: out_gml2_extent ...passed
  Test: out_gml3_extent ...passed
Suite: kml_output
  Test: out_kml_test_precision ...passed
  Test: out_kml_test_dims ...passed
  Test: out_kml_test_geoms ...passed
  Test: out_kml_test_prefix ...passed
Suite: svg_output
  Test: out_svg_test_precision ...passed
  Test: out_svg_test_dims ...passed
  Test: out_svg_test_relative ...passed
  Test: out_svg_test_geoms ...passed
  Test: out_svg_test_srid ...passed
Suite: x3d_output
  Test: out_x3d3_test_precision ...passed
  Test: out_x3d3_test_geoms ...passed
  Test: out_x3d3_test_option ...passed
Suite: ptarray
  Test: test_ptarray_append_point ...passed
  Test: test_ptarray_append_ptarray ...passed
  Test: test_ptarray_locate_point ...passed
  Test: test_ptarray_isccw ...passed
  Test: test_ptarray_signed_area ...passed
  Test: test_ptarray_unstroke ...passed
  Test: test_ptarray_insert_point ...passed
  Test: test_ptarray_contains_point ...passed
  Test: test_ptarrayarc_contains_point ...passed
  Test: test_ptarray_scale ...passed
Suite: printing
  Test: test_lwprint_default_format ...passed
  Test: test_lwprint_format_orders ...passed
  Test: test_lwprint_optional_format ...passed
  Test: test_lwprint_oddball_formats ...passed
  Test: test_lwprint_bad_formats ...passed
Suite: SFCGAL
  Test: test_sfcgal_noop ...passed
Suite: split
  Test: test_lwline_split_by_point_to ...passed
  Test: test_lwgeom_split ...passed
Suite: stringbuffer
  Test: test_stringbuffer_append ...passed
  Test: test_stringbuffer_aprintf ...passed
Suite: surface
  Test: triangle_parse ...passed
  Test: tin_parse ...passed
  Test: polyhedralsurface_parse ...passed
  Test: surface_dimension ...passed
Suite: Internal Spatial Trees
  Test: test_tree_circ_create ...passed
  Test: test_tree_circ_pip ...passed
  Test: test_tree_circ_pip2 ...passed
  Test: test_tree_circ_distance ...passed
  Test: test_tree_circ_distance_threshold ...passed
Suite: triangulate
  Test: test_lwgeom_delaunay_triangulation ...passed
Suite: twkb_output
  Test: test_twkb_out_point ...passed
  Test: test_twkb_out_linestring ...passed
  Test: test_twkb_out_polygon ...passed
  Test: test_twkb_out_multipoint ...passed
  Test: test_twkb_out_multilinestring ...passed
  Test: test_twkb_out_multipolygon ...passed
  Test: test_twkb_out_collection ...passed
  Test: test_twkb_out_idlist ...passed
Suite: varint
  Test: test_zigzag ...passed
  Test: test_varint ...passed
  Test: test_varint_roundtrip ...passed
Suite: wkb_input
  Test: test_wkb_in_point ...passed
  Test: test_wkb_in_linestring ...passed
  Test: test_wkb_in_polygon ...passed
  Test: test_wkb_in_multipoint ...passed
  Test: test_wkb_in_multilinestring ...passed
  Test: test_wkb_in_multipolygon ...passed
  Test: test_wkb_in_collection ...passed
  Test: test_wkb_in_circularstring ...passed
  Test: test_wkb_in_compoundcurve ...passed
  Test: test_wkb_in_curvpolygon ...passed
  Test: test_wkb_in_multicurve ...passed
  Test: test_wkb_in_multisurface ...passed
  Test: test_wkb_in_malformed ...passed
Suite: wkb_output
  Test: test_wkb_out_point ...passed
  Test: test_wkb_out_linestring ...passed
  Test: test_wkb_out_polygon ...passed
  Test: test_wkb_out_multipoint ...passed
  Test: test_wkb_out_multilinestring ...passed
  Test: test_wkb_out_multipolygon ...passed
  Test: test_wkb_out_collection ...passed
  Test: test_wkb_out_circularstring ...passed
  Test: test_wkb_out_compoundcurve ...passed
  Test: test_wkb_out_curvpolygon ...passed
  Test: test_wkb_out_multicurve ...passed
  Test: test_wkb_out_multisurface ...passed
  Test: test_wkb_out_polyhedralsurface ...passed
Suite: wkt_input
  Test: test_wkt_in_point ...passed
  Test: test_wkt_in_linestring ...passed
  Test: test_wkt_in_polygon ...passed
  Test: test_wkt_in_multipoint ...passed
  Test: test_wkt_in_multilinestring ...passed
  Test: test_wkt_in_multipolygon ...passed
  Test: test_wkt_in_collection ...passed
  Test: test_wkt_in_circularstring ...passed
  Test: test_wkt_in_compoundcurve ...passed
  Test: test_wkt_in_curvpolygon ...passed
  Test: test_wkt_in_multicurve ...passed
  Test: test_wkt_in_multisurface ...passed
  Test: test_wkt_in_tin ...passed
  Test: test_wkt_in_polyhedralsurface ...passed
  Test: test_wkt_in_errlocation ...passed
Suite: wkt_output
  Test: test_wkt_out_point ...passed
  Test: test_wkt_out_linestring ...passed
  Test: test_wkt_out_polygon ...passed
  Test: test_wkt_out_multipoint ...passed
  Test: test_wkt_out_multilinestring ...passed
  Test: test_wkt_out_multipolygon ...passed
  Test: test_wkt_out_collection ...passed
  Test: test_wkt_out_circularstring ...passed
  Test: test_wkt_out_compoundcurve ...passed
  Test: test_wkt_out_curvpolygon ...passed
  Test: test_wkt_out_multicurve ...passed
  Test: test_wkt_out_multisurface ...passed

Run Summary:    Type  Total    Ran Passed Failed Inactive
              suites     38     38    n/a      0        0
               tests    251    251    251      0        0
             asserts   2468   2468   2468      0      n/a

Elapsed time =    0.298 seconds

Creating database 'postgis_reg'
Loading PostGIS into 'postgis_reg'
  /projects/postgis/branches/2.2/regress/00-regress-install/share/contrib/postgis/postgis.sql
  /projects/postgis/branches/2.2/regress/00-regress-install/share/contrib/postgis/postgis_comments.sql
Loading SFCGAL into 'postgis_reg'
  /projects/postgis/branches/2.2/regress/00-regress-install/share/contrib/postgis/sfcgal.sql
  /projects/postgis/branches/2.2/regress/00-regress-install/share/contrib/postgis/sfcgal_comments.sql
PostgreSQL 9.4.4, compiled by Visual C++ build 1800, 32-bit
  Postgis 2.2.0dev - r13980 - 2015-08-23 06:13:07
  scripts 2.2.0dev r13980
  GEOS: 3.5.0-CAPI-1.9.0 r4088
  PROJ: Rel. 4.9.1, 04 March 2015
  SFCGAL: 1.1.0

Running tests

 loader/Point .............. ok
 loader/PointM .............. ok
 loader/PointZ .............. ok
 loader/MultiPoint .............. ok
 loader/MultiPointM .............. ok
 loader/MultiPointZ .............. ok
 loader/Arc .............. ok
 loader/ArcM .............. ok
 loader/ArcZ .............. ok
 loader/Polygon .............. ok
 loader/PolygonM .............. ok
 loader/PolygonZ .............. ok
 loader/TSTPolygon ......... ok
 loader/TSIPolygon ......... ok
 loader/TSTIPolygon ......... ok
 loader/PointWithSchema ..... ok
 loader/NoTransPoint ......... ok
 loader/NotReallyMultiPoint ......... ok
 loader/MultiToSinglePoint ......... ok
 loader/ReprojectPts ........ ok
 loader/ReprojectPtsGeog ........ ok
 loader/Latin1 .... ok
 loader/Latin1-implicit .... ok
 loader/mfile .... ok
 dumper/literalsrid ....... ok
 dumper/realtable ....... ok
 affine .. ok
 bestsrid .. ok
 binary .. ok
 boundary .. ok
 cluster .. ok
 concave_hull .. ok
 ctors .. ok
 dump .. ok
 dumppoints .. ok
 empty .. ok
 forcecurve .. ok
 geography .. ok
 in_geohash .. ok
 in_gml .. ok
 in_kml .. ok
 in_encodedpolyline .. ok
 iscollection .. ok
 legacy .. ok
 long_xact .. ok
 lwgeom_regress .. ok
 measures .. ok
 operators .. ok
 out_geometry .. ok
 out_geography .. ok
 polygonize .. ok
 polyhedralsurface .. ok
 postgis_type_name .. ok
 regress .. ok
 regress_bdpoly .. ok
 regress_index .. ok
 regress_index_nulls .. ok
 regress_management .. ok
 regress_selectivity .. ok
 regress_lrs .. ok
 regress_ogc .. ok
 regress_ogc_cover .. ok
 regress_ogc_prep .. ok
 regress_proj .. ok
 relate .. ok
 remove_repeated_points .. ok
 removepoint .. ok
 setpoint .. ok
 simplify .. ok
 simplifyvw .. ok
 size .. ok
 snaptogrid .. ok
 split .. ok
 sql-mm-serialize .. ok
 sql-mm-circularstring .. ok
 sql-mm-compoundcurve .. ok
 sql-mm-curvepoly .. ok
 sql-mm-general .. ok
 sql-mm-multicurve .. ok
 sql-mm-multisurface .. ok
 swapordinates .. ok
 summary .. ok
 temporal .. ok
 tickets .. ok
 twkb .. ok
 typmod .. ok
 wkb .. ok
 wkt .. ok
 wmsservers .. ok
 knn .. ok
 hausdorff .. ok
 regress_buffer_params .. ok
 offsetcurve .. ok
 relatematch .. ok
 isvaliddetail .. ok
 sharedpaths .. ok
 snap .. ok
 node .. ok
 unaryunion .. ok
 clean .. ok
 relate_bnr .. ok
 delaunaytriangles .. ok
 clipbybox2d .. ok
 subdivide .. ok
 in_geojson .. ok
 regress_sfcgal .. ok
 sfcgal/empty .. ok
 sfcgal/geography .. ok
 sfcgal/legacy .. ok
 sfcgal/measures .. ok
 sfcgal/regress_ogc_prep .. ok
 sfcgal/regress_ogc .. ok
 sfcgal/regress .. ok
 sfcgal/tickets .. ok
 sfcgal/concave_hull .. ok
 sfcgal/wmsservers .. ok
 sfcgal/approximatemedialaxis .. ok
 uninstall .  /projects/postgis/branches/2.2/regress/00-regress-install/share/contrib/postgis/uninstall_sfcgal.sql
  /projects/postgis/branches/2.2/regress/00-regress-install/share/contrib/postgis/uninstall_postgis.sql
. ok (4336)

Run tests: 118
Failed: 0

-- if you built --with-gui, you should see this too

     CUnit - A unit testing framework for C - Version 2.1-2
     http://cunit.sourceforge.net/


Suite: Shapefile Loader File shp2pgsql Test
  Test: test_ShpLoaderCreate() ...passed
  Test: test_ShpLoaderDestroy() ...passed
Suite: Shapefile Loader File pgsql2shp Test
  Test: test_ShpDumperCreate() ...passed
  Test: test_ShpDumperDestroy() ...passed

Run Summary:    Type  Total    Ran Passed Failed Inactive
              suites      2      2    n/a      0        0
               tests      4      4      4      0        0
             asserts      4      4      4      0      n/a

As extensões postgis_tiger_geocoder and address_standardizer , atualmente só suportam o modelo PostgreSQL installcheck. Para testá-los use abaixo. Nota: fazer a instalação não é necessária se você já instalou na raiz do folder code do PostGIS.

Para address_standardizer:

cd extensions/address_standardizer
make install
make installcheck
          

Saída deve parecer com:

============== dropping database "contrib_regression" ==============
DROP DATABASE
============== creating database "contrib_regression" ==============
CREATE DATABASE
ALTER DATABASE
============== running regression test queries        ==============
test test-init-extensions     ... ok
test test-parseaddress        ... ok
test test-standardize_address_1 ... ok
test test-standardize_address_2 ... ok

=====================
 All 4 tests passed.
=====================

Para o geocoder tiger, certifique-se que você tem extensões portgis e fuzzystratch disponíveis no seu PostgreSQL. Os testes address_standardizer também irão desprezar se seus postgis construídos com address_standardizer suportar:

cd extensions/postgis_tiger_geocoder
make install
make installcheck
          

saída deve parecer com:

============== dropping database "contrib_regression" ==============
DROP DATABASE
============== creating database "contrib_regression" ==============
CREATE DATABASE
ALTER DATABASE
============== installing fuzzystrmatch               ==============
CREATE EXTENSION
============== installing postgis                     ==============
CREATE EXTENSION
============== installing postgis_tiger_geocoder      ==============
CREATE EXTENSION
============== installing address_standardizer        ==============
CREATE EXTENSION
============== running regression test queries        ==============
test test-normalize_address   ... ok
test test-pagc_normalize_address ... ok

=====================
All 2 tests passed.
=====================

2.4.5. Instalação

Para instalar o PostGIS, digite

make install

Isso irá copiar a instalação dos arquivos do PostGIS para suas subdireções específicas pelo --prefix parâmetro de configuração. Particularmente:

  • Os binários do carregador e do dumper estão instalados no [prefix]/bin.

  • Os arquivos SQL, como postgis.sql, estão instalados em [prefix]/share/contrib.

  • As bibliotecas do PostGIS estão instaladas em [prefix]/lib.

Se anteriormente você rodou o comando make comments para gerar o arquivo postgis_comments.sql, raster_comments.sql, instale o arquivo sql para executar

make comments-install

[Note]

postgis_comments.sql, raster_comments.sql, topology_comments.sql foi separado da construção típica e instalações alvo desde que como isso, veio a dependência extra do xsltproc.

2.5. Criando uma base de dados espacial usando EXTENSÕES

Se está usando o PostgreSQL 9.1+ e compilou e instalou as extensões/módulos postgis, você pode criar um banco de dados espacial de uma nova forma.

createdb [seubancodedados]

A extensão central postgis instala a geometria PostGIS, geografia, raster, spatial_ref_sys e todas as funções e comentários com um simples comando:

CRIAR EXTENSÃO postgis;

psql -d [SEU_BANCO_DE_DADOS] -c "CREATE EXTENSION postgis;"

Topologia é compactada como uma extensão separada e instalável com o comando:

psql -d [SEU_BANCO_DE_DADOS] -c "CREATE EXTENSION postgis_topology;"

Se planeja restaurar um backup antigo das primeiras versões nesse novo db, faça funcionar:

psql -d [yourdatabase] -f legacy.sql

Você pode usar uninstall_legacy.sql para livrar-se das funções menosprezadas depois de terminar de restaurar e limpar.

2.6. Criar um banco de dados espacialmente ativado de um template

[Note]

This is generally only needed if you built-PostGIS without raster support. Since raster functions are part of the postgis extension, extension support is not enabled if PostGIS is built without raster.

O primeiro passo para criar um banco de dados do PostGIS é criar um simples banco de dados PostSQL.

createdb [seubancodedados]

A maioria das funções do PostGIS são escritas na linguagem processual PL/pgSQL. Sendo assim, o próximo passo para criar o banco de dados do PostGIS é ativar a linguagem PL/pgSQL no seu novo banco de dados. Isso é atingido pelo comando abaixo comando. Para PostgreSQL 8.4+, normalmente ele já está instalado

createlang plpgsql [SEU_BANCO_DE_DADOS]

Agora, desloque o objeto e as definições de função do PostGIS para dentro do seu banco de dados carregando o postgis.sql arquivo das definições (localizado em [prefix]/share/contrib como especificado durante o passo de configuração).

psql -d [SEU_BANCO_DE_DADOS] -f postgis.sql

Para uma configuração completa do sistema coordenado de definição dos identificadores do EPSG, você também pode carregar o arquivo de definições spatial_ref_sys.sql e popularizar a table spatial_ref_sys. Isso irá permitir que você desempenhe operações ST_Transform() nas geometrias.

psql -d [SEU_BANCO_DE_DADOS] -f spatial_ref_sys.sql

Se deseja adicionar comentários às funções do PostGIS, o último passo é carregar o postgis_comments.sql no seu banco de dados espacial. Os comentários podem ser visualizados digitando \dd [function_name] de uma psql terminal window.

psql -d [SEU_BANCO_DE_DADOS] -f postgis_comments.sql

Instalar suporte a raster

psql -d [yourdatabase] -f rtpostgis.sql

Instale os comentários do suporte raster. Isso irá fornecer uma ajuda rápida para cada função raster usando psql ou PgAdmin ou qualquer outra ferramenta PostgreSQL que pode mostrar função comentários.

psql -d [SEU_BANCO_DE_DADOS] -f raster_comments.sql

Instalar suporte a topologia

psql -d [yourdatabase] -f topology/topology.sql

Instale os comentários do suporte de topologia. Isso irá fornecer uma ajuda rápida para cada função/tipo de topologia usando psql ou PgAdmin ou qualquer outra ferramenta PostgreSQL que pode mostrar função comentários

psql -d [yourdatabase] -f topology/topology_comments.sql

Se planeja restaurar um backup antigo das primeiras versões nesse novo db, faça funcionar:

psql -d [yourdatabase] -f legacy.sql

[Note]

Existe uma alternativa legacy_minimal.sql que você pode utilizar que irá instalar barebones necessários para recuperar tables e trabalhar com aplicativos como MapServer e GeoServer. Se você tem vistas que utilizam distância/comprimento etc, você precisará do legacy.sql completo

Você pode usar uninstall_legacy.sql para livrar-se das funções menosprezadas depois de terminar de restaurar e limpar.

2.7. Instalando e usando o padronizador de endereço

A extensão address_standardizer era usada para ser um pacote separado que requeria download separado. Do PostGIS 2.2 em diante é compactado. Para mais informações sobre o address_standardize, o que ele faz e como fazer sua configuração, referir-se Chapter 12, Padronizador de endereço.

O padronizador pode ser usado em conjunção com a extensão tiger geocoder PostGIS compactada como uma reposição para a Normalize_Address discutida. Para usar como reposição Section 2.8.3, “Usando Padronizador de Endereço com Tiger Geocoder”. Você também pode utilizar como um building block para seu próprio geocoder ou como padronizar seu endereço para uma comparação de endereços mais fácil.

O padronizador de endereço confia no PCRE que já está instalado na maioria dos sistemas Nix, mas você pode baixar a última versão em: http://www.pcre.org. Se durante Section 2.4.1, “Configuração”, o PCRE é encontrado, então a extensão do padronizador de endereço será automaticamente construída. Se você tem um pcre personalizado que queira usar, passe a configurar --with-pcredir=/path/to/pcre onde /path/to/pcre é a pasta root para o seu pcre incluso e lista lib.

Para usuários do Windows, o pacote PostGIS 2.1+ já está compactado com o address_standardizer, então não precisa compilar podendo seguir direto para o passo CREATE EXTENSION.

Uma vez que instalou, você pode conectar no seu banco de dados e rodar o SQL:

CRIAR EXTENSÃO address_standardizer;

O teste seguinte não requere tables rules, gaz ou lex.

SELECT num, street, city, state, zip
 FROM parse_address('1 Devonshire Place, Boston, MA 02109');

Saída deve ser

num |         street         |  city  | state |  zip
-----+------------------------+--------+-------+-------
 1   | Devonshire Place PH301 | Boston | MA    | 02109

2.7.1. Instalando Regex::Montar

Perl Regex:Assemble não é mais necessário para a compilação extensão address_standardizer desde que os arquivos que ele gera são parte da fonte três. Entretanto se precisar editar o usps-st-city-orig.txt ou usps-st-city-orig.txt usps-st-city-adds.tx, você precisa reconstruir parseaddress-stcities.h que exige Regex:Assemble.

cpan Regexp::Montar

ou se estiver no Ubuntu / Debian talvez você precise fazer

sudo perl -MCPAN -e "install Regexp::Assemble"

2.8. Instalando, Atualizando o Tiger Geocoder e carregando dados

Extras like Tiger geocoder may not be packaged in your PostGIS distribution. If you are missing the tiger geocoder extension or want a newer version than what your install comes with, then use the share/extension/postgis_tiger_geocoder.* files from the packages in Windows Unreleased Versions section for your version of PostgreSQL. Although these packages are for windows, the postgis_tiger_geocoder extension files will work on any OS since the extension is an SQL/plpgsql only extension.

2.8.1. Tiger Geocoder ativando seu banco de dados PostGIS: Usando Extensão

Se está usando PostgreSQL 9.1+ e POstGIS 2.1+, você pode obter vantagem do novo modelo de extensão para instalar o tiger geocoder. Para fazer:

  1. Primeiramente obtenha binários para PostGIS 2.1+ ou compile e instale como de costume. Isso deverá instalar os arquivos de extensão necessários bem como para o geocoder.

  2. Conecte ao seu banco de dados vis psql ou pgAdmin ou qualquer outra ferramenta e execute os comandos SQL seguintes. Note que se você está instalando em um banco de dados que já possui o postgis, você não precisa fazer o primeiro passo. Se você já tem a extensão fuzzystrmatch instalada, não é preciso fazer o segundo passo também.

    CREATE EXTENSION postgis;
    CREATE EXTENSION fuzzystrmatch;
    --this one is optional if you want to use the rules based standardizer (pagc_normalize_address)
    CREATE EXTENSION address_standardizer;
    CREATE EXTENSION postgis_tiger_geocoder;

    Se você já tem a extensão postgis_tiger_geocoder instalada e só quer atualizar para a última versão, execute:

    ALTER EXTENSION postgis UPDATE;
    ALTER EXTENSION postgis_tiger_geocoder UPDATE;

    Se você fez entradas personalizadas ou alterações nos tiger.loader_platform e tiger.loader_variables , talvez você precisará atualizar estes.

  3. Para confirmar que sua instalação está funcionando corretamente, execute esse sql no seu banco de dados:

    SELECT na.address, na.streetname,na.streettypeabbrev, na.zip
            FROM normalize_address('1 Devonshire Place, Boston, MA 02109') AS na;

    Qual deve sair

    address | streetname | streettypeabbrev |  zip
    ---------+------------+------------------+-------
               1 | Devonshire | Pl               | 02109
  4. Criar um novo registro na table tiger.loader_platform com os paths dos seus executáveis e servidor.

    Então, por exemplo, para criar um perfil chamado debbie que segue a convenção sh, você deveria fazer:

    INSERT INTO tiger.loader_platform(os, declare_sect, pgbin, wget, unzip_command, psql, path_sep,
                       loader, environ_set_command, county_process_command)
    SELECT 'debbie', declare_sect, pgbin, wget, unzip_command, psql, path_sep,
               loader, environ_set_command, county_process_command
      FROM tiger.loader_platform
      WHERE os = 'sh';

    E então, edite os paths na coluna declare_sect para aqueles que servem ao pg, unzip, shp2pgsql, psql, etc da Debbie.

    Se você não editou essa table loader_platform, ela só irá conter casos comuns de localizações de itens e você terá que editar a script gerada depois que ela for gerada.

  5. Criar uma pasta chamada gisdata na raiz do servidor ou do seu computador local, se você tem uma rede de conexão rápida com o servidor. Essa pasta está onde os arquivos tiger serão baixados e processados. Se não estiver satisfeito em ter a pasta na raiz do servidor ou, simplesmente, quiser alterar para uma outra pasta para representação, edite o campo staging_fold na table tiger.loader_variables.

  6. Criar uma pasta chamada temp na pasta gisdata ou onde designar a staging_fold. Esta será a pasta onde o carregador extrai os dados tiger baixados.

  7. Em seguida execute as funções SQL Loader_Generate_Nation_Script and Loader_Generate_Script e certifique-se de usar o nome do seu perfil personalizado e copiar as scipts para um arquivo .sh ou .bat. Portanto, por exemplo, para fazer o carregamento da nação e um estado utilizando nosso novo perfil, nós iremos:

    SELECT Loader_Generate_Nation_Script('debbie');
  8. Executar as scripts commandlines geradas

    cd /gisdata
    sh nation_script_load.sh
  9. After you are done running the nation script, you should have three tables in your tiger_data schema and they should be filled with data. Confirm you do by doing the following queries from psql or pgAdmin

    SELECT count(*) FROM tiger_data.county_all;
    count
    -------
      3233
    (1 row)
    SELECT count(*) FROM tiger_data.state_all;
    count
    -------
        56
    (1 row)
    
  10. By default the tables corresponding to bg, tract, tabblock are not loaded. These tables are not used by the geocoder but are used by folks for population statistics. If you wish to load them as part of your state loads, run the following statement to enable them.

    UPDATE tiger.loader_lookuptables SET load = true WHERE load = false AND lookup_name IN('tract', 'bg', 'tabblock');

    Gere uma script que carrega uma nação com SELECIONAR como está detalhado em Loader_Generate_Nation_Script

  11. Gere uma script que carrega uma nação com SELECIONAR como está detalhado em Loader_Generate_Nation_Script

    [Warning]

    DO NOT Generate the state script until you have already loaded the nation data, because the state script utilizes county list loaded by nation script.

  12. SELECT Loader_Generate_Script(ARRAY['MA'], 'debbie');
  13. Executar as scripts commandlines geradas

    cd /gisdata
    sh ma_load.sh
  14. Depois que terminar de carregar todos os dados ou estiver parado em um ponto, é bom analisar todas as tiger tables para atualizar as estatísticas (incluindo as estatísticas herdadas)

    SELECT install_missing_indexes();
    vacuum analyze verbose tiger.addr;
    vacuum analyze verbose tiger.edges;
    vacuum analyze verbose tiger.faces;
    vacuum analyze verbose tiger.featnames;
    vacuum analyze verbose tiger.place;
    vacuum analyze verbose tiger.cousub;
    vacuum analyze verbose tiger.county;
    vacuum analyze verbose tiger.state;

2.8.1.1. Convertendo uma Instalação Tiger Geocoder Regular para Modelo de Extensão

Se você instalou o tiger geocoder sem utilizar a extensão modelo, você pode converter para a extensão modelo como segue:

  1. Siga as instruções em Section 2.8.5, “Atualizando sua Instalação Tiger Geocoder” para a atualização sem extensão modelo.

  2. Conecte ao seu banco de dados com psql ou pgAdmin e execute o seguinte comando:

    CREATE EXTENSION postgis_tiger_geocoder FROM unpackaged;

2.8.2. Tiger Geocoder Ativando seu banco de dados PostGIS: Sem Utilizar Extensões

Primeiro instale PostGIS usando as instruções prévias.

Se você não tem uma pasta extras, faça o download http://postgis.net/stuff/postgis-2.5.0dev.tar.gz

tar xvfz postgis-2.5.0dev.tar.gz

cd postgis-2.5.0dev/extras/tiger_geocoder

Edite o tiger_loader_2015.sql (ou o último arquivo carregador que encontrar, a menos que queira carregar um ano diferente) para os paths dos seus executáveis, servidor etc ou alternativamente você pode atualizar a table loader_platform uma vez instalada. Se não quiser editar esse arquivo ou a table loader_platform, só irá conter os casos comuns de localização de itens e você terá que editar a script gerada depois de executar as funções SQL Loader_Generate_Nation_Script e Loader_Generate_Script.

Se estiver instalando o Tiger geocoder pela primeira vez, edite a script create_geocode.bat se você está no Windows ou a create_geocode.sh se estiver no Linux/Unix/Mac OSX com suas configurações específicas do PostgreSQL e execute a script correspondente da commandline.

Certifique-se que agora você tem um esquema tiger no seu banco de dados e que ele é parte do seu bando de dados search_path. Se ele não for, adicione-o com um comando algo ao longo da linha de:

ALTER DATABASE geocoder SET search_path=public, tiger;

A funcionalidade do normalizador de endereço trabalha relativamente sem nenhum dado, exceto por endereços complicados. Executar este teste e verificar as coisas se parecem com isso:

SELECT pprint_addy(normalize_address('202 East Fremont Street, Las Vegas, Nevada 89101')) As pretty_address;
pretty_address
---------------------------------------
202 E Fremont St, Las Vegas, NV 89101
                        

2.8.3. Usando Padronizador de Endereço com Tiger Geocoder

Uma das maiores queixas das pessoas é a função normalizador de endereços Normalize_Address que normaliza um endereço para preparação antes da geocoding. O normalizador está longe da perfeição e tentar corrigir suas imperfeições demanda um grande número de recursos. Como tal nós integramos com outro projeto que tem um mecanismo de padronizador de endereços muito melhor. Para usar esse novo address_standardizer, você compila a extensão como está descrito em Section 2.7, “Instalando e usando o padronizador de endereço” e instala como uma extensão no seu banco de dados.

Uma vez que você instala essa extensão no mesmo banco de dados que instalou postgis_tiger_geocoder, então o Pagc_Normalize_Address pode ser usado ao invés do Normalize_Address. Essa extensão é avessa ao tiger, logo pode ser usada com outras fontes de dados como: endereços internacionais. A extensão tiger geocoder vem compactada com suas próprias versões personalizadas de mesa de regras ( tiger.pagc_rules) , gaz table (tiger.pagc_gaz), e lex table (tiger.pagc_lex). Essas você pode adicionar e atualizar para melhorar sua experiência com o padronizador de acordo com suas necessidades.

2.8.4. Carregando Dados Tiger

As instruções para carregar dados estão disponíveis de uma maneira mais detalhada em extras/tiger_geocoder/tiger_2011/README. Isso só inclui os passos gerais.

O carregador processa dados de downloads do site de censo para os respectivos arquivos de nação, solicitações de estados, extrai os arquivos e carrega cada estado para seu grupo separado de state tables. Cada state table herda das tables definidas no esquema tiger sendo suficiente apenas para pesquisar aquelas tables para acessar todos os dados e derrubar um conjunto de state tables a qualquer momento usando o Drop_State_Tables_Generate_Script se quiser recarregar um estado ou não precisa de um estado mais.

Para ser capaz de carregar dados, você vai precisar das seguintes ferramentas:

  • Uma ferramenta para descompactar os arquivos compactados do site de censo.

    Para Unix como sistemas: executável unzip que é instalado, normalmente, na maioria dos Unix como plataformas.

    Para Windows, 7-zip é uma ferramenta comprimir/descomprimir grátis que você pode baixar no http://www.7-zip.org/

  • shp2pgsql commandline que é instalada por padrão quando você instala o PostGIS.

  • wget que é uma ferramente grabber da internet, instalada na maioria dos sistemas Unix/Linux.

    Se você está no Windows, você pode obter binários pre compilados do http://gnuwin32.sourceforge.net/packages/wget.htm

Se estiver atualizando do tiger_2010, você precisará gerar e executar Drop_Nation_Tables_Generate_Script. Antes de carregar qualquer dado de estado, você precisa carregar os dados da nação que será feito com Loader_Generate_Nation_Script. O qual irá gerar uma script de carregamento para você. Loader_Generate_Nation_Script é um passo que deve ser dado para atualizar (do 2010) e para novas instalações.

Para carregar dados do estado referir-se a Loader_Generate_Script para gerar uma script de dados de carregamento para sua plataforma para os estados que deseja. Note que você pode instalar estes gradativamente. Você não precisa carregar todos os estados de uma só vez. Pode carregá-los à medida que for precisando deles.

Depois que os estados desejados forem carregados, certifique-se de executar o:

SELECT install_missing_indexes();

como está descrito em Install_Missing_Indexes.

Para testar que está tudo funcionando normalmente, tente executar um geocode em um endereço no seu estado, usando Geocode

2.8.5. Atualizando sua Instalação Tiger Geocoder

Se você tem o Tiger Geocoder compactado com 2.0+ já instalado, você pode atualizar as funções de qualquer lugar, mesmo de uma tar ball provisória, se existem correções que você mal precisa. Isso só irá funcionar para as funções não instaldas do Tiger geocoder.

Se você não tem uma pasta extras, faça o download http://postgis.net/stuff/postgis-2.5.0dev.tar.gz

tar xvfz postgis-2.5.0dev.tar.gz

cd postgis-2.5.0dev/extras/tiger_geocoder/tiger_2011

Localize a script upgrade_geocoder.bat se você está no Windows ou a scritp upgrade_geocoder.sh se voceŝ está no Linux/Unix/Mac OSX. Edite o arquio para ter suas credenciais no banco de dados do postgis.

Se estiver atualizando de 2010 ou 2011, certifique-se de desmarcar a script de carregamento para ter a última script para carregar os dados de 2012.

Então, execute a script correspondente da commandline.

Em seguida, derrube todas as nation tables e carregue as novas. Gere uma drop script com essa declaração SQL, como está detalhado em Drop_Nation_Tables_Generate_Script

SELECT drop_nation_tables_generate_script();

Execute as declarações geradas drop SQL.

Gere uma script que carrega uma nação com SELECIONAR como está detalhado em Loader_Generate_Nation_Script

Para windows

SELECT loader_generate_nation_script('windows'); 

Para unix/linux

SELECT loader_generate_nation_script('sh');

Para instruções de como executar a script gerada use: Section 2.8.4, “Carregando Dados Tiger”. Isso só precisa ser feito uma vez.

[Note]

Você pode ter uma mistura de state tables de 2010/2011 e pode atualizar cada estado separadamente. Antes de atualizar um estado para 2011, você precisa, primeiramente, derrubar as tables de 2010 para aquele estado, usando: Drop_State_Tables_Generate_Script.

2.9. Criar um banco de dados espacialmente ativado de um template

Algumas distribuições compactadas do PostGIS (em particular os instaladores Win32 para PostGIS >= 1.1.5), carregam as funções do POstGIS dentro de um template de bnco de dados chamado template_postgis. Se o banco de dados template_postgis existe na sua instalação PostgreSQL, é possível para os usuários e/ou aplicações para criar bancos de dados espacialmente ativados utilizando somente um comando. Note que em ambos os casos, o usuário do banco de dados deve ter presumido o privilégio de criar novos bancos de dados.

Do shell:

# createdb -T template_postgis my_spatial_db

De SQL:

postgres=# CREATE DATABASE my_spatial_db TEMPLATE=template_postgis

2.10. Atualizando

Atualizar bancos de dados espaciais existentes pode ser complicado como ele requere reposição ou introdução das novas definições de objeto do PostGIS.

Infelizmente, nem todas as definições podem ser facilmente repostas em um banco de dados vivo, então, algumas vezes a melhor opção é abandonar/recarregar o processo.

O PostGIS fornece um procedimento de ATUALIZAÇÃO SOFT para liberações menores e um procedimento de ATUALIZAÇÃO HARD para liberações maiores.

Antes de tentar atualizar o PostGIS, é sempre bom fazer o backup dos seus dados. Se você usa a -Fc flag para pg_dump você sempre vai poder restaurar a descarga de dados com uma ATUALIZAÇÃO HARD.

2.10.1. Atualização flexível

Se você instalou seu banco de dados utilizando extensões, você vai precisar atualizar utilizando o modelo extensão também. Se você instalou usando o a antiga script sql, então você deveria atualizar usando a mesma. Por favor, referir-se ao apropriado.

2.10.1.1. Atualização Soft Pre 9.1+ ou sem extensões

Essa seção aplica-se somente àqueles que instalaram o PostGIS sem usar extensões. Se você tiver extensões e tentar atualizar com essa abordagem, você irá receber mensagens como:

não pode excluir ... porque a extensão do postgis depende disso.

Depois de compilar e instalar (fazer instalação), você deve encontrar um postgis_upgrade.sql e rtpostgis_upgrade.sql nas pastas de instalação. Por exemplo, /usr/share/postgresql/9.3/contrib/postgis_upgrade.sql. Instale o postgis_upgrade.sql. Se você tem a funcionalidade raster instalada, também precisará instalar o /usr/share/postgresql/9.3/contrib/postgis_upgrade.sql. Se está mudando do PostGIS 1.* para o PostGIS 2.* ou do anterior PostGIS 2.* para r7409, você deve fazer uma ATUALIZAÇÃO HARD.

psql -f postgis_upgrade.sql -d your_spatial_database

O mesmo procedimento aplica-se para as extensões de raster e topologia, com arquivos de atualização chamados rtpostgis_upgrade*.sql e topology_upgrade*.sql, respectivamente. Se você precisar deles:

psql -f rtpostgis_upgrade.sql -d your_spatial_database
psql -f topology_upgrade.sql -d your_spatial_database
[Note]

Se não conseguir encontrar o postgis_upgrade*.sql específico para atualizar sua versão, você está usando uma versão muito cedo para uma atualização soft e precisa de uma ATUALIZAÇÃO HARD.

A função PostGIS_Full_Version deve informar sobre a necessidade de executar esse tipo de atualização usando a mensagem "procs precisa de atualização".

2.10.1.2. Atualização flexível 9.1+ usando extensões

Se você, originalmente, instalou o PostGIS com extensão, você precisará atualizar usando extensões também. Fazer uma atualização menor com extensões é razoavelmente indolor.

ALTER EXTENSION postgis UPDATE TO "2.5.0dev";
ALTER EXTENSION postgis_topology UPDATE TO "2.5.0dev";

Se você obtiver um erro note algo como:

Nenhum path de migração definido por ... para 2.5.0dev

Então você precisará fazer o backup do seu banco de dados, crie um novo como está descrito em Section 2.5, “Criando uma base de dados espacial usando EXTENSÕES” e restaure seu backup no topo desse novo banco de dados.

Se você receber um aviso como:

Versão "2.5.0dev" da extensão "postgis" já está instalada

Então tudo já está atualizado e você pode ignorar seguramente. A MENOS que você esteja tentando atualizar de uma versão SVN para a próxima (a qual não recebe um número d versão novo); nesse caso você pode incluir "próximo" à string da versão e da próxima vez vai precisar derrubar o "próximo" sufixo novamente:

ALTER EXTENSION postgis UPDATE TO "2.5.0devnext";
ALTER EXTENSION postgis_topology UPDATE TO "2.5.0devnext";
[Note]

Se você instalou o PostGIS sem uma versão específica, você pode pular a reinstalação da extensão do postgis antes de restaurar, já que o backup só tem CREATE EXTENSION postgis e assim, escolhe a versão mais nova durante a restauração.

2.10.2. Atualização rígida

Através da ATUALIZAÇÃO HARD nós queremos dizer descarga de dados/recarregamento completo dos bancos de dados ativados do postgis. Você precisa dessa atualização quando a memória interna do objeto do PostGIS mudar ou quando a ATUALIZAÇÃO SOFT não for possível. O apêndice Release Notes relata que para cada versão você precisa de uma descarga de dados/recarregamento (ATUALIZAÇÃO HARD) para atualizar.

O processo de descarga de dados/recarregamento é auxiliado pela script postgis_restore.pl que cuida de pular todas as definições de descarga de dados que pertencem ao POstGIS (incluindo as antigas), permitindo que você restaure seus dados e esquemas em um banco de dados com o PostGIS instalado sem duplicar os erros de símbolo ou trazer objetos menosprezados adiante.

Instruções suplementares para usuários do Windows estão disponíveis em Windows Hard upgrade.

O procedimento é:

  1. Criar uma descarga de dados com "formato-personalizado" do banco de dados que você quer atualizar (chamaremos de olddb), inclua blobs binários (-b) e saídas verbosas (-v). O usuário pode ser o dono do banco de dados, não precisa ser postgre super conta.

    pg_dump -h localhost -p 5432 -U postgres -Fc -b -v -f "/diretório/banco_antigo.backup" banco_antigo
  2. Faça uma instalação nova do PostGIS em um banco de dados novo -- chamaremos esse banco de dados de newdb. Por favor use Section 2.6, “Criar um banco de dados espacialmente ativado de um template” e Section 2.5, “Criando uma base de dados espacial usando EXTENSÕES” para instruções de como fazer.

    As entradas spatial_ref_sys encontradas na sua descarga de dados serão restauradas, mas elas não substituirão as que existem no spatial_ref_sys. Isso é para garantir que as correções no conjunto oficial serão precisamente propagadas para banco de dados restaurados. Se, por alguma razão, você quiser suas próprias substituições de entradas padrão, simplesmente não carregue o arquivo spatial_ref_sys.sql quando estiver criando o novo banco de dados.

    Se seu banco de dados é muito antigo ou você sabe que esteve usando funções menosprezadas nas suas views e funções, provavelmente precise carregar legacy.sql para todas as suas funções e views etc. para retornar propriamente. Só faça isso se_for_ necessário. Considere atualizar suas views e funções depois, se possível. As funções menosprezadas podem ser removidas posteriormente carregando uninstall_legacy.sql.

  3. Restaure seu backup no seu novo banco de dados newdb usando postgis_restore.pl. Erros inesperados, se existirem, serão impressos na stream erro padrão através do psql. Mantenha-se conectado com eles.

    perl utils/postgis_restore.pl "/somepath/olddb.backup" | psql -h localhost -p 5432 -U postgres newdb 2
    > errors.txt

Erros retornarão nos seguintes casos:

  1. Algumas das suas views ou funções utilizam objetos menosprezados do PostGIS. Com o propósito de consertar isso, você talvez tente carregar a script anterior legacy.sql para restaurar ou você tenha que restaurar para uma versão do PostGIS que contenha esses objetos e tenha que tentar uma migração novamente depois de fazer a portabilidade do seu código. Se o legacy.sql funciona para você, não se esqueça de consertar seu cóigo para parar de usar funções menosprezadas e derrube elas carregando: uninstall_legacy.sql.

  2. Alguns relatos personalizados da spatial_ref_sys no arquivo de descarga de dados, têm o valor SRID inválido. os valores válidos são maiores que 0 e menores que 999000. Valores na extensão 999000.999999 são reservados para uso interno, enquanto valores > 999999 não podem ser usados de forma alguma. Todos os seus relatos personalizados com SRIDs inválidas serão retidos, com esses > 999999 movidos para a extensão reservada, mas a table spatial_ref_sys perderia a restrição verificada de defesa para aquela invariante para segurar e possivelmente sua chave primária (quando múltiplos SRIDS inválidos se convertem para o mesmo valor SRID reservado).

    A fim de consertar isso, você deveria copiar sua SRS personalizada para uma SRID com valor válido (talvez na extensão 910000..910999), converter todas as suas tables para a srid nova (veja UpdateGeometrySRID), deletar a entrada inválida da spatial_ref_sys e reconstruir os check(s):

    ALTER TABLE spatial_ref_sys ADD CONSTRAINT spatial_ref_sys_srid_check check (srid > 0 AND srid < 999000 );

    ALTER TABLE spatial_ref_sys ADD PRIMARY KEY(srid));

2.11. Problemas comuns durante a instalação

Existem várias coisas para averiguar quando a instalação ou atualização não saem como o esperado.

  1. Certifique-se que instalou o PostgreSQL 9.3 ou mais novo e que você está compilando contra a mesma versão da fonte PostgreSQL assim como a versão do PostgreSQL que está sendo executada. Confusões podem acontecer quando sua distribuição (Linux) já instalou o PostgreSQL, ou você instalou o PostgreSQL antes e se esqueceu disso. PostGIS só irá funcionar com o PostgreSQL 9.3 ou mais novo, e mensagens estranhas e inesperadas de erro aparecerão se você usar uma versão mais antiga. Para verificar a versão PostgreSQL que está sendo executada, conecte ao banco de dados usando psql e faça essa consulta:

    SELECT version();

    Se você está usando uma distribuição baseada em RPM, você pode confirmar a existência de pacotes pre instalados utilizando o comando rpm como segue: rpm -qa | grep postgresql

  2. Se sua atualização falhar, certifique-se que você está restaurando em um banco de dados que já possui o PostGIS instalado.

    SELECT postgis_full_version();

Também certifique que a configuração detectou a localização e versão corretas do PostgreSQL, da biblioteca do Proj4 e da biblioteca do GEOS.

  1. A saída da configuração foi usada para gerar o arquivo postgis_config.h. Verifique que as variáveis POSTGIS_PGSQL_VERSION, POSTGIS_PROJ_VERSION e POSTGIS_GEOS_VERSION foram configuradas corretamente.

2.12. Carregador/Dumper

Os dados do carregador e dumper são construídos e instalados automaticamente como parte do PostGIS. Para construir e instalar eles manualmente:

# cd postgis-2.5.0dev/loader
# make
# make install

O carregador é chamado shp2pgsql e converte arquivos ESRI Shape em SQL para carregar em PostGIS/PostgreSQL. O dumper é chamado pgsql2shp e converte as tables (ou pesquisas) PostGIS em arquivos ESRI Shape. Para mais documentação prolixo, veja a ajuda online e as páginas do manual.

Chapter 3. Perguntas frequentes PostGIS

3.1. Onde posso encontrar tutoriais, guias e oficinas sobre como trabalhar com o PostGIS
3.2. Minhas aplicações e ferramentas desktop funcionavam com PostGIS 1.5, mas não funcionam com o PostGIS 2.0. Como corrigir isto?
3.3. Quando eu carregado dados do OpenStreetMap com o osm2pgsql, estou recebendo o erro: ERROR: operator class "gist_geometry_ops" does not exist for access method "gist" Error occurred. Isto funcionava perfeitamente no PostGIS 1.5.
3.4. Estou rodando PostgreSQL 9.0 e não mais posso ler/visualizar geometrias no OpenJump, Safe FME e outras ferramentas?
3.5. Tentei usar o PgAdmin para visualizar minhas colunas geométricas e ela está em branco?
3.6. Quais tipos de objetos geométricos posso armazenar?
3.7. Estou confuso. Qual tipo de dados devo utilizar, geometria ou geografia?
3.8. Tenho questões mais aprofundadas sobre geography, tais como quão grande a geografia de uma região pode ser adicionada em uma coluna geography e continua razoavelmente responsiva. Existem limitações tais como pólos, tudo no campo deve caber em um hemisfério (como SQL Server 2008 tem), velocidade etc?
3.9. Como insiro um objeto GIS dentro do banco de dados?
3.10. Como construo uma pesquisa geoespacial?
3.11. Como acelero pesquisas geoespaciais em grandes tabelas?
3.12. Por que o índice do PostgreSQL R-Tree não é suportado?
3.13. Porque eu devo utilizar a função AddGeometryColumn() e todas as outras coisas do OpenGIS?
3.14. Qual é a melhor maneira de achar todos os objetos dentre um radius e outro objeto?
3.15. Como posso fazer uma reprojeção de coordenadas como parte de uma query?
3.16. Faço uma ST_AsEWKT e ST_AsText na minha maior geometria e isso me retorna em branco. O que acontece?
3.17. Quando eu faço um ST_Intersects, tenho o retorno que minhas duas geometrias não intersectam quando EU SEI QUE SIM. O que acontece?
3.18. Estou liberando software que usa PostGIS, o que significa que meu software foi licenciado utilizado a GPL como PostGIS? Terei que publicar todo o meu código se utilizar o PostGIS?

3.1.

Onde posso encontrar tutoriais, guias e oficinas sobre como trabalhar com o PostGIS

OpenGeo tem uma oficina passo a passo Introdução ao PostGIS. Inclui dados para testes e uma introdução sobre como trabalhar com a OpenGeo Suite. Possivelmente o melhor tutorial sobre PostGIS.

BostonGIS também tem Um guia para quase idiotas para começar com PostGIS. Este é mais focado em usuários Windows.

3.2.

Minhas aplicações e ferramentas desktop funcionavam com PostGIS 1.5, mas não funcionam com o PostGIS 2.0. Como corrigir isto?

Muitas funcionalidades obsoletas foram removidos da base de código do PostGIS na versão 2.0. Isto afetou aplicações e em especial, ferramentas de terceiros, como Geoserver, MapServer, QuantumGIS e OpenJump, para citar alguns casos. Existem algumas maneiras de resolver isto. Para aplicações de terceiros, você pode tentar atualizar para as versões mais atuais, muitas das quais corrigiram estes problemas. Para seu próprio código, você pode alterá-lo para não utilizar as funções removidas. A maior parte destas funções não possuem o prefixo ST_ de ST_Union, ST_Length, etc. Como um último recurso, você pode instalar todo o script legado legacy.sql ou apenas as porções de legacy.sql que você precisa.

O arquivo legacy.sql está localizado na mesma pasta em que o arquivo postgis.sql. Você pode instalar este arquivo após a instalação do postgis.sql e spatial_ref_sys.sql, para ter de volta todas 200 funções que foram removidas.

3.3.

Quando eu carregado dados do OpenStreetMap com o osm2pgsql, estou recebendo o erro: ERROR: operator class "gist_geometry_ops" does not exist for access method "gist" Error occurred. Isto funcionava perfeitamente no PostGIS 1.5.

No PostGIS 2, o operador de geometria padrão gist_geometry_ops foi alterado para gist_geometry_ops_2d e o gist_geometry_ops foi completamente removido. Isto foi feito pois o PostGIS 2 também introduziu indíces espacials n-dimensionais para suporte a 3D e o nome antigo não era uma boa escolha.

Algumas aplicações mais antigas, criavam tabelas e índices, explicitamente escolhendo o nome do operador. Isto era desnecessário se você quisesse o índice padrão 2D. Altere a criação do índice de:

ERRADO:

CREATE INDEX idx_my_table_geom ON my_table USING gist(geom gist_geometry_ops);

CORRETO:

CREATE INDEX idx_my_table_geom ON my_table USING gist(geom);

O único caso onde você precisará especificar a classe do operador é se você quer um índice espacial 3D:

CREATE INDEX idx_my_super3d_geom ON my_super3d USING gist(geom gist_geometry_ops_nd);

Se você infelizmente está preso com código compilado que você não pode alterar e usa o operador gist_geometry_ops, você pode criar a classe antiga usando legacy_gist.sql empacotado na instalação do PostGIS 2.0.2 ou maior. Contudo, se você utilizar esta "correção", é recomendado que você, após a criação do índice, delete-o, e recrie-o sem a classe do operador. Isto vai te salvar no futuro quando precisar realizar o upgrade.

3.4.

Estou rodando PostgreSQL 9.0 e não mais posso ler/visualizar geometrias no OpenJump, Safe FME e outras ferramentas?

No PostgreSQL 9.0+, o encoding padrão para dados bytea foi alterado para hex e outros drivers JDBC ainda assumem o formato escapado. Isto afetou aplicações Java utilizando drivers antigos JDBC ou aplicações .NET que usam drivers antigos npgsql e esperam o comportamento antigo de ST_AsBInary. Existem duas formas de resolver este problema.

Você pode atualizar seu driver JDBC para a última versão do PostgreSQL 9.0, que você obter em http://jdbc.postgresql.org/download.html.

Se você está utilizando uma aplicação .NET, você pode usar o driver Npgsql 2.0.11 ou melhor, que você fazer o download em http://pgfoundry.org/frs/?group_id=1000140 e descrito em Francisco Figueiredo's NpgSQL 2.0.11 released blog entry.

Se realizar um upgrade dos drivers PostgreSQL não é uma opção, então você pode setar o valor padrão para o comportamento antigo, usando a seguinte mudança:

ALTER DATABASE mypostgisdb SET bytea_output='escape';

3.5.

Tentei usar o PgAdmin para visualizar minhas colunas geométricas e ela está em branco?

PgAdmin não mostra nada para grandes colunas. A melhor maneira de garantir que você tem dados em suas colunas geométricas são

-- isso deve retornar a zero registros  se todos seus campos geométricos estão preenchidos
SELECT somefield FROM mytable WHERE geom IS NULL;
-- Para ter uma ideia do tamanho de sua geometria, faça a query que vai lhe dizer o numero de pontos em suas colunas
SELECT MAX(ST_NPoints(geom)) FROM tabela;

3.6.

Quais tipos de objetos geométricos posso armazenar?

Você pode armazenar pontos, linhas, polígonos, multipontos, multilinhas, multipolígonos e coleções geométricas. No PostGIS 2.0 e além você também pode armazenar TINS e superfícies poliédricas no tipo básico de geometria. Esses dados estão especificados no Open GIS Well Known Text Format (com extensões Z,M e ZM). Há três tipos de dados que são suportados atualmente. A geometria OGC padrão que utiliza um sistema de coordenadas planas para medidas, o tipo de dados de geografia que utiliza o sistema geodésico de coordenadas, com cálculos na esfera ou esferoide. O mais novo membro da família PostGIS tipo espacial é o raster para armazenar e analisar os dados do raster. existe um FAQ próprio para o raster. Disponível em Chapter 10, Perguntas frequentes PostGIS Raster e Chapter 9, Referência Raster para mais detalhes.

3.7.

Estou confuso. Qual tipo de dados devo utilizar, geometria ou geografia?

Resposta curta: geografia é um novo tipo de dados que suporta medições de distância de longo alcance, mas a maioria dos cálculos sobre ele estão atualmente mais lento do que são na geometria. Se você usar geografia -- você não precisará aprender muito sobre sistemas de coordenadas planar. Geografia é geralmente melhor se tudo o que importa é a medição de distâncias e comprimentos e você tem dados de todo o mundo. Tipo de dado geometria é um tipo mais antigo de dados que possui mais funções que o suportam, goza de maior apoio de ferramentas de terceiros, e as operações nele contidas são geralmente mais rápidas -- às vezes até 10 vezes mais rápido para geometrias maiores. Geometria é melhor se você se sentir confortável com sistemas de referência espacial ou se estiver lidando com dados localizados onde todos seus dados se encaixam em um único Sistema Espacial de Referência (SRID), ou você precisará fazer muito processamento espacial. Nota: É bastante fácil de fazer conversões pontuais entre dois tipos para ganhar os benefícios de cada. Consulte Section 14.11, “PostGIS Function Support Matrix” para ver o que é e não é suportado.

Resposta longa: Se refere a nossa mais longa discurssão no Section 4.2.2, “Quando usar o tipo de dados Geografia sobre os dados Geometria” e tipo de função matriz.

3.8.

Tenho questões mais aprofundadas sobre geography, tais como quão grande a geografia de uma região pode ser adicionada em uma coluna geography e continua razoavelmente responsiva. Existem limitações tais como pólos, tudo no campo deve caber em um hemisfério (como SQL Server 2008 tem), velocidade etc?

Suas perguntas são profundas e complexas para serem respondindas de forma adequada nesta seção. Por favor, refira-se ao documento Section 4.2.3, “FAQ de Geografia Avançada”.

3.9.

Como insiro um objeto GIS dentro do banco de dados?

Primeiramente, você precisa criar uma tabela com uma coluna do tipo "geometry" ou "geography" para armazenar seus dados GIS. O armazenamento do dado do tipo "geography" é um pouco diferente do tipo "geometry". Consulte o documento Section 4.2.1, “Geografia Básica” para detalhes.

Para geometrias: conecte seu banco de dados com psql e tente o seguinte SQL:

CREATE TABLE gtest ( gid serial primary key, name varchar(20)
        , geom geometry(LINESTRING) );

Se a definição da coluna geométrica falhar, você provavelmente não carregou as funções do PostGIS em seu banco de dados ou está usando uma versão pré-2.0. Veja: Section 2.4, “Compilando e instalando da fonte: detalhado”.

Após a criação da tabela, você pode inserir uma geometria através de um comando SQL INSERT. O objeto GIS em si é formatado utilizando o formato OGC WKT ("well known text"):

INSERT INTO gtest (ID, NAME, GEOM)
VALUES (
  1,
  'First Geometry',
  ST_GeomFromText('LINESTRING(2 3,4 5,6 5,7 8)')
);

Para maiores informações sobre outros objetos GIS, veja a referência de objetos.

Para visualizar seus dados GIS na tabela:

SELECT id, name, ST_AsText(geom) AS geom FROM gtest;

O valor de retorno deve se parecer com algum assim:

id | name           | geom
----+----------------+-----------------------------
  1 | First Geometry | LINESTRING(2 3,4 5,6 5,7 8)
(1 row)

3.10.

Como construo uma pesquisa geoespacial?

Da mesma forma como você constrói qualquer pesquisa no banco de dados, com SQL em uma combinação de valores de retorno, funções e testes de álgebra booleana.

Para pesquisas geoespaciais, existem duas questões que são importantes de se ter em mente durante sua construção: existe um índice geoespacial que você pode utilizar; e, você está realizando cálculos computacionalmente caros em um número grande de geometrias.

Em geral, você vai querer utilizar os operadores de interseção (&&) que testa se os retângulos envolventes de feições se intersecionam. A razão que torna o operador && útil é que existe um índice geoespacial para acelear a resolução do teste, que será utilizado pelo operador. Isto pode tornar as pesquisas muito mais rápidas.

Você ainda pode usar funções geoespaciais, como ST_Distance(), ST_Intersects(), ST_Contains() e ST_Within(), entre outras, para filtrar ainda mais os resultados de sua pesquisa. A maior parte das pesquisas geoespaciais incluem ambos testes: um teste indexado e um teste de função geoespacial. O teste indexado serve para limitar o número de tuplas para as que podem ter a condição de interesse. As funções geoespaciais servem para testar a condição exatamente como esperado.

SELECT id, the_geom
FROM thetable
WHERE
  ST_Contains(the_geom,'POLYGON((0 0, 0 10, 10 10, 10 0, 0 0))');

3.11.

Como acelero pesquisas geoespaciais em grandes tabelas?

Pesquisas rápidas em tabelas grandes é a raison d'etre de banco de dados geoespaciais (bem como suporte a transações), então ter um bom índice é importante.

Para criar um índice espacial em uma tabela com uma coluna geometry, utilize a função "CREATE INDEX" que segue abaixo:

CREATE INDEX [indexname] ON [tablename] USING GIST ( [geometrycolumn] );

A opção "USING GIST" diz ao servidor que utilize um indice GIST (Generalized Search Tree).

[Note]

Índeces GIST são assumidamente lossy. Índices lossy usam um objeto de busca (em casos espaciais, uma bounding box) para contruir o índice.

Você também deveria garantir que o plano de acesso do PostgreSQL tem informações suficientes sobre seu índice para fazer decisões racionais sobre quando utilizá-lo. Para fazer isso, você deve atualizar as estatísticas nas suas tabelas geométricas.

Para o PostgreSQL 8.0.x ou posterior, apenas executeo o comando VACUUM ANALYZE.

Para o PostgreSQL 7.4.x ou anterior, execute o comando SELECT UPDATE_GEOMETRY_STATS().

3.12.

Por que o índice do PostgreSQL R-Tree não é suportado?

Versões mais recentes do PostGIS no PostgreSQL usam indice R-Tree. Por outro lado, PostgreSQL R-Trees foi totalmente descontinuado desde a versão 0.6, e índice espacial é provido com um esquema R-Tree-over-GIST

Nossos testes tem mostrado que a velocidade de busca para o índice nativo R-Tree e o GIST são comparáveis. O nativo R-Tree tem duas limitações que dele indesejável para utlizar com funcionalidades GIS (note que essa limitação é devido a atual implementação do PostgreSQL, não do conceito R-Tree em geral):

  • Índices R-Tree no PostgreSQL não podem manipular funcionalidades que são maiores que 8K em tamanho. Já os índices GIST podem, utilizando o truque "lossy" de substituição da bounding pela própria funcionalidade.

  • Índices R-Tree no PostgreSQL não são "null sage", então construir um índice em uma coluna geometry que contenha null, falhará.

3.13.

Porque eu devo utilizar a função AddGeometryColumn() e todas as outras coisas do OpenGIS?

Se você não quer utlizar o suporte à funções OpenGIS, você não precisa. Simplesmente crie tabelas como nas versões antigas, definindo as colunas geometry no comando CREATE. Todas suas geometrias terão SRIDs de -1, e as tabelas de metadados do OpenGIS não serão preenchidas apropriadamente. No entanto, causará falha na maioria das aplicações baseadas no PostGIS, e é geralmente aconselhado que utilize AddGeometryColumn() para criar tabelas geometry.

MapServer é uma aplicação que faz uso de geometry_columns metadado. Especificamente, MapServer pode user SRID da coluna geometry para fazer reprojeção on-the-fly das funcionalidades dentro de uma correta projeção no mapa.

3.14.

Qual é a melhor maneira de achar todos os objetos dentre um radius e outro objeto?

Para usar a base de dados mais eficientemente, é melhor fazer radius queries que combine com teste radius com teste bounding box: o teste bounding box usa índice espacial, dando rapidez no acesso para subconjunto de dados que o teste radius é aplicada.

A função ST_DWithin(geometry, geometry, distance) é uma forma conveniente de realizar uma busca distante no índice. Ele trabalha criando retângulo de busca suficiente para encobrir todo o raio, depois realiza uma busca exata da distância no subconjunto de resultados do índice.

Por exemplo, para encontrar todos os objetos com 100 metros de POINT(1000 1000) a query a seguir trabalharia corretamente:

SELECT * FROM geotable
WHERE ST_DWithin(geocolumn, 'POINT(1000 1000)', 100.0);

3.15.

Como posso fazer uma reprojeção de coordenadas como parte de uma query?

Para realizar uma reprojeção, ambos as coordenadas fonte e destino devem estar definidas na tabela SPATIAL_REF_SYS, e a geometria reprojetada deve já ter um SRID setado para ela. Uma vez isso feito, a reprojeção é taõ simples quanto referenciar um SRID de destino desejado. The below projects a geometry to NAD 83 long lat. Abaixo apenas trabalhará se o srid do the_geom não for -1 (não indefinido spatial ref)

SELECT ST_Transform(the_geom,4269) FROM geotable;

3.16.

Faço uma ST_AsEWKT e ST_AsText na minha maior geometria e isso me retorna em branco. O que acontece?

Vocês está provavelmente utilizando PgAdmin ou outra ferramenta que não retorna grandes textos. Se sua geometria é muito grande, aparecerá vazio nessas ferramentas. Use PSQL se você realmente precisa ver isso ou retornar em WKT.

Para verificar o de geometrias que realmente estão vazias:

SELECT count(gid) FROM geotable WHERE the_geom IS NULL;

3.17.

Quando eu faço um ST_Intersects, tenho o retorno que minhas duas geometrias não intersectam quando EU SEI QUE SIM. O que acontece?

Isso geralmente acontece em dois casos comuns. Sua geometri é inválida -- verifique ST_IsValid ou or você está assumindo que elas intesectam porque ST_AsText trucou os números e você tem muitos decimais que não estão sendo exibidos a você.

3.18.

Estou liberando software que usa PostGIS, o que significa que meu software foi licenciado utilizado a GPL como PostGIS? Terei que publicar todo o meu código se utilizar o PostGIS?

Com certeza não. Como exemplo, considere uma base de dados Oracle rodando no Linux. Linux é GPL. Oracle não, com o Oracle rodando no Linux tenho que distribuí-lo usando GPL? Não. Então seu software pode utilizar bases de dados PostgreSQL/PostGIS o quanto quiser e estar sob qualquer licença que queira.

A única exceção seria se você fizer mudanças no código fonte do PostGIS, e distribuir a versão da sua mudança do PostGIS. Neste caso você teria que cmpartilhar o código da sua mudança do PostGIS (mas não o código da aplicação que está rodando). Mesmo neste caso limitado, você apenas teria que distribuir o código fonte para pessoas que também distribuem binários. A GPL não exige que você publique seu código fonte, apenas que compartilhe com pessoas que distribuem binários também.

The above remains true even if you use PostGIS in conjunction with the optional CGAL-enabled functions. Portions of CGAL are GPL, but so is all of PostGIS already: using CGAL does not make PostGIS any more GPL than it was to start with.

Chapter 4. Usando o PostGIS: Gerenciamento de dados e consultas

4.1. Objetos GIS

Os objetos GIS suportados pelo PostGIS são um super conjunto das "Características Simples" definidas pelo OpenGIS Consortium (OGC). Assim como na versão 0.9, o PostGIS suporta todos os objetos e funções especificados na especificação do OGC "Características Simples para SQL".

O PostGIS amplia o padrão com o suporte para coordenadas 3DZ,3DM e 4D.

4.1.1. OpenGIS WKB e WKT

A especificação OpenGIS define dois caminhos padrão de expressar objetos espaciais: o Well-Known Text (WKT) e o Well-Known Binary (WKB). Ambos incluem informação sobre o tipo do objeto e as coordenadas que os formam.

A seguir, exemplos das representações de textos (WKT) dos objetos espaciais das características:

  • POINT(0 0)

  • LINESTRING(0 0,1 1,1 2)

  • POLYGON((0 0,4 0,4 4,0 4,0 0),(1 1, 2 1, 2 2, 1 2,1 1))

  • MULTIPOINT((0 0),(1 2))

  • MULTILINESTRING((0 0,1 1,1 2),(2 3,3 2,5 4))

  • MULTIPOLYGON(((0 0,4 0,4 4,0 4,0 0),(1 1,2 1,2 2,1 2,1 1)), ((-1 -1,-1 -2,-2 -2,-2 -1,-1 -1)))

  • GEOMETRYCOLLECTION(POINT(2 3),LINESTRING(2 3,3 4))

A especificação OpenGIS também requer que o formato do armazenamento interno dos objetos espacias incluam um identificador de sistema de referência espacial (SRID). O SRID é fundamental na criação de objetos espaciais para a inserção no banco de dados.

Entrada/Saída destes formatos estão disponíveis usando as seguintes interfaces:

bytea WKB = ST_AsBinary(geometry);
text WKT = ST_AsText(geometry);
geometry = ST_GeomFromWKB(bytea WKB, SRID);
geometry = ST_GeometryFromText(text WKT, SRID);

Por exemplo, uma declaração inserida válida para criar e inserir um objeto espacial OGC seria:

INSERT INTO geotable ( the_geom, the_name )
  VALUES ( ST_GeomFromText('POINT(-126.4 45.32)', 312), 'A Place');

4.1.2. PostGIS EWKB, EWKT e Formas Canônicas

Os formatos OGC só suportam geometrias 2d, e o SRID associado *nunca* é integrado às representações de entrada/saída.

Os formatos estendidos do PostGIS estão atualmente superset de OGC (cada WKB/WKT válido é um EWKB/EWKT válido), mas isto pode airar no futuro, especificamente se OGC sai com um novo formato conflitando com nossas extensões. Assim, você NÃO DEVE confiar neste aspecto!

Os EWKB/EWKT do PostGIS adiciona suporte para as coordenadas 3dm,3d,4d e informação SRID embutida.

A seguir, exemplos das representações de textos (WKT) dos objetos espaciais das características:

  • POINT(0 0 0) -- XYZ

  • SRID=32632;POINT(0 0) -- XY with SRID

  • POINTM(0 0 0) -- XYM

  • POINT(0 0 0 0) -- XYZM

  • SRID=4326;MULTIPOINTM(0 0 0,1 2 1) -- XYM with SRID

  • MULTILINESTRING((0 0 0,1 1 0,1 2 1),(2 3 1,3 2 1,5 4 1))

  • POLYGON((0 0 0,4 0 0,4 4 0,0 4 0,0 0 0),(1 1 0,2 1 0,2 2 0,1 2 0,1 1 0))

  • MULTIPOLYGON(((0 0 0,4 0 0,4 4 0,0 4 0,0 0 0),(1 1 0,2 1 0,2 2 0,1 2 0,1 1 0)),((-1 -1 0,-1 -2 0,-2 -2 0,-2 -1 0,-1 -1 0)))

  • GEOMETRYCOLLECTIONM( POINTM(2 3 9), LINESTRINGM(2 3 4, 3 4 5) )

  • MULTICURVE( (0 0, 5 5), CIRCULARSTRING(4 0, 4 4, 8 4) )

  • POLYHEDRALSURFACE( ((0 0 0, 0 0 1, 0 1 1, 0 1 0, 0 0 0)), ((0 0 0, 0 1 0, 1 1 0, 1 0 0, 0 0 0)), ((0 0 0, 1 0 0, 1 0 1, 0 0 1, 0 0 0)), ((1 1 0, 1 1 1, 1 0 1, 1 0 0, 1 1 0)), ((0 1 0, 0 1 1, 1 1 1, 1 1 0, 0 1 0)), ((0 0 1, 1 0 1, 1 1 1, 0 1 1, 0 0 1)) )

  • TRIANGLE ((0 0, 0 9, 9 0, 0 0))

  • TIN( ((0 0 0, 0 0 1, 0 1 0, 0 0 0)), ((0 0 0, 0 1 0, 1 1 0, 0 0 0)) )

Entrada/Saída destes formatos estão disponíveis usando as seguintes interfaces:

bytea EWKB = ST_AsEWKB(geometry);
text EWKT = ST_AsEWKT(geometry);
geometry = ST_GeomFromEWKB(bytea EWKB);
geometry = ST_GeomFromEWKT(text EWKT);

Por exemplo, uma declaração inserida válida para criar e inserir um objeto espacial seria:

INSERT INTO geotable ( the_geom, the_name )
  VALUES ( ST_GeomFromEWKT('SRID=312;POINTM(-126.4 45.32 15)'), 'A Place' )

As "formas canônicas" do tipo PostgreSQL são representações obtidas com uma consulta simples (sem nenhuma chamada de função) e aquele que é garantido para ser aceito com uma simples atualização, cópia ou inserção. Para os tipos de "geometria" postgis eles são:

- Output
  - binary: EWKB
        ascii: HEXEWKB (EWKB in hex form)
- Input
  - binary: EWKB
        ascii: HEXEWKB|EWKT 

Por exemplo, esta declaração lê EWKT e retorna HEXEWKB no processo de entrada/saída ascii canônica:

=# SELECT 'SRID=4;POINT(0 0)'::geometry;

geometry
----------------------------------------------------
01010000200400000000000000000000000000000000000000
(1 row)

4.1.3. SQL-MM Part 3

E especificação SQL Multimedia Applications Spatial estende os aspectos simples para SQL spec definindo um número de curvas circularmente interpoladas.

As definições SQL-MM incluem coordenadas 3dm, 3dz e 4d, mas não permite que informações do SRID sejam embutidas.

As extensões de texto bem conhecido não são totalmente suportadas ainda. Exemplos de algumas geometrias curvas simples, são mostradas abaixo:

  • CIRCULARSTRING(0 0, 1 1, 1 0)

    CIRCULARSTRING(0 0, 4 0, 4 4, 0 4, 0 0)

    A CIRCULARSTRING é u tipo de curva básico, parecido com LINESTRING no undo linear. Um único segmento requer três pontos: os pontos final e inicial (primeiro e terceiro) e qualquer outro ponto no arco. A exceção é para um círculo fechado, onde os pontos inicial e final são os mesmos. Neste caso, o segundo ponto DEVE estar no centro do arco, é o lado oposto do círculo. Para ligar arcos, o último ponto do arco anterior se torna o primeiro ponto do próximo arco, assim como na LINESTRING. Isto significa que uma string circular válida deve ter um número ímpar de pontos maior que 1.

  • COMPOUNDCURVE(CIRCULARSTRING(0 0, 1 1, 1 0),(1 0, 0 1))

    Uma curva composta é uma curva única e contínua que tem segmentos curvados (circulares) e lineares. Isto significa que, além de ter componentes bem formados, o ponto final de cada componente (exceto o último) deve ser coincidente com o ponto inicial do componente seguinte.

  • CURVEPOLYGON(CIRCULARSTRING(0 0, 4 0, 4 4, 0 4, 0 0),(1 1, 3 3, 3 1, 1 1))

    Exemplo de curva composta em um polígono curvo: CURVEPOLYGON(COMPOUNDCURVE(CIRCULARSTRING(0 0,2 0, 2 1, 2 3, 4 3),(4 3, 4 5, 1 4, 0 0)), CIRCULARSTRING(1.7 1, 1.4 0.4, 1.6 0.4, 1.6 0.5, 1.7 1) )

    Um POLÍGONOCURVO é como um polígono, com um anel externo e zero ou mais anéis internos. A diferença é que um anel pode obter a forma de uma string circular, linear ou composta.

    Assim como o PostGIS 1.4, o PostGIS suporta curvas compostas em um polígono curvo.

  • MULTICURVE((0 0, 5 5),CIRCULARSTRING(4 0, 4 4, 8 4))

    A MULTICURVA é uma coleção de curvas, que podem incluir strings lineares, circulares e compostas.

  • MULTISURFACE(CURVEPOLYGON(CIRCULARSTRING(0 0, 4 0, 4 4, 0 4, 0 0),(1 1, 3 3, 3 1, 1 1)),((10 10, 14 12, 11 10, 10 10),(11 11, 11.5 11, 11 11.5, 11 11)))

    Esta é uma coleção de superfícies, que podem ser polígonos (lineares) ou polígonos curvos.

[Note]

As versões do PostGIS anteriores a 1.4, não suportam curvas compostas em um polígono curvo, mas a partir do PostGIS 1.4 este suporte acontece.

[Note]

Todos as comparações de pontos flutuantes dentro da implementação SQL-MM são representadas com uma tolerância específica, atualmente 1E-8.

4.2. Tipo de geografia POstGIS

O tipo de geografia fornece suporte natural para características representadas nas coordenadas"geográficas" (às vezes chamadas de coordenadas "geodéticas", ou "lat/lon", ou 'lon/lat"). As coordenadas geográficas são coordenadas esféricas expressadas em unidades angulares (graus).

A base para a geometria PostGIS é um plano. O menor caminho entre dois pontos no plano é uma linha. Isso quer dizer que cálculos em geometrias (áreas, distâncias, cumprimentos, interseções etc) podem ser feitos usando matemática cartesiana e vetores de linhas.

A base da geografia do PostGIS é uma esfera. O menor caminho entre dois pontos em uma esfera é um ótimo arco de círculo. Isto significa que os cálculos nas geografias (áreas, distâncias, comprimentos, interseções etc) devem ser feitos na esfera, usando uma matemática mais complexa. Para medidas mais precisas, os cálculos devem levar a forma esferoidal atual do mundo em consideração, e a matemática se torna, de fato, bem complicada.

Devido à matemática fundamental ser muito mais complicada, existem poucas funções definidas pela geografia em vez da geometria. Ao longo do tempo, à media que os algorítimos forem adicionados, as capacidades da geografia serão expandidas.

Uma restrição é que ele só suporta WGS 84 long lat (SRID:4326). Utiliza um novo tipo de dados chamado geografia. Nenhuma destas funções do GEOS suporta esse novo tipo. Como uma solução alternativa pode-se converter entre os tipos de geometria e geografia.

O novo tipo de geografia usa a definição do PostgreSQL 8.3+ para que uma tabela com o campo geografia possa ser adicionada em um único passo. Todos os formatos padrões OGC, exceto para curvas, são suportados.

4.2.1. Geografia Básica

O tipo de geografia suporta somente a mais simples das características. O tipo de dados de geometria padrão irá autocast para geografia se for de SRID 4326. Você também pode usar as convenções EWKT e EWKB para inserir dados.

  • PONTO: Criando uma tabela com pontos 2d:

    CREATE TABLE testgeog(gid serial PRIMARY KEY, the_geog geography(POINT,4326) );

    Criando uma tabela com ponto de coordenada z

    CREATE TABLE testgeog(gid serial PRIMARY KEY, the_geog geography(POINTZ,4326) );
  • LINESTRING

  • POLYGON

  • MULTIPOINT

  • MULTILINESTRING

  • MULTIPOLYGON

  • GEOMETRYCOLLECTION

Os novos campos de geografia não são registrados nas geometry_columns. Eles são registrados em uma nova view chamada geography_columns, a qual é contra os catálogos do sistema, logo é automaticamente mantida atualizada sem de uma AddGeom... como função.

Agora, veja a view "geography_columns" e note que sua tabela está listada.

Você pode criar uma tabela nova com uma coluna GEOGRAFIA usando a sintaxe CRIAR TABELA. Diferente da GEOMETRIA, não há necessidade de executar um processo AddGeometryColumns() separado para registrar a coluna dos metadados.

CREATE TABLE global_points (
    id SERIAL PRIMARY KEY,
    name VARCHAR(64),
    location GEOGRAPHY(POINT,4326)
  );

Note que a localização da coluna tem tipo GEOGRAFIA e que ela suporta dois modificadores opcionais: um modificador de tipo que restringe o tipo de formas e as dimensões permitidas na coluna; um modificador de SRID que restringe o identificador de referência de coordenadas para um número particular.

Os valores permitidos para o modificador de tipo são: PONTO, LINESTRING, POLÍGONO, MULTIPONTO, MULTILINESTRING, MULTIPOLÍGONO. O modificador também suporta restrições de dimensionalidade através de sufixos: Z, M, e ZM. Então, por exemplo, um modificador de 'LINESTRINGM' só permitiria line strings com três dimensões, e trataria a terceira dimensão como uma medida. Da mesma forma, 'PONTOZM' esperaria dados de quatro dimensões.

O modificador de SRID está atualmente com uso limitado: somente 4326 (WGS84) é permitido como um valor. Se você não especificar um SRID, então um valor 0 (esferoide não específico) será usado, e todos os cálculos serão desenvolvidos usando WGS84 de qualquer forma.

No futuro, SRIDs alternados permitirão cálculos nos esferoides em vez de WGS84.

Uma vez que tenha criado sua tabela, você pode vê-la na tabela GEOGRAPHY_COLUMNS:

-- See the contents of the metadata view
SELECT * FROM geography_columns;

Você pode inserir dados na tabela da mesma forma que iria se estivesse usando uma coluna GEOMETRIA:

-- Add some data into the test table
INSERT INTO global_points (name, location) VALUES ('Town', ST_GeographyFromText('SRID=4326;POINT(-110 30)') );
INSERT INTO global_points (name, location) VALUES ('Forest', ST_GeographyFromText('SRID=4326;POINT(-109 29)') );
INSERT INTO global_points (name, location) VALUES ('London', ST_GeographyFromText('SRID=4326;POINT(0 49)') );

Criar um índice funciona da mesma forma que uma GEOMETRIA. O PostGIS irá notar que o tipo de coluna é GEOGRAFIA e criará um índice baseado em esfera apropriado em vez do de costume usado para GEOMETRIA.

-- Index the test table with a spherical index
  CREATE INDEX global_points_gix ON global_points USING GIST ( location );

As funções de consulta e medida usam unidades em metros. Então, os parâmetros de distância deveriam ser esperados em metros (ou metros quadrados para áreas).

-- Show a distance query and note, London is outside the 1000km tolerance
  SELECT name FROM global_points WHERE ST_DWithin(location, ST_GeographyFromText('SRID=4326;POINT(-110 29)'), 1000000);

Você pode ver o poder de GEOGRAFIA em ação, calculando o quão perto um avião voando de Seattle para Londres (LINESTRING(-122.33 47.606, 0.0 51.5)) vem para Reykjavik (POINT(-21.96 64.15)).

-- Distance calculation using GEOGRAPHY (122.2km)
  SELECT ST_Distance('LINESTRING(-122.33 47.606, 0.0 51.5)'::geography, 'POINT(-21.96 64.15)':: geography);

-- Distance calculation using GEOMETRY (13.3 "degrees")
  SELECT ST_Distance('LINESTRING(-122.33 47.606, 0.0 51.5)'::geometry, 'POINT(-21.96 64.15)':: geometry);

O tipo GEOGRAFIA calcula a verdadeira menor distância sobre a esfera entre Reykjavik e o grande caminho de voo circular entre Seattle e Londres.

Great Circle mapper A GEOMETRIA calcula a distância cartesiana insignificante entre Reykjavik e o caminho direto de Seattle para Londres marcado em um mapa. As unidades nominais do resultado podem ser chamadas de "graus", mas o resultado não corresponde a nenhuma diferença angular verdadeira entre os pontos, então, chamá-las de "graus" é incoerente.

4.2.2. Quando usar o tipo de dados Geografia sobre os dados Geometria

O novo tipo de GEOGRAFIA permite que você armazene dados nas coordenadas longitude/latitude, mas ao custo de: existem menos funções definidas em GEOGRAFIA que em GEOMETRIA; aquelas funções que são definidas gastam mais tempo para a CPU executar.

O tipo que você escolheu deveria ser condicionado da área de trabalho esperada da aplicação que você está construindo. Seus dados irão abranger o globo ou uma grande área continental, ou é local para um estado, condado ou município?

  • Se seus dados estiverem contidos em uma pequena área, talvez perceba que escolher uma projeção apropriada e usar GEOMETRIA é a melhor solução, em termos de desempenho e funcionalidades disponíveis.

  • Se seus dados são globais ou cobrem uma região continental, você pode perceber que GEOGRAFIA permite que você construa uma sistema sem ter que se preocupar com detalhes de projeção. Você armazena seus dados em longitude/latitude, e usa as funções que foram definidas em GEOGRAFIA.

  • Se você não entende de projeções, não quer aprender sobre elas e está preparado para aceitar as limitações em funcionalidade disponíveis em GEOGRAFIA, então pode ser mais fácil se usar GEOGRAFIA em vez de GEOMETRIA. Simplesmente carregue seus dados como longitude/latitude e comece a partir daqui.

Recorra a Section 14.11, “PostGIS Function Support Matrix” para uma comparação entre o que é suportado pela Geografia vs. Geometria. Para uma breve lista e descrição das funções da Geografia, recorra a Section 14.4, “PostGIS Geography Support Functions”

4.2.3. FAQ de Geografia Avançada

4.2.3.1. Você calcula na esfera ou esferoide?
4.2.3.2. E a linha de data e os pólos?
4.2.3.3. Qual é o maior arco que pode ser processado?
4.2.3.4. Por que é tão lento para calcular a área da Europa / Rússia / insira uma grande região geográfica aqui ?

4.2.3.1.

Você calcula na esfera ou esferoide?

Por padrão, todos os cálculos de distância e área são feitos no esferoide. Você irá encontrar que os resultados dos cálculos nas áreas locais combinam com os resultados locais planares em boas projeções locais. Em grandes áreas, os cálculos esferoidais são mais precisos que os feitos em um plano projetado.

Todas as funções de geografia têm a opção de usar um cálculo esférico, configurando um parâmetro booleano final para 'FALSO'. isto irá acelerar os cálculos, particularmente para casos onde as geometrias são bem simples.

4.2.3.2.

E a linha de data e os pólos?

Nenhum cálculo possui a compreensão de linha de data ou polos, as coordenadas são esféricas (longitude/latitude), então uma forma que cruza a linha de data não é, de um ponto de cálculo de view, diferente de nenhuma outra forma.

4.2.3.3.

Qual é o maior arco que pode ser processado?

Nós usamos grandes arcos círculos como a "linha de interpolação" entre dois pontos. Isso significa que quaisquer dois pontos estão de fato juntaram-se de duas maneiras, depende qual direção você vá no grande círculo. Todo o nosso código assume que os pontos estão juntos pelo *menor* dos dois caminhos ao longo do grande círculo. Como consequência, formas que têm arcos de mais de 180 graus não serão modeladas corretamente.

4.2.3.4.

Por que é tão lento para calcular a área da Europa / Rússia / insira uma grande região geográfica aqui ?

Porque o polígono é muito grande! Grandes áreas são ruins por duas razões: seus limites são grandes, logo o índice tende a puxar o traço, não importa qual consulta você execute; o número de vértices é enorme, e testes (distância, contenção) têm que atravessar a lista de vértices pelo meno uma vez e algumas vezes, N vezes (com N sendo o número de vértices em outra característica candidata).

Assim como GEOMETRIA, recomendamos que quando você tem grandes polígonos, mas está fazendo consultas em pequenas áreas, você "desnormaliza" seus dados geométricos em pedaços menores para que o índice possa sub consultar efetivamente partes do objeto e então as consultas não terão que pegar o objeto inteiro toda vez. Apenas porque você *pode* armazenar toda a Europa em um polígono, não significa que você *deva*.

4.3. Usando os Padrões OpenGIS

O OpenGIS "Especificação de Características Simples para SQL" define tipos padrão de objetos GIS, as funções requeridas para manipulá-los e um conjunto de tabelas de metadados. Querendo certificar-se de que os metadados permaneçam consistentes, operações como criar e remover uma coluna espacial são carregadas para fora dos procedimentos especiais definido pelo OpenGIS.

Existem duas tabelas de metadados OpenGIS: SPATIAL_REF_SYS e GEOMETRY_COLUMNS. A tabela SPATIAL_REF_SYS detém as IDs numéricas e descrições textuais de sistemas coordenados usadas no banco de dados espacial.

4.3.1. The SPATIAL_REF_SYS Table and Spatial Reference Systems

A tabela spatial_ref_sys está incluída no POstGIS e uma tabela do banco de dados OGC dependente que lista mais de 3000 spatial reference systems conhecidas e detalhes necessários para transformar/reprojetar entre eles.

Embora a tabela spatial_ref_sys do PostGIS contenha mais de 3000 das definições do sistema de referência espacial mais comumente usadas que podem ser lidadas pela biblioteca de projeção, não contém todas as conhecidas pelo homem e talvez seja preciso definir sua própria projeção personalizada, se você for familiarizado com as construções proj4. Lembre-se que a maioria dos sistemas de referência espacial são regionais e não têm nenhum significado quando usados de fora dos limites.

Uma ótima fonte para encontrar sistemas de referência espacial não definidos na configuração central é http://spatialreference.org/

Alguns dos sistemas de referência espacial mais comumente usados são: 4326 - WGS 84 Long Lat, 4269 - NAD 83 Long Lat, 3395 - WGS 84 World Mercator, 2163 - US National Atlas Equal Area, Spatial reference systems para cadaNAD 83, WGS 84 UTM zona - zonas UTM são as mais ideais para medição, mas só cobrem 6-graus regiões.

Vários estados dos EUA no sistema de referência espacial (em metros ou pés) - normalmente um ou 2 existem por estado. A maioria dos que estão em metros estão no centro, mas muitos dos que estão em pés ou foram criados por ESRI precisarão de spatialreference.org.

Para maiores detalhes na determinação de qual zona UTM usar para sua área de interesse, veja utmzone PostGIS plpgsql helper function.

A tabela SPATIAL_REF_SYS de definição está como segue:

CREATE TABLE spatial_ref_sys (
  srid       INTEGER NOT NULL PRIMARY KEY,
  auth_name  VARCHAR(256),
  auth_srid  INTEGER,
  srtext     VARCHAR(2048),
  proj4text  VARCHAR(2048)
)

As colunas SPATIAL_REF_SYS estão como segue:

SRID

Um valor inteiro que só identifica o Sistema de Referenciação Espacial (SRS) dentro do banco de dados.

AUTH_NAME

O nome do corpo padrão ou corpos padrẽos que estão sendo citados por este sistema de referência. Por exemplo, "EPSG" seria um AUTH_NAME válido.

AUTH_SRID

A ID do sistema de referência espacial como definido pela autoridade citada no AUTH_NAME. No caso do EPSG, isto é onde o código da projeção EPSG estaria.

SRTEXT

A representação bem conhecida de texto do sistema de referência espacial. Um exemplo de uma representação WKT SRS é:

PROJCS["NAD83 / UTM Zone 10N",
  GEOGCS["NAD83",
        DATUM["North_American_Datum_1983",
          SPHEROID["GRS 1980",6378137,298.257222101]
        ],
        PRIMEM["Greenwich",0],
        UNIT["degree",0.0174532925199433]
  ],
  PROJECTION["Transverse_Mercator"],
  PARAMETER["latitude_of_origin",0],
  PARAMETER["central_meridian",-123],
  PARAMETER["scale_factor",0.9996],
  PARAMETER["false_easting",500000],
  PARAMETER["false_northing",0],
  UNIT["metre",1]
]

Para uma listagem de códigos de projeção EPSG e suas correspondentes representações WKT, veja http://www.opengeospatial.org/. Para uma discussão geral de WKT, veja o OpenGIS "Coordinate Transformation Services Implementation Specification" em http://www.opengeospatial.org/standards. Para maiores informações no European Petroleum Survey Group (EPSG) e no banco de dados deles de sistemas de referência espacial, veja http://www.epsg.org.

PROJ4TEXT

O PostGIS usa a biblioteca Proj4 para fornecer capacidades de transformação de coordenada. A coluna PROJ4TEXT contém a string de definição da coordenada Proj4 para um SRID específico. Por exemplo:

+proj=utm +zone=10 +ellps=clrk66 +datum=NAD27 +units=m

Para maiores informações a respeito, veja o website do Proj4 http://trac.osgeo.org/proj/. O arquivo spatial_ref_sys.sql contém as definições SRTEXT e PROJ4TEXT para todas as projeções EPSG.

4.3.2. A GEOMETRY_COLUMNS VIEW

Em versões do PostGIS anteriores a 2.0.0, geometry_columns era uma tabela que podia ser editada diretamente, e às vezes saía da sincronização com a definição atual das colunas geométricas. No PostGIS 2.0.0, as GEOMETRY_COLUMNS se tornaram uma view com a mesma estrutura de face frontal das versões anteriores, mas lendo de sistema de catálogos de banco de dados. Sua estrutura é a seguinte:

\d geometry_columns
View "public.geometry_columns"
      Column       |          Type          | Modifiers
-------------------+------------------------+-----------
 f_table_catalog   | character varying(256) |
 f_table_schema    | character varying(256) |
 f_table_name      | character varying(256) |
 f_geometry_column | character varying(256) |
 coord_dimension   | integer                |
 srid              | integer                |
 type              | character varying(30)  |

Os significados da coluna não mudaram das versões anteriores e são:

F_TABLE_CATALOG, F_TABLE_SCHEMA, F_TABLE_NAME

O nome completo da tabela de característica que contém a coluna geométrica. Note que os termos "catálogo" e "esquema" são Oracle. Não existe um análogo do "catálogo" PostgreSQL, logo a coluna é deixada em branco -- para "esquema" o nome do esquema PostgreSQL é usado (public é o padrão).

F_GEOMETRY_COLUMN

O nome da coluna geométrica na tabela característica.

COORD_DIMENSION

A dimensão espacial (2, 3 ou 4 dimensões) da coluna.

SRID

A ID do sistema de referência espacial usada pela coordenada nesta coluna. É uma referência de chave estrangeira para SPATIAL_REF_SYS.

TYPE

O tipo do objeto espacial. Para restringir a coluna espacial a um tipo só, use um dos: PONTO, LINESTRING, POLÍGONO, MULTIPONTO, MULTILINESTRING, MULTIPOLÍGONO, GEOMETRYCOLLECTION ou versões correspondentes XYM PONTOM, LINESTRINGM, POLÍGONOM, MULTIPOINTM, MULTILINESTRINGM, MULTIPOLÍGONOM, GEOMETRYCOLLECTIONM. Para coleções heterogêneas (do tipo mistas), você pode usar "GEOMETRIA" como o tipo.

[Note]

Este atributo (provavelmente) não é parte da especificação OpenGIS, mas é solicitada para assegurar a homogeneidade do tipo.

4.3.3. Criando uma Tabela Espacial

Criando uma tabela com dados espaciais, pode ser feito em um passo. Como mostra no exemplo seguinte, o qual cria tabelas de ruas com uma coluna de geometria linestring 2D em WGS84 long lat

CREATE TABLE ROADS ( ID int4
                , ROAD_NAME varchar(25), geom geometry(LINESTRING,4326) );

Podemos adicionar colunas usando o comando padrão ALTERAR TABELA como fazemos no próximo exemplo onde adicionamos uma linestring 3-D.

ALTER TABLE roads ADD COLUMN geom2 geometry(LINESTRINGZ,4326);

Para compatibilidade atrasada, você ainda pode criar uma tabela espacial em dois estágios usando as funções de gerenciamento.

  • Criar uma tabela não espacial normal.

    Por exemplo: CREATE TABLE ROADS ( ID int4, ROAD_NAME varchar(25) )

  • Adiciona uma coluna espacial à tabela usando a função "AddGeometryColumn" do OpenGIS. Recorra a AddGeometryColumn para mais detalhes.

    The syntax is:

    AddGeometryColumn(
      <schema_name>,
      <table_name>,
      <column_name>,
      <srid>,
      <type>,
      <dimension>
    )

    Or, using current schema:

    AddGeometryColumn(
      <table_name>,
      <column_name>,
      <srid>,
      <type>,
      <dimension>
    )

    Exemplo1: SELECT AddGeometryColumn('public', 'roads', 'geom', 423, 'LINESTRING', 2)

    Exemplo2: SELECT AddGeometryColumn( 'roads', 'geom', 423, 'LINESTRING', 2)

Aqui está um exemplo de SQL usado para criar uma tabela e adicionar uma coluna espacial (assumindo que um SRID de 128 já existe):

CREATE TABLE parks (
  park_id    INTEGER,
  park_name  VARCHAR,
  park_date  DATE,
  park_type  VARCHAR
);
SELECT AddGeometryColumn('parks', 'park_geom', 128, 'MULTIPOLYGON', 2 );

Aqui está outro exemplo, usando o tipo de "geometria " genérico e o valor de SRID indefinido de 0:

CREATE TABLE roads (
  road_id INTEGER,
  road_name VARCHAR
);
SELECT AddGeometryColumn( 'roads', 'roads_geom', 0, 'GEOMETRY', 3 );

4.3.4. Registrando manualmente as colunas geométricas em geometry_columns

A aproximação AddGeometryColumn() cria uma coluna geométrica e também registra a nova coluna na tabela geometry_columns. Se seu software utiliza geometry_columns, então quaisquer colunas geométricas que você precise para consultar, deverão ser registradas nesta view. Começando com o PostGIS 2.0, as geometry_columns não são mais editáveis e todas as coluna geométricas se auto registram.

If your geometry columns were created as generic in a table or view and no constraints applied, they will not have a dimension, type or srid in geometry_columns views, but will still be listed.

Dois dos casos onde isto pode acontecer, mas você não pode usar o AddGeometryColumn, são os casos das Views SQL e de uma grande inserção. Para esses casos, você pode corrigir o registro na tabela geometry_columns coagindo a coluna. Note que no PostGIS 2.0+, se sua coluna é typmod, o processo de criação registraria corretamente, então não é necessário fazer nada.

--Lets say you have a view created like this
CREATE VIEW  public.vwmytablemercator AS
        SELECT gid, ST_Transform(geom,3395) As geom, f_name
        FROM public.mytable;

-- For it to register correctly in PostGIS 2.0+
-- You need to cast the geometry
--
DROP VIEW public.vwmytablemercator;
CREATE VIEW  public.vwmytablemercator AS
        SELECT gid, ST_Transform(geom,3395)::geometry(Geometry, 3395) As geom, f_name
        FROM public.mytable;

-- If you know the geometry type for sure is a 2D POLYGON then you could do
DROP VIEW public.vwmytablemercator;
CREATE VIEW  public.vwmytablemercator AS
        SELECT gid, ST_Transform(geom,3395)::geometry(Polygon, 3395) As geom, f_name
        FROM public.mytable;
--Lets say you created a derivative table by doing a bulk insert
SELECT poi.gid, poi.geom, citybounds.city_name
INTO myschema.my_special_pois
FROM poi INNER JOIN citybounds ON ST_Intersects(citybounds.geom, poi.geom);

--Create 2d index on new table
CREATE INDEX idx_myschema_myspecialpois_geom_gist
  ON myschema.my_special_pois USING gist(geom);

-- If your points are 3D points or 3M points,
-- then you might want to create an nd index instead of a 2d index
-- like so
CREATE INDEX my_special_pois_geom_gist_nd
        ON my_special_pois USING gist(geom gist_geometry_ops_nd);

--To manually register this new table's geometry column in geometry_columns
-- Note that this approach will work for both PostGIS 2.0+ and PostGIS 1.4+
-- For PostGIS 2.0 it will also change the underlying structure of the table to
-- to make the column typmod based.
-- For PostGIS prior to 2.0, this technique can also be used to register views
SELECT populate_geometry_columns('myschema.my_special_pois'::regclass);

--If you are using PostGIS 2.0 and for whatever reason, you
-- you need the old constraint based definition behavior
-- (such as case of inherited tables where all children do not have the same type and srid)
-- set new optional  use_typmod argument to false
SELECT populate_geometry_columns('myschema.my_special_pois'::regclass, false); 

Embora o método baseado em restrições antigas continue sendo suportado, uma coluna geométrica baseada nelas usada diretamente em uma view, não irá registrar corretamente em geometry_columns, como irá um typmod. Neste exemplo, definimos uma coluna usando typmod e outra usando restrições.

CREATE TABLE pois_ny(gid SERIAL PRIMARY KEY
   , poi_name text, cat varchar(20)
   , geom geometry(POINT,4326) );
SELECT AddGeometryColumn('pois_ny', 'geom_2160', 2160, 'POINT', 2, false);

Se executarmos em psql

\d pois_ny;

Observamos que elas são definidas de maneira diferente -- uma é typmod, outra é restrição

Table "public.pois_ny"
  Column   |         Type          |                       Modifiers

-----------+-----------------------+------------------------------------------------------
 gid       | integer               | not null default nextval('pois_ny_gid_seq'::regclass)
 poi_name  | text                  |
 cat       | character varying(20) |
 geom      | geometry(Point,4326)  |
 geom_2160 | geometry              |
Indexes:
    "pois_ny_pkey" PRIMARY KEY, btree (gid)
Check constraints:
    "enforce_dims_geom_2160" CHECK (st_ndims(geom_2160) = 2)
    "enforce_geotype_geom_2160" CHECK (geometrytype(geom_2160) = 'POINT'::text
        OR geom_2160 IS NULL)
    "enforce_srid_geom_2160" CHECK (st_srid(geom_2160) = 2160)

Nas geometry_columns, elas registram corretamente

SELECT f_table_name, f_geometry_column, srid, type
        FROM geometry_columns
        WHERE f_table_name = 'pois_ny';
f_table_name | f_geometry_column | srid | type
-------------+-------------------+------+-------
pois_ny      | geom              | 4326 | POINT
pois_ny      | geom_2160         | 2160 | POINT

Entretanto -- se se quiséssemos criar uma view como essa

CREATE VIEW vw_pois_ny_parks AS
SELECT *
  FROM pois_ny
  WHERE cat='park';

SELECT f_table_name, f_geometry_column, srid, type
        FROM geometry_columns
        WHERE f_table_name = 'vw_pois_ny_parks';

A coluna baseada em typmod registra corretamente, mas a baseada em restrições não.

f_table_name   | f_geometry_column | srid |   type
------------------+-------------------+------+----------
 vw_pois_ny_parks | geom              | 4326 | POINT
 vw_pois_ny_parks | geom_2160         |    0 | GEOMETRY

Isto pode modificar as versões futuras do PostGIS, mas por enquanto para forçar a restrição baseada em coluna view registrar corretamente, precisamos fazer isto:

DROP VIEW vw_pois_ny_parks;
CREATE VIEW vw_pois_ny_parks AS
SELECT gid, poi_name, cat
  , geom
  , geom_2160::geometry(POINT,2160) As geom_2160
  FROM pois_ny
  WHERE cat='park';
SELECT f_table_name, f_geometry_column, srid, type
        FROM geometry_columns
        WHERE f_table_name = 'vw_pois_ny_parks';
f_table_name   | f_geometry_column | srid | type
------------------+-------------------+------+-------
 vw_pois_ny_parks | geom              | 4326 | POINT
 vw_pois_ny_parks | geom_2160         | 2160 | POINT

4.3.5. Assegurando a confirmação de geometrias OpenGIS

O PostGIS é condescendente com as Open Geospatial Consortium’s (OGC) OpenGIS Specifications. Dessa forma, vários métodos PostGIS requerem, ou mais precisamente, presumem que as geometrias que são operadas são simples e válidas. Por exemplo, não faz sentido calcular a área de um polígono que tem um buraco definido fora do polígono, ou construir um polígono de uma linha delimitadora não simples.

De acordo com as especificações OGC, uma geometria simple é aquela que não possui pontos geométricos anômalos, como: auto interseção ou auto tangenciação e refere-se primeiramente a geometrias 0 ou 1-diemensional (ex.: [MULTI]POINT, [MULTI]LINESTRING). Por outro lado, a validade da geometria refere-se primeiramente a geometrias 2-dimensional (ex.: [MULTI]POLYGON) e define o conjunto de afirmações que caracterizam um polígono válido. A descrição de cada classe de geometria inclui condições específicas que detalham mais a simplicidade e validade geométricas.

Um POINT é herdado simple como um objeto geométrico 0-dimensional.

MULTIPOINTs são simple se nenhuma de duas coordenadas (POINTs) forem iguais (tenham o valor de coordenadas idêntico).

Uma LINESTRING é simple se não passa pelo mesmo POINT duas vezes (exceto para ponto finais, em cada caso são referidos como um anel linear e considerados fechados).

(a)

(b)

(c)

(d)

(a) e (c) são simples LINESTRINGs, (b) e (d) não são.

Uma MULTILINESTRING é simple somente se todos seus elementos forem simples e a única interseção entre qualquer um dos dois elementos ocorre em POINTs que estão nos limites dos dois elementos.

(e)

(f)

(g)

(e) e (f) são simples MULTILINESTRINGs, (g) não são.

Por definição, um POLYGON é sempre simple. Ele é valid se nenhum dos dois anéis (feitos de um exterior e um interior) no limite cruzar. O limite de um POLYGON pode intersectar em um POINT mas só como uma tangente (ex.: não em uma linha). Um POLYGON pode não ter linhas cortadas ou extremidades e os anéis interiores devem estar inteiramente contidos dentro dos anéis exteriores.

(h)

(i)

(j)

(k)

(l)

(m)

(h) e (i) são válidas POLYGONs, (j-m) não podem ser representados como POLYGONs, mas (j) e (m) podem ser representados como uma MULTIPOLYGON válida.

Um MULTIPOLYGON é valid somente se todos seus elementos forem válidos e os interiores de nenhum dos dois elementos intersectarem. Os limites de quaisquer dois elementos podem se tocar, mas somente em um número finito de POINTs.

(n)

(o)

(p)

(n) e (o) não são válidos MULTIPOLYGONs. (p), entretanto, é válido.

A maioria das funções implementadas pela biblioteca GEOS confiam na suposição de que suas geometrias são válidas como especificados pela OpenGIS Simple Feature Specification. Para verificar a simplicidade ou validade de geometrias, você pode usar a ST_IsSimple() e ST_IsValid()

-- Typically, it doesn't make sense to check
-- for validity on linear features since it will always return TRUE.
-- But in this example, PostGIS extends the definition of the OGC IsValid
-- by returning false if a LineString has less than 2 *distinct* vertices.
gisdb=# SELECT
   ST_IsValid('LINESTRING(0 0, 1 1)'),
   ST_IsValid('LINESTRING(0 0, 0 0, 0 0)');

 st_isvalid | st_isvalid
------------+-----------
      t     |     f

Por padrão, o PostGIS não aplica essa verificação de validade na geometria de entrada, porque testar a validade requer muito tempo da CPU para geometrias complexas, especialmente polígonos. Se você não confia nas fontes dos seus dados, você pode executar uma verificação nas suas tabelas adicionando uma restrição de verificação:

ALTER TABLE mytable
  ADD CONSTRAINT geometry_valid_check
        CHECK (ST_IsValid(the_geom));

Se você encontrar alguma mensagem de erro estranha como "GEOS Intersection() threw an error!" ou "JTS Intersection() threw an error!" quando chamar as funções PostGIS com geometrias de entrada válidas, você encontrou um erro ou no PostGIS ou em uma das bibliotecas que ele usa, e você deveria entrar em contato com os desenvolvedores do PostGIS. O mesmo é válido se uma função do PostGIS retornar uma geometria inválida para uma entrada válida.

[Note]

Estritamente condescendentes geometrias OGC não podem ter valores Z ou M. A função ST_IsValid() não irá considerar geometrias com dimensões maiores inválidas! Invocações de AddGeometryColumn() irão adicionar uma restrição verificando dimensões de geometrias, então é suficiente especificar 2 lá.

4.3.6. Dimensionalidade estendida 9 Modelo de Interseção (DE-9IM)

Às vezes é o caso que as declarações espaciais típicas (ST_Contains, ST_Crosses, ST_Intersects, ST_Touches, ...) não são suficientes para fornecer adequadamente aquele filtro espacial desejado.

Considere um dataset linear representando uma rede de ruas. Pode ser a tarefa de um analista GIS identificar todos os segmentos de ruas que cruzam outras, não em um ponto, mas em uma linha, talvez invalidando alguma regra de negócio. Neste caso, a ST_Crosses não fornece adequadamente o filtro espacial necessário já que, para características lineares, ela retorna true só onde elas cruzam em um ponto.

Uma solução de dois passos pode ser primeiro representar a verdadeira interseção (ST_Intersection) de pares de segmentos de ruas que se intersectam espacialmente (ST_Intersects), e comparar as ST_GeometryType das intersecções com a 'LINESTRING' (lidando propriamente com casos que retornam GEOMETRYCOLLECTIONs de [MULTI]POINTs, [MULTI]LINESTRINGs, etc.).

Uma solução mais elegante/rápida pode ser de fato desejável.

Um segundo exemplo [teórico] pode ser aquele de um analista GIS tentando localizar todos os píeres ou docas que intersectam as margens de um lago em um linha e onde somente um fim do píer está em terra. Em outras palavras, onde um píer está, mas não completamente, dentro de um lago, e onde os pontos finais do píer estão completamente dentro e nas margens do lago. O analista pode precisar usar uma combinação de predicados espaciais para isolar o as características procuradas:

Então entre a Dimensionalidade estendida 9 Modelo de Interseção ou DE-9IM para abreviação.

4.3.6.1. Teoria

De acordo com OpenGIS Simple Features Implementation Specification for SQL, "a abordagem básica para comparar duas geometrias é fazer testes par-wise das interseções entre os interiores, limites e exteriores das duas geometrias e classificar a relação entre as duas geometrias baseada nas entradas e na matriz de "interseção" resultante."

Boundary

O limite de uma geometria é o conjunto de geometrias da próxima menor dimensão. Para POINTs, os quais têm uma dimensão 0, o limite é o conjunto vazio. O limite de uma LINESTRING são os dois pontos finais. Para POLYGONs, o limite é a linework que faz os anéis interiores e exteriores.

Interior

O interior de uma geometria são aqueles pontos deixados quando um limite é removido. Para POLYGONs, o interior é o pŕoprio POLYGON. O interior de uma LINESTRING são o conjunto de pontos reais entre os pontos finais. Para POLYGONs, o interior é a superfície areal dentro do polígono.

Exterior

O exterior de uma geometria é o universo, uma superfícies areal, não no interior ou limite da geometria.

Dada a geometria a, onde o I(a), B(a), and E(a) são Interior, Boundary, e Exterior de a, a representação matemática da matriz é:

 InteriorBoundaryExterior
Interiordim( I(a) ∩ I(b) )dim( I(a) ∩ B(b) )dim( I(a) ∩ E(b) )
Boundarydim( B(a) ∩ I(b) )dim( B(a) ∩ B(b) )dim( B(a) ∩ E(b) )
Exteriordim( E(a) ∩ I(b) )dim( E(a) ∩ B(b) )dim( E(a) ∩ E(b) )

Ondedim(a) é a dimensão de a como especificado em ST_Dimension mas tem o domínio de {0,1,2,T,F,*}

  • 0 => point

  • 1 => line

  • 2 => area

  • T => {0,1,2}

  • F => empty set

  • * => don't care

Visualmente, para dois polígonos que se sobrepõem, isto se parece com:

 

 InteriorBoundaryExterior
Interior

dim(...) = 2

dim(...) = 1

dim(...) = 2

Boundary

dim(...) = 1

dim(...) = 0

dim(...) = 1

Exterior

dim(...) = 2

dim(...) = 1

dim(...) = 2

Leia da esquerda para a direita e de cima para baixo, a matriz dimensional é representada, '212101212'.

Uma matriz conta que iria portanto representar nosso primeiro exemplo de duas linhas que intersectam em uma linha, seria: '1*1***1**'

-- Identify road segments that cross on a line
SELECT a.id
FROM roads a, roads b
WHERE a.id != b.id
AND a.geom && b.geom
AND ST_Relate(a.geom, b.geom, '1*1***1**');

Uma matriz conta que representa o segundo exemplo de cais parcialmente na margem do lago seria '102101FF2'

-- Identify wharfs partly on a lake's shoreline
SELECT a.lake_id, b.wharf_id
FROM lakes a, wharfs b
WHERE a.geom && b.geom
AND ST_Relate(a.geom, b.geom, '102101FF2');

Para maiores informações ou leituras, veja:

4.4. Carregando dados GIS (Vector)

Uma vez que tenha criado uma tabela espacial, você está pronto para atualizar os dados GIS no banco de dados. No momento, existe duas formas de colocar os dados no banco de dados PostGIS/PostgreSQL: usando as declarações SQL ou usando o shape file loader/dumper.

4.4.1. Carregando Dados Usando SQL

Se você puder converter seus dados para uma representação de texto, então usar SQL formatado pode ser mais fácil de colocar seus dados no PostGIS. Como com o Oracle e outros banco de dados SQL, dados só podem ser carregados em volume canalizando um grande arquivo de texto cheio de declarações SQL "INSERT" dentro do monitor SQL.

Um arquivo de atualização de dados (roads.sql por exemplo) deve se parecer com:

BEGIN;
INSERT INTO roads (road_id, roads_geom, road_name)
  VALUES (1,ST_GeomFromText('LINESTRING(191232 243118,191108 243242)',-1),'Jeff Rd');
INSERT INTO roads (road_id, roads_geom, road_name)
  VALUES (2,ST_GeomFromText('LINESTRING(189141 244158,189265 244817)',-1),'Geordie Rd');
INSERT INTO roads (road_id, roads_geom, road_name)
  VALUES (3,ST_GeomFromText('LINESTRING(192783 228138,192612 229814)',-1),'Paul St');
INSERT INTO roads (road_id, roads_geom, road_name)
  VALUES (4,ST_GeomFromText('LINESTRING(189412 252431,189631 259122)',-1),'Graeme Ave');
INSERT INTO roads (road_id, roads_geom, road_name)
  VALUES (5,ST_GeomFromText('LINESTRING(190131 224148,190871 228134)',-1),'Phil Tce');
INSERT INTO roads (road_id, roads_geom, road_name)
  VALUES (6,ST_GeomFromText('LINESTRING(198231 263418,198213 268322)',-1),'Dave Cres');
COMMIT;

O arquivo de dados pode ser canalizado para PostgreSQL facilmente usando o "psql" SQL monitor terminal:

psql -d [database] -f roads.sql

4.4.2. shp2pgsql: Using the ESRI Shapefile Loader

O carregador de dados shp2pgsql converte ESRI Shape files em SQL adequado para inserção dentro de um banco de dados PostGIS/PostgreSQL, seja em formato de geometria ou geografia. O carregador possui vários modos de operação distinguidos pelas linhas de bandeiras de comando:

Juntamente com o comando carregador shp2pgsql, existe uma interface shp2pgsql-gui gráfica com a maioria das opções como o carregador, mas pode ser mais fácil de usar para um carregamento único non-scripted ou se você é novo no PostGIS. Pode ser configurado como um plugin do PgAdminIII.

(c|a|d|p) Essas são opções mutualmente exclusivas:

-c

Cria uma tabela nova e popula do shapefile. Este é o modo padrão.

-a

Anexa dados do shapefile dentro do banco de dados da tabela. Note que para usar esta opção para carregar vários arquivos, eles devem ter os mesmos atributos e tipos de dados.

-d

Derruba a tabela do banco de dados, criando uma nova tabela com os dados do shapefile.

-p

Produz somente a criação da tabela do código SQL, sem adicionar nenhum dado de fato. Isto pode ser usado se você precisar separar completamente a tabela de criação e os passos de carregamento de dados.

-?

Exibir tela de ajuda.

-D

Use o formato PostgreSQL "dump" para os dados de saída. Pode ser combinado com -a, -c e -d. É muito mais rápido para carregar que o formato padrão "insert" SQL. Use isto para dados muito grandes.

-s [<FROM_SRID%gt;:]<SRID>

Cria e popula as tabelas de geometria com o SRID específico. Especifica, opcionalmente, que o shapefile de entrada usa o FROM_SRID dado, caso em que as geometrias serão reprojetadas para o SRID alvo. FROM_SRID não pode ser especificado com -D.

-k

Mantém identificadores (coluna, esquema e atributos). Note que os atributos no shapefile estão todos em CAIXAALTA.

-i

Coage todos os inteiros para 32-bit integers padrão, não cria 64-bit bigints, mesmo se a assinatura DBF parecer justificar ele.

-I

Cria um índice GiST na coluna geométrica.

-m

-m a_file_name Especifica um arquivo contendo um conjunto de mapas de nomes (longos) de colunas para nomes de colunas DBF com 10 caracteres. O conteúdo deste arquivo é uma ou mais linhas de dois nomes separados por um espaço branco e seguindo ou liderando espaço. Por exemplo:

COLUMNNAME DBFFIELD1
AVERYLONGCOLUMNNAME DBFFIELD2

-S

Gera geometrias simples em vez de MULTI geometrias. Só irá ter sucesso se todas as geometrias forem de fato únicas (ex.: um MULTIPOLÍGONO com uma única shell, ou um MULTIPONTO com um único vértice).

-t <dimensionality>

Força a geometria de saída a ter dimensionalidade especificada. Use as strings seguintes para indicar a dimensionalidade: 2D, 3DZ, 3DM, 4D.

Se a entrada tiver poucas dimensões especificadas, a saída terá essas dimensões cheias com zeros. Se a entrada tiver mais dimensões especificadas, as que indesejadas serão tiradas.

-w

Gera o formato WKT em vez do WKB. Note que isto pode introduzir impulsos de coordenadas para perda de precisão.

-e

Execute cada declaração por si mesma, sem usar uma transação. Isto permite carregar a maioria dos dados bons quando existem geometrias ruins que geram erros. Note que não pode ser usado com a bandeira -D como o formato "dump" sempre usa a transação.

-W <encoding>

Especifica codificação dos dados de entrada (arquivo dbf). Quando usado, todos os atributos do dbf são convertidos da codificação especificada para UTF8. A saída SQL resultante conterá um comando SET CLIENT_ENCODING to UTF8, então o backend será capaz de reconverter do UTF8 para qualquer codificação que o banco de dados estiver configurado para usar internamente.

-N <policy>

Políticas para lidar com geometrias NULAS (insert*,skip,abort)

-n

-n Só importa arquivo DBF. Se seus dados não possuem shapefile correspondente, ele irá trocar automaticamente para este modo e carregar só o dbf. Então, só é necessário configurar esta bandeira se você tiver um shapefile completo, e se quiser os dados atributos e nenhuma geometria.

-G

Use geografia em vez de geometria (requer dados long/lat) em WGS84 long lat (SRID=4326)

-T <tablespace>

Especifica o espaço para a nova tabela. Os índices continuarão usando espaço padrão a menos que o parâmetro -X também seja usado. A documentação PostgreSQL tem uma boa descrição quando usa espaços personalizados.

-X <tablespace>

Especifica o espaço para os novos índices da tabela. Isto se aplica ao primeiro índice chave, e o índice GIST espacial, se -I também for usado.

Uma seção exemplo usando o carregador para criar um arquivo de entrada e atualizando ele pode parecer com:

# shp2pgsql -c -D -s 4269 -i -I shaperoads.shp myschema.roadstable > roads.sql
# psql -d roadsdb -f roads.sql

Uma conversão e um upload podem ser feitos em apenas um passo usando encadeamento UNIX:

# shp2pgsql shaperoads.shp myschema.roadstable | psql -d roadsdb

4.5. Recuperando dados GIS

Os dados podem ser extraídos do banco da dados usando o SQL ou o Shape file loader/dumper. Na seção do SQL discutiremos alguns dos operadores disponíveis para comparações e consultas em tabelas espaciais.

4.5.1. Usando SQL para recuperar dados

O mais simples significa extrair os dados do banco de dados, é usar uma consulta SQL para reduzir o número de RELATOS e COLUNAS retornados e abandonar as colunas resultantes dentro de um arquivo de texto analisável:

db=# SELECT road_id, ST_AsText(road_geom) AS geom, road_name FROM roads;

road_id | geom                                    | road_name
--------+-----------------------------------------+-----------
          1 | LINESTRING(191232 243118,191108 243242) | Jeff Rd
          2 | LINESTRING(189141 244158,189265 244817) | Geordie Rd
          3 | LINESTRING(192783 228138,192612 229814) | Paul St
          4 | LINESTRING(189412 252431,189631 259122) | Graeme Ave
          5 | LINESTRING(190131 224148,190871 228134) | Phil Tce
          6 | LINESTRING(198231 263418,198213 268322) | Dave Cres
          7 | LINESTRING(218421 284121,224123 241231) | Chris Way
(6 rows)

Entretanto, às vezes algum tipo de restrição será necessária para cortar o número de campos retornados. No caso de restrições baseadas em atributos, só use a mesma sintaxe SQL como normal com uma tabela não espacial. No caso de restrições espaciais, os operadores seguintes são úteis/disponíveis:

&&

Este operador conta se uma caixa delimitadora de uma geometria intersecta a caixa de outra.

ST_OrderingEquals

Isto testa se duas geometrias são geometricamente iguais. Por exemplo, se 'POLYGON((0 0,1 1,1 0,0 0))' é o mesmo que 'POLYGON((0 0,1 1,1 0,0 0))' (é).

=

Este operador é um pouco mais ingênuo, só testa se as caixas delimitadoras das duas geometrias são as mesmas.

A seguir, você pode usar estes operadores em consultas. Note que quando especificando as geometrias e caixas na linha de coando SQL, você deve tornar as representações da string explicitamente em geometrias usando a função "ST_GeomFromText()". O 312 é um sistema de referência espacial ficcional que combina com os nossos dados. Então, por exemplo:

SELECT road_id, road_name
  FROM roads
  WHERE ST_OrderingEquals(roads_geom , ST_GeomFromText('LINESTRING(191232 243118,191108 243242)',312) ) ;

A consulta acima retornaria um único relato da tabela "ROADS_GEOM"na qual a geometria era igual ao valor.

Usando o operador "&&" , você pode especificar uma CAIXA3D como uma caracetrística de comparação ou uma GEOMETRIA. Entretanto, quando você especifica uma GEOMETRIA, a caixa delimitadora dela será usada para a comparação.

SELECT road_id, road_name
FROM roads
WHERE roads_geom && ST_GeomFromText('POLYGON((...))',312);

A consulta acima usará a caixa delimitadora do polígono para comparações.

A consulta espacial ais comum será provavelmente uma "frame-based", usada pelo software do cliente, como browsers de dados e mapeadores de web, para pegar uma "moldura do mapa" com dados válidos para exposição. Usando uma "CAIXA3D" da moldura, tal consulta se parece com:

SELECT ST_AsText(roads_geom) AS geom
FROM roads
WHERE
  roads_geom && ST_MakeEnvelope(191232, 243117,191232, 243119,312);

Observe o uso do SRID 312, para especificar a projeção do envelope.

4.5.2. Usando o Dumper

A tabela dumper pgsql2shp conecta diretamente ao banco de dados e converte uma tabela (possivelmente definida por uma consulta) em um shapefile. A sintaxe básica é:

pgsql2shp [<options>] <database> [<schema>.]<table>
pgsql2shp [<options>] <database> <query>

As opções da commandline são:

-f <filename>

Atribui a saída a um filename específico.

-h <host>

O hospedeiro do banco de dados para se conectar.

-p <port>

A porta para conectar no hospedeiro do banco de dados.

-P <password>

A senha para usar quando conectar ao banco de dados.

-u <user>

O nome de usuário para usar quando conectado ao banco de dados.

-g <geometry column>

No caso de tabelas com várias colunas geométricas, a coluna para usar quando atribuindo o shapefile.

-b

Use um cursor binário. Isto tornará a operação mais rápida, mas não funcionará se qualquer atributo NÃO-geométrico na tabela necessitar de um cast para o texto.

-r

Modo cru. Não derruba o campo gid, ou escapa o nome das colunas.

-d

Para compatibilidade atrasada: escreve um shape file 3-dimensional quando descartando dos bancos de dados antigos (pre-1.0.0) do postgis (o padrão é escrever um 2-dimensional neste caso). Começando do postgis-1.0.0+, as dimensões estão completamente codificadas.

-m filename

Remapeia os identificadores para nomes com dez caracteres. O conteúdo do arquivo é linhas de dois símbolos separados por um único espaço branco e nenhum espaço seguindo ou à frente: VERYLONGSYMBOL SHORTONE ANOTHERVERYLONGSYMBOL SHORTER etc.

4.6. Construindo índidces

Os índices são o que torna possível usar banco de dados espaciais para muitos dados. Sem eles, qualquer pesquisa por uma característica iria precisar de um "escaneamento em sequência" de cada relatório no banco de dados. Os índices aceleram a pesquisa, organizando os dados em uma árvore de pesquisa que pode ser rapidamente atravessada para encontrar um relatório específico. O PostgreSQL suporta três tipos de índices por padrão: índices B-Tree, R-Tree e GiST.

  • B-Trees são usados para dados que podem ser ordenados ao longo de um eixo, por exemplo: números, letras e datas. Os dados GIS não podem ser ordenados racionalmente (qual é maior, (0,0) ou (0,1) ou (1,0)?) então, o índice B-Tree não é útil para nós.

  • R-Trees dissolvem dados em retângulos, sub retângulos e sub sub-retângulos etc. Eles são usados por alguns bancos de dados espaciais para classificar dados GIS, mas a implementação PostgreSQL R-Tree não é tão robusta quanto a implementação GiST.

  • GiST (Generalized Search Trees) dissolvem dados em "coisas de um lado", "coisas que sobrepõem", "coisas que estão dentro" e pode ser usado em vários tipos de dados, incluindo dados GIS. O PostGIS usa o índice R-Tree implementado no topo do GiST para classificar dados GIS.

4.6.1. Índices GiST

GiST significa "Árvores de Pesquisa Generalizada" e é uma forma genérica de classificar. Além disso, ele é usado para acelerar pesquisas em todos os tipos de estruturas de dados irregulares (arranjos inteiros, dados espectrais etc) que não são agradáveis à classificação normal B-Tree.

Uma vez que uma tabela de dados GIS excede pouco mais de mil filas, você irá querer construir um índice para acelerar pesquisas espaciais dos dados (a menos que suas pesquisas sejam baseadas em atributos, você vai querer construir um índice normal nos campos de atributo).

A sintaxe para construir um índice GiST em uma coluna "geométrica" é a seguinte:

CREATE INDEX [indexname] ON [tablename] USING GIST ( [geometryfield] ); 

A sintaxe acima sempre irá construir um índice 2D. Para obter o índice n-dimensional suportado no PostGIS 2.0+ para a geometria, você pode criar um usando esta sintaxe.

CREATE INDEX [indexname] ON [tablename] USING GIST ([geometryfield] gist_geometry_ops_nd);

Construir um índice espacial é um exercício intensivo de computador: em tabelas de aproximadamente 1 milhão de filas, em uma máquina Solaris de 300MHz, encontramos que construir um índice GiST demora mais ou menos 1 hora. Depois da construção do índice, é importante forçar o PostgreSQL a coletar estatísticas de tabela, que são usadas para otimizar planos de consulta:

VACUUM ANALYZE [table_name] [(column_name)];
-- This is only needed for PostgreSQL 7.4 installations and below
SELECT UPDATE_GEOMETRY_STATS([table_name], [column_name]);

Os índices GiST têm duas vantagens sobre os índices R-Tree no PostgreSQL. Primeiro, eles são "null safe", isto é, eles podem classificar colunas que incluem valores nulos. Segundo, eles suportam o conceito de "perda de peso" que é importante ao lidar com objetos GIS maiores que o tamanho da página PostgreSQL 8K. A perda de peso permite que o PostgreSQL armazena só a parte "importante" de um objetoem um índice -- no caso dos objetos GIS, só a caixa delimitadora. Os objetos GIS maiores que 8K irão fazer os índices R-Tree falhar no processo de serem construídos.

4.6.2. Índices GiST

BRIN stands for "Block Range Index" and is a generic form of indexing that has been introduced in PostgreSQL 9.5. BRIN is a lossy kind of index, and its main usage is to provide a compromise for both read and write performance. Its primary goal is to handle very large tables for which some of the columns have some natural correlation with their physical location within the table. In addition to GIS indexing, BRIN is used to speed up searches on various kinds of regular or irregular data structures (integer, arrays etc).

Uma vez que uma tabela de dados GIS excede pouco mais de mil filas, você irá querer construir um índice para acelerar pesquisas espaciais dos dados (a menos que suas pesquisas sejam baseadas em atributos, você vai querer construir um índice normal nos campos de atributo).

The idea of a BRIN index is to store only the bouding box englobing all the geometries contained in all the rows in a set of table blocks, called a range. Obviously, this indexing method will only be efficient if the data is physically ordered in a way where the resulting bouding boxes for block ranges will be mutually exclusive. The resulting index will be really small, but will be less efficient than a GiST index in many cases.

Building a BRIN index is way less intensive than building a GiST index. It's quite common to build a BRIN index in more than ten time less than a GiST index would have required. As a BRIN index only store one bouding box for one to many table blocks, it's pretty common to consume up to a thousand time less disk space for this kind of indexes.

You can choose the number of blocks to summarize in a range. If you decrease this number, the index will be bigger but will probably help to get better performance.

A sintaxe para construir um índice GiST em uma coluna "geométrica" é a seguinte:

CREATE INDEX [indexname] ON [tablename] USING GIST ( [geometryfield] ); 

A sintaxe acima sempre irá construir um índice 2D. Para obter o índice n-dimensional suportado no PostGIS 2.0+ para a geometria, você pode criar um usando esta sintaxe.

CREATE INDEX [indexname] ON [tablename] USING GIST ([geometryfield] gist_geometry_ops_nd);

You can also get a 4d-dimensional index using the 4d operator class

CREATE INDEX [indexname] ON [tablename] USING GIST ([geometryfield] gist_geometry_ops_nd);

These above syntaxes will use the default number or block in a range, which is 128. To specify the number of blocks you want to summarise in a range, you can create one using this syntax

CREATE INDEX [indexname] ON [tablename] USING GIST ( [geometryfield] ); 

Also, keep in mind that a BRIN index will only store one index value for a large number of rows. If your table stores geometries with a mixed number of dimensions, it's likely that the resulting index will have poor performance. You can avoid this drop of performance by choosing the operator class whith the least number of dimensions of the stored geometries

A sintaxe para construir um índice GiST em uma coluna "geométrica" é a seguinte:

CREATE INDEX [indexname] ON [tablename] USING GIST ( [geometryfield] ); 

A sintaxe acima sempre irá construir um índice 2D. Para obter o índice n-dimensional suportado no PostGIS 2.0+ para a geometria, você pode criar um usando esta sintaxe.

Currently, just the "inclusion support" is considered here, meaning that just &&, ~ and @ operators can be used for the 2D cases (both for "geometry" and for "geography"), and just the &&& operator can be used for the 3D geometries. There is no support for kNN searches at the moment.

VACUUM ANALYZE [table_name] [(column_name)];
-- This is only needed for PostgreSQL 7.4 installations and below
SELECT UPDATE_GEOMETRY_STATS([table_name], [column_name]);

4.6.3. Usando Índices

Normalmente, os índices aceleram o acesso de dados invisivelmente: uma vez que o índice está construído, o organizador de consulta decide quando usar a informação para acelerar um plano de consulta. Infelizmente, o organizador de consulta PostgreSQL não otimiza o uso dos índices GiST, então às vezes pesquisadores que deveriam usar o índice espacial em vez de um escaneamento em sequência da tabela inteira.

Se você achar que seus índices não estão sendo usados (ou seus atributos) há algumas coisas que pode fazer:

  • Primeiro, certifique-se que as estatísticas estão unidas sobre o número e distribuição de valores em uma tabela, para fornecer ao organizador de consultas informações melhores para tomar decisões a respeito do uso de índices. Para as instalações do PostgreSQL 7.4 e abaixo isto será feito executando update_geometry_stats([table_name, column_name]) (calcula distribuição) e VACUUM ANALYZE [table_name] [column_name] (calcula número de valores). Começando com o PostgreSQL 8.0 execuando VACUUM ANALYZE fará as duas operações. Você deveria aspirar seu banco de dados de qualquer forma -- vários PostgreSQL DBAs têm VACUUM roda como um off-peak cron job em uma base normal.

  • Se aspirar não funcionar, você pode forçar o organizador a usar a informação de índices usando o comando SET ENABLE_SEQSCAN=OFF. Você só deverá usar este comando com moderação, e somente em consultas classificadas espacialmente: de modo geral, o planejador sabe mais sobre quando usar os ṕindices B-Tree normais. Uma vez que você tenha feito sua consulta, você deveria considerar colocar ENABLE_SEQSCAN , para que outras consultas utilizem o organizador normal.

    [Note]

    Assim como na versão 0.6, não seria necessário forçar o organizador a usar o índice com ENABLE_SEQSCAN.

  • Se você acha o organizador errado o custo de escaneamento sem sequência vs índices, tente reduzir o valor de random_page_cost em postgresql.conf ou usar SET random_page_cost=#. O valor padrão para o parâmetro é 4, tente mudá-lo para 1 ou 2. Diminuir o valor torna o organizador mais inclinado para usar escaneamento de índice.

4.7. Consultas Complexas

A raison d'etre da funcionalidade do banco de dados espacial está desempenhando consultas dentro do banco de dados que precisariam normalmente de uma funcionalidade desktop GIS. Para usar o PostGIS efetivamente é preciso saber quais funções estão disponíveis, e certificar-se que índices apropriados estão lá para fornecer uma boa apresentação. O SRID de 312, usado neste exemplo, é puramente para demonstração. Você deveria usar um SRID REAL listado na tabela spatial_ref_sys e um que combina com a projeção dos seus dados. Se seus dados não têm nenhum sistema de referência espacial específico, você deveria estar PENSANDO atenciosamente em porquê não e em que talvez deveria ter. Se sua justificativa é porque você está modelando algo que não tem referência geográfica, então simplesmente deixe sem o SRID ou faça algum e insira na tabela spatial_ref_sys.

If your reason is because you are modeling something that doesn't have a geographic spatial reference system defined such as the internals of a molecule or the floorplan of a not yet built amusement park then that's fine. If the location of the amusement park has been planned however, then it would make sense to use a suitable planar coordinate system for that location if nothing more than to ensure the amusement part is not trespassing on already existing structures.

Even in the case where you are planning a Mars expedition to transport the human race in the event of a nuclear holocaust and you want to map out the Mars planet for rehabitation, you can use a non-earthly coordinate system such as Mars 2000 make one up and insert it in the spatial_ref_sys table. Though this Mars coordinate system is a non-planar one (it's in degrees spheroidal), you can use it with the geography type to have your length and proximity measurements in meters instead of degrees.

4.7.1. Tirando vantagem dos índices

Ao construir uma consulta é importante lembrar que somente os operadores baseados na caixa delimitadora como && podem tirar vantagem do índice GiST. Funções como ST_Distance() não podem usar o índice para otimizar sua operação. Por exemplo, a consulta a seguir seria devagar em uma tabela grande:

SELECT the_geom
FROM geom_table
WHERE ST_Distance(the_geom, ST_GeomFromText('POINT(100000 200000)', 312)) < 100

Esta consulta está selecionando todas as geometrias na geom_table a qual está dentro de 100 unidades do ponto (100000, 200000). Será devagar pois está calculando a distância entre cada ponto na tabela e nosso ponto especificado, ex.: um cálculo ST_Distance() para cada linha na tabela. Podemos evitar isto usando o operador && para reduzir o número de cálculos de distância necessários:

SELECT the_geom
FROM geom_table
WHERE ST_DWithin(the_geom,  ST_MakeEnvelope(90900, 190900, 100100, 200100,312), 100)

Esta consulta seleciona as mesmas geometrias, mas não de uma forma eficiente. Assumindo que existe um índice GiST na the_geom, o organizador de consulta irá reconhecer que pode usar o índice para reduzir o número de linhas antes de calcular o resultado da função ST_distance() . Note que a geometria ST_MakeEnvelope que é usada na operação && é uma caixa quadrada de 200 unidades centrada no ponto original - esta é nossa "caixa consulta". O operador && usa o índice para reduzir o resultado definido apenas para aquelas geometrias que possuem caixas delimitadoras que sobrepõem a "caixa consulta". Assumindo que nossa caixa consulta é muito menor que as extensões da tabela inteira, isto irá reduzir drasticamente o número de cálculos de distância que precisam ser feitos.

[Note]Mudança no Comportamento

Assim como o PostGIS 1.3.0, a maioria das funções de relações de geometrias, com as exceções de ST_Disjoint e ST_Relate, incluem uma caixa delimitadora implícita que sobrepõe operadores.

4.7.2. Exemplos de SQL espacial

Os exemplos desta seção farão uso de duas tabelas, uma tabela de ruas lineares e uma de limites de municípios poligonais. As definições para a tabela bc_roads são:

Column      | Type              | Description
------------+-------------------+-------------------
gid         | integer           | Unique ID
name        | character varying | Road Name
the_geom    | geometry          | Location Geometry (Linestring)

A definição para a tabela bc_municipality é:

Column     | Type              | Description
-----------+-------------------+-------------------
gid        | integer           | Unique ID
code       | integer           | Unique ID
name       | character varying | City / Town Name
the_geom   | geometry          | Location Geometry (Polygon)
4.7.2.1. Qual é o comprimento total de todas as ruas, expressado em quilômetros?
4.7.2.2. Quão grande é a cidade de Prince George em hectares?
4.7.2.3. Qual é o maior município na província, por área?
4.7.2.4. Qual é o comprimento de ruas completamente contidas dentro de cada município?
4.7.2.5. Criar uma nova tabela como todas as ruas dentro da cidade de Prince George.
4.7.2.6. Qual é o tamanho em quilômetros da "Douglas St" em Victoria?
4.7.2.7. Qual é o maior município poligonal que tem um buraco?

4.7.2.1.

Qual é o comprimento total de todas as ruas, expressado em quilômetros?

Você pode responder esta questão com um pedaço simples de SQL:

SELECT sum(ST_Length(the_geom))/1000 AS km_roads FROM bc_roads;

km_roads
------------------
70842.1243039643
(1 row)

4.7.2.2.

Quão grande é a cidade de Prince George em hectares?

Esta consulta combina um atributo condição (no nome do município) com um cálculo espacial (da área):

SELECT
  ST_Area(the_geom)/10000 AS hectares
FROM bc_municipality
WHERE name = 'PRINCE GEORGE';

hectares
------------------
32657.9103824927
(1 row)

4.7.2.3.

Qual é o maior município na província, por área?

Esta consulta traz uma media espacial dentro da consulta condição. Existem várias maneiras de abordar este problema, mas o mais eficiente está abaixo:

SELECT
  name,
  ST_Area(the_geom)/10000 AS hectares
FROM
  bc_municipality
ORDER BY hectares DESC
LIMIT 1;

name           | hectares
---------------+-----------------
TUMBLER RIDGE  | 155020.02556131
(1 row)

Note que para responder esta pesquisa, tivemos que calcular a área de cada polígono. Se estivéssemos acostumados a fazer isto, faria sentido adicionar uma coluna área à tabela que poderíamos classificar separadamente para apresentação. Pedindo os resultados em uma direção descendente, e usando o comando PostgreSQL "LIMITE" podemos escolher o maior valor sem usar uma função agregada como max().

4.7.2.4.

Qual é o comprimento de ruas completamente contidas dentro de cada município?

Este é um exemplo de uma "união espacial", porque estamos unindo dados de duas tabelas (fazendo uma união), mas usando a condição de interação espacial ("contida") como a condição de união em vez da maneira usual de unir a uma chave comum:

SELECT
  m.name,
  sum(ST_Length(r.the_geom))/1000 as roads_km
FROM
  bc_roads AS r,
  bc_municipality AS m
WHERE
  ST_Contains(m.the_geom,r.the_geom)
GROUP BY m.name
ORDER BY roads_km;

name                        | roads_km
----------------------------+------------------
SURREY                      | 1539.47553551242
VANCOUVER                   | 1450.33093486576
LANGLEY DISTRICT            | 833.793392535662
BURNABY                     | 773.769091404338
PRINCE GEORGE               | 694.37554369147
...

Esta consulta leva alguns instantes, pois cada rua na tabela está resumida no resultado final (por volta de 250K ruas para nossa tabela exemplo). Para coberturas menores (vários milhares de relatos em muitas centenas) a resposta pode ser bem rápida.

4.7.2.5.

Criar uma nova tabela como todas as ruas dentro da cidade de Prince George.

Este é um exemplo de uma "cobertura", que pega duas tabelas e gera uma nova tabela que consiste de resultantes cortadas. Diferente da "união espacial" demonstrada acima, esta consulta realmente cria novas geometrias. Uma cobertura é como uma união espacial turbo carregada, e é útil para trabalhos de análise mais exatos:

CREATE TABLE pg_roads as
SELECT
  ST_Intersection(r.the_geom, m.the_geom) AS intersection_geom,
  ST_Length(r.the_geom) AS rd_orig_length,
  r.*
FROM
  bc_roads AS r,
  bc_municipality AS m
WHERE  m.name = 'PRINCE GEORGE' AND ST_Intersects(r.the_geom, m.the_geom);

4.7.2.6.

Qual é o tamanho em quilômetros da "Douglas St" em Victoria?

SELECT
  sum(ST_Length(r.the_geom))/1000 AS kilometers
FROM
  bc_roads r,
  bc_municipality m
WHERE  r.name = 'Douglas St' AND m.name = 'VICTORIA'
        AND ST_Contains(m.the_geom, r.the_geom) ;

kilometers
------------------
4.89151904172838
(1 row)

4.7.2.7.

Qual é o maior município poligonal que tem um buraco?

SELECT gid, name, ST_Area(the_geom) AS area
FROM bc_municipality
WHERE ST_NRings(the_geom) > 1
ORDER BY area DESC LIMIT 1;

gid  | name         | area
-----+--------------+------------------
12   | SPALLUMCHEEN | 257374619.430216
(1 row)

Chapter 5. Gerência de dados raster, pesquisas e aplicações

5.1. Carregando e criando dados matriciais

Para a maioria dos casos, você usará a ferramenta raster2pgsql para carregar os dados matricias para o PostGIS.

5.1.1. Usando o raster2pgsql para carregar dados matricias

O raster2pgsql é um carregador raster executável que carrega formatos raster, suportados pelo GDAL, para sql, carregando ema table raster PostGIS. É capaz de carregar pastas de arquivos raster bem como criar overviews de rasters.

Já que o raster2pgsql está compilado como parte do PostGIS (a menos que você compile sua própria biblioteca GDAL), os tipos raster suportados pelo executável serão os mesmos que os compilados na biblioteca de dependência GDAL. Para pegar essa lista de tipos de rasters que seu raster2pgsql suporta, use o -G. Esses deve ser os mesmos daqueles fornecidos pela sua instalação PostGIS documentada aqui ST_GDALDrivers se você está usando a mesma biblioteca gdal para ambos.

[Note]

A versão mais antiga dessa ferramenta era um phyton script. O executável substituiu o phyton script. Se você continuar achando necessário os exemplos phyton script, um pode ser encontrado em: GDAL PostGIS Raster Driver Usage. Por favor, note que o raster2pgsql python script pode não funcionar com versões futuras do raster PostGIS e não ser mais suportada.

[Note]

Na criação de overviews de um fator específico de um conjunto de rasters que estão alinhados, é possível que as overviews não se alinhem. Visite http://trac.osgeo.org/postgis/ticket/1764 para ver um exemplo onde as overviews não se alinham.

USO EXEMPLO:

raster2pgsql raster_options_go_here raster_file someschema.sometable > out.sql

-?

Tela de ajuda. A ajuda também é exibida se você não passar em nenhum argumento.

-G

Imprimir os formatos de raster suportados.

(c|a|d|p) Essas são opções mutualmente exclusivas:

-c

Criar nova table e popular ela com raster(s), esse é o modo padrão

-a

Anexar raster(s) à uma table existente.

-d

Derrubar table, criar nova e popular ela com raster(s)

-p

Preparar modo, somente criar a table.

Processo raster: Solicitando restrições para registro apropriado nos catálogos raster

-C

Solicitar restrições raster -- srid, pixelsize etc. para assegurar que o raster está registrado corretamente na view raster_columns .

-x

Desativar configuração da extensão de restrição máxima. Empregado somente se a bandeira -C também for.

-r

Configurar as restrições (espacialmente únicas e telha de cobertura) para bloqueio normal. Empregado somente se a bandeira -C também for.

Processo raster: Parâmetros opcionais usados para manipular a entrada do conjunto de dados raster

-s <SRID>

Saída raster designada com SRID específico. Se não for fornecida ou for zero, os metadados raster serão verificados para determinar um SRID apropriado.

-b BAND

Índice (1-base) da banda para extrair de raster. Para mais de um índice de banda, separe com vírgula(,). Se não especificado, todas as bandas de raster serão extraídas.

-t TILE_SIZE

Corte raster em ladrilhos para ser inserido um por fileira na tabela. O TILE_SIZE é expressado como LARGURAxALTURA ou configurado para o valor "auto" para permitir o carregador computar um tamanho usando o primeiro raster e aplicando para os outros rasters.

-P

Preenche a maioria das tiles da direita e de baixo para garantir que todas as tiles tenham a mesma largura e peso.

-R, --register

Registrar o raster como o sistema de arquivos raster (out-db).

Somente os metadados do raster e a localização do caminho para o raster estão armazenados no banco de dados (não os pixels).

-l OVERVIEW_FACTOR

Cria uma visão geral do raster. Para mais de um fator, separe com a vírgula(,). A visão geral da tabela de nomes segue o modelo o_overview factor_table, onde overview factor é um marcador de posição para um fator de visão geral numérico e table é substituído com a tabela de nome básica. A visão geral criada está armazenada no banco de dados e não é afetada por -R. Note que seu arquivo sql criado contém a tabela principal e as tabelas panoramas.

-N NODATA

NODATA valor para usar em bandas sem um valor NODATA.

Parâmetros opcionais usados para manipular objetos do banco de dados

-q

Identificadores wrap PostgreSQL em citações

-f COLUMN

Especificar nome de destinação da coluna raster, o padrão é 'rast'

-F

Adicionar uma coluna com o nome do arquivo

-n COLUMN

Especificar o nome da coluna filename. Sugere -F.

-q

Identificadores wrap PostgreSQL em citações.

-I

Cria um índice GiST na coluna raster.

-M

Vácuo analise a tabela raster.

-k

Pula NODATA verificações de valores para cada banda raster.

-T tablespace

Especificar o espaço da tabela para a nova tabela. Note que os índices (incluindo a chave primária) continuarão sendo usados o espaço de tabela padrão, a menos que a bandeira -X também esteja sendo usada.

-X tablespace

Especificar o espaço da tabela para a nova tabela. Isto se aplica à chave primária e ao índice espacial se a bandeira -I estiver sendo usada.

-Y

Utilize declarações copiadas em vez de inserir declarações.

-e

Execute cada declaração individualmente, não use uma transação.

-E ENDIAN

Controla endianidade da saída binária gerada do raster; especificamos 0 para XDR e 1 para NDR (padrão); somente a saída NDR é suportada agora

-V version

Especificamos uma versão de formato de saída. O padrão é 0. Somente o 0 é suportado neste momento.

Uma sessão de exemplo usando o carregador para criar um arquivo de entrada fazendo upload de seus azulejos fragmentados em 100x100, pode ficar parecido com:

[Note]

Você pode nomear o esquema ex: demelevation em vez de public.demelevation e a tabela raster será criada no esquema padrão do banco de dados ou usuário

raster2pgsql -s 4326 -I -C -M *.tif -F -t 100x100 public.demelevation 
> elev.sql
psql -d gisdb -f elev.sql

Uma conversão e u upload podem ser feitos em apenas um passo usando encadeamento UNIX:

raster2pgsql -s 4326 -I -C -M *.tif -F -t 100x100 public.demelevation | psql -d gisdb

Carregue as tiles em metros dos rasters do estado plano de Massachusetts no esquema chamado: aerial e crie uma view completa,tabelas panoramas de níveis 2 e 4, use o modo cópia para inserir (sem arquivos intermediários), e -e não força tudo em uma transação (é bom se você quiser ver dados em tabelas sem esperar nada por isso). Quebre os rasters em 128x128 pixel tiles e aplique restrições de rasters. Utilize o modo cópia em vez da tabela inserida. (-F) Inclui um campo chamado filename para conter o nome do arquivo de onde as tiles cortam.

raster2pgsql -I -C -e -Y -F -s 26986 -t 128x128  -l 2,4 bostonaerials2008/*.jpg aerials.boston | psql -U postgres -d gisdb -h localhost -p 5432
--get a list of raster types supported:
raster2pgsql -G

Os comandos -G geram uma lista parecida com

Available GDAL raster formats:
  Virtual Raster
  GeoTIFF
  National Imagery Transmission Format
  Raster Product Format TOC format
  ECRG TOC format
  Erdas Imagine Images (.img)
  CEOS SAR Image
  CEOS Image
  JAXA PALSAR Product Reader (Level 1.1/1.5)
  Ground-based SAR Applications Testbed File Format (.gff)
  ELAS
  Arc/Info Binary Grid
  Arc/Info ASCII Grid
  GRASS ASCII Grid
  SDTS Raster
  DTED Elevation Raster
  Portable Network Graphics
  JPEG JFIF
  In Memory Raster
  Japanese DEM (.mem)
  Graphics Interchange Format (.gif)
  Graphics Interchange Format (.gif)
  Envisat Image Format
  Maptech BSB Nautical Charts
  X11 PixMap Format
  MS Windows Device Independent Bitmap
  SPOT DIMAP
  AirSAR Polarimetric Image
  RadarSat 2 XML Product
  PCIDSK Database File
  PCRaster Raster File
  ILWIS Raster Map
  SGI Image File Format 1.0
  SRTMHGT File Format
  Leveller heightfield
  Terragen heightfield
  USGS Astrogeology ISIS cube (Version 3)
  USGS Astrogeology ISIS cube (Version 2)
  NASA Planetary Data System
  EarthWatch .TIL
  ERMapper .ers Labelled
  NOAA Polar Orbiter Level 1b Data Set
  FIT Image
  GRIdded Binary (.grb)
  Raster Matrix Format
  EUMETSAT Archive native (.nat)
  Idrisi Raster A.1
  Intergraph Raster
  Golden Software ASCII Grid (.grd)
  Golden Software Binary Grid (.grd)
  Golden Software 7 Binary Grid (.grd)
  COSAR Annotated Binary Matrix (TerraSAR-X)
  TerraSAR-X Product
  DRDC COASP SAR Processor Raster
  R Object Data Store
  Portable Pixmap Format (netpbm)
  USGS DOQ (Old Style)
  USGS DOQ (New Style)
  ENVI .hdr Labelled
  ESRI .hdr Labelled
  Generic Binary (.hdr Labelled)
  PCI .aux Labelled
  Vexcel MFF Raster
  Vexcel MFF2 (HKV) Raster
  Fuji BAS Scanner Image
  GSC Geogrid
  EOSAT FAST Format
  VTP .bt (Binary Terrain) 1.3 Format
  Erdas .LAN/.GIS
  Convair PolGASP
  Image Data and Analysis
  NLAPS Data Format
  Erdas Imagine Raw
  DIPEx
  FARSITE v.4 Landscape File (.lcp)
  NOAA Vertical Datum .GTX
  NADCON .los/.las Datum Grid Shift
  NTv2 Datum Grid Shift
  ACE2
  Snow Data Assimilation System
  Swedish Grid RIK (.rik)
  USGS Optional ASCII DEM (and CDED)
  GeoSoft Grid Exchange Format
  Northwood Numeric Grid Format .grd/.tab
  Northwood Classified Grid Format .grc/.tab
  ARC Digitized Raster Graphics
  Standard Raster Product (ASRP/USRP)
  Magellan topo (.blx)
  SAGA GIS Binary Grid (.sdat)
  Kml Super Overlay
  ASCII Gridded XYZ
  HF2/HFZ heightfield raster
  OziExplorer Image File
  USGS LULC Composite Theme Grid
  Arc/Info Export E00 GRID
  ZMap Plus Grid
  NOAA NGS Geoid Height Grids

5.1.2. Criando rasters utilizando as funções rasters do PostGIS

Em várias ocasiões, você vai querer criar rasters e tabelas rasters no banco de dados. Existe uma superabundância de funções que fazem isto. Os passos gerais para seguir.

  1. Cria uma tabela com uma coluna raster para segurar os novos relatos rasters que são efetuados com:

    CREATE TABLE myrasters(rid serial primary key, rast raster);
  2. Existem várias funções para auxiliar com este objetivo. Se você não estiver criando rasters como derivados de outros rasters, você precisará de começar com: ST_MakeEmptyRaster, seguido por ST_AddBand

    Você também pode criar rasters de geometrias. Para alcançar seu objetivo, você irá querer usar ST_AsRaster talvez acompanhado com outras funções como: ST_Union ou ST_MapAlgebraFct ou qualquer um da família de outras funções álgebra de mapa.

    Existem ainda mais opções para a criação de novas tabelas rasters a partir das tabelas existentes. Você pode criar uma tabela raster em uma projeção diferente de uma existente, por exemplo, utilizando: ST_Transform

  3. Uma vez que você houver terminado de popular sua tabela inicialmente, você vai querer criar um índice espacial na coluna raster com algo parecido com:

    CREATE INDEX myrasters_rast_st_convexhull_idx ON myrasters USING gist( ST_ConvexHull(rast) );

    Note o uso do ST_ConvexHull já que a maioria dos operados raster são baseados no casco convexo dos rasters.

    [Note]

    Versões pre-2.0 do raster PostGIS eram baseadas no envelope em vez do casco convexo, Para os índices espaciais funcionar propriamente, você precisará derrubar estes e substituí-los com índice de casco convexo.

  4. Aplique restrições rasters usando

5.2. Catálogos Raster

Existem duas view raster catalogadas que vêm compactadas com o PostGIS. Ambas views utilizam informações embutidas em restrições das tabelas rasters. Como resultado as views catalogadas são sempre consistentes com os dados raster nas tabelas já que as restrições são impostas.

  1. raster_columns esta view cataloga todas os tabelas de colunas rasters no seu banco de dados.

  2. raster_overviews esta view cataloga todos as tabelas de colunas raster no seu banco de dados que servem como um panorama para uma tabela granulada melhor. Tabelas deste tipo são geradas quando você utiliza o interruptor -l durante o carregamento.

5.2.1. Catálogo de Colunas Raster

O raster_columns é um catálogo de todas as colunas de tabela raster no seu banco de dados que são do tipo raster. É uma view utilizando as restrições nas tabelas para que a informação seja sempre consistente, mesmo se você tiver restaurado uma tabela raster de um backup de outro banco de dados. As seguintes colunas existem no catálogo raster_columns.

Se você criou suas tabelas sem o carregador ou esqueceu de especificar a bandeira -C durante o carregamento, você pode forçar as restrições depois de usá-las de fato AddRasterConstraints para que o catálogo raster_columns registre as informações comuns sobre as tiles raster.

  • r_table_catalog O banco de dados que a tabela está. Isto irá sempre ler o banco de dados atual.

  • r_table_schema O esquema do banco de dados que o raster pertence.

  • r_table_name raster table

  • r_raster_column a coluna é a r_table_name tabela que é do tipo raster. Não há nada no PostGIS que previna múltiplas colunas raster por tabela, assim, é possível haver uma tabela raster listada várias vezes com uma coluna raster diferente pra cada uma.

  • srid O identificador de referência espacial do raster. Deve ser uma entrada no Section 4.3.1, “The SPATIAL_REF_SYS Table and Spatial Reference Systems”.

  • scale_x A escala entre coordenadas geométricas espaciais e pixel. Isto só está disponível se todas as tiles na coluna raster tiverem a mesma scale_x e esta restrição for aplicada. Recorra a ST_ScaleX para mais detalhes.

  • scale_y A escala entre coordenadas geométricas espaciais e pixel. Isto só está disponível se todas as tiles na coluna raster tiverem a mesma scale_y e a restrição scale_y for aplicada. Recorra a ST_ScaleY para mais detalhes.

  • blocksize_x A largura (número de pixels obliquamente) de cada raster tile. Recorrer aST_Width para mais detalhes.

  • blocksize_y A largura (número de pixels para baixo) de cada raster tile. Recorrer a ST_Height para mais detalhes.

  • same_alignment Uma booleana que é verdade se todos os rasters tiles têm o mesmo alinhamento. Recorrer a ST_SameAlignment para mais detalhes.

  • regular_blocking Se a coluna raster possui a espacialidade única e cobre restrições tiles, o valor com ela se torna VERDADE. Senão, será FALSO.

  • num_bands O número de bandas em cada tile do seu conjunto de raster. É a mesma informação da que é fornecida por ST_NumBands

  • pixel_types Um arranjo definindo o tipo de pixel para cada banda. Você terá o mesmo número de elementos e bandas nesse arranjo. Os pixel_types são uns dos definidos em ST_BandPixelType.

  • nodata_values Um arranjo de números preciso dobrados indicando o nodata_value para cada banda. Você terá o mesmo número de elementos e de bandas neste arranjo. Esses números definem o valor do pixel para cada banda que deveria ser ignorada para a maioria das operações. Uma informação parecida é fornecida por: ST_BandNoDataValue.

  • out_db Um arranjo de bandeiras booleanas indicando se os dados das bandas rasters são mantidos de fora do banco de dados. Você terá o mesmo número de elementos e bandas neste arranjo.

  • extent Isto é uma extensão de todas as filas raster no sua configuração raster. Se você planeja carregar mais dados que irão modificar a extensão de configuração, precisará executar a função DropRasterConstraints antes de carregar e então reaplicar as restrições com AddRasterConstraints depois carregar.

  • spatial_index Uma booleana que é verdade se uma coluna raster possui um índice espacial.

5.2.2. Panoramas Raster

raster_overviews cataloga informação sobre as colunas de tabelas raster usadas para panoramas e informações adicionais sobre elas, que são úteis para saber quando usar os panoramas. As tabelas de panoramas são catalogadas em raster_columns e raster_overviews, porque elas são raster, mas também têm um propósito especial de serem uma caricatura de baixa resolução de uma tabela de alta resolução. Elas são geradas ao longo do lado da tabela raster principal quando você usa a troca -l no carregamento raster ou podem ser geradas manualmente, utilizando: AddOverviewConstraints.

Tabelas resumidas contêm as mesmas restrições que as outras tabelas raster bem como informações adicionais somente restrições específicas para panoramas.

[Note]

A informação em raster_overviews não duplica a informação em raster_columns. Se você precisa da informação sobre uma tabela panorama presente em raster_columns, você pode unir as raster_overviews e raster_columns para obter o conjunto completo de informações que precisa.

Duas razões principais para panoramas são:

  1. Baixa resolução das tabelas de núcleo comumente usadas para um mapeamento de aproximação mais rápido.

  2. Os cálculos são, geralmente, mais rápidos de serem feitos em si mesmos que a resolução mais alta de seus parentes, porque são relatos menores e cada pixel cobre mais território. Embora os cálculos não são tão atuais quanto as tabelas high-res que eles suportam, eles pode ser suficientes em vários cálculos da regra do polegar.

O catálogo raster_overviews contém as seguintes colunas de informação.

  • o_table_catalog O banco de dados que o panorama está localizado. Isto sempre irá ler o banco de dados atual.

  • o_table_schema O esquema do banco de dados que a tabela do panorama raster pertence.

  • o_table_name nome da tabela de panorama raster

  • o_raster_column a coluna raster na tabela panorama

  • r_table_catalog O banco de dados que a tabela raster que este panorama está. Isto sempre lerá o banco de dados atual.

  • r_table_schema O esquema do banco de dados da tabela raster que os serviços do panorama pertence.

  • r_table_name tabela raster que este panorama fornece.

  • r_raster_column a coluna raster que esta coluna panorama fornece.

  • overview_factor - este é o nível da pirâmide da tabela panorama. Quanto maior o número menor a resolução da tabela. raster2pgsql se dada uma pasta de imagens, irá calcular panorama de cada arquivo de imagem e carregar separadamente. O nível 1 é assumido e sempre o arquivo original. Nível 2 terá que cada tile representa 4 do original. Então, por exemplo, se você tem uma pasta com arquivos de imagens de 5000x5000 pixel e você escolhe ordenar 125x125, para cada arquivo de imagem sua tabela base terá (5000*5000)/(125*125) records = 1600, your (l=2) o_2 will have ceiling(1600/Power(2,2)) = 400 rows, your (l=3) o_3 will have ceiling(1600/Power(2,3) ) = 200 rows. Se seus pixels não são visíveis pelo tamanho das suas tiles, você pegará algumas tiles sobras (que não estão completamente cheias). Note que cada tile panorama gerada pelo raster2pgsql tem o meso número de pixels de seus pais, mas é de uma resolução menor onde cada pixel dele representa (Power(2,overview_factor) pixels do original).

5.3. Construindo Aplicações Personalizadas com o PostGIS Raster

O fato do PostGIS raster fornecer para você funções SQL para reproduzir rasters em imagens com formatos conhecidos, dá a você muitas opções para reproduzi-los. Por exemplo, você pode usar OpenOffice / LibreOffice para reproduzir como está demonstrado em: Rendering PostGIS Raster graphics with LibreOffice Base Reports. Além disso, você pode usar uma grande variedade de linguagens como demonstrado nesta seção.

5.3.1. PHP Exemplo Outputting usando ST_AsPNG em consenso co outras funções raster

Nesta seção, demonstraremos como usar o driver PHP PostgreSQL e a família ST_AsGDALRaster de funções para gerar banda 1,2,3 de um raster para um fluxo de solicitação PHP que pode ser inserido em uma img src html tag.

A consulta exemplo demonstra como combinar um conjunto de funções raster para apanhar todas as tiles que intersectam uma caixa delimitadora wgs 84 e então une com ST_Union as tiles intersectando retornando todas as bandas, transforma para projeção de usuário específico usando ST_Transform, e gera os resultados como um png usando ST_AsPNG.

Você poderia chamar o abaixo usando

http://mywebserver/test_raster.php?srid=2249

para obter a imagem raster no Massachusetts state plane feet.

<?php
/** contents of test_raster.php **/
$conn_str ='dbname=mydb host=localhost port=5432 user=myuser password=mypwd';
$dbconn = pg_connect($conn_str);
header('Content-Type: image/png');
/**If a particular projection was requested use it otherwise use mass state plane meters **/
if (!empty( $_REQUEST['srid'] ) && is_numeric( $_REQUEST['srid']) ){
                $input_srid = intval($_REQUEST['srid']);
}
else { $input_srid = 26986; }
/** The set bytea_output may be needed for PostgreSQL 9.0+, but not for 8.4 **/
$sql = "set bytea_output='escape';
SELECT ST_AsPNG(ST_Transform(
                        ST_AddBand(ST_Union(rast,1), ARRAY[ST_Union(rast,2),ST_Union(rast,3)])
                                ,$input_srid) ) As new_rast
 FROM aerials.boston
        WHERE
         ST_Intersects(rast, ST_Transform(ST_MakeEnvelope(-71.1217, 42.227, -71.1210, 42.218,4326),26986) )";
$result = pg_query($sql);
$row = pg_fetch_row($result);
pg_free_result($result);
if ($row === false) return;
echo pg_unescape_bytea($row[0]);
?>

5.3.2. ASP.NET C# Exemplo gerado usando ST_AsPNG em consenso com outras funções raster

Nesta seção, demonstraremos como usar o driver PHP PostgreSQL .NET driver e a família ST_AsGDALRaster de funções para gerar banda 1,2,3 de um raster para um fluxo de solicitação PHP que pode ser inserido em uma img src html tag.

Você precisará do driver npgsql .NET PostgreSQL para este exercício que pode ser obtido em: http://npgsql.projects.postgresql.org/. Apenas faça o download e coloque na sua pasta ASP.NET bin e você estará pronto.

A consulta exemplo demonstra como combinar um conjunto de funções raster para apanhar todas as tiles que intersectam uma caixa delimitadora wgs 84 e então une com ST_Union as tiles intersectando retornando todas as bandas, transforma para projeção de usuário específico usando ST_Transform, e gera os resultados como um png usando ST_AsPNG.

Este é o mesmo exemplo de Section 5.3.1, “PHP Exemplo Outputting usando ST_AsPNG em consenso co outras funções raster” exceto implementado em C#.

Você poderia chamar o abaixo usando

http://mywebserver/TestRaster.ashx?srid=2249

para obter a imagem raster no Massachusetts state plane feet.

-- web.config connection string section --
<connectionStrings>
    <add name="DSN"
        connectionString="server=localhost;database=mydb;Port=5432;User Id=myuser;password=mypwd"/>
</connectionStrings
>
// Code for TestRaster.ashx
<%@ WebHandler Language="C#" Class="TestRaster" %>
using System;
using System.Data;
using System.Web;
using Npgsql;

public class TestRaster : IHttpHandler
{
        public void ProcessRequest(HttpContext context)
        {

                context.Response.ContentType = "image/png";
                context.Response.BinaryWrite(GetResults(context));

        }

        public bool IsReusable {
                get { return false; }
        }

        public byte[] GetResults(HttpContext context)
        {
                byte[] result = null;
                NpgsqlCommand command;
                string sql = null;
                int input_srid = 26986;
        try {
                    using (NpgsqlConnection conn = new NpgsqlConnection(System.Configuration.ConfigurationManager.ConnectionStrings["DSN"].ConnectionString)) {
                            conn.Open();

                if (context.Request["srid"] != null)
                {
                    input_srid = Convert.ToInt32(context.Request["srid"]);
                }
                sql = @"SELECT ST_AsPNG(
                            ST_Transform(
                                        ST_AddBand(
                                ST_Union(rast,1), ARRAY[ST_Union(rast,2),ST_Union(rast,3)])
                                                    ,:input_srid) ) As new_rast
                        FROM aerials.boston
                                WHERE
                                    ST_Intersects(rast,
                                    ST_Transform(ST_MakeEnvelope(-71.1217, 42.227, -71.1210, 42.218,4326),26986) )";
                            command = new NpgsqlCommand(sql, conn);
                command.Parameters.Add(new NpgsqlParameter("input_srid", input_srid));


                            result = (byte[]) command.ExecuteScalar();
                conn.Close();
                        }

                }
        catch (Exception ex)
        {
            result = null;
            context.Response.Write(ex.Message.Trim());
        }
                return result;
        }
}

5.3.3. O app console Java que gera a consulta raster como arquivo de imagem

Este é um exemplo de aplicativo console java que utiliza uma consulta que retorna uma imagem e gera um arquivo específico.

Você pode baixar os últimos drivers PostgreSQL JDBC de http://jdbc.postgresql.org/download.html

Você pode compilar o código seguinte usando um comando como:

set env CLASSPATH .:..\postgresql-9.0-801.jdbc4.jar
javac SaveQueryImage.java
jar cfm SaveQueryImage.jar Manifest.txt *.class

E chama da linha de comando com algo tipo

java -jar SaveQueryImage.jar "SELECT ST_AsPNG(ST_AsRaster(ST_Buffer(ST_Point(1,5),10, 'quad_segs=2'),150, 150, '8BUI',100));" "test.png" 
-- Manifest.txt --
Class-Path: postgresql-9.0-801.jdbc4.jar
Main-Class: SaveQueryImage
// Code for SaveQueryImage.java
import java.sql.Connection;
import java.sql.SQLException;
import java.sql.PreparedStatement;
import java.sql.ResultSet;
import java.io.*;

public class SaveQueryImage {
  public static void main(String[] argv) {
      System.out.println("Checking if Driver is registered with DriverManager.");

      try {
        //java.sql.DriverManager.registerDriver (new org.postgresql.Driver());
        Class.forName("org.postgresql.Driver");
      }
      catch (ClassNotFoundException cnfe) {
        System.out.println("Couldn't find the driver!");
        cnfe.printStackTrace();
        System.exit(1);
      }

      Connection conn = null;

      try {
        conn = DriverManager.getConnection("jdbc:postgresql://localhost:5432/mydb","myuser", "mypwd");
        conn.setAutoCommit(false);

        PreparedStatement sGetImg = conn.prepareStatement(argv[0]);

        ResultSet rs = sGetImg.executeQuery();

                FileOutputStream fout;
                try
                {
                        rs.next();
                        /** Output to file name requested by user **/
                        fout = new FileOutputStream(new File(argv[1]) );
                        fout.write(rs.getBytes(1));
                        fout.close();
                }
                catch(Exception e)
                {
                        System.out.println("Can't create file");
                        e.printStackTrace();
                }

        rs.close();
                sGetImg.close();
        conn.close();
      }
      catch (SQLException se) {
        System.out.println("Couldn't connect: print out a stack trace and exit.");
        se.printStackTrace();
        System.exit(1);
      }
  }
}

5.3.4. Use PLPython para excluir imagens via SQL

Esta é uma função plpython armazenada que cria um arquivo no diretório do servidor para cada relato. Requer que tenha instalado plpython. Deve funcionar bem com plpythonu e plpython3u.

CREATE OR REPLACE FUNCTION write_file (param_bytes bytea, param_filepath text)
RETURNS text
AS $$
f = open(param_filepath, 'wb+')
f.write(param_bytes)
return param_filepath
$$ LANGUAGE plpythonu;
--write out 5 images to the PostgreSQL server in varying sizes
-- note the postgresql daemon account needs to have write access to folder
-- this echos back the file names created;
 SELECT write_file(ST_AsPNG(
        ST_AsRaster(ST_Buffer(ST_Point(1,5),j*5, 'quad_segs=2'),150*j, 150*j, '8BUI',100)),
         'C:/temp/slices'|| j || '.png')
         FROM generate_series(1,5) As j;

     write_file
---------------------
 C:/temp/slices1.png
 C:/temp/slices2.png
 C:/temp/slices3.png
 C:/temp/slices4.png
 C:/temp/slices5.png

5.3.5. Rasters de saída com PSQL

Infelizmente o PSQL não tem facilidade em usar funcionalidade embutida para binários gerados. Isto é um pequeno hack no legado PostgreSQL de suporte de objetos grandes. Para usar, primeiro lance sua linha de comando psql conectada no seu banco de dados.

Diferente da aproximação python, esta cria o arquivo no seu computador local.

SELECT oid, lowrite(lo_open(oid, 131072), png) As num_bytes
 FROM
 ( VALUES (lo_create(0),
   ST_AsPNG( (SELECT rast FROM aerials.boston WHERE rid=1) )
  ) ) As v(oid,png);
-- you'll get an output something like --
   oid   | num_bytes
---------+-----------
 2630819 |     74860

-- next note the oid and do this replacing the c:/test.png to file path location
-- on your local computer
 \lo_export 2630819 'C:/temp/aerial_samp.png'

-- this deletes the file from large object storage on db
SELECT lo_unlink(2630819);
                        

Chapter 6. Usando a Geometria do PostGIS: Criando aplicativos

6.1. Usando o MapServer

O MapServer de Minnesota é um servidor de mapas web que esta em conformidade com a especificação do OpenGIS Web Mapping Server.

6.1.1. Uso Básico

Para utilizar o PostGIS com o MapServer, você precisa saber como configurar o MapServer, o que esta além do escopo desta documentação. Esta seção ira cobrir questões relativas ao PostGIS, além de detalhes de configuração.

Para utilizar o PostGIS com o MapServer, você vai precisar:

  • Versão 0.6 ou mais recente do PostGIS.

  • Versão 3.5 ou mais recente do MapServer.

O MapServer acessa os dados do PostGIS/PostgreSQL como qualquer outro cliente PostgreSQL -- utilizando a interface libpq. Isso significa que o MapServer pode ser instalado em qualquer máquina com acesso à rede para o servidor do PostGIS, e usar o POstGIS como uma fonte de dados. Quanto mais rápida a conexão entre os sistemas, melhor.

  1. Compile e instale o MapServer, com quaisquer opções que desejar, incluindo a opção de configuração "--with-postgis".

  2. No seu arquivo de mapeamento do MapServer, adicione uma camada PostGIS. Por exemplo:

    LAYER
      CONNECTIONTYPE postgis
      NAME "widehighways"
      # Connect to a remote spatial database
      CONNECTION "user=dbuser dbname=gisdatabase host=bigserver"
      PROCESSING "CLOSE_CONNECTION=DEFER"
      # Get the lines from the 'geom' column of the 'roads' table
      DATA "geom from roads using srid=4326 using unique gid"
      STATUS ON
      TYPE LINE
      # Of the lines in the extents, only render the wide highways
      FILTER "type = 'highway' and numlanes >= 4"
      CLASS
        # Make the superhighways brighter and 2 pixels wide
        EXPRESSION ([numlanes] >= 6)
        STYLE
          COLOR 255 22 22
          WIDTH 2
        END
      END
      CLASS
        # All the rest are darker and only 1 pixel wide
        EXPRESSION ([numlanes] < 6)
        STYLE
          COLOR 205 92 82
        END
      END
    END

    No exemplo acima, as instruções específicas do PostGIS estão como segue:

    CONNECTIONTYPE

    Para camadas PostGIS, este é sempre "postgis".

    CONEXÃO

    A conexão do banco de dados é governada pela "string conexão" que é uma configuração padrão de chaves e valores como essa (com os valores padrões em <>):

    user=<username> password=<password> dbname=<username> hostname=<server> port=<5432>

    Uma string de conexão vazia continua válida, e quaisquer outros valores/chaves podem ser omitidos. No mínimo você fornece o nome e nome de usuário para o banco de dados para conectar.

    DADOS

    Para formar esse parâmetro é "<geocolumn> de <tablename> using srid=<srid> usando único <primary key>" onde a coluna é a coluna espacial para ser reproduzida no mapa, a SRID é SRID usada pela coluna e a chave primária é a chave primária da table (ou qualquer outra coluna de valor único com um index).

    Você pode omitir as orações "using srid" e "using unique" e o MapServer irá determinar automaticamente os valores possíveis se possível, mas ao custo de executar algumas pesquisas extras no servidor para cada desenho de mapa.

    PROCESSAMENTO

    Colocando em um CLOSE_CONNECTION=DEFER se você tem múltiplas camadas reutilizando conexões existentes ao invés de fechar elas. Isso melhora a velocidade. Para informações mais detalhadas vá para: MapServer PostGIS Performance Tips.

    FILTRO

    O filtro deve ser uma string SQL válida correspondente à normalidade lógica seguindo aa palavra-chave "ONDE" em uma consulta SQL. Então, por exemplo, para representar caminhos com 6 ou mais pistas, use um filtro de "num_lanes >= 6".

  3. No seu banco de dados espacial, certifique-se que tenha indexes espaciais (GiST) construídos para qualquer uma das camadas que você irá desenhar.

    CREATE INDEX [indexname] ON [tablename] USING GIST ( [geometrycolumn] );
  4. Se você irá consultar suas camadas usando o MapServer, você também vai precisar usar a oração "using unique" no sua declaração de DADOS.

    O MapServer requer identificadores únicos para cada registro espacial quando fazem-se consultas, e o módulo do PostGIS do MapServer usa o único valor que você especifica a fim de fornecer esse identificadores. Utilizar a chave primária da table é a melhor prática.

6.1.2. Perguntas Frequentes

6.1.2.1. Quando eu uso uma EXPRESSÃO no meu arquivo de mapa, a condição nunca retorna como verdadeira, mesmo que eu saiba os valores que existem na minha table.
6.1.2.2. O FILTRO que eu uso para meus shape files não estão funcionando para minha table PostGIS dos mesmo dados.
6.1.2.3. Minha camada PostGIS desenha muito mais devagar que minha camada shape file, isso é normal?
6.1.2.4. Minha camada PostGIS desenha bem, mas as consultas são bastante devagar. O que está errado?
6.1.2.5. Posso usar colunas "geografia" (novo em PostGIS 1.5) como fonte para minhas camadas MapServer?

6.1.2.1.

Quando eu uso uma EXPRESSÃO no meu arquivo de mapa, a condição nunca retorna como verdadeira, mesmo que eu saiba os valores que existem na minha table.

Diferentemente dos shape files, os campos de nomes do PostGIS precisam ser referenciados em EXPRESSÕES usando letra minúscula.

EXPRESSÃO ([numlanes] >= 6)

6.1.2.2.

O FILTRO que eu uso para meus shape files não estão funcionando para minha table PostGIS dos mesmo dados.

Diferentemente dos shpe files, filtros para as camadas POstGIS usam sintaxe SQL (elas estão anexadas à declaração SQL que o conector do PostGIS gera para desenhar camadas no MapServer).

FILTER "type = 'highway' and numlanes >= 4"

6.1.2.3.

Minha camada PostGIS desenha muito mais devagar que minha camada shape file, isso é normal?

Em geral, quanto mais características você desenhar em um mapa mais o PostGIS se tornará mais devagar que os shape files. Para mapas com poucas características (100s), o PostGIS será mais rápido. Para mapas com características de alta densidade (1000s), o PostGIS sempre será mais devagar.

Se você está encontrando problemas substanciais de apresentação de desenho, é possível que você não tenha construído um index espacial na sua table.

postgis# CREATE INDEX geotable_gix ON geotable USING GIST ( geocolumn );
postgis# VACUUM ANALYZE;

6.1.2.4.

Minha camada PostGIS desenha bem, mas as consultas são bastante devagar. O que está errado?

Para as pesquisas serem mais rápidas, você deve ter uma única chave para sua spatial table e deve ter um index nessa chave única.

Você pode especificar qual chave única para o mapserver para usar com a oração USING UNIQUE na sua linha DATA:

DADOS "geom FROM geotable USING UNIQUE gid"

6.1.2.5.

Posso usar colunas "geografia" (novo em PostGIS 1.5) como fonte para minhas camadas MapServer?

Sim! O MapServer entende colunas geografia sendo o mesmo que colunas geometria, mas sempre usando uma SRID de 4326. Só certifique-se de incluir uma oração "using srid=4326" na sua declaração DATA. Todo o resto funciona exatamente da mesma forma que com geometria.

DADOS "geog FROM geogtable USING SRID=4326 USING UNIQUE gid"

6.1.3. Uso Avançado

A pseudo oração SQL USING é usada para adicionar algumas informações para ajudar o mapserver a entender os resultados de pesquisas mais avançadas. Mais especificamente, quando uma view ou uma subselect são usadas como a source table (a coisa para a direita do "DE" em uma definição DATA) é mais difícil para o mapserver determinar automaticamente um identificador único para cada fila e também a SRID para a table. A oração USING pode fornecer o mapserver com essas duas informações:

DATA "geom FROM (
  SELECT
    table1.geom AS geom,
    table1.gid AS gid,
    table2.data AS data
  FROM table1
  LEFT JOIN table2
  ON table1.id = table2.id
) AS new_table USING UNIQUE gid USING SRID=4326"
USING UNIQUE <uniqueid>

O MapServer requer uma id única para cada fila a fim de identificar a linha quando estiver fazendo consultas de mapa. Normalmente, ele identifica a chave primária do sistema de tables. Contudo, as views e subselects não têm automaticamente uma coluna única conhecida. Se você quiser usar a funcionalidade pesquisa do MapServer, você precisa certificar-se que sua view ou subselect inclui uma única coluna com valor, e declare isso com: USING UNIQUE. Por exemplo, você poderia explicitamente selecionar o nascimento dos valores da chave primária da table para esse propósito, ou qualquer outra coluna que se garante ser única para o resultado estabelecido.

[Note]

"Pesquisando um Mapa" é a ação de clicar em um mapa para perguntar sobre informações sobre as características naquela localização. Não confunda "mapa pesquisa" com a pesquisa SQL em uma definição DATA.

USING SRID=<srid>

O PostGIS precisa saber qual sistema de referenciação espacial está sendo utilizado pelas geometrias a fim de retornar os dados corretos para o MapServer. Normalmente, é possível encontrar essa informação na table "geometry_columns" no banco de dados do PostGIS, porém, não é possível para as tables que são criadas rapidamente como subselects e views. Então, a opção USING SRID= permite a SRID correta ser especificada na definição DATA.

6.1.4. Exemplos

Vamos começar com um exemplo simples e trabalhar com ele. Considere a seguinte definição de camada MapServer:

LAYER
  CONNECTIONTYPE postgis
  NAME "roads"
  CONNECTION "user=theuser password=thepass dbname=thedb host=theserver"
  DATA "geom from roads"
  STATUS ON
  TYPE LINE
  CLASS
    STYLE
      COLOR 0 0 0
    END
  END
END

Essa camada irá expor todas as geometrias de rua nas roads tables como linhas pretas.

Agora, digamos que queremos mostrar somente as estradas antes de aproximarmos para uma escala 1:100000 - as próximas duas camadas irão alcançar esse efeito:

LAYER
  CONNECTIONTYPE postgis
  CONNECTION "user=theuser password=thepass dbname=thedb host=theserver"
  PROCESSING "CLOSE_CONNECTION=DEFER"
  DATA "geom from roads"
  MINSCALE 100000
  STATUS ON
  TYPE LINE
  FILTER "road_type = 'highway'"
  CLASS
    COLOR 0 0 0
  END
END
LAYER
  CONNECTIONTYPE postgis
  CONNECTION "user=theuser password=thepass dbname=thedb host=theserver"
  PROCESSING "CLOSE_CONNECTION=DEFER"
  DATA "geom from roads"
  MAXSCALE 100000
  STATUS ON
  TYPE LINE
  CLASSITEM road_type
  CLASS
    EXPRESSION "highway"
    STYLE
      WIDTH 2
      COLOR 255 0 0
    END
  END
  CLASS
    STYLE
      COLOR 0 0 0
    END
  END
END

A primeira camada é usada quando a escala é maior que 1:100000, e exibe apenas as ruas do tipo "estrada" como linhas pretas. A opção FILTRO faz com que apenas as ruas do tipo "estradas" sejam exibidas.

A segunda camada é usada quando a escala é menor que 1:100000, e irá exibir estradas como duas linhas vermelhas grossas, e outras ruas como linhas pretas normais.

Portanto, fizemos algumas coisas interessantes utilizando apenas a funcionalidade MapServer, mas nossa declaração SQL DATA continuou simples. Suponha que o nome da rua está guardado em outra table (por alguma razão) e precisamos ingressar para pegar ele e etiquetar nossas ruas.

LAYER
  CONNECTIONTYPE postgis
  CONNECTION "user=theuser password=thepass dbname=thedb host=theserver"
  DATA "geom FROM (SELECT roads.gid AS gid, roads.geom AS geom,
        road_names.name as name FROM roads LEFT JOIN road_names ON
        roads.road_name_id = road_names.road_name_id)
        AS named_roads USING UNIQUE gid USING SRID=4326"
  MAXSCALE 20000
  STATUS ON
  TYPE ANNOTATION
  LABELITEM name
  CLASS
    LABEL
      ANGLE auto
      SIZE 8
      COLOR 0 192 0
      TYPE truetype
      FONT arial
    END
  END
END

Essa camada de comentário adiciona etiquetas verdes a todas as ruas quando a escala fica abaixo de 1:20000 ou menor que isso. Ela também demonstra como usar um ingresso SQL em uma definição DATA.

6.2. Clientes Java (JDBC)

Os clientes Java podem acessar os objetos "geometria" do PostGIS no banco de dados PostgreSQL diretamente como representações de textos ou usando a extensão JDBC de objetos empacotados com PostGIS. A fim de usar os objetos da extensão, o arquivo "postgis.jar" deve estar no seu CLASSPATH junto com o "postgresql.jar" do pacote de dispositivos JDBC.

import java.sql.*;
import java.util.*;
import java.lang.*;
import org.postgis.*;

public class JavaGIS {

public static void main(String[] args) {

  java.sql.Connection conn;

  try {
    /*
    * Load the JDBC driver and establish a connection.
    */
    Class.forName("org.postgresql.Driver");
    String url = "jdbc:postgresql://localhost:5432/database";
    conn = DriverManager.getConnection(url, "postgres", "");
    /*
    * Add the geometry types to the connection. Note that you
    * must cast the connection to the pgsql-specific connection
    * implementation before calling the addDataType() method.
    */
    ((org.postgresql.PGConnection)conn).addDataType("geometry",Class.forName("org.postgis.PGgeometry"));
    ((org.postgresql.PGConnection)conn).addDataType("box3d",Class.forName("org.postgis.PGbox3d"));
    /*
    * Create a statement and execute a select query.
    */
    Statement s = conn.createStatement();
    ResultSet r = s.executeQuery("select geom,id from geomtable");
    while( r.next() ) {
      /*
      * Retrieve the geometry as an object then cast it to the geometry type.
      * Print things out.
      */
      PGgeometry geom = (PGgeometry)r.getObject(1);
      int id = r.getInt(2);
      System.out.println("Row " + id + ":");
      System.out.println(geom.toString());
    }
    s.close();
    conn.close();
  }
catch( Exception e ) {
  e.printStackTrace();
  }
}
}

O objeto "PGgeometry" é um objeto wrapper que contém um objeto específico de geometria topológica (subclasse da classe abstrata "Geometria") dependendo do tipo: Ponto, LineString, Polígono, MultiPonto, MultiLineString, MultiPolígono.

PGgeometry geom = (PGgeometry)r.getObject(1);
if( geom.getType() == Geometry.POLYGON ) {
  Polygon pl = (Polygon)geom.getGeometry();
  for( int r = 0; r < pl.numRings(); r++) {
    LinearRing rng = pl.getRing(r);
    System.out.println("Ring: " + r);
    for( int p = 0; p < rng.numPoints(); p++ ) {
      Point pt = rng.getPoint(p);
      System.out.println("Point: " + p);
      System.out.println(pt.toString());
    }
  }
}

O JavaDoc para os objetos de extensão fornece uma referência para os dados variados das funções accessor nos objetos geométricos.

6.3. Clientes C (libpq)

...

6.3.1. Cursores de Texto

...

6.3.2. Cursores Binários

...

Chapter 7. Dicas de desempenho

7.1. Pequenas tabelas de grandes geometrias

7.1.1. Descrição do problema

Versões atuais do PostgreSQL (incluindo a 8.0) sofrem de um problem no otimizador de queries quando falamos de tabelas TOAST. As tabelas TOAST são extensões utilizadas para armazenamento de grandes valores (no sentido de tamanho do dado) que não cabem normalmente nas páginas de dados (grandes blocos de texto, imagens ou geometrias complexas com muitos vértices, veja a documentação oficial para maiores informações).

Este problema ocorre se você possui tabelas com geometrias grandes, mas não muitas linhas (uma tabela dos limites todos os países europeus em alta resolução). A tabela em si, é pequena, mas utiliza muito espaço TOAST. Em nosso exemplo, a tabela em si possuía apenas 80 linhas e utilizava apenas 3 páginas de dados, mas a tabela TOAST utilizava 8225 páginas de dados.

Emita uma pesquisa onde você utiliza o operador && para pesquisa por um retângulo envolvente que bate com poucas dessas linhas. O otimizador de pesquisas ve esta tabela contendo apenas 3 páginas e 80 linhas. Como a tabela é pequena, ele estima que um scan sequencial em uma tabela tão pequena será mais rápida do que utilizar um índice, ignorando o mesmo. Geralmente esta estimativa é correta, mas em nosso caso o operador && tem que buscar todas as geometrias em disco para comparação dos retângulos envolventes, lendo todas as páginas TOAST também.

Para visualizar se você sofre com este bug, utilize um "EXPLAIN ANALYZE" na pesquisa em questão. Para maiores informações e detalhes técnicos, você pode recorrer a lista do postgres sobre desempenho: http://archives.postgresql.org/pgsql-performance/2005-02/msg00030.php

and newer thread on PostGIS https://lists.osgeo.org/pipermail/postgis-devel/2017-June/026209.html

7.1.2. Soluções

O pessoal responsável pelo PostgreSQL está tentando resolver esta questão por transformar o otimizador de pesquisas ciente das tabelas TOAST. Por enquanto, existem duas soluções:

A primeira solução é forçar o estimador de pesquisar a utilizar o índice. Emita um comando "SET enable_seqscan TO off" ao servidor antes de emitir a pesquisa. Isto força o estimador a evitar scans sequenciais sempre que possível, utilizando o índice GIST como de costume. Mas esta flag deve ser setada para cada conexão e causa o estimador a decidir mal em outros casos, portanto, você deve habilitar "SET enable_seqscan TO on;" após a pesquisa.

A segunda solução é fazer a pesquisa sequencial tão rápida quanto o estimador imagina. Isto pode ser feito criando uma coluna adicional que cacheia o retângulo envolvente e realizando as pesquisas em cima desta coluna. Em nosso exemplo, os comandos são:

SELECT AddGeometryColumn('myschema','mytable','bbox','4326','GEOMETRY','2');
UPDATE mytable SET bbox = ST_Envelope(ST_Force2D(the_geom));

Altere sua query para usar o operador && contra o retângulo envolvente ao invés da colunas geométrica, assim:

SELECT geom_column
FROM mytable
WHERE bbox && ST_SetSRID('BOX3D(0 0,1 1)'::box3d,4326);

Claro, se você alterar ou adicionar colunas a mytable, você deve manter o retângulo envolvente em sincronia. A forma mais transparente de fazer isto seria através de triggers, mas você também querer modificar sua aplicação para manter a coluna do retângulo envolvente atualizada or executar a query de UPDATE após cada modificação.

7.2. CLUSTERizando índices geométricos

Para tabelas que são basicamente somente-leitura, e onde um único índice é utilizado pela maioria das queries, PostgreSQL oferece o comando CLUSTER. Este comando fisicamente reordena todas as linhas da tabela assim como as do índice, assim possibilitando duas melhorias de desempenho: primeiro, para pesquisas de intervalo de índice, o número de pesquisas na tabela de dados é dramaticamente reduzido. Segundo, se seu conjunto de trabalho concentra-se em pequenos intervalos nos índices, você tem um cache mais eficiente, pois todas as informações estão divididas em poucas páginas de dados. (Sinta se convidado para ler a documentação do comando CLUSTER do manual do PostgreSQL.)

Contudo, atualmente o Postgresql não permite a clusterização de índices geométricos GIST, pois estes índices simplesmente ignoram valores nulos, retornando um erro como:

lwgeom=# CLUSTER my_geom_index ON my_table;
ERROR: cannot cluster when index access method does not handle null values
HINT: You may be able to work around this by marking column "the_geom" NOT NULL.

Como a HINT da mensagem te diz, você pode adicionar uma constraint "not null" na tabela para contornar o problema.

lwgeom=# ALTER TABLE my_table ALTER COLUMN the_geom SET not null;
ALTER TABLE

Claro, isto não vai funcionar se você de fato precisa de valores NULL em sua coluna geométrica. Adicionalmente, você deve usar o método acima para adicionar a constraint. Utilizar uma constraint do tipo CHECK como "ALTER TABLE blubb ADD CHECK (geometry is not null);" não irá funcionar.

7.3. Evitando conversão de dimensões

Algumas vezes, você tem dados que são 3D ou 4D em sua tabela, mas sempre acessa-os usando métodos OpenGIS, como ST_AsText() ou ST_AsBinary(), que somente funcionam em geometrias 2D. Eles fazem isso internamente chamando a função ST_Force2D(), que introduza um gasto extra para grandes geometrias. Para evitar este gasto extra, pode ser viável dropar essas dimensões adicionais para sempre:

UPDATE mytable SET the_geom = ST_Force2D(the_geom);
VACUUM FULL ANALYZE mytable;

Note que se você adicionou sua coluna geométrica utilizando o método AddGeometryColumn(), existirá uma constraint na dimensão da geometria. Para contornar isto, você precisará dropar a constraint também. Lembre-se de atualizar a entrada na tabela geometry_columns e recriar a constraint posteriormente.

No caso de grandes tabelas, pode ser sábio dividir este UPDATE em porções menores, restringindo o UPDATE a pequenas partes da tabela com o uso de uma cláusula WHERE sobre sua PRIMARY KEY ou outro critério, rodando um VACUUM, entre os UPDATEs. Isto reduz drasticamente a necessidade de espaço em disco temporário. Adicionalmente, se você tem geometrias de dimensões mistas, restrigir o UPDATE por "WHERE dimension(the_geom)>2" pula as geometrias que já estão em 2D.

7.4. Tunando sua configuração

Tuning for PostGIS is much like tuning for any PostgreSQL workload. The only additional note to keep in mind is that geometries and rasters are heavy so memory related optimizations generally have more of an impact on PostGIS than other types of PostgreSQL queries.

For general details about optimizing PostgreSQL, refer to Tuning your PostgreSQL Server.

For PostgreSQL 9.4+ all these can be set at the server level without touching postgresql.conf or postgresql.auto.conf by using the ALTER SYSTEM.. command.

ALTER SYSTEM SET work_mem = '256MB';
-- this will force, non-startup configs to take effect for new connections
SELECT pg_reload_conf();
-- show current setting value
-- use SHOW ALL to see all settings
SHOW work_mem;

In addition to these settings, PostGIS also has some custom settings which you can find listed in Section 8.2, “Grandes Variáveis Unificadas Personalizadas do PostGIS (GUCs)”.

7.4.1. Início

Estas configuração estão no arquivo postgresql.conf:

constraint_exclusion

  • Padrão: 1MB

  • Isto é geralmente utilizado para particionamento de tabelas. Se você está rodando versões anteriores do 8.4, configure para "on" garantindo que o planejador de queries irá otimizar como desejado. Depois do PostgreSQL 84, o padrão é partition, que é ideal, já que irá forçar o planejador a analisar somente as tabelas se elas estão na hierarquia de herança e não irá pagar outras penalidades com o planejador.

shared_buffers

  • Default: ~128MB in PostgreSQL 9.6

  • Set to about 25% to 40% of available RAM. On windows you may not be able to set as high.

work_mem (memória utilizada para operações de ordenamento e queries complexas)

  • Padrão: 1MB

  • Sets the maximum number of background processes that the system can support. This parameter can only be set at server start.

7.4.2. Runtime

work_mem (memória utilizada para operações de ordenamento e queries complexas)

  • Padrão: 1MB

  • Ajuste para cima para grandes bancos de dados, queries complexas e muito RAM

  • AJuste para baixo para muitos usuários concorrentes ou pouca RAM disponível

  • Se vocÊ tem muita memória RAM e poucos desenvolvedores:

    SET work_mem TO 1200000;
                    

maintenance_work_mem (utilizado para VACUUM, CREATE INDEX, etc.)

  • Padrão: 16MB

  • Geralmente é muito pouco - amarra I/O, trava objetos enquanto swappa memória

  • Recomenda-se entre 32MB até 256MB em produção com muita memória RAM, mas depende do número concorrente de usuários. Se você tem muita RAM e poucos desenvolvedores:

    SET maintainence_work_mem TO 1200000;
                    

max_parallel_workers_per_gather This setting is only available for PostgreSQL 9.6+ and will only affect PostGIS 2.3+, since only PostGIS 2.3+ supports parallel queries. If set to higher than 0, then some queries such as those involving relation functions like ST_Intersects can use multiple processes and can run more than twice as fast when doing so. If you have a lot of processors to spare, you should change the value of this to as many processors as you have. Also make sure to bump up max_worker_processes to at least as high as this number.

  • Padrão: 1MB

  • Sets the maximum number of workers that can be started by a single Gather node. Parallel workers are taken from the pool of processes established by max_worker_processes. Note that the requested number of workers may not actually be available at run time. If this occurs, the plan will run with fewer workers than expected, which may be inefficient. Setting this value to 0, which is the default, disables parallel query execution.

Chapter 8. Referência do PostGIS

As funções descritas abaixo são as que um usuário do PostGIS devem precisar. Existem outras funções que são necessárias para suportar os objetos PostGIS mas que não são de uso comum pelo usuário.

[Note]

O PostGIS iniciou uma transição da convenção de nomenclatura existente para uma convenção em torno do SQL-MM. Como resultado, a maioria das funções que você conhece e ama foram renomeadas usando o padrão de tipo espacial (com o prefixo ST). As funções anteriores ainda existem, porém não são listadas nesta documentação onde as funções atualizadas são equivalentes. As funções que não possuem prefixo ST_ não listadas nesta documentação estão obsoletas e serão removidas em futuros lançamentos, então PAREM DE UTILIZÁ-LAS.

8.1. PostgreSQL PostGIS Geometry/Geography/Box Types

Abstract

Essa seção lista os tipos de dados PostgreSQL instalados pelo PostGIS. Note que descrevemos que o comportamento desses é muito importante , especialmente quando designando suas próprias funções.

Um Cast é quando um tipo é coagido a outro tipo. O PostgreSQL é o único, em vários banco de dados, que permite que você defina o comportamento casting para tipos personalizados e as funções usadas para casting. Um cast pode ser especificado como automático em cada caso, se você não tem que fazer um CAST(myfoo Como otherfootype) ou myfoo::otherfootype se você está alimentando isso com a função que só funciona com otherfootype e existe um cast automático no lugar.

O perigo de confiar no comportamento cast automático, é quando você tem uma função sobrecarregada que diz que pega uma caixa2d e uma que pega uma caixa3d, mas sem geometria. O que acontece é que ambas funções são igualmente boas com geometria, já que a geometria tem um autocast para ambas -- então, você acaba com um erro de função ambíguo. Para forçar o PostgreSQL a escolher, você faz um CAST(mygeom As box3d) ou mygeom::box3d.

Ao menos como de PostgreSQL 8.3 - Tudo pode ser CAST para o texto (presumidamente por causa do tipo desconhecido mágico), portanto, CASTS indefinidos para isso precisam estar presentes para você CAST um objeto para o texto.

box2d — Uma caixa composta de x min, ymin, xmax, ymax. Normalmente usada para retornar a caixa 2d enclosing de uma geometria.
box3d — Uma caixa composta de x min, ymin, zmin, xmax, ymax, zmax. Normalmente usada para a extensão 3d de uma geometria ou coleção de geometrias.
geometry — Tipo de dados espaciais planares
geometry_dump — Um tipo de dados espacias com dois campos - geom (possuindo um objeto geométrico) e path[] (uma ordem 1-d possuindo a posição da geometria com o objeto rejeitado).
geografia — Tipo de dado espacial elipsoidal.

Name

box2d — Uma caixa composta de x min, ymin, xmax, ymax. Normalmente usada para retornar a caixa 2d enclosing de uma geometria.

Descrição

a caixa2d é um tipo de dados espacias usados para representar a caixa enclosing de uma geometria ou conjunto de geometrias. A ST_Extent em ersões mais antigas, anteriores a PostGIS 1.4, retornariam uma caixa2d.


Name

box3d — Uma caixa composta de x min, ymin, zmin, xmax, ymax, zmax. Normalmente usada para a extensão 3d de uma geometria ou coleção de geometrias.

Descrição

a caixa3d é um tipo de dados postgis usados para representar a caixa enclosing de um ageometria ou conjunto de geometrias. A ST_3DExtent retorna um objeto caixa3d.

Comportamento Casting

Essa seção lista os casts automáticos bem como os explícitos permitidos para esse tipo de dados

Cast ToComportamento
boxautomático
box2dautomático
geometryautomático

Name

geometry — Tipo de dados espaciais planares

Descrição

geometria é um tipo de dados espaciais do postgis fundamental usado para representar uma característica no sistema de coordenadas euclidianas.

Comportamento Casting

Essa seção lista os casts automáticos bem como os explícitos permitidos para esse tipo de dados

Cast ToComportamento
boxautomático
box2dautomático
box3dautomático
byteaautomático
geographyautomático
textoautomático

Name

geometry_dump — Um tipo de dados espacias com dois campos - geom (possuindo um objeto geométrico) e path[] (uma ordem 1-d possuindo a posição da geometria com o objeto rejeitado).

Descrição

geometry_dump é um tipo composto de dados, que consiste em um objeto referido pelo campo e path[] .geom, uma ordem de inteiros 1-dimesional (começando por 1 ex.: path[1] para pegar o primeiro elemento), a qual define o path de navegação com a geometria rejeitada para encontrar esse elemento. Isso é usado pela família de funções ST_Dump*, como tipo de saída para detonar uma geometria mais complexa dentro de suas partes constituintes e localização de partes.


Name

geografia — Tipo de dado espacial elipsoidal.

Descrição

geografia é um tipo de dado espacial usado para representar uma característica no sistema de coordenada da terra-redonda.

Comportamento Casting

Essa seção lista os casts automáticos bem como os explícitos permitidos para esse tipo de dados

Cast ToComportamento
geometryexplícito

8.2. Grandes Variáveis Unificadas Personalizadas do PostGIS (GUCs)

Abstract

Essa seção lista as Grandes Variáveis Unificadas Personalizadas (GUC) do PostGIS personalizado. Elas podem ser globalmente configuradas, por banco de dados, por sessão ou por transação. A melhor configuração a nível global ou database.

postgis.backend — O backend para fazer a manutenção de uma função onde GEOS e SFCGAL sobrepõe. Opções: geos ou sfcgal. Padrão para geos.
postgis.gdal_datapath — Uma opção de configuração para designar o valor da opção GDAL_DATA do GDAL. Se não funcionar, a variável ambiental GDAL_DATA é usada.
postgis.gdal_enabled_drivers — Uma opção de configuração para estabelecer os drivers GDAL ativados no ambiente POstGIS. Afeta a variável GDAL_SKIP do GDAL.
postgis.enable_outdb_rasters — Uma opção de configuração booleana para ativar o acesso ao out-db raster bands.

Name

postgis.backend — O backend para fazer a manutenção de uma função onde GEOS e SFCGAL sobrepõe. Opções: geos ou sfcgal. Padrão para geos.

Descrição

Essa GUC só é relevante se você compilou o PostGIS com o suporte sfcgal. Por padrão o backend geos é usado por funções onde o GEOS e o SFCGAL têm o mesmo nome. Essa variável permite exceder e fazer o sfcgal ser o backend para a solicitação do serviço.

Disponibilidade: 2.1.0

Exemplos

Configura backend apenas para vida de conexão

set postgis.backend = sfcgal;

Configura backend para novas conexões para o banco de dados

ALTER DATABASE mygisdb SET postgis.backend = sfcgal;

Name

postgis.gdal_datapath — Uma opção de configuração para designar o valor da opção GDAL_DATA do GDAL. Se não funcionar, a variável ambiental GDAL_DATA é usada.

Descrição

Uma variável GUC do PostgreSQL para configurar o valor da opção GDAL_DATA do GDAL. O valor postgis.gdal_datapath deve ser o path físico completo para os arquivos de dados do GDAL.

Essa opção de configuração é mais usada para plataformas do Windows, onde os arquivos de dados path do GDAL's não estão hard-coded. Essa opção deve também ser configurada quando esses aquivos não estiverem no path esperado.

[Note]

Essa opção pode ser configurada no arquivo de configuração postgresql.conf. Pode ser configurado por conexão ou transação.

Disponibilidade: 2.2.0

[Note]

Informação adicional sobre o GDAL_DATA está disponível em GDAL's Configuration Options.

Exemplos

Configurar e resetar postgis.gdal_datapath

SET postgis.gdal_datapath TO '/usr/local/share/gdal.hidden';
SET postgis.gdal_datapath TO default;
                                

Configurando no Windows para um banco de dados específico

ALTER DATABASE gisdb
SET postgis.gdal_datapath = 'C:/Program Files/PostgreSQL/9.3/gdal-data';

Name

postgis.gdal_enabled_drivers — Uma opção de configuração para estabelecer os drivers GDAL ativados no ambiente POstGIS. Afeta a variável GDAL_SKIP do GDAL.

Descrição

Uma opção de configuração para estabelecer os drivers GDAL ativados no PostGIS. Afeta a variável de configuração GDAL_SKIP. Essa opção pode ser estabelecida no arquivo de configuração do PostgreSQL: postgresql.conf. Ela também pode ser estabelecida por conexão ou transação.

O valor inicial do postgis.gdal_enabled_drivers também pode ser estabelecido passando a variável de ambiente POSTGIS_GDAL_ENABLED_DRIVERS com a lista de drivers ativados para o processo de começar o PostgreSQL.

Dispositivos ativados específicos GDAL podem ser especificados pelos dispositivos de nome ou código curto. Dispositivos com nomes ou códigos curtos podem ser encontrados emGDAL Raster Formats. Vários dispositivos podem ser encontrados, colocando um espaço entre cada um deles.

[Note]

Existem três códigos especiais disponíveis para postgis.gdal_enabled_drivers. Os códigos são case-sensitive.

  • DISABLE_ALL desabilita todos os drivers GDAL. Se presente, DISABLE_ALL excede todos os outros valores em postgis.gdal_enabled_drivers.

  • ENABLE_ALL ativa todos os drivers GDAL.

  • VSICURL ativa o arquivo do sistema virtual /vsicurl/ do GDAL.

Quando postgis.gdal_enabled_drivers é configurado para DESABILITAR_TODOS, tenta usar out-db rasters, ST_FromGDALRaster(), ST_AsGDALRaster(), ST_AsTIFF(), ST_AsJPEG() e ST_AsPNG() resultará em mensagens de erro.

[Note]

Na instalação padrão do PostGIS, postgis.gdal_enabled_drivers é configurado para DESABILITAR_TODOS.

[Note]

Informações adicionais sobre GDAL_SKIP estão disponíveis em Opções de Configuração.

Disponibilidade: 2.2.0

Exemplos

Configurar e resetar postgis.gdal_enabled_drivers

Configura backend para todas as novas conexões para o banco de dados

ALTER DATABASE mygisdb SET postgis.gdal_enabled_drivers TO 'GTiff PNG JPEG';

Estabelece drivers ativados padrões para todas as conexões para fazer a manutenção. Requer acesso super do usuário e PostgreSQL 9.4+. Aquele banco de dados, sessão e usuário não excedem isso.

ALTER SYSTEM SET postgis.gdal_enabled_drivers TO 'GTiff PNG JPEG';
SELECT pg_reload_conf();
                                
SET postgis.gdal_enabled_drivers TO 'GTiff PNG JPEG';
SET postgis.gdal_enabled_drivers = default;
                                

Ativar todos os dispositivos GDAL

SET postgis.gdal_enabled_drivers = 'ENABLE_ALL';
                                

Desativar todos os dispositivos GDAL

SET postgis.gdal_enabled_drivers = 'DISABLE_ALL';
                                

Name

postgis.enable_outdb_rasters — Uma opção de configuração booleana para ativar o acesso ao out-db raster bands.

Descrição

Uma opção de configuração booleana para ativar o acesso ao ut-db raster bands. Essa opção pode ser estabelecida no arquivo de configuração: postgresql.conf. Ela também pode ser estabelecida por conexão ou transação.

O valor inicial de postgis.enable_outdb_rasters também pode ser estabelecido passando a variável de ambiente POSTGIS_ENABLE_OUTDB_RASTERS com um valor não-zero para o processo de começar o PostgreSQL.

[Note]

Mesmo se postgis.enable_outdb_rasters is é verdade, o GUC postgis.enable_outdb_rasters determina os formatos raster acessíveis.

[Note]

Na instalação padrão do PostGIS, postgis.enable_outdb_rasters é colocado como Falso.

Disponibilidade: 2.2.0

Exemplos

Configurar e resetar postgis.enable_outdb_rasters

SET postgis.enable_outdb_rasters TO True;
SET postgis.enable_outdb_rasters = default;
SET postgis.enable_outdb_rasters = True;
SET postgis.enable_outdb_rasters = False;
                                

8.3. Funções de Gestão

AddGeometryColumn — Adiciona uma coluna geometria à uma table de atributos existente. Por padrão usa um tipo modificador em vez de restrições. Passa em falso por usar use_typmod para obter uma restrição antiga baseada em comportamento.
DropGeometryColumn — Remove uma coluna geometria de uma spatial table.
DropGeometryTable — Derruba uma table e todas suas referências em geometry_columns.
PostGIS_Full_Version — Relata a versão completa do postgis e constrói informações de configuração.
PostGIS_GEOS_Version — Retorna à versão da biblioteca GEOS.
PostGIS_Lib_Version — Retorna à versão da biblioteca libxml2.
PostGIS_LibXML_Version — Retorna à versão da biblioteca libxml2.
PostGIS_Lib_Build_Date — Returns build date of the PostGIS library.
PostGIS_Lib_Version — Returns the version number of the PostGIS library.
PostGIS_PROJ_Version — Retorna à versão da biblioteca do PROJ4.
PostGIS_Scripts_Build_Date — Returns build date of the PostGIS scripts.
PostGIS_Scripts_Installed — Retorna a versão das scripts do postgis instaladas nesse banco de dados.
PostGIS_Scripts_Released — Retorna a versão da script do postgis.sql com o postgis lib instalado.
PostGIS_Version — Retorna a versão do POstGIS e compila opções de tempo.
Populate_Geometry_Columns — Assegura que as colunas geométricas são definidas com modificadores de tipo ou têm obstáculos espaciais apropriados. Isso garante que serão registrados corretamente na view geometry_columns. Por padrão, irá converter todas as colunas geométricas com nenhum modificador de tipo para os que têm o modificador. para obter esse comportamento antigo use use_typmod=false
UpdateGeometrySRID — Atualiza a SRID de todas as características em uma coluna geométrica, geometry_columns metadados e srid. Se foi executado com restrições, elas serão atualizadas com a nova restrição srid. Se a antiga foi executada pelo definição de tipo, ela será alterada.

Name

AddGeometryColumn — Adiciona uma coluna geometria à uma table de atributos existente. Por padrão usa um tipo modificador em vez de restrições. Passa em falso por usar use_typmod para obter uma restrição antiga baseada em comportamento.

Synopsis

text AddGeometryColumn(varchar table_name, varchar column_name, integer srid, varchar type, integer dimension, boolean use_typmod=true);

text AddGeometryColumn(varchar schema_name, varchar table_name, varchar column_name, integer srid, varchar type, integer dimension, boolean use_typmod=true);

text AddGeometryColumn(varchar catalog_name, varchar schema_name, varchar table_name, varchar column_name, integer srid, varchar type, integer dimension, boolean use_typmod=true);

Descrição

Adiciona uma coluna geometria à uma table de atributos. O schema_name é o nome da table esquema. O srid deve ser um valor de referência inteiro para uma entrada na table SPATIAL_REF_SYS. O tipo deve ser uma string correspondente ao tipo da geometria, por exemplo: 'POLÍGONO' ou 'MULTILINSTRING'. Um erro é descartado se o esquema não existe (ou não é visível no search_path atual) ou a SRID especificada, tipo de geometria ou dimensão é inválida.

[Note]

Alterado: 2.0.0 Essa função não atualiza mais a geometry_columns desde que ela é a view que lê dos catálogos de sistema. Por padrão, isso não cria restrições, mas usa a construção no comportamento do tipo modificador do PostgreSQL. Então, por exemplo, construir uma coluna wgs84 POINT com essa função é equivalente a: ALTER TABLE some_table ADD COLUMN geom geometry(Point,4326);

Alterado: 2.0.0 Se você exige o comportamento antigo de restrições use o padrão use_typmod, mas configure isso para falso.

[Note]

Alterações: 2.0.0 Views não podem ser registradas manualmente mais em geometry_columns, porém as views construídas contra as geometrias typmod tables e usadas sem as funções wrapper irão se registrar corretamente, porque elas herdam um comportamento typmod da table column mãe. As views que usam funções geométricas que fazem outras geometrias saírem, precisarão de ser lançadas para as geometrias typmod, para essas colunas serem registradas corretamente em geometry_columns. Use Section 4.3.4, “Registrando manualmente as colunas geométricas em geometry_columns”.

This method implements the OpenGIS Simple Features Implementation Specification for SQL 1.1.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This method supports Circular Strings and Curves

Melhorias: 2.0.0 argumento use_typmod introduzido. Padrões para criar colunas de geometria typmod ao invés das baseadas em obstáculos.

Exemplos

-- Create schema to hold data
CREATE SCHEMA my_schema;
-- Create a new simple PostgreSQL table
CREATE TABLE my_schema.my_spatial_table (id serial);

-- Describing the table shows a simple table with a single "id" column.
postgis=# \d my_schema.my_spatial_table
                                                         Table "my_schema.my_spatial_table"
 Column |  Type   |                                Modifiers
--------+---------+-------------------------------------------------------------------------
 id     | integer | not null default nextval('my_schema.my_spatial_table_id_seq'::regclass)

-- Add a spatial column to the table
SELECT AddGeometryColumn ('my_schema','my_spatial_table','geom',4326,'POINT',2);

-- Add a point using the old constraint based behavior
SELECT AddGeometryColumn ('my_schema','my_spatial_table','geom_c',4326,'POINT',2, false);

--Add a curvepolygon using old constraint behavior
SELECT AddGeometryColumn ('my_schema','my_spatial_table','geomcp_c',4326,'CURVEPOLYGON',2, false);

-- Describe the table again reveals the addition of a new geometry columns.
\d my_schema.my_spatial_table
                            addgeometrycolumn
-------------------------------------------------------------------------
 my_schema.my_spatial_table.geomcp_c SRID:4326 TYPE:CURVEPOLYGON DIMS:2
(1 row)

                                    Table "my_schema.my_spatial_table"
  Column  |         Type         |                                Modifiers
----------+----------------------+-------------------------------------------------------------------------
 id       | integer              | not null default nextval('my_schema.my_spatial_table_id_seq'::regclass)
 geom     | geometry(Point,4326) |
 geom_c   | geometry             |
 geomcp_c | geometry             |
Check constraints:
    "enforce_dims_geom_c" CHECK (st_ndims(geom_c) = 2)
    "enforce_dims_geomcp_c" CHECK (st_ndims(geomcp_c) = 2)
    "enforce_geotype_geom_c" CHECK (geometrytype(geom_c) = 'POINT'::text OR geom_c IS NULL)
    "enforce_geotype_geomcp_c" CHECK (geometrytype(geomcp_c) = 'CURVEPOLYGON'::text OR geomcp_c IS NULL)
    "enforce_srid_geom_c" CHECK (st_srid(geom_c) = 4326)
    "enforce_srid_geomcp_c" CHECK (st_srid(geomcp_c) = 4326)

-- geometry_columns view also registers the new columns --
SELECT f_geometry_column As col_name, type, srid, coord_dimension As ndims
    FROM geometry_columns
    WHERE f_table_name = 'my_spatial_table' AND f_table_schema = 'my_schema';

 col_name |     type     | srid | ndims
----------+--------------+------+-------
 geom     | Point        | 4326 |     2
 geom_c   | Point        | 4326 |     2
 geomcp_c | CurvePolygon | 4326 |     2

Name

DropGeometryColumn — Remove uma coluna geometria de uma spatial table.

Synopsis

text DropGeometryColumn(varchar table_name, varchar column_name);

text DropGeometryColumn(varchar schema_name, varchar table_name, varchar column_name);

text DropGeometryColumn(varchar catalog_name, varchar schema_name, varchar table_name, varchar column_name);

Descrição

Remove uma coluna geometria de uma table espacial. Note que o schema_name precisará combinar com o campo f_table_schema da fila da table na table geometry_columns.

This method implements the OpenGIS Simple Features Implementation Specification for SQL 1.1.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This method supports Circular Strings and Curves

[Note]

Alterações: 2.0.0 Essa função é fornecida para compatibilidade atrasada. Desde que geometry_columns é uma view contra os sistemas catalogados, você pode derrubar uma coluna geométrica como qualquer outra table column usando ALTERAR TABLE

Exemplos

SELECT DropGeometryColumn ('my_schema','my_spatial_table','geom');
                        ----RESULT output ---
                                          dropgeometrycolumn
------------------------------------------------------
 my_schema.my_spatial_table.geom effectively removed.

-- In PostGIS 2.0+ the above is also equivalent to the standard
-- the standard alter table.  Both will deregister from geometry_columns
ALTER TABLE my_schema.my_spatial_table DROP column geom;
                

Name

DropGeometryTable — Derruba uma table e todas suas referências em geometry_columns.

Synopsis

boolean DropGeometryTable(varchar table_name);

boolean DropGeometryTable(varchar schema_name, varchar table_name);

boolean DropGeometryTable(varchar catalog_name, varchar schema_name, varchar table_name);

Descrição

Derruba uma table e todas as suas referências em geometry_columns. Nota: use current_schema() nas instalações schema-aware pgsql se o esquema não for fornecido.

[Note]

Alterações: 2.0.0 Essa função é fornecida para compatibilidade atrasada. Desde que geometry_columns é uma view contra os sistemas catalogados, você pode derrubar uma table com colunas geométricas como qualquer outra table usando DERRUBAR TABLE

Exemplos

SELECT DropGeometryTable ('my_schema','my_spatial_table');
----RESULT output ---
my_schema.my_spatial_table dropped.

-- The above is now equivalent to --
DROP TABLE my_schema.my_spatial_table;
                

Name

PostGIS_Full_Version — Relata a versão completa do postgis e constrói informações de configuração.

Synopsis

text PostGIS_Full_Version();

Descrição

Relata a versão completa do postgis e constrói infos. Também informa sobre sincronização entre bibliotecas e scripts, sugerindo atualizações, se necessário.

Exemplos

SELECT PostGIS_Full_Version();
                                                           postgis_full_version
----------------------------------------------------------------------------------
POSTGIS="2.2.0dev r12699" GEOS="3.5.0dev-CAPI-1.9.0 r3989" SFCGAL="1.0.4" PROJ="Rel. 4.8.0, 6 March 2012"
GDAL="GDAL 1.11.0, released 2014/04/16" LIBXML="2.7.8" LIBJSON="0.12" RASTER
(1 row)

Name

PostGIS_GEOS_Version — Retorna à versão da biblioteca GEOS.

Synopsis

text PostGIS_GEOS_Version();

Descrição

Retorna à versão da biblioteca GEOS ou NULO se o suporte GEOS não estiver ativado.

Exemplos

SELECT PostGIS_GEOS_Version();

postgis_geos_version

----------------------

3.1.0-CAPI-1.5.0

(1 row)

Name

PostGIS_Lib_Version — Retorna à versão da biblioteca libxml2.

Synopsis

text PostGIS_Lib_Version();

Descrição

Retorna à versão da biblioteca libxml2.

Exemplos

SELECT PostGIS_Lib_Version();

postgis_lib_version

---------------------

1.3.3

(1 row)

Name

PostGIS_LibXML_Version — Retorna à versão da biblioteca libxml2.

Synopsis

text PostGIS_LibXML_Version();

Descrição

Retorna à versão da biblioteca LibXML2.

Disponibilidade: 1.5

Exemplos

SELECT PostGIS_LibXML_Version();

postgis_libxml_version

----------------------

2.7.6

(1 row)

Name

PostGIS_Lib_Build_Date — Returns build date of the PostGIS library.

Synopsis

text PostGIS_Lib_Build_Date();

Descrição

Returns build date of the PostGIS library.

Exemplos

SELECT PostGIS_Lib_Build_Date();

postgis_lib_build_date

------------------------

2008-06-21 17:53:21

(1 row)

Name

PostGIS_Lib_Version — Returns the version number of the PostGIS library.

Synopsis

text PostGIS_Lib_Version();

Descrição

Returns the version number of the PostGIS library.

Exemplos

SELECT PostGIS_Lib_Version();

postgis_lib_version

---------------------

1.3.3

(1 row)

Name

PostGIS_PROJ_Version — Retorna à versão da biblioteca do PROJ4.

Synopsis

text PostGIS_PROJ_Version();

Descrição

Retorna à versão da biblioteca PROJ4 ou NULO se o suporte PROJ4 não estiver ativado.

Exemplos

SELECT PostGIS_PROJ_Version();

postgis_proj_version

-------------------------

Rel. 4.4.9, 29 Oct 2004

(1 row)

Name

PostGIS_Scripts_Build_Date — Returns build date of the PostGIS scripts.

Synopsis

text PostGIS_Scripts_Build_Date();

Descrição

Returns build date of the PostGIS scripts.

Disponibilidade: 1.0.0RC1

Exemplos

SELECT PostGIS_Scripts_Build_Date();

postgis_scripts_build_date

-------------------------

2007-08-18 09:09:26

(1 row)

Name

PostGIS_Scripts_Installed — Retorna a versão das scripts do postgis instaladas nesse banco de dados.

Synopsis

texto PostGIS_Scripts_Installed();

Descrição

Retorna a versão das scripts do postgis instaladas nesse banco de dados.

[Note]

Se a saída dessa função não se encaixa com a saída da PostGIS_Scripts_Released, você fracassou em atualizar propriamente um banco de dados existente. Veja a seção Upgrading para mais informação.

Disponibilidade: 0.9.0

Exemplos

SELECT PostGIS_Scripts_Installed();

postgis_scripts_installed

-------------------------

1.5.0SVN

(1 row)

Name

PostGIS_Scripts_Released — Retorna a versão da script do postgis.sql com o postgis lib instalado.

Synopsis

texto PostGIS_Scripts_Released();

Descrição

Retona a versão da script do postgis.sql com a postgis lib. instalada.

[Note]

Começando com a versão 1.1.0, essa função retorna o mesmo valor da PostGIS_Lib_Version. Manteve para compatibilidade atrasada.

Disponibilidade: 0.9.0

Exemplos

SELECT PostGIS_Scripts_Released();

postgis_scripts_released

-------------------------

1.3.4SVN

(1 row)

Name

PostGIS_Version — Retorna a versão do POstGIS e compila opções de tempo.

Synopsis

texto PostGIS_Version();

Descrição

Retorna a versão do PostGIS e compila opções de tempo.

Exemplos

SELECT PostGIS_Version();

postgis_version

---------------------------------------

1.3 USE_GEOS=1 USE_PROJ=1 USE_STATS=1

(1 row)

Name

Populate_Geometry_Columns — Assegura que as colunas geométricas são definidas com modificadores de tipo ou têm obstáculos espaciais apropriados. Isso garante que serão registrados corretamente na view geometry_columns. Por padrão, irá converter todas as colunas geométricas com nenhum modificador de tipo para os que têm o modificador. para obter esse comportamento antigo use use_typmod=false

Synopsis

text Populate_Geometry_Columns(boolean use_typmod=true);

int Populate_Geometry_Columns(oid relation_oid, boolean use_typmod=true);

Descrição

Assegura que as colunas geométricas tenham tipos modificadores ou restrições espaciais apropriadas para certificar que elas estão registradas corretamente na table geometry_columns.

Para compatibilidades atrasadas e necessidades espaciais como a herança das tables, onde cada table child talvez tenha um tipo geométrico diferente, a última verificação do comportamento ainda é suportada. Se você precisar do último comportamento, você tem de passar o novo argumento opcional como falso use_typmod=false. Quando isso for feito, as colunas geométricas serão criadas sem modificadores de tipo, mas terão 3 obstáculos definidos. Isso significa que cada coluna geométrica pertencente a uma table tem, pelo menos, três obstáculos:

  • enforce_dims_the_geom - assegura que toda geometria tenha a mesma dimensão (veja ST_NDims)

  • enforce_geotype_the_geom - assegura que toda geometria seja do mesmo tipo (veja Tipo de geometria)

  • enforce_srid_the_geom - assegura que toda geometria tenha a mesma projeção (veja ST_SRID)

Se uma table oid é fornecida, essa função tenta determinar a srid, a dimensão e o tipo geométrico de todas as colunas geométricas na table, adicionando restrições se necessário. Se for bem-sucedido, uma fila apropriada é inserida na table geometry_columns, senão, a exceção é pega e uma notificação de erro surge, descrevendo o problema.

Se o oid de uma view é fornecido, como com uma table oid, essa função tenta determinar a srid, dimensão e tipo de todas as geometrias na view, inserindo entradas apropriadas na table geometry_columns, mas nada é feito para executar obstáculos.

A variante sem parâmetro é um simples wrapper para a variante parametrizada que trunca primeiro e repopula a table geometry_columns para cada table espacial e view no banco de dados, adicionando obstáculos espaciais para tables onde são apropriados. Isso retorna um resumo do número de colunas geométricas detectadas no banco de dados e o número que foi inserido na table geometry_columns. A versão parametrizada retorna, simplesmente, o número de filas inseridas na table geometry_columns.

Disponibilidade: 1.4.0

Alterações: 2.0.0 Por padrão, utilize modificadores de tipo ao invés de verificar restrições para restringir os tipos de geometria. Você pode verificar restrições de comportamento ao invés de usar o novo use_typmod e configurá-lo para falso.

Melhorias: 2.0.0 use_typmod argumento opcional foi introduzido, permitindo controlar se as colunas forem criadas com modificadores de tipo ou com verificação de restrições.

Exemplos

CREATE TABLE public.myspatial_table(gid serial, geom geometry);
INSERT INTO myspatial_table(geom) VALUES(ST_GeomFromText('LINESTRING(1 2, 3 4)',4326) );
-- This will now use typ modifiers.  For this to work, there must exist data
SELECT Populate_Geometry_Columns('public.myspatial_table'::regclass);

populate_geometry_columns
--------------------------
                        1


\d myspatial_table

                                   Table "public.myspatial_table"
 Column |           Type            |                           Modifiers
--------+---------------------------+---------------------------------------------------------------
 gid    | integer                   | not null default nextval('myspatial_table_gid_seq'::regclass)
 geom   | geometry(LineString,4326) |
-- This will change the geometry columns to use constraints if they are not typmod or have constraints already.
--For this to work, there must exist data
CREATE TABLE public.myspatial_table_cs(gid serial, geom geometry);
INSERT INTO myspatial_table_cs(geom) VALUES(ST_GeomFromText('LINESTRING(1 2, 3 4)',4326) );
SELECT Populate_Geometry_Columns('public.myspatial_table_cs'::regclass, false);
populate_geometry_columns
--------------------------
                        1
\d myspatial_table_cs

                          Table "public.myspatial_table_cs"
 Column |   Type   |                            Modifiers
--------+----------+------------------------------------------------------------------
 gid    | integer  | not null default nextval('myspatial_table_cs_gid_seq'::regclass)
 geom   | geometry |
Check constraints:
    "enforce_dims_geom" CHECK (st_ndims(geom) = 2)
    "enforce_geotype_geom" CHECK (geometrytype(geom) = 'LINESTRING'::text OR geom IS NULL)
    "enforce_srid_geom" CHECK (st_srid(geom) = 4326)

Name

UpdateGeometrySRID — Atualiza a SRID de todas as características em uma coluna geométrica, geometry_columns metadados e srid. Se foi executado com restrições, elas serão atualizadas com a nova restrição srid. Se a antiga foi executada pelo definição de tipo, ela será alterada.

Synopsis

text UpdateGeometrySRID(varchar table_name, varchar column_name, integer srid);

text UpdateGeometrySRID(varchar schema_name, varchar table_name, varchar column_name, integer srid);

text UpdateGeometrySRID(varchar catalog_name, varchar schema_name, varchar table_name, varchar column_name, integer srid);

Descrição

Atualiza a SRID de todas as características em uma coluna geométrica, atualizando restrições e referências na geometry_columns. Nota: use current_schema() nas instalações schema-aware pgsql se o esquema não for fornecido.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This method supports Circular Strings and Curves

Exemplos

Isso irá alterar a srid das roads tables para 4326 de qualquer coisa que tenha sido antes

SELECT UpdateGeometrySRID('roads','geom',4326);

O exemplo anterior é equivalente a esta declaração DDL

ALTER TABLE roads
  ALTER COLUMN geom TYPE geometry(MULTILINESTRING, 4326)
    USING ST_SetSRID(geom,4326);

Se você obteve a projeção errada (ou comprou como desconhecido) no carregamento e quer transformar para mercartor, tudo de uma vez, você pode fazer isso com DDL, mas não existe uma função de gestão equivalente do PostGIS.

ALTER TABLE roads
 ALTER COLUMN geom TYPE geometry(MULTILINESTRING, 3857) USING ST_Transform(ST_SetSRID(geom,4326),3857) ;

8.4. Construtores de geometria

ST_BdPolyFromText — Constrói um polígono dada uma coleção arbitrária de linestrings fechadas como uma representação de texto de uma multilinestring bem conhecida.
ST_BdMPolyFromText — Constrói um polígono dada uma coleção arbitrária de linestrings fechadas como uma representação de texto de uma multilinestring bem conhecida.
ST_Box2dFromGeoHash — Retorna uma CAIXA2D de uma string GeoHash.
ST_GeogFromText — Retorna um valor de geografia específico de uma representação bem conhecida de texto ou estendida (WKT).
ST_GeographyFromText — Retorna um valor de geografia específico de uma representação bem conhecida de texto ou estendida (WKT).
ST_GeogFromWKB — Cria uma ocasião geografia de uma geometria binária bem conhecida (WKB) ou binário estendido bem conhecido (EWKB).
ST_GeomFromTWKB — Cria uma ocasião de uma TWKB ("Tiny Well-Known Binary") representação de geometria.
ST_GeomCollFromText — Faz uma coleção geométrica de uma coleção WKT com a SRID dada. Se ela não for dada, leva a 0.
ST_GeomFromEWKB — Retorna um valor ST_Geometry especifico da representação binária estendida bem conhecida (EWKB).
ST_GeomFromEWKT — Retorna um valor ST_Geometry especifico da representação de texto estendida bem conhecida (EWKT).
ST_GeometryFromText — Retorna um valor ST_Geometry especifico da representação de texto estendida bem conhecida (EWKT). Isso é um heterônimo para ST_GeomFromText
ST_GeomFromGeoHash — Retorna uma geometria de uma string GeoHash.
ST_GeomFromGML — Utiliza como entrada uma representação GML de geometria e como saída um objeto de geometria PostGIS
ST_GeomFromGeoJSON — Utiliza como entrada uma representação geojson de uma geometria e como saída um objeto de geometria PostGIS
ST_GeomFromKML — Utiliza como entrada uma representação KML de geometria e como saída um objeto de geometria PostGIS
ST_GMLToSQL — Retorna um valor ST_Geometry específico da representação GML. Esse é um heterônimo para ST_GeomFromGML
ST_GeomFromText — Retorna um valor ST_Geometry específico da representação de texto bem conhecida (WKT).
ST_GeomFromWKB — Criar uma geometria exemplo de um representação bem conhecida de geometria binária (WKB) e SRID opcional.
ST_LineFromEncodedPolyline — Cria uma LineString de uma Encoded Polyline.
ST_LineFromMultiPoint — Cria uma linestring de um multiponto geométrico.
ST_LineFromText — Faz uma geometria de uma representação WKT com a SRID dada. Se a SRID não for dada, isso leva a 0.
ST_LineFromWKB — Faz uma LINESTRING de uma WKB com o SRID dado
ST_LinestringFromWKB — Faz uma geometria de uma WKB com o SRID dado.
ST_MakeBox2D — Cria uma CAIXA2D definida pelos pontos dados das geometrias.
ST_3DMakeBox — Cria uma CAIXA2D definida pelos pontos 3d dados das geometrias.
ST_MakeLine — Cria uma Linestring de ponto, multiponto ou linha das geometrias.
ST_MakeEnvelope — Cria um polígono retangular formado a partir dos mínimos e máximos dados. Os valores de entrada devem ser em SRS especificados pelo SRID.
ST_MakePolygon — Cria uma polígono formado pela dada shell. As geometrias de entrada devem ser LINESTRINGS fechadas.
ST_MakePoint — Cria um ponto 2D,3DZ ou 4D.
ST_MakePointM — Cria um ponto com uma coordenada x y e m.
ST_MLineFromText — Retorna um valor específico ST_MultiLineString de uma representação WKT.
ST_MPointFromText — Faz uma geometria de WKT com o SRID dado. Se o SRID não for dado, isso leva a 0.
ST_MPolyFromText — Faz um MultiPolígono de WKT com o SRID dado. Se o SRID não for dado, isso leva a 0.
ST_Point — Retorna uma ST_Point com os valores de coordenada dados. Heterônimo OGC para ST_MakePoint.
ST_PointFromGeoHash — Retorna um ponto de uma string GeoHash.
ST_PointFromText — Faz um ponto de um WKT com o SRID dado. Se o SRID não for dado, isso leva a desconhecido.
ST_PointFromWKB — Faz uma geometria a partir de um WKB com o SRID dado
ST_Polygon — Retorna um polígono construído de linestring e SRID especificados.
ST_PolygonFromText — Faz uma geometria de WKT com o SRID dado. Se o SRID não for dado, isso leva a 0.
ST_WKBToSQL — Retorna um valor ST_Geometry especifico da representação de texto binário bem conhecida (WKB). Isso é um heterônimo para ST_GeomFromWKB que não pega nenhum srid
ST_WKTToSQL — Retorna um valor ST_Geometry especifico da representação de texto estendida bem conhecida (EWKT). Isso é um heterônimo para ST_GeomFromText

Name

ST_BdPolyFromText — Constrói um polígono dada uma coleção arbitrária de linestrings fechadas como uma representação de texto de uma multilinestring bem conhecida.

Synopsis

geometria ST_BdPolyFromText(texto WKT, inteiro srid);

Descrição

Constrói um polígono dada uma coleção arbitrária de linestrings fechadas como uma representação de texto de uma multilinestring bem conhecida.

[Note]

Lança um erro se WKT não é uma MULTILINESTRING. Lança um erro se a saída não é um MULTIPOLÍGONO; use ST_BdMPolyFromText nesse caso, ou veja ST_BuildArea() para uma aproximação postgis-specific.

This method implements the OpenGIS Simple Features Implementation Specification for SQL 1.1. s3.2.6.2

Disponibilidade: 1.1.0 - requer GEOS >= 2.1.0.

Examples

Próximo

Name

ST_BdMPolyFromText — Constrói um polígono dada uma coleção arbitrária de linestrings fechadas como uma representação de texto de uma multilinestring bem conhecida.

Synopsis

geometria ST_BdMPolyFromText(text WKT, inteiro srid);

Descrição

Constrói um um polígono dada uma coleção arbitrária de linestrings, polígonos, multilinestrings fechados como uma representação de texto bem conhecida.

[Note]

Lança um erro se WKT não é uma MULTILINESTRING. Força a saída MULTIPOLÍGONO mesmo quando o resultado não é composto somente por um POLÍGONO único; use ST_BdPolyFromText se você tem certeza de que um único POLÍGONO irá resultar de uma operação, ou veja ST_BuildArea() para uma aproximação postgis-specific.

This method implements the OpenGIS Simple Features Implementation Specification for SQL 1.1. s3.2.6.2

Disponibilidade: 1.1.0 - requer GEOS >= 2.1.0.

Examples

Próximo

Name

ST_Box2dFromGeoHash — Retorna uma CAIXA2D de uma string GeoHash.

Synopsis

box2d ST_Box2dFromGeoHash(text geohash, integer precision=full_precision_of_geohash);

Descrição

Retorna uma CAIXA2D de uma string GeoHash.

Se nenhuma precisão é especificada, a ST_Box2dFromGeoHash retorna uma CAIXA2D baseada em uma precisão completa da string de entrada GeoHash.

Se a precisão é especificada, a ST_Box2dFromGeoHash irá usar aqueles vários caracteres do GeoHash para criar a CAIXA2D. Valores de precisão mais baixos resultam em CAIXAS2D maiores e valores maiores aumentam a precisão.

Disponibilidade: 2.1.0

Examples

SELECT ST_Box2dFromGeoHash('9qqj7nmxncgyy4d0dbxqz0');

                st_geomfromgeohash
--------------------------------------------------
 BOX(-115.172816 36.114646,-115.172816 36.114646)

SELECT ST_Box2dFromGeoHash('9qqj7nmxncgyy4d0dbxqz0', 0);

 st_box2dfromgeohash
----------------------
 BOX(-180 -90,180 90)

 SELECT ST_Box2dFromGeoHash('9qqj7nmxncgyy4d0dbxqz0', 10);
                            st_box2dfromgeohash
---------------------------------------------------------------------------
 BOX(-115.17282128334 36.1146408319473,-115.172810554504 36.1146461963654)
                
                

Name

ST_GeogFromText — Retorna um valor de geografia específico de uma representação bem conhecida de texto ou estendida (WKT).

Synopsis

geografia ST_GeogFromText(texto EWKT);

Descrição

Retorna um objeto de geografia de um texto bem conhecido ou representação estendida bem conhecida. SRID 4326 é suposta se não for especificada. Isso é um heterônimo para ST_GeographyFromText. Os pontos são sempre expressados em uma forma long lat.

Examples

--- converting lon lat coords to geography
ALTER TABLE sometable ADD COLUMN geog geography(POINT,4326);
UPDATE sometable SET geog = ST_GeogFromText('SRID=4326;POINT(' || lon || ' ' || lat || ')');

--- specify a geography point using EPSG:4267, NAD27
SELECT ST_AsEWKT(ST_GeogFromText('SRID=4267;POINT(-77.0092 38.889588)'));
                        

Name

ST_GeographyFromText — Retorna um valor de geografia específico de uma representação bem conhecida de texto ou estendida (WKT).

Synopsis

geografia ST_GeographyFromText(texto EWKT);

Descrição

Retorna um objeto de geografia de um texto bem conhecido ou representação estendida bem conhecida. SRID 4326 é suposta se não for especificada


Name

ST_GeogFromWKB — Cria uma ocasião geografia de uma geometria binária bem conhecida (WKB) ou binário estendido bem conhecido (EWKB).

Synopsis

geografia ST_GeogFromWKB(bytea wkb);

Descrição

A função ST_GeogFromWKB, pega uma representação binária bem conhecida (WKB) de uma geometria ou WKB estendida do POstGIS e cria uma ocasião do tipo de geografia apropriado. Essa função cumpre o papel da Fábrica de Geometria em SQL.

Se a SRID não está especificado, isso leva a 4326 (WGS 84 long lat).

This method supports Circular Strings and Curves

Examples

--Although bytea rep contains single \, these need to be escaped when inserting into a table
SELECT ST_AsText(
ST_GeogFromWKB(E'\\001\\002\\000\\000\\000\\002\\000\\000\\000\\037\\205\\353Q\\270~\\\\\\300\\323Mb\\020X\\231C@\\020X9\\264\\310~\\\\\\300)\\\\\\217\\302\\365\\230C@')
);
                                          st_astext
------------------------------------------------------
 LINESTRING(-113.98 39.198,-113.981 39.195)
(1 row)


Name

ST_GeomFromTWKB — Cria uma ocasião de uma TWKB ("Tiny Well-Known Binary") representação de geometria.

Synopsis

geometria ST_GeomFromTWKB(bytea twkb);

Descrição

A função ST_GeomFromTWKB, pega uma TWKB ("Tiny Well-Known Binary") representação geométrica (WKB) e cria uma ocasião do tipo apropriado de geometria.

Examples

SELECT ST_AsText(ST_GeomFromTWKB(ST_AsTWKB('LINESTRING(126 34, 127 35)'::geometry)));

         st_astext
-----------------------------
 LINESTRING(126 34, 127 35)
(1 row)


SELECT ST_AsEWKT(
  ST_GeomFromTWKB(E'\\x620002f7f40dbce4040105')
);
                                          st_asewkt
------------------------------------------------------
LINESTRING(-113.98 39.198,-113.981 39.195)
(1 row)

Veja também

ST_AsTWKB


Name

ST_GeomCollFromText — Faz uma coleção geométrica de uma coleção WKT com a SRID dada. Se ela não for dada, leva a 0.

Synopsis

geometria ST_GeomCollFromText(text WKT, inteiro srid);

geometria ST_GeomCollFromText(texto WKT);

Descrição

Faz uma coleção geométrica de uma representação bem conhecida de texto (WKT) com a SRID dada. Se ela não for dada, leva a 0.

OGC SPEC 3.2.6.2 - opção SRID é de uma suíte de conformação

Retorna nula se a WKT não for uma GEOMETRYCOLLECTION

[Note]

se você não tem total certeza de que todas suas geometrias WKT são coleções, não use essa função. Ela é mais devagar que a ST_GeomFromText, já que adiciona um passo de validação adicional.

This method implements the OpenGIS Simple Features Implementation Specification for SQL 1.1. s3.2.6.2

This method implements the SQL/MM specification.

Examples

SELECT ST_GeomCollFromText('GEOMETRYCOLLECTION(POINT(1 2),LINESTRING(1 2, 3 4))');

Name

ST_GeomFromEWKB — Retorna um valor ST_Geometry especifico da representação binária estendida bem conhecida (EWKB).

Synopsis

geometria ST_GeomFromEWKB(bytea EWKB);

Descrição

Constrói um objeto PostGIS ST_Geometry da representação binária estendida bem conhecida OGC (EWKT).

[Note]

O formato EWKB não é um padrão OGC, mas um formato específico PostGIS que inclui o identificador de sistema de referência espacial (SRID).

Melhorias: 2.0.0 suporte para superfícies poliédricas e TIN foi introduzido.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This method supports Circular Strings and Curves

This function supports Polyhedral surfaces.

This function supports Triangles and Triangulated Irregular Network Surfaces (TIN).

Examples

line string binary rep 0f LINESTRING(-71.160281 42.258729,-71.160837 42.259113,-71.161144 42.25932) in NAD 83 long lat (4269).

[Note]

NOTA: Mesmo que os byte arrays seja delimitados com \ e talvez tenham ', precisamos escapar ambos com \ e " se as standard_conforming_strings estão deligadas. então, isso não parece exatamente como uma representação AsEWKB.

SELECT ST_GeomFromEWKB(E'\\001\\002\\000\\000 \\255\\020\\000\\000\\003\\000\\000\\000\\344J=
\\013B\\312Q\\300n\\303(\\010\\036!E@''\\277E''K
\\312Q\\300\\366{b\\235*!E@\\225|\\354.P\\312Q
\\300p\\231\\323e1!E@');
[Note]

As PostgreSQL 9.1+ - standard_conforming_strings são configuradas por padrão, onde eram configuradas nas versões anteriores. Você pode alterar padrões como for preciso, para uma pesquisa ou em banco de dados ou nível de servidor. Abaixo está como você deveria fazer com standard_conforming_strings = on. Nesse caso, nós fugimos do ' with standard ansi ', mas não das barras

set standard_conforming_strings = on;
SELECT ST_GeomFromEWKB('\001\002\000\000 \255\020\000\000\003\000\000\000\344J=\012\013B
    \312Q\300n\303(\010\036!E@''\277E''K\012\312Q\300\366{b\235*!E@\225|\354.P\312Q\012\300p\231\323e1')

Name

ST_GeomFromEWKT — Retorna um valor ST_Geometry especifico da representação de texto estendida bem conhecida (EWKT).

Synopsis

geometria ST_GeomFromEWKT(texto EWKT);

Descrição

Constrói um objeto PostGIS ST_Geometry da representação de texto estendida bem conhecida OGC (EWKT).

[Note]

O formato EWKT não é um padrão OGC, mas um formato específico PostGIS que inclui o identificador de sistema de referência espacial (SRID).

Melhorias: 2.0.0 suporte para superfícies poliédricas e TIN foi introduzido.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This method supports Circular Strings and Curves

This function supports Polyhedral surfaces.

This function supports Triangles and Triangulated Irregular Network Surfaces (TIN).

Examples

SELECT ST_GeomFromEWKT('SRID=4269;LINESTRING(-71.160281 42.258729,-71.160837 42.259113,-71.161144 42.25932)');
SELECT ST_GeomFromEWKT('SRID=4269;MULTILINESTRING((-71.160281 42.258729,-71.160837 42.259113,-71.161144 42.25932))');

SELECT ST_GeomFromEWKT('SRID=4269;POINT(-71.064544 42.28787)');

SELECT ST_GeomFromEWKT('SRID=4269;POLYGON((-71.1776585052917 42.3902909739571,-71.1776820268866 42.3903701743239,
-71.1776063012595 42.3903825660754,-71.1775826583081 42.3903033653531,-71.1776585052917 42.3902909739571))');

SELECT ST_GeomFromEWKT('SRID=4269;MULTIPOLYGON(((-71.1031880899493 42.3152774590236,
-71.1031627617667 42.3152960829043,-71.102923838298 42.3149156848307,
-71.1023097974109 42.3151969047397,-71.1019285062273 42.3147384934248,
-71.102505233663 42.3144722937587,-71.10277487471 42.3141658254797,
-71.103113945163 42.3142739188902,-71.10324876416 42.31402489987,
-71.1033002961013 42.3140393340215,-71.1033488797549 42.3139495090772,
-71.103396240451 42.3138632439557,-71.1041521907712 42.3141153348029,
-71.1041411411543 42.3141545014533,-71.1041287795912 42.3142114839058,
-71.1041188134329 42.3142693656241,-71.1041112482575 42.3143272556118,
-71.1041072845732 42.3143851580048,-71.1041057218871 42.3144430686681,
-71.1041065602059 42.3145009876017,-71.1041097995362 42.3145589148055,
-71.1041166403905 42.3146168544148,-71.1041258822717 42.3146748022936,
-71.1041375307579 42.3147318674446,-71.1041492906949 42.3147711126569,
-71.1041598612795 42.314808571739,-71.1042515013869 42.3151287620809,
-71.1041173835118 42.3150739481917,-71.1040809891419 42.3151344119048,
-71.1040438678912 42.3151191367447,-71.1040194562988 42.3151832057859,
-71.1038734225584 42.3151140942995,-71.1038446938243 42.3151006300338,
-71.1038315271889 42.315094347535,-71.1037393329282 42.315054824985,
-71.1035447555574 42.3152608696313,-71.1033436658644 42.3151648370544,
-71.1032580383161 42.3152269126061,-71.103223066939 42.3152517403219,
-71.1031880899493 42.3152774590236)),
((-71.1043632495873 42.315113108546,-71.1043583974082 42.3151211109857,
-71.1043443253471 42.3150676015829,-71.1043850704575 42.3150793250568,-71.1043632495873 42.315113108546)))');
--3d circular string
SELECT ST_GeomFromEWKT('CIRCULARSTRING(220268 150415 1,220227 150505 2,220227 150406 3)');
--Polyhedral Surface example
SELECT ST_GeomFromEWKT('POLYHEDRALSURFACE(
        ((0 0 0, 0 0 1, 0 1 1, 0 1 0, 0 0 0)),
        ((0 0 0, 0 1 0, 1 1 0, 1 0 0, 0 0 0)),
        ((0 0 0, 1 0 0, 1 0 1, 0 0 1, 0 0 0)),
        ((1 1 0, 1 1 1, 1 0 1, 1 0 0, 1 1 0)),
        ((0 1 0, 0 1 1, 1 1 1, 1 1 0, 0 1 0)),
        ((0 0 1, 1 0 1, 1 1 1, 0 1 1, 0 0 1))
)');

Name

ST_GeometryFromText — Retorna um valor ST_Geometry especifico da representação de texto estendida bem conhecida (EWKT). Isso é um heterônimo para ST_GeomFromText

Synopsis

geometria ST_GeometryFromText(texto WKT);

geometria ST_GeometryFromText(texto WKT, inteiro srid);

Descrição

This method implements the OpenGIS Simple Features Implementation Specification for SQL 1.1.

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 5.1.40

Veja também

ST_GeomFromText


Name

ST_GeomFromGeoHash — Retorna uma geometria de uma string GeoHash.

Synopsis

geometria ST_GeomFromGeoHash(texto geohash, inteiro precision=full_precision_of_geohash);

Descrição

Retorna uma geometria de uma string GeoHash. A geometria será um polígono representando os limites GeoHash.

Se nenhuma precisão for especificada, a ST_GeomFromGeoHash retorna um polígono baseado na precisão completa da string de entrada GeoHash.

Se a precisão for especificada, a ST_GeomFromGeoHash irá usar aqueles vários caracteres do GeoHash para criar o polígono.

Disponibilidade: 2.1.0

Examples

SELECT ST_AsText(ST_GeomFromGeoHash('9qqj7nmxncgyy4d0dbxqz0'));
                                                        st_astext
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
 POLYGON((-115.172816 36.114646,-115.172816 36.114646,-115.172816 36.114646,-115.172816 36.114646,-115.172816 36.114646))

SELECT ST_AsText(ST_GeomFromGeoHash('9qqj7nmxncgyy4d0dbxqz0', 4));
                                                          st_astext
------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
 POLYGON((-115.3125 36.03515625,-115.3125 36.2109375,-114.9609375 36.2109375,-114.9609375 36.03515625,-115.3125 36.03515625))

SELECT ST_AsText(ST_GeomFromGeoHash('9qqj7nmxncgyy4d0dbxqz0', 10));
                                                                                       st_astext
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
 POLYGON((-115.17282128334 36.1146408319473,-115.17282128334 36.1146461963654,-115.172810554504 36.1146461963654,-115.172810554504 36.1146408319473,-115.17282128334 36.1146408319473))
                
                

Name

ST_GeomFromGML — Utiliza como entrada uma representação GML de geometria e como saída um objeto de geometria PostGIS

Synopsis

geometria ST_GeomFromGML(text geomgml);

geometria ST_GeomFromGML(texto geomgml, inteiro srid);

Descrição

Constrói um objeto PostGIS ST_Geometry de uma representação OGC GML.

A ST_GeomFromGML funciona apenas para fragmentos da geometria GML. Ela descarta um erro, se você tentar usá-la em um documento inteiro GML.

OGC GML versions supported:

  • GML 3.2.1 Namespace

  • GML 3.1.1 Simple Features profile SF-2 (with GML 3.1.0 and 3.0.0 backward compatibility)

  • GML 2.1.2

OGC GML standards, cf: http://www.opengeospatial.org/standards/gml:

Disponibilidade:1.5, requer libxml2 1.6+

Melhorias: 2.0.0 suporte para superfícies poliédricas e TIN foi introduzido.

Melhorias: 2.0.0 parâmetro opcional padrão srid adicionado.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This function supports Polyhedral surfaces.

This function supports Triangles and Triangulated Irregular Network Surfaces (TIN).

GML permite dimensões mescladas (2D e 3D dentro da mesma MultiGeometria, por exemplo). ST_GeomFromGML converte a geometria inteira para 2D se uma dimensão Z perdida for encontrada uma vez, as geometrias do PostGIS não fazem isso.

A GML suporta SRS misturadas dentro da mesma MultiGeometria. As ST_GeomFromGML, reprojetam todas as sub geometrias para o nó raiz da SRS, as geometrias PostGIS não fazem isso. Se nenhum srsNome atribui disponível para o nó raiz GML, a função descarta um erro.

A função ST_GeomFromGML não é afetada sobre um espaço de nome específico GML. Você poderia evitar mencionar ela explicitamente para usos comuns. Mas você precisa dela se quiser usar XLink dentro de GML.

[Note]

A função ST_GeomFromGML não suporta geometrias SQL/MM curvas.

Exemplos - Uma única geometria com srsNome

SELECT ST_GeomFromGML('
                <gml:LineString srsName="EPSG:4269">
                        <gml:coordinates>
                                -71.16028,42.258729 -71.160837,42.259112 -71.161143,42.25932
                        </gml:coordinates>
                </gml:LineString
>');
                

Exemplos - Uso XLink

SELECT ST_GeomFromGML('
                <gml:LineString xmlns:gml="http://www.opengis.net/gml"
                                xmlns:xlink="http://www.w3.org/1999/xlink"
                                srsName="urn:ogc:def:crs:EPSG::4269">
                        <gml:pointProperty>
                                <gml:Point gml:id="p1"
><gml:pos
>42.258729 -71.16028</gml:pos
></gml:Point>
                        </gml:pointProperty>
                        <gml:pos
>42.259112 -71.160837</gml:pos>
                        <gml:pointProperty>
                                <gml:Point xlink:type="simple" xlink:href="#p1"/>
                        </gml:pointProperty>
                </gml:LineString
>'););
                

Exemplos - Superfícies Poliédricas

SELECT ST_AsEWKT(ST_GeomFromGML('
<gml:PolyhedralSurface>
<gml:polygonPatches>
  <gml:PolygonPatch>
    <gml:exterior>
      <gml:LinearRing
><gml:posList srsDimension="3"
>0 0 0 0 0 1 0 1 1 0 1 0 0 0 0</gml:posList
></gml:LinearRing>
    </gml:exterior>
  </gml:PolygonPatch>
  <gml:PolygonPatch>
    <gml:exterior>
        <gml:LinearRing
><gml:posList srsDimension="3"
>0 0 0 0 1 0 1 1 0 1 0 0 0 0 0</gml:posList
></gml:LinearRing>
    </gml:exterior>
  </gml:PolygonPatch>
  <gml:PolygonPatch>
    <gml:exterior>
        <gml:LinearRing
><gml:posList srsDimension="3"
>0 0 0 1 0 0 1 0 1 0 0 1 0 0 0</gml:posList
></gml:LinearRing>
    </gml:exterior>
  </gml:PolygonPatch>
  <gml:PolygonPatch>
    <gml:exterior>
        <gml:LinearRing
><gml:posList srsDimension="3"
>1 1 0 1 1 1 1 0 1 1 0 0 1 1 0</gml:posList
></gml:LinearRing>
    </gml:exterior>
  </gml:PolygonPatch>
  <gml:PolygonPatch>
    <gml:exterior>
        <gml:LinearRing
><gml:posList srsDimension="3"
>0 1 0 0 1 1 1 1 1 1 1 0 0 1 0</gml:posList
></gml:LinearRing>
    </gml:exterior>
  </gml:PolygonPatch>
  <gml:PolygonPatch>
    <gml:exterior>
        <gml:LinearRing
><gml:posList srsDimension="3"
>0 0 1 1 0 1 1 1 1 0 1 1 0 0 1</gml:posList
></gml:LinearRing>
    </gml:exterior>
  </gml:PolygonPatch>
</gml:polygonPatches>
</gml:PolyhedralSurface
>'));

-- result --
 POLYHEDRALSURFACE(((0 0 0,0 0 1,0 1 1,0 1 0,0 0 0)),
 ((0 0 0,0 1 0,1 1 0,1 0 0,0 0 0)),
 ((0 0 0,1 0 0,1 0 1,0 0 1,0 0 0)),
 ((1 1 0,1 1 1,1 0 1,1 0 0,1 1 0)),
 ((0 1 0,0 1 1,1 1 1,1 1 0,0 1 0)),
 ((0 0 1,1 0 1,1 1 1,0 1 1,0 0 1)))
                

Name

ST_GeomFromGeoJSON — Utiliza como entrada uma representação geojson de uma geometria e como saída um objeto de geometria PostGIS

Synopsis

geometria ST_GeomFromGeoJSON(texto geomjson);

Descrição

Constrói um objeto de geometria PostGIS de uma representação GeoJSON.

A ST_GeomFromGeoJSON funciona apenas para fragmentos da geometria JSON. Ela descarta um erro se você tentar usá-la em um documento JSON inteiro.

Disponibilidade: 2.0.0 requer - JSON-C >= 0.9

[Note]

Se você não tem JSON-C ativada, o suporte apresentará uma notificação de erro ao invés de uma saída. Para ativar JSON-C, execute a configuração --with-jsondir=/path/to/json-c. Veja mais detalhes em: Section 2.4.1, “Configuração”.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

Examples

SELECT ST_AsText(ST_GeomFromGeoJSON('{"type":"Point","coordinates":[-48.23456,20.12345]}')) As wkt;
wkt
------
POINT(-48.23456 20.12345)
-- a 3D linestring
SELECT ST_AsText(ST_GeomFromGeoJSON('{"type":"LineString","coordinates":[[1,2,3],[4,5,6],[7,8,9]]}')) As wkt;

wkt
-------------------
LINESTRING(1 2,4 5,7 8)

Name

ST_GeomFromKML — Utiliza como entrada uma representação KML de geometria e como saída um objeto de geometria PostGIS

Synopsis

geometria ST_GeomFromKML(texto geomkml);

Descrição

Constrói um objeto PostGIS ST_Geometry de uma representação OGC KML.

A ST_GeomFromKML funciona apenas para fragmentos da geometria KML. Ela descarta um erro, se você tentar usá-la em um documento inteiro KML.

OGC KML versões suportadas:

  • KML 2.2.0 Namespace

OGC KML standards, cf: http://www.opengeospatial.org/standards/kml:

Disponibilidade: 1.5,libxml2 2.6+

This function supports 3d and will not drop the z-index.

[Note]

A função ST_GeomFromKML não suporta geometrias SQL/MM curvas.

Exemplos - Uma única geometria com srsNome

SELECT ST_GeomFromKML('
                <LineString>
                        <coordinates
>-71.1663,42.2614
                                -71.1667,42.2616</coordinates>
                </LineString
>');
                

Name

ST_GMLToSQL — Retorna um valor ST_Geometry específico da representação GML. Esse é um heterônimo para ST_GeomFromGML

Synopsis

geometry ST_GMLToSQL(text geomgml);

geometry ST_GMLToSQL(text geomgml, integer srid);

Descrição

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 5.1.50 (exceto para curvas suporte).

Disponibilidade:1.5, requer libxml2 1.6+

Melhorias: 2.0.0 suporte para superfícies poliédricas e TIN foi introduzido.

Melhorias: 2.0.0 parâmetro opcional padrão srid adicionado.


Name

ST_GeomFromText — Retorna um valor ST_Geometry específico da representação de texto bem conhecida (WKT).

Synopsis

geometria ST_GeomFromText(texto WKT);

geometria ST_GeomFromText(texto WKT, inteiro srid);

Descrição

Constrói um objeto PostGIS ST_Geometry de uma representação de texto bem conhecida OGC.

[Note]

Existem duas variantes da função ST_GeomFromText. A primeira não pega nenhuma SRID e retorna uma geometria com um sistema de referência espacial indefinido (SRID=0). A segunda pega uma SRID como o segundo argumento e retorna uma geometria que inclui essa SRID como parte dos seus metadados.

This method implements the OpenGIS Simple Features Implementation Specification for SQL 1.1. s3.2.6.2 - opção SRID é da suíte de conformidade.

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 5.1.40

This method supports Circular Strings and Curves

[Warning]

Alterações: 2.0.0 Nas primeiras versões do PostGIS, ST_GeomFromText('GEOMETRYCOLLECTION(EMPTY)') foi permitida. Ela agora é ilegal no PostGIS 2.0.0 para melhor se adequar aos padrões SQL/MM. Ela deverá se escrita como ST_GeomFromText('GEOMETRYCOLLECTION EMPTY')

Examples

SELECT ST_GeomFromText('LINESTRING(-71.160281 42.258729,-71.160837 42.259113,-71.161144 42.25932)');
SELECT ST_GeomFromText('LINESTRING(-71.160281 42.258729,-71.160837 42.259113,-71.161144 42.25932)',4269);

SELECT ST_GeomFromText('MULTILINESTRING((-71.160281 42.258729,-71.160837 42.259113,-71.161144 42.25932))');

SELECT ST_GeomFromText('POINT(-71.064544 42.28787)');

SELECT ST_GeomFromText('POLYGON((-71.1776585052917 42.3902909739571,-71.1776820268866 42.3903701743239,
-71.1776063012595 42.3903825660754,-71.1775826583081 42.3903033653531,-71.1776585052917 42.3902909739571))');

SELECT ST_GeomFromText('MULTIPOLYGON(((-71.1031880899493 42.3152774590236,
-71.1031627617667 42.3152960829043,-71.102923838298 42.3149156848307,
-71.1023097974109 42.3151969047397,-71.1019285062273 42.3147384934248,
-71.102505233663 42.3144722937587,-71.10277487471 42.3141658254797,
-71.103113945163 42.3142739188902,-71.10324876416 42.31402489987,
-71.1033002961013 42.3140393340215,-71.1033488797549 42.3139495090772,
-71.103396240451 42.3138632439557,-71.1041521907712 42.3141153348029,
-71.1041411411543 42.3141545014533,-71.1041287795912 42.3142114839058,
-71.1041188134329 42.3142693656241,-71.1041112482575 42.3143272556118,
-71.1041072845732 42.3143851580048,-71.1041057218871 42.3144430686681,
-71.1041065602059 42.3145009876017,-71.1041097995362 42.3145589148055,
-71.1041166403905 42.3146168544148,-71.1041258822717 42.3146748022936,
-71.1041375307579 42.3147318674446,-71.1041492906949 42.3147711126569,
-71.1041598612795 42.314808571739,-71.1042515013869 42.3151287620809,
-71.1041173835118 42.3150739481917,-71.1040809891419 42.3151344119048,
-71.1040438678912 42.3151191367447,-71.1040194562988 42.3151832057859,
-71.1038734225584 42.3151140942995,-71.1038446938243 42.3151006300338,
-71.1038315271889 42.315094347535,-71.1037393329282 42.315054824985,
-71.1035447555574 42.3152608696313,-71.1033436658644 42.3151648370544,
-71.1032580383161 42.3152269126061,-71.103223066939 42.3152517403219,
-71.1031880899493 42.3152774590236)),
((-71.1043632495873 42.315113108546,-71.1043583974082 42.3151211109857,
-71.1043443253471 42.3150676015829,-71.1043850704575 42.3150793250568,-71.1043632495873 42.315113108546)))',4326);

SELECT ST_GeomFromText('CIRCULARSTRING(220268 150415,220227 150505,220227 150406)');
        

Name

ST_GeomFromWKB — Criar uma geometria exemplo de um representação bem conhecida de geometria binária (WKB) e SRID opcional.

Synopsis

geometria ST_GeomFromWKB(bytea geom);

geometry ST_GeomFromWKB(bytea geom, inteiro srid);

Descrição

A função ST_GeomFromWKB, pega uma representação binária bem conhecida de uma geometria e um sistema de referência espacial ID (SRID) e cria um exemplo do tipo apropriado de geometria. Essa função cumpre o papel da Fábrica de Geometria na SQL. Isso é um nome alternativo para ST_WKBToSQL.

Se o SRID não for especificado, leva a 0 (desconhecido).

This method implements the OpenGIS Simple Features Implementation Specification for SQL 1.1. s3.2.7.2 - o SRID opcional é da suíte de conformidade.

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 5.1.41

This method supports Circular Strings and Curves

Examples

--Although bytea rep contains single \, these need to be escaped when inserting into a table
                -- unless standard_conforming_strings is set to on.
SELECT ST_AsEWKT(
ST_GeomFromWKB(E'\\001\\002\\000\\000\\000\\002\\000\\000\\000\\037\\205\\353Q\\270~\\\\\\300\\323Mb\\020X\\231C@\\020X9\\264\\310~\\\\\\300)\\\\\\217\\302\\365\\230C@',4326)
);
                                          st_asewkt
------------------------------------------------------
 SRID=4326;LINESTRING(-113.98 39.198,-113.981 39.195)
(1 row)

SELECT
  ST_AsText(
        ST_GeomFromWKB(
          ST_AsEWKB('POINT(2 5)'::geometry)
        )
  );
 st_astext
------------
 POINT(2 5)
(1 row)

Name

ST_LineFromEncodedPolyline — Cria uma LineString de uma Encoded Polyline.

Synopsis

geometria ST_LineFromEncodedPolyline(texto polyline, inteiro precision=5);

Descrição

Cria uma LineString de uma string Encoded Polyline.

Veja http://developers.google.com/maps/documentation/utilities/polylinealgorithm

Disponibilidade: 2.2.0

Examples

--Create a line string from a polyline
SELECT ST_AsEWKT(ST_LineFromEncodedPolyline('_p~iF~ps|U_ulLnnqC_mqNvxq`@'));
--result--
LINESTRING(-120.2 38.5,-120.95 40.7,-126.453 43.252)
    

Name

ST_LineFromMultiPoint — Cria uma linestring de um multiponto geométrico.

Synopsis

geometria ST_LineFromMultiPoint(geometria ummultiponto);

Descrição

Cria uma LineString de uma geometria MultiPointo.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

Examples

--Create a 3d line string from a 3d multipoint
SELECT ST_AsEWKT(ST_LineFromMultiPoint(ST_GeomFromEWKT('MULTIPOINT(1 2 3, 4 5 6, 7 8 9)')));
--result--
LINESTRING(1 2 3,4 5 6,7 8 9)
                

Name

ST_LineFromText — Faz uma geometria de uma representação WKT com a SRID dada. Se a SRID não for dada, isso leva a 0.

Synopsis

geometria ST_LineFromText(texto WKT);

geometria ST_LineFromText(texto WKT, inteiro srid);

Descrição

Faz uma geometria de uma WKT com o SRID dado. Se o SRID não for dado, isso leva a 0. Se WKT que passou não for uma LINESTRING, então volta nula.

[Note]

OGC SPEC 3.2.6.2 - opção SRID é de uma suíte de conformação.

[Note]

Se você sabe que todas as suas geometrias são LINESTRINGS, é mais eficiente usar somente ST_GeomFromText. Isso só convida a ST_GeomFromText e adiciona validação extra que ela retorna uma linestring.

This method implements the OpenGIS Simple Features Implementation Specification for SQL 1.1. s3.2.6.2

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 7.2.8

Examples

SELECT ST_LineFromText('LINESTRING(1 2, 3 4)') AS aline, ST_LineFromText('POINT(1 2)') AS null_return;

aline | null_return

------------------------------------------------

010200000002000000000000000000F ... | t
                

Veja também

ST_GeomFromText


Name

ST_LineFromWKB — Faz uma LINESTRING de uma WKB com o SRID dado

Synopsis

geometria ST_LineFromWKB(bytea WKB);

geometria ST_LineFromWKB(bytea WKB, inteiro srid);

Descrição

A função ST_LineFromWKB, pega uma representação binária bem conhecida de geometria e um sistema de referência espacial ID (SRID) e cria um exemplo do tipo apropriado de geometria - nesse caso, uma geometria LINESTRING . Essa função cumpre o papel da Fábrica de Geometria SQL.

Se um SRID não estiver especificado, isso leva a 0. Retorna NULA se a entrada bytea não representa uma LINESTRING.

[Note]

OGC SPEC 3.2.6.2 - opção SRID é de uma suíte de conformação.

[Note]

Se você sabe que todas suas geometrias são LINESTRINGs, é mais eficaz usar ST_GeomFromWKB. Essa função convida ST_GeomFromWKB e adiciona validação extra que ela retorna uma linestring.

This method implements the OpenGIS Simple Features Implementation Specification for SQL 1.1. s3.2.6.2

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 7.2.9

Examples

SELECT ST_LineFromWKB(ST_AsBinary(ST_GeomFromText('LINESTRING(1 2, 3 4)'))) AS aline,
                ST_LineFromWKB(ST_AsBinary(ST_GeomFromText('POINT(1 2)'))) IS NULL AS null_return;
aline                            | null_return
------------------------------------------------
010200000002000000000000000000F ... | t
                

Name

ST_LinestringFromWKB — Faz uma geometria de uma WKB com o SRID dado.

Synopsis

geometry ST_LinestringFromWKB(bytea WKB);

geometry ST_LinestringFromWKB(bytea WKB, integer srid);

Descrição

A função ST_LinestringFromWKB, pega uma representação binária bem conhecida de geometria e um sistema de referência espacial ID (SRID) e cria um exemplo do tipo apropriado de geometria - nesse caso, uma geometria LINESTRING . Essa função cumpre o papel da Fábrica de Geometria SQL.

Se um SRID não estiver especificado, isso leva a 0. Retorna NULA se a entrada bytea não representa uma geometria LINESTRING. Isso é um heterônimo para ST_LineFromWKB.

[Note]

OGC SPEC 3.2.6.2 - o SRID opcional é da suíte de conformação.

[Note]

Se você sabe que todas suas geometrias são LINESTRINGs, é mais eficaz usar ST_GeomFromWKB. Essa função convida ST_GeomFromWKB e adiciona validação extra que ela retorna uma LINESTRING.

This method implements the OpenGIS Simple Features Implementation Specification for SQL 1.1. s3.2.6.2

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 7.2.9

Examples

SELECT
  ST_LineStringFromWKB(
        ST_AsBinary(ST_GeomFromText('LINESTRING(1 2, 3 4)'))
  ) AS aline,
  ST_LinestringFromWKB(
        ST_AsBinary(ST_GeomFromText('POINT(1 2)'))
  ) IS NULL AS null_return;
   aline                            | null_return
------------------------------------------------
010200000002000000000000000000F ... | t

Name

ST_MakeBox2D — Cria uma CAIXA2D definida pelos pontos dados das geometrias.

Synopsis

box2d ST_MakeBox2D(geometria pointLowLeft, geometria pointUpRight);

Descrição

Cria uma CAIXA2D definida pelos pontos dados das geometrias. Isso é útil para fazer pesquisas de alcance

Examples

--Return all features that fall reside or partly reside in a US national atlas coordinate bounding box
--It is assumed here that the geometries are stored with SRID = 2163 (US National atlas equal area)
SELECT feature_id, feature_name, the_geom
FROM features
WHERE the_geom && ST_SetSRID(ST_MakeBox2D(ST_Point(-989502.1875, 528439.5625),
        ST_Point(-987121.375 ,529933.1875)),2163)

Name

ST_3DMakeBox — Cria uma CAIXA2D definida pelos pontos 3d dados das geometrias.

Synopsis

box3d ST_3DMakeBox(geometry point3DLowLeftBottom, geometry point3DUpRightTop);

Descrição

Cria uma CAIXA2D definida pelos pontos 2 3D dados das geometrias.

Essa função suporta 3d e não irá derrubar o z-index.

Alterações: 2.0.0 Nas versões anteriores era chamado de ST_MakeBox3D

Examples

SELECT ST_3DMakeBox(ST_MakePoint(-989502.1875, 528439.5625, 10),
        ST_MakePoint(-987121.375 ,529933.1875, 10)) As abb3d

--bb3d--
--------
BOX3D(-989502.1875 528439.5625 10,-987121.375 529933.1875 10)
        

Name

ST_MakeLine — Cria uma Linestring de ponto, multiponto ou linha das geometrias.

Synopsis

geometry ST_MakeLine(geometry set geoms);

geometry ST_MakeLine(geometry geom1, geometry geom2);

geometry ST_MakeLine(geometry[] geoms_array);

Descrição

A ST_MakeLine vem de 3 maneiras: um agregado espacial que pega filas de ponto, multiponto ou linhas das geometrias e retorna uma line string; uma função que pega uma ordem de ponto, multiponto ou linha e uma função normal que pega dois pontos, multipontos ou linhas das geometrias. Você pode querer usar um subselect para ordenar antes de sustentar eles para a versão agregada dessa função.

Entradas diferentes de ponto, multiponto ou linhas, serão ignoradas.

Quando adicionar linhas componentes, nó comuns no começo das linhas são removidos da saída. Nós comuns em entradas ponto e multiponto não são removidos.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

Disponibilidad: 2.0.0 - Suporte para elementos de entrada multiponto foi introduzido

Disponibilidad: 2.0.0 - Suporte para elementos de entrada linestring foi introduzido

Disponibilidade: 1.4.0 - ST_MakeLine(geomarray) foi introduzida. A ST_MakeLine agrega funções que foram melhoradas para lidar com mais pontos mais rápido.

Exemplos: Versão espacial agregada

Esse exemplo pega uma sequência de pontos do GPS e cria um relato para cada torre gps onde o campo geométrico é uma line string composta com os pontos do gps na ordem da viagem.

-- For pre-PostgreSQL 9.0 - this usually works,
-- but the planner may on occasion choose not to respect the order of the subquery
SELECT gps.gps_track, ST_MakeLine(gps.the_geom) As newgeom
        FROM (SELECT gps_track,gps_time, the_geom
                        FROM gps_points ORDER BY gps_track, gps_time) As gps
        GROUP BY gps.gps_track;
-- If you are using PostgreSQL 9.0+
-- (you can use the new ORDER BY support for aggregates)
-- this is a guaranteed way to get a correctly ordered linestring
-- Your order by part can order by more than one column if needed
SELECT gps.gps_track, ST_MakeLine(gps.the_geom ORDER BY gps_time) As newgeom
        FROM gps_points As gps
        GROUP BY gps.gps_track;

Exemplos: Versão não espacial agregada

O primeiro exemplo é um one off line string composto de 2 pontos. O segundo formula line strings de 2 pontos que um usuário desenha. O terceiro é um one-off que junta pontos 2 3d para criar uma linha em um espaço 3d.

SELECT ST_AsText(ST_MakeLine(ST_MakePoint(1,2), ST_MakePoint(3,4)));
          st_astext
---------------------
 LINESTRING(1 2,3 4)

SELECT userpoints.id, ST_MakeLine(startpoint, endpoint) As drawn_line
        FROM userpoints ;

SELECT ST_AsEWKT(ST_MakeLine(ST_MakePoint(1,2,3), ST_MakePoint(3,4,5)));
                st_asewkt
-------------------------
 LINESTRING(1 2 3,3 4 5)
                        

Exemplos: Utilizando versão banco de dados

SELECT ST_MakeLine(ARRAY(SELECT ST_Centroid(the_geom) FROM visit_locations ORDER BY visit_time));

--Making a 3d line with 3 3-d points
SELECT ST_AsEWKT(ST_MakeLine(ARRAY[ST_MakePoint(1,2,3),
                                ST_MakePoint(3,4,5), ST_MakePoint(6,6,6)]));
                st_asewkt
-------------------------
LINESTRING(1 2 3,3 4 5,6 6 6)
                        

Name

ST_MakeEnvelope — Cria um polígono retangular formado a partir dos mínimos e máximos dados. Os valores de entrada devem ser em SRS especificados pelo SRID.

Synopsis

geometry ST_MakeEnvelope(double precision xmin, double precision ymin, double precision xmax, double precision ymax, integer srid=unknown);

Descrição

Cria um polígono retangular formado a partir do mínimo e máximo, pela dada shell. Os valores de entradas devem ser SRS especificados pelo SRID. Se nenhum SRID for especificado o sistema de referência espacial desconhecido é assumido

Disponibilidade: 1.5

Melhorias: 2.0: Habilidade para especificar um pacote sem especificar um SRID foi introduzida.

Exemplo: Construindo um polígono bounding box

SELECT ST_AsText(ST_MakeEnvelope(10, 10, 11, 11, 4326));

st_asewkt
-----------
POLYGON((10 10, 10 11, 11 11, 11 10, 10 10))
                          

Name

ST_MakePolygon — Cria uma polígono formado pela dada shell. As geometrias de entrada devem ser LINESTRINGS fechadas.

Synopsis

geometry ST_MakePolygon(geometry linestring);

geometry ST_MakePolygon(geometry outerlinestring, geometry[] interiorlinestrings);

Descrição

Cria uma polígono formado pela dada shell. As geometrias de entrada devem ser LINESTRINGS fechadas. Vem em 2 variantes.

Variante 1: Pega uma linestring fechada.

Variante 2: Cria um polígono formado pela dada shell e pela coleção de buracos. Você pode construir um banco de dados de geometrias usando as construções ST_Accum ou o PostgreSQL ARRAY[] e ARRAY(). Geometrias de entrada devem ser LINESTRINGS fechadas.

[Note]

Essa função não aceitará uma MULTILINESTRING. Use ST_LineMerge ou ST_Dump para gerar line strings.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

Exemplos: LINESTRING fechada única

--2d line
SELECT ST_MakePolygon(ST_GeomFromText('LINESTRING(75.15 29.53,77 29,77.6 29.5, 75.15 29.53)'));
--If linestring is not closed
--you can add the start point to close it
SELECT ST_MakePolygon(ST_AddPoint(foo.open_line, ST_StartPoint(foo.open_line)))
FROM (
SELECT ST_GeomFromText('LINESTRING(75.15 29.53,77 29,77.6 29.5)') As open_line) As foo;

--3d closed line
SELECT ST_MakePolygon(ST_GeomFromText('LINESTRING(75.15 29.53 1,77 29 1,77.6 29.5 1, 75.15 29.53 1)'));

st_asewkt
-----------
POLYGON((75.15 29.53 1,77 29 1,77.6 29.5 1,75.15 29.53 1))

--measured line --
SELECT ST_MakePolygon(ST_GeomFromText('LINESTRINGM(75.15 29.53 1,77 29 1,77.6 29.5 2, 75.15 29.53 2)'));

st_asewkt
----------
POLYGONM((75.15 29.53 1,77 29 1,77.6 29.5 2,75.15 29.53 2))
                          

Exemplos: estrutura de dentro e estrutura de fora

Construir um donut com um buraco de formiga

SELECT ST_MakePolygon(
                ST_ExteriorRing(ST_Buffer(foo.line,10)),
        ARRAY[ST_Translate(foo.line,1,1),
                ST_ExteriorRing(ST_Buffer(ST_MakePoint(20,20),1)) ]
        )
FROM
        (SELECT ST_ExteriorRing(ST_Buffer(ST_MakePoint(10,10),10,10))
                As line )
                As foo;
                

Construir limites de província com buracos representando lagos na província de um conjunto de polígonos/multipolígonos e linestrings de água das províncias. Esse é um exemplo do uso do PostGIS ST_Accum.

[Note]

A construção CASE é usada porque sustentar uma coleção de nulos em ST_MakePolygon resulta em NULO.

[Note]

Um ingresso esquerdo é usado para garantir que temos todas as províncias de volta, mesmo se elas não tiverem lagos.

SELECT p.gid, p.province_name,
                CASE WHEN
                        ST_Accum(w.the_geom) IS NULL THEN p.the_geom
                ELSE  ST_MakePolygon(ST_LineMerge(ST_Boundary(p.the_geom)), ST_Accum(w.the_geom)) END
        FROM
                provinces p LEFT JOIN waterlines w
                        ON (ST_Within(w.the_geom, p.the_geom) AND ST_IsClosed(w.the_geom))
        GROUP BY p.gid, p.province_name, p.the_geom;

        --Same example above but utilizing a correlated subquery
        --and PostgreSQL built-in ARRAY() function that converts a row set to an array

        SELECT p.gid,  p.province_name, CASE WHEN
                EXISTS(SELECT w.the_geom
                        FROM waterlines w
                        WHERE ST_Within(w.the_geom, p.the_geom)
                        AND ST_IsClosed(w.the_geom))
                THEN
                ST_MakePolygon(ST_LineMerge(ST_Boundary(p.the_geom)),
                        ARRAY(SELECT w.the_geom
                                FROM waterlines w
                                WHERE ST_Within(w.the_geom, p.the_geom)
                                AND ST_IsClosed(w.the_geom)))
                ELSE p.the_geom END As the_geom
        FROM
                provinces p;
                          

Name

ST_MakePoint — Cria um ponto 2D,3DZ ou 4D.

Synopsis

geometry ST_MakePoint(double precision x, double precision y);

geometry ST_MakePoint(double precision x, double precision y, double precision z);

geometry ST_MakePoint(double precision x, double precision y, double precision z, double precision m);

Descrição

Cria um ponto 2D,3DZ ou 4D (geometria com medida). ST_MakePoint enquanto não é submisso ao OGC, geralmente é mais rápido e mais preciso que ST_GeomFromText e ST_PointFromText. Também é mais fácil usar se você tem coordenadas cruas que WKT.

[Note]

Note que x é longitude e y é latitude

[Note]

Use ST_MakePointM se você precisa fazer um ponto com x,y,m.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

Examples

--Return point with unknown SRID
SELECT ST_MakePoint(-71.1043443253471, 42.3150676015829);

--Return point marked as WGS 84 long lat
SELECT ST_SetSRID(ST_MakePoint(-71.1043443253471, 42.3150676015829),4326);

--Return a 3D point (e.g. has altitude)
SELECT ST_MakePoint(1, 2,1.5);

--Get z of point
SELECT ST_Z(ST_MakePoint(1, 2,1.5));
result
-------
1.5

Name

ST_MakePointM — Cria um ponto com uma coordenada x y e m.

Synopsis

geometry ST_MakePointM(float x, float y, float m);

Descrição

Cria um ponto com uma coordenada x y e medida.

[Note]

Note que x é longitude e y é latitude.

Examples

Usamos ST_AsEWKT nesses exemplos para demonstrar a representação de texto ao invés de ST_AsText porque ST_AsText não suporta o M que retorna.

--Return EWKT representation of point with unknown SRID
SELECT ST_AsEWKT(ST_MakePointM(-71.1043443253471, 42.3150676015829, 10));

--result
                                   st_asewkt
-----------------------------------------------
 POINTM(-71.1043443253471 42.3150676015829 10)

--Return EWKT representation of point with measure marked as WGS 84 long lat
SELECT ST_AsEWKT(ST_SetSRID(ST_MakePointM(-71.1043443253471, 42.3150676015829,10),4326));

                                                st_asewkt
---------------------------------------------------------
SRID=4326;POINTM(-71.1043443253471 42.3150676015829 10)

--Return a 3d point (e.g. has altitude)
SELECT ST_MakePoint(1, 2,1.5);

--Get m of point
SELECT ST_M(ST_MakePointM(-71.1043443253471, 42.3150676015829,10));
result
-------
10
                          

Name

ST_MLineFromText — Retorna um valor específico ST_MultiLineString de uma representação WKT.

Synopsis

geometria ST_MLineFromText(texto WKT, integer srid);

geometria ST_MLineFromText(texto WKT);

Descrição

Faz uma geometria a partir de um texto bem conhecido (WKT) com o SRID dado. Se o SRID não for dado, isso leva a 0.

OGC SPEC 3.2.6.2 - opção SRID é de uma suíte de conformação

Retorna nulo se o WKT não é uma MULTILIINESTRING

[Note]

Se você tem total certeza de que todas suas geometrias WKT são pontos, não use essa função. Ela é mais devagar que a ST_GeomFromText, já que adiciona um passo de validação adicional.

This method implements the OpenGIS Simple Features Implementation Specification for SQL 1.1. s3.2.6.2

This method implements the SQL/MM specification.SQL-MM 3: 9.4.4

Examples

SELECT ST_MLineFromText('MULTILINESTRING((1 2, 3 4), (4 5, 6 7))');

Veja também

ST_GeomFromText


Name

ST_MPointFromText — Faz uma geometria de WKT com o SRID dado. Se o SRID não for dado, isso leva a 0.

Synopsis

geometry ST_MPointFromText(text WKT, integer srid);

geometry ST_MPointFromText(text WKT);

Descrição

Faz uma geometria de WKT com o SRID dado. Se o SRID não for dado, isso leva a 0.

OGC SPEC 3.2.6.2 - opção SRID é de uma suíte de conformação

Retorna nulo se o WKT não é um MULTIPONTO

[Note]

Se você tem total certeza de que todas suas geometrias WKT são pontos, não use essa função. Ela é mais devagar que a ST_GeomFromText, já que adiciona um passo de validação adicional.

This method implements the OpenGIS Simple Features Implementation Specification for SQL 1.1. 3.2.6.2

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 9.2.4

Examples

SELECT ST_MPointFromText('MULTIPOINT(1 2, 3 4)');
SELECT ST_MPointFromText('MULTIPOINT(-70.9590 42.1180, -70.9611 42.1223)', 4326);

Veja também

ST_GeomFromText


Name

ST_MPolyFromText — Faz um MultiPolígono de WKT com o SRID dado. Se o SRID não for dado, isso leva a 0.

Synopsis

geometria ST_MPolyFromText(text WKT, inteiro srid);

geometria ST_MPolyFromText(texto WKT);

Descrição

Faz um MultiPolígono de WKT com o SRID dado. Se o SRID não for dado, isso leva a 0.

OGC SPEC 3.2.6.2 - opção SRID é de uma suíte de conformação

Descarta um erro se o WKT não for um MULTIPOLÍGONO

[Note]

Se você tem total certeza de que todas suas geometrias WKT são multipolígonos, não use essa função. Ela é mais devagar que a ST_GeomFromText, já que adiciona um passo de validação adicional.

This method implements the OpenGIS Simple Features Implementation Specification for SQL 1.1. s3.2.6.2

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 9.6.4

Examples

SELECT ST_MPolyFromText('MULTIPOLYGON(((0 0 1,20 0 1,20 20 1,0 20 1,0 0 1),(5 5 3,5 7 3,7 7 3,7 5 3,5 5 3)))');
SELECt ST_MPolyFromText('MULTIPOLYGON(((-70.916 42.1002,-70.9468 42.0946,-70.9765 42.0872,-70.9754 42.0875,-70.9749 42.0879,-70.9752 42.0881,-70.9754 42.0891,-70.9758 42.0894,-70.9759 42.0897,-70.9759 42.0899,-70.9754 42.0902,-70.9756 42.0906,-70.9753 42.0907,-70.9753 42.0917,-70.9757 42.0924,-70.9755 42.0928,-70.9755 42.0942,-70.9751 42.0948,-70.9755 42.0953,-70.9751 42.0958,-70.9751 42.0962,-70.9759 42.0983,-70.9767 42.0987,-70.9768 42.0991,-70.9771 42.0997,-70.9771 42.1003,-70.9768 42.1005,-70.977 42.1011,-70.9766 42.1019,-70.9768 42.1026,-70.9769 42.1033,-70.9775 42.1042,-70.9773 42.1043,-70.9776 42.1043,-70.9778 42.1048,-70.9773 42.1058,-70.9774 42.1061,-70.9779 42.1065,-70.9782 42.1078,-70.9788 42.1085,-70.9798 42.1087,-70.9806 42.109,-70.9807 42.1093,-70.9806 42.1099,-70.9809 42.1109,-70.9808 42.1112,-70.9798 42.1116,-70.9792 42.1127,-70.979 42.1129,-70.9787 42.1134,-70.979 42.1139,-70.9791 42.1141,-70.9987 42.1116,-71.0022 42.1273,
        -70.9408 42.1513,-70.9315 42.1165,-70.916 42.1002)))',4326);

Name

ST_Point — Retorna uma ST_Point com os valores de coordenada dados. Heterônimo OGC para ST_MakePoint.

Synopsis

geometria ST_Point(float x_lon, float y_lat);

Descrição

Retorna uma ST_Point com os calores de coordenada dados. Heterônimo submisso para ST_MakePoint que pega somente o x e o y.

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 6.1.2

Exemplos: Geometria

SELECT ST_SetSRID(ST_Point(-71.1043443253471, 42.3150676015829),4326)

Exemplos: Geografia

SELECT CAST(ST_SetSRID(ST_Point(-71.1043443253471, 42.3150676015829),4326) Como geografia);
-- the :: is PostgreSQL short-hand for casting.
SELECT ST_SetSRID(ST_Point(-71.1043443253471, 42.3150676015829),4326)::geography;
--If your point coordinates are in a different spatial reference from WGS-84 long lat, then you need to transform before casting
-- This example we convert a point in Pennsylvania State Plane feet to WGS 84 and then geography
SELECT ST_Transform(ST_SetSRID(ST_Point(3637510, 3014852),2273),4326)::geography;

Name

ST_PointFromGeoHash — Retorna um ponto de uma string GeoHash.

Synopsis

ponto ST_PointFromGeoHash(texto geohash, inteiro precision=full_precision_of_geohash);

Descrição

Retorna um ponto de uma string GeoHash. O ponto representa o ponto central do GeoHash.

Se nenhuma precisão for especificada, a ST_PointFromGeoHash retorna um ponto baseado na precisão completa da string da entrada GeoHash.

Se a precisão for especificada, a ST_PointFromGeoHash irá usar aqueles vários caracteres do GeoHash para criar o ponto.

Disponibilidade: 2.1.0

Examples

SELECT ST_AsText(ST_PointFromGeoHash('9qqj7nmxncgyy4d0dbxqz0'));
          st_astext
------------------------------
 POINT(-115.172816 36.114646)

SELECT ST_AsText(ST_PointFromGeoHash('9qqj7nmxncgyy4d0dbxqz0', 4));
             st_astext
-----------------------------------
 POINT(-115.13671875 36.123046875)

SELECT ST_AsText(ST_PointFromGeoHash('9qqj7nmxncgyy4d0dbxqz0', 10));
                 st_astext
-------------------------------------------
 POINT(-115.172815918922 36.1146435141563)
                
                

Name

ST_PointFromText — Faz um ponto de um WKT com o SRID dado. Se o SRID não for dado, isso leva a desconhecido.

Synopsis

geometry ST_PointFromText(texto WKT);

geometria ST_PointFromText(texto WKT, inteiro srid);

Descrição

Constrói um ponto PostGIS ST_Geometry objeto da representação de texto bem conhecida OGC. Se o SRID não for dado, isso leva a desconhecido (atualmente 0). Se a geometria não for ponto de representação WKT, retorna nulo. Se o WKT é completamente inválido, então descarta um erro.

[Note]

Existem 2 variantes da função ST_PointFromText, a primeira não pega nenhuma SRID e retorna uma geometria sem sistema de referência espacial definido. A segunda, pega uma id referência espacial como o segundo argumento e retorna uma ST_Geometry que inclui esse srid como parte dos seus metadados. O srid deve ser definido na spatial_ref_sys table.

[Note]

Se você tem total certeza de que todas suas geometrias WKT são pontos, não use essa função. Ela é mais devagar que a ST_GeomFromText, já que adiciona um passo de validação adicional. Se você está construindo pontos de coordenadas long lat e se importa mais com apresentação e precisão do que com concordância OGC, use: ST_MakePoint ou ST_Point.

This method implements the OpenGIS Simple Features Implementation Specification for SQL 1.1. s3.2.6.2 - opção SRID é da suíte de conformidade.

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 6.1.8

Examples

SELECT ST_PointFromText('POINT(-71.064544 42.28787)');
SELECT ST_PointFromText('POINT(-71.064544 42.28787)', 4326);
        

Name

ST_PointFromWKB — Faz uma geometria a partir de um WKB com o SRID dado

Synopsis

geometria ST_GeomFromWKB(bytea geom);

geometry ST_GeomFromWKB(bytea geom, inteiro srid);

Descrição

A função ST_PointFromWKB, pega uma representação binária bem conhecida de geometria e um sistema de referência espacial ID (SRID) e cria um exemplo do tipo apropriado de geometria - nesse caso, uma geometria PONTO . Essa função cumpre o papel da Fábrica de Geometria SQL.

Se uma SRID não for especificada, leva a 0. NULO é retornado se a entrada bytea não representar uma PONTO geometria.

This method implements the OpenGIS Simple Features Implementation Specification for SQL 1.1. s3.2.7.2

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 6.1.9

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This method supports Circular Strings and Curves

Examples

SELECT
  ST_AsText(
        ST_PointFromWKB(
          ST_AsEWKB('POINT(2 5)'::geometry)
        )
  );
 st_astext
------------
 POINT(2 5)
(1 row)

SELECT
  ST_AsText(
        ST_PointFromWKB(
          ST_AsEWKB('LINESTRING(2 5, 2 6)'::geometry)
        )
  );
 st_astext
-----------

(1 row)

Name

ST_Polygon — Retorna um polígono construído de linestring e SRID especificados.

Synopsis

geometry ST_Polygon(geometry aLineString, integer srid);

Descrição

Retorna um polígono construído de linestring e SRID especificados.

[Note]

A ST_Polygon é parecida com a primeira versão oST_MakePolygon, com exceção de que ela também configura o spatial ref sys (SRID) do polígono. Não funcionará com MULTILINESTRINGS , então use LineMerge para unir multilines. Também não cria polígonos com buracos. Para isso, utilize: ST_MakePolygon.

This method implements the OpenGIS Simple Features Implementation Specification for SQL 1.1.

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 8.3.2

This function supports 3d and will not drop the z-index.

Examples

--a 2d polygon
SELECT ST_Polygon(ST_GeomFromText('LINESTRING(75.15 29.53,77 29,77.6 29.5, 75.15 29.53)'), 4326);

--result--
POLYGON((75.15 29.53,77 29,77.6 29.5,75.15 29.53))
--a 3d polygon
SELECT ST_AsEWKT(ST_Polygon(ST_GeomFromEWKT('LINESTRING(75.15 29.53 1,77 29 1,77.6 29.5 1, 75.15 29.53 1)'), 4326));

result
------
SRID=4326;POLYGON((75.15 29.53 1,77 29 1,77.6 29.5 1,75.15 29.53 1))
                        

Name

ST_PolygonFromText — Faz uma geometria de WKT com o SRID dado. Se o SRID não for dado, isso leva a 0.

Synopsis

geometry ST_PolygonFromText(text WKT);

geometry ST_PolygonFromText(text WKT, integer srid);

Descrição

Faz uma geometria de um WKT com o SRID dado. Se o SRID não for dado, isso leva a 0. Retorna nulo se WKT não for um polígono.

OGC SPEC 3.2.6.2 - opção SRID é de uma suíte de conformação

[Note]

Se você tem total certeza de que todas suas geometrias WKT são polígonos, não use essa função. Ela é mais devagar que a ST_GeomFromText, já que adiciona um passo de validação adicional.

This method implements the OpenGIS Simple Features Implementation Specification for SQL 1.1. s3.2.6.2

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 8.3.6

Examples

SELECT ST_PolygonFromText('POLYGON((-71.1776585052917 42.3902909739571,-71.1776820268866 42.3903701743239,
-71.1776063012595 42.3903825660754,-71.1775826583081 42.3903033653531,-71.1776585052917 42.3902909739571))');
st_polygonfromtext
------------------
010300000001000000050000006...


SELECT ST_PolygonFromText('POINT(1 2)') IS NULL as point_is_notpoly;

point_is_not_poly
----------
t

Veja também

ST_GeomFromText


Name

ST_WKBToSQL — Retorna um valor ST_Geometry especifico da representação de texto binário bem conhecida (WKB). Isso é um heterônimo para ST_GeomFromWKB que não pega nenhum srid

Synopsis

geometry ST_WKBToSQL(bytea WKB);

Descrição

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 5.1.36

Veja também

ST_GeomFromWKB


Name

ST_WKTToSQL — Retorna um valor ST_Geometry especifico da representação de texto estendida bem conhecida (EWKT). Isso é um heterônimo para ST_GeomFromText

Synopsis

geometria ST_WKTToSQL(texto WKT);

Descrição

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 5.1.34

Veja também

ST_GeomFromText

8.5. Acessors de Geometria

Tipo de geometria — Retorna o tipo de geometria como uma string. Exemplos: 'LINESTRING', 'POLÍGONO', 'MULTIPOINT', etc.
ST_Boundary — Retorna o encerramento da borda combinatória dessa geometria.
ST_CoordDim — Retorna a dimensão da coordenada do valor ST_Geometry.
ST_Dimension — A dimensão herdada desse objeto geométrico, o qual deve ser menor ou igual à dimensão coordenada.
ST_EndPoint — Retorna ao último ponto de uma LINESTRING ou CIRCULARLINESTRING geometria como um PONTO.
ST_Envelope — Retorna uma geometria representando a precisão da dobrada (float8) da caixa limitada da geometria fornecida.
ST_BoundingDiagonal — Retorna a diagonal da geometria fornecida da caixa limitada.
ST_ExteriorRing — Retorna uma line string representando o anel exterior da geometria POLÍGONO. Retorna NULA se a geometria não for um polígono. Não funcionará com MULTIPOLÍGONO.
ST_GeometryN — Retorna a geometria de 1-base Nth se a geometria é uma GEOMETRYCOLLECTION, (MULTI)POINT, (MULTI)LINESTRING, MULTICURVE ou (MULTI)POLYGON, POLYHEDRALSURFACE. Senão, retorna NULA.
ST_GeometryType — Retorna o tipo de geometria de valor ST_Geometry.
ST_InteriorRingN — Retorna o anel linestring Nth interior do polígono. Retorna NULO se a geometria não for um polígono ou o dado N está fora da extensão.
ST_IsCollection — Returns true if all exterior rings are oriented counter-clockwise and all interior rings are oriented clockwise.
ST_IsCollection — Returns true if all exterior rings are oriented clockwise and all interior rings are oriented counter-clockwise.
ST_IsClosed — Retorna VERDADEIRO se os pontos de começo e fim da LINESTRING são coincidentes. Para superfície poliédrica está fechada (volumétrica).
ST_IsCollection — Retorna VERDADEIRO se o argumento é uma coleção (MULTI*, GEOMETRYCOLLECTION, ...)
ST_IsEmpty — Retorna verdadeiro se essa geometria é uma coleção vazia, polígono, ponto etc.
ST_IsRing — Retorna VERDADEIRO se essa LINESTRING for fechada e simples.
ST_IsSimple — Retorna (VERDADEIRA) se essa geometria não tem nenhum ponto irregular, como auto intersecção ou tangenciação.
ST_IsValid — Retorna verdadeira se a ST_Geometry é bem formada.
ST_IsValidReason — Retorna texto declarando se uma geometria é válida ou não e se não for válida, uma razão do porquê.
ST_IsValidDetail — Retorna uma fila valid_detail (válida, motivo, localização) se uma geometria é válida ou não e, se não for, uma razão do porquê e uma localização.
ST_M — Retorna a coordenada M do ponto, ou NULA se não estiver disponível. Entrada deve ser um ponto.
ST_NDims — Retorna a dimensão coordenada da geometria como uma small int. Os valores são: 2, 3 ou 4.
ST_NPoints — Retorna o número de pontos (vértices) em uma geometria.
ST_NRings — Se a geometria for um polígono ou multi polígono, retorna o número de anéis.
ST_NumGeometries — Se a geometria é uma GEOMETRYCOLLECTION (ou MULTI*), retorna o número de geometria, para geometrias únicas retornará 1, senão retorna NULO.
ST_NumInteriorRings — Retorna o número de anéis interiores de um polígono.
ST_NumInteriorRing — Retorna o número de anéis interiores de um polígono na geometria. Sinônimo para ST_NumInteriorRings.
ST_NumPatches — Retorna o número de faces em uma superfícies poliédrica. Retornará nulo para geometrias não poliédricas.
ST_NumPoints — Retorna o número de pontos em um valor ST_LineString ou ST_CircularString.
ST_PatchN — Retorna a geometria (face) de 1-base Nth se a geometria é uma POLYHEDRALSURFACE, POLYHEDRALSURFACEM. Senão, retorna NULA.
ST_PointN — Retorna o ponto Nth na primeira linestring ou linestring circular na geometria. Valores negativos são contados tardiamente do fim da linestring. Retorna NULA se não há uma linestring na geometria.
ST_Points — Retorna uma multilinestring contendo todas as coordenadas de uma geometria.
ST_SRID — Retorna o identificador de referência espacial para a ST_Geometry como definido na table spatial_ref_sys.
ST_StartPoint — Retorna ao último ponto de uma LINESTRING geometria como um PONTO.
ST_Summary — Retorna um texto resumo dos conteúdos da geometria.
ST_X — Retorna a coordenada X do ponto, ou NULA se não estiver disponível. Entrada deve ser um ponto.
ST_XMax — Retorna o X máximo de uma caixa limitante 2d ou 3d ou uma geometria.
ST_XMin — Retorna o X mínimo de uma caixa limitante 2d ou 3d ou uma geometria.
ST_Y — Retorna a coordenada Y do ponto, ou NULA se não estiver disponível. Entrada deve ser um ponto.
ST_YMax — Retorna o Y máximo de uma caixa limitante 2d ou 3d ou uma geometria.
ST_YMin — Retorna o Y mínimo de uma caixa limitante 2d ou 3d ou uma geometria.
ST_Z — Retorna a coordenada Z do ponto, ou NULA se não estiver disponível. Entrada deve ser um ponto.
ST_ZMax — Retorna o Z mínimo de uma caixa limitante 2d ou 3d ou uma geometria.
ST_Zmflag — Retorna a bandeira ZM (dimensão semântica) das geometrias como uma small int. Os valores são: 0=2d, 1=3dm, 2=3dz, 3=4d.
ST_ZMin — Retorna o Z mínimo de uma caixa limitante 2d ou 3d ou uma geometria.

Name

Tipo de geometria — Retorna o tipo de geometria como uma string. Exemplos: 'LINESTRING', 'POLÍGONO', 'MULTIPOINT', etc.

Synopsis

texto GeometryType(geometria geomA);

Descrição

Retorna o tipo de geometria como uma string. Exemplos: 'LINESTRING', 'POLÍGONO', 'MULTIPOINT', etc.

OGC SPEC s2.1.1.1 - Retorna o nome do sub tipo ocasional da geometria da qual essa geometria ocasiona é um membro. O nome do sub tipo ocasional retorna como uma string.

[Note]

Essa função também indica se a geometria é medida, retornando uma string da forma 'POINTM'.

Melhorias: 2.0.0 suporte para superfícies poliédricas, triângulos e TIN introduzido.

This method implements the OpenGIS Simple Features Implementation Specification for SQL 1.1.

This method supports Circular Strings and Curves

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This function supports Polyhedral surfaces.

This function supports Triangles and Triangulated Irregular Network Surfaces (TIN).

Exemplos

SELECT GeometryType(ST_GeomFromText('LINESTRING(77.29 29.07,77.42 29.26,77.27 29.31,77.29 29.07)'));

geometrytype

--------------

LINESTRING
SELECT ST_GeometryType(ST_GeomFromEWKT('POLYHEDRALSURFACE( ((0 0 0, 0 0 1, 0 1 1, 0 1 0, 0 0 0)),
                ((0 0 0, 0 1 0, 1 1 0, 1 0 0, 0 0 0)), ((0 0 0, 1 0 0, 1 0 1, 0 0 1, 0 0 0)),
                ((1 1 0, 1 1 1, 1 0 1, 1 0 0, 1 1 0)),
                ((0 1 0, 0 1 1, 1 1 1, 1 1 0, 0 1 0)), ((0 0 1, 1 0 1, 1 1 1, 0 1 1, 0 0 1)) )'));
                        --result
                        POLYHEDRALSURFACE
                        
SELECT GeometryType(geom) as result
  FROM
    (SELECT
       ST_GeomFromEWKT('TIN (((
                0 0 0,
                0 0 1,
                0 1 0,
                0 0 0
            )), ((
                0 0 0,
                0 1 0,
                1 1 0,
                0 0 0
            ))
            )')  AS geom
    ) AS g;
 result
--------
 TIN    

Veja também

ST_GeometryType


Name

ST_Boundary — Retorna o encerramento da borda combinatória dessa geometria.

Synopsis

geometria ST_Boundary(geometria geomA);

Descrição

Retorna o encerramento do limite combinatório dessa geometria. O limite combinatório é definido com descrito na seção 3.12.3.2 do OGC SPEC. Porque o resultado dessa função é um encerramento, e por isso topologicamente fechado, o limite resultante pode ser representado usando geometrias primitivas representacionais como foi discutido no OGC SPEC, seção 3.12.2.

Desempenhado pelo módulo GEOS

[Note]

Anterior a 2.0.0, essa função abre uma exceção se usada com GEOMETRYCOLLECTION. A partir do 2.0.0 ela vai retornar NULA (entrada não suportada).

This method implements the OpenGIS Simple Features Implementation Specification for SQL 1.1. OGC SPEC s2.1.1.1

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 5.1.14

This function supports 3d and will not drop the z-index.

Melhorias: 2.1.0 suporte para Triângulo foi introduzido

Exemplos

Linestring com pontos de limite cobertos

SELECT ST_Boundary(geom)
FROM (SELECT 'LINESTRING(100 150,50 60, 70 80, 160 170)'::geometry As geom) As f;
                                

-- ST_AsText output
MULTIPOINT(100 150,160 170)

furos de polígono com multilinestring limite

SELECT ST_Boundary(geom)
FROM (SELECT
'POLYGON (( 10 130, 50 190, 110 190, 140 150, 150 80, 100 10, 20 40, 10 130 ),
        ( 70 40, 100 50, 120 80, 80 110, 50 90, 70 40 ))'::geometry As geom) As f;
                                

-- ST_AsText output
MULTILINESTRING((10 130,50 190,110 190,140 150,150 80,100 10,20 40,10 130),
        (70 40,100 50,120 80,80 110,50 90,70 40))

SELECT ST_AsText(ST_Boundary(ST_GeomFromText('LINESTRING(1 1,0 0, -1 1)')));
st_astext
-----------
MULTIPOINT(1 1,-1 1)

SELECT ST_AsText(ST_Boundary(ST_GeomFromText('POLYGON((1 1,0 0, -1 1, 1 1))')));
st_astext
----------
LINESTRING(1 1,0 0,-1 1,1 1)

--Using a 3d polygon
SELECT ST_AsEWKT(ST_Boundary(ST_GeomFromEWKT('POLYGON((1 1 1,0 0 1, -1 1 1, 1 1 1))')));

st_asewkt
-----------------------------------
LINESTRING(1 1 1,0 0 1,-1 1 1,1 1 1)

--Using a 3d multilinestring
SELECT ST_AsEWKT(ST_Boundary(ST_GeomFromEWKT('MULTILINESTRING((1 1 1,0 0 0.5, -1 1 1),(1 1 0.5,0 0 0.5, -1 1 0.5, 1 1 0.5) )')));

st_asewkt
----------
MULTIPOINT(-1 1 1,1 1 0.75)

Name

ST_CoordDim — Retorna a dimensão da coordenada do valor ST_Geometry.

Synopsis

inteiro ST_CoordDim(geometria geomA);

Descrição

Retorna a dimensão da coordenada do valor ST_Geometry.

Esse é o pseudônimo condescendente do MM para ST_NDims

This method implements the OpenGIS Simple Features Implementation Specification for SQL 1.1.

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 5.1.3

This method supports Circular Strings and Curves

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This function supports Polyhedral surfaces.

This function supports Triangles and Triangulated Irregular Network Surfaces (TIN).

Exemplos

SELECT ST_CoordDim('CIRCULARSTRING(1 2 3, 1 3 4, 5 6 7, 8 9 10, 11 12 13)');

---result--

3



SELECT ST_CoordDim(ST_Point(1,2));

--result--

2

                

Veja também

ST_NDims


Name

ST_Dimension — A dimensão herdada desse objeto geométrico, o qual deve ser menor ou igual à dimensão coordenada.

Synopsis

inteiro ST_Dimension(geometria g);

Descrição

A dimensão herdada desse objeto geométrico, que deve ser menor que ou igual à dimensão coordenada. OGC SPEC s2.1.1.1 - retorna 0 para PONTO, 1 para LINESTRING, 2 para POLÍGONO, e a dimensão mais larga dos componentes de uma COLEÇÃODEGEOMETRIA. Se desconhecida (geometria vazia) nula é retornada.

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 5.1.2

Melhorias: 2.0.0 suporte para superfícies poliédricas e TINs foi introduzido. Não abre mais exceção se uma geometria vazia é dada.

[Note]

Anterior à 2.0.0, essa função abre uma exceção se usada com uma geometria vazia.

This function supports Polyhedral surfaces.

This function supports Triangles and Triangulated Irregular Network Surfaces (TIN).

Exemplos

SELECT ST_Dimension('GEOMETRYCOLLECTION(LINESTRING(1 1,0 0),POINT(0 0))');

ST_Dimension

-----------

1

Veja também

ST_NDims


Name

ST_EndPoint — Retorna ao último ponto de uma LINESTRING ou CIRCULARLINESTRING geometria como um PONTO.

Synopsis

booleana ST_EndPoint(geometria g);

Descrição

Retorna ao último ponto de uma LINESTRING geometria como um PONTO ou NULO se o parâmetro de entrada não é uma LINESTRING.

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 7.1.4

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This method supports Circular Strings and Curves

[Note]

Alterações: 2.0.0 não funciona mais com geometrias de multilinestrings. Em verões mais antigas do PostGIS -- uma linha multilinestring sozinha trabalharia normalmente com essa função e voltaria o ponto de início. Na 2.0.0 ela retorna NULA como qualquer outra multilinestring. O antigo comportamento não foi uma característica documentada, mas as pessoas que consideravam que tinham seus dados armazenados como uma LINESTRING, agora podem experimentar essas que retornam NULAS em 2.0.

Exemplos

postgis=# SELECT ST_AsText(ST_EndPoint('LINESTRING(1 1, 2 2, 3 3)'::geometry));
 st_astext
------------
 POINT(3 3)
(1 row)

postgis=# SELECT ST_EndPoint('POINT(1 1)'::geometry) IS NULL AS is_null;
  is_null
----------
 t
(1 row)

--3d endpoint
SELECT ST_AsEWKT(ST_EndPoint('LINESTRING(1 1 2, 1 2 3, 0 0 5)'));
  st_asewkt
--------------
 POINT(0 0 5)
(1 row)

Name

ST_Envelope — Retorna uma geometria representando a precisão da dobrada (float8) da caixa limitada da geometria fornecida.

Synopsis

geometria ST_Envelope(geometria g1);

Descrição

Retorna o limite mínimo da caixa float8 para a geometria fornecida, com uma geometria. O polígono é definido pelos pontos de canto da caixa limitada ((MINX, MINY), (MINX, MAXY), (MAXX, MAXY), (MAXX, MINY), (MINX, MINY)). (PostGIS irá adicionar uma ZMIN/ZMAX coordenada também).

Casos degenerados (linhas verticais, pontos) irão retornar como uma geometria de dimensão menor que POLÍGONO, ie. PONTO ou LINESTRING.

Disponibilidade: 1.5.0 comportamento alterado para saída de precisão dupla ao invés de float4

This method implements the OpenGIS Simple Features Implementation Specification for SQL 1.1. s2.1.1.1

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 5.1.15

Exemplos

SELECT ST_AsText(ST_Envelope('POINT(1 3)'::geometry));
 st_astext
------------
 POINT(1 3)
(1 row)


SELECT ST_AsText(ST_Envelope('LINESTRING(0 0, 1 3)'::geometry));
                   st_astext
--------------------------------
 POLYGON((0 0,0 3,1 3,1 0,0 0))
(1 row)


SELECT ST_AsText(ST_Envelope('POLYGON((0 0, 0 1, 1.0000001 1, 1.0000001 0, 0 0))'::geometry));
                                                  st_astext
--------------------------------------------------------------
 POLYGON((0 0,0 1,1.00000011920929 1,1.00000011920929 0,0 0))
(1 row)
SELECT ST_AsText(ST_Envelope('POLYGON((0 0, 0 1, 1.0000000001 1, 1.0000000001 0, 0 0))'::geometry));
                                                  st_astext
--------------------------------------------------------------
 POLYGON((0 0,0 1,1.00000011920929 1,1.00000011920929 0,0 0))
(1 row)

SELECT Box3D(geom), Box2D(geom), ST_AsText(ST_Envelope(geom)) As envelopewkt
        FROM (SELECT 'POLYGON((0 0, 0 1000012333334.34545678, 1.0000001 1, 1.0000001 0, 0 0))'::geometry As geom) As foo;


        

Veja também

Caixa2D, Caixa3D


Name

ST_BoundingDiagonal — Retorna a diagonal da geometria fornecida da caixa limitada.

Synopsis

geometria ST_BoundingDiagonal(geometria geom, booleana fits=false);

Descrição

Retorna a diagonal da geometria fornecida da caixa limitada em linestring. Se a entrada da geometria está vazia, a linha diagonal também está, caso contrário é uma linestring de 2-pontos com valores mínimos de cada dimensão no ponto de início e com valores máximos no ponte de fim.

A linestring da geometria retornada sempre retém SRID e dimensionalidade (Z e M presentes) da geometria de entrada.

O parâmetro fits especifica se o que se encaixa melhor é necessário. Se negativo, a diagonal de uma caixa limitadora de alguma forma pode ser aceita (é mais rápido obter para geometrias com muitos vértices). De qualquer forma, a caixa limitadora da linha diagonal retornada sempre cobre a geometria de entrada.

[Note]

Em casos degenerados (um único vértice na entrada) a linestring retornada será topologicamente inválida (sem interior). Isso não não torna o retorno semanticamente inválido.

Disponibilidade: 2.2.0

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This function supports M coordinates.

Exemplos

-- Get the minimum X in a buffer around a point
SELECT ST_X(ST_StartPoint(ST_BoundingDiagonal(
  ST_Buffer(ST_MakePoint(0,0),10)
)));
 st_x
------
  -10
                

Name

ST_ExteriorRing — Retorna uma line string representando o anel exterior da geometria POLÍGONO. Retorna NULA se a geometria não for um polígono. Não funcionará com MULTIPOLÍGONO.

Synopsis

geometria ST_ExteriorRing(geometry a_polygon);

Descrição

Retorna uma line string representando o anel exterior da geometria POLÍGONO. Retorna NULA se a geometria não for um polígono.

[Note]

Funciona somente com geometrias tipo POLÍGONO.

This method implements the OpenGIS Simple Features Implementation Specification for SQL 1.1. 2.1.5.1

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 8.2.3, 8.3.3

This function supports 3d and will not drop the z-index.

Exemplos

--If you have a table of polygons
SELECT gid, ST_ExteriorRing(the_geom) AS ering
FROM sometable;

--If you have a table of MULTIPOLYGONs
--and want to return a MULTILINESTRING composed of the exterior rings of each polygon
SELECT gid, ST_Collect(ST_ExteriorRing(the_geom)) AS erings
        FROM (SELECT gid, (ST_Dump(the_geom)).geom As the_geom
                        FROM sometable) As foo
GROUP BY gid;

--3d Example
SELECT ST_AsEWKT(
        ST_ExteriorRing(
        ST_GeomFromEWKT('POLYGON((0 0 1, 1 1 1, 1 2 1, 1 1 1, 0 0 1))')
        )
);

st_asewkt
---------
LINESTRING(0 0 1,1 1 1,1 2 1,1 1 1,0 0 1)

Name

ST_GeometryN — Retorna a geometria de 1-base Nth se a geometria é uma GEOMETRYCOLLECTION, (MULTI)POINT, (MULTI)LINESTRING, MULTICURVE ou (MULTI)POLYGON, POLYHEDRALSURFACE. Senão, retorna NULA.

Synopsis

geometria ST_GeometryN(geometria geomA, inteiro n);

Descrição

Retorna a geometria de 1-base Nth se a geometria é uma GEOMETRYCOLLECTION, (MULTI)POINT, (MULTI)LINESTRING, MULTICURVE ou (MULTI)POLYGON, POLYHEDRALSURFACE. Senão, retorna NULA.

[Note]

O Index é 1-base como para OGC specs desde a versão 0.8.0. Versões anteriores implementaram isso como 0-base.

[Note]

Se você quiser extrair todas as geometrias, de uma geometria, ST_Dump é mais eficiente e também funcionará para geometrias singulares.

Melhorias: 2.0.0 suporte para superfícies poliédricas, triângulos e TIN introduzido.

Alterações: 2.0.0. Versões anteriores voltariam NULAS para geometrias únicas. Isso foi alterado para volrtar a geometria para o caso ST_GeometryN(..,1).

This method implements the OpenGIS Simple Features Implementation Specification for SQL 1.1.

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 9.1.5

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This method supports Circular Strings and Curves

This function supports Polyhedral surfaces.

This function supports Triangles and Triangulated Irregular Network Surfaces (TIN).

Exemplos Padrão

--Extracting a subset of points from a 3d multipoint
SELECT n, ST_AsEWKT(ST_GeometryN(the_geom, n)) As geomewkt
FROM (
VALUES (ST_GeomFromEWKT('MULTIPOINT(1 2 7, 3 4 7, 5 6 7, 8 9 10)') ),
( ST_GeomFromEWKT('MULTICURVE(CIRCULARSTRING(2.5 2.5,4.5 2.5, 3.5 3.5), (10 11, 12 11))') )
        )As foo(the_geom)
        CROSS JOIN generate_series(1,100) n
WHERE n <= ST_NumGeometries(the_geom);

 n |               geomewkt
---+-----------------------------------------
 1 | POINT(1 2 7)
 2 | POINT(3 4 7)
 3 | POINT(5 6 7)
 4 | POINT(8 9 10)
 1 | CIRCULARSTRING(2.5 2.5,4.5 2.5,3.5 3.5)
 2 | LINESTRING(10 11,12 11)


--Extracting all geometries (useful when you want to assign an id)
SELECT gid, n, ST_GeometryN(the_geom, n)
FROM sometable CROSS JOIN generate_series(1,100) n
WHERE n <= ST_NumGeometries(the_geom);

Exemplos de Superfícies Poliédricas, TIN e Triângulos

-- Polyhedral surface example
-- Break a Polyhedral surface into its faces
SELECT ST_AsEWKT(ST_GeometryN(p_geom,3)) As geom_ewkt
  FROM (SELECT ST_GeomFromEWKT('POLYHEDRALSURFACE(
((0 0 0, 0 0 1, 0 1 1, 0 1 0, 0 0 0)),
((0 0 0, 0 1 0, 1 1 0, 1 0 0, 0 0 0)),
((0 0 0, 1 0 0, 1 0 1, 0 0 1, 0 0 0)),
((1 1 0, 1 1 1, 1 0 1, 1 0 0, 1 1 0)),
((0 1 0, 0 1 1, 1 1 1, 1 1 0, 0 1 0)),
((0 0 1, 1 0 1, 1 1 1, 0 1 1, 0 0 1))
)')  AS p_geom )  AS a;

                geom_ewkt
------------------------------------------
 POLYGON((0 0 0,1 0 0,1 0 1,0 0 1,0 0 0))
-- TIN --
SELECT ST_AsEWKT(ST_GeometryN(geom,2)) as wkt
  FROM
    (SELECT
       ST_GeomFromEWKT('TIN (((
                0 0 0,
                0 0 1,
                0 1 0,
                0 0 0
            )), ((
                0 0 0,
                0 1 0,
                1 1 0,
                0 0 0
            ))
            )')  AS geom
    ) AS g;
-- result --
                 wkt
-------------------------------------
 TRIANGLE((0 0 0,0 1 0,1 1 0,0 0 0))

Name

ST_GeometryType — Retorna o tipo de geometria de valor ST_Geometry.

Synopsis

texto ST_GeometryType(geometria g1);

Descrição

Retorna o tipo da geometria como uma string. EX: 'ST_Linestring', 'ST_Polygon','ST_MultiPolygon' etc. Essa função difere de GeometryType(geometria) no caso da string e ST na frente que é retornada, bem como o fato que isso não indicará se a geometria é medida.

Melhorias: 2.0.0 suporte a superfícies poliédricas foi introduzido.

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 5.1.4

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This function supports Polyhedral surfaces.

Exemplos

SELECT ST_GeometryType(ST_GeomFromText('LINESTRING(77.29 29.07,77.42 29.26,77.27 29.31,77.29 29.07)'));

--result

ST_LineString
SELECT ST_GeometryType(ST_GeomFromEWKT('POLYHEDRALSURFACE( ((0 0 0, 0 0 1, 0 1 1, 0 1 0, 0 0 0)),
                ((0 0 0, 0 1 0, 1 1 0, 1 0 0, 0 0 0)), ((0 0 0, 1 0 0, 1 0 1, 0 0 1, 0 0 0)),
                ((1 1 0, 1 1 1, 1 0 1, 1 0 0, 1 1 0)),
                ((0 1 0, 0 1 1, 1 1 1, 1 1 0, 0 1 0)), ((0 0 1, 1 0 1, 1 1 1, 0 1 1, 0 0 1)) )'));
                        --result
                        ST_PolyhedralSurface
SELECT ST_GeometryType(ST_GeomFromEWKT('POLYHEDRALSURFACE( ((0 0 0, 0 0 1, 0 1 1, 0 1 0, 0 0 0)),
                ((0 0 0, 0 1 0, 1 1 0, 1 0 0, 0 0 0)), ((0 0 0, 1 0 0, 1 0 1, 0 0 1, 0 0 0)),
                ((1 1 0, 1 1 1, 1 0 1, 1 0 0, 1 1 0)),
                ((0 1 0, 0 1 1, 1 1 1, 1 1 0, 0 1 0)), ((0 0 1, 1 0 1, 1 1 1, 0 1 1, 0 0 1)) )'));
                        --result
                        ST_PolyhedralSurface
SELECT ST_GeometryType(geom) as result
  FROM
    (SELECT
       ST_GeomFromEWKT('TIN (((
                0 0 0,
                0 0 1,
                0 1 0,
                0 0 0
            )), ((
                0 0 0,
                0 1 0,
                1 1 0,
                0 0 0
            ))
            )')  AS geom
    ) AS g;
 result
--------
 ST_Tin    

Veja também

Tipo de geometria


Name

ST_InteriorRingN — Retorna o anel linestring Nth interior do polígono. Retorna NULO se a geometria não for um polígono ou o dado N está fora da extensão.

Synopsis

geometria ST_InteriorRingN(geometria a_polygon, inteiro n);

Descrição

Retorna o anel linestring Nth interior do polígono. Retorna NULO se a geometria não for um polígono ou o dado N está fora da extensão. index começa em 1.

[Note]

Isso não funcionará para MULTIPOLÍGONOS. Use em conjunção com ST_Dump para MULTIPOLÍGONOS.

This method implements the OpenGIS Simple Features Implementation Specification for SQL 1.1.

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 8.2.6, 8.3.5

This function supports 3d and will not drop the z-index.

Exemplos

SELECT ST_AsText(ST_InteriorRingN(the_geom, 1)) As the_geom
FROM (SELECT ST_BuildArea(
                ST_Collect(ST_Buffer(ST_Point(1,2), 20,3),
                        ST_Buffer(ST_Point(1, 2), 10,3))) As the_geom
                )  as foo
                

Name

ST_IsCollection — Returns true if all exterior rings are oriented counter-clockwise and all interior rings are oriented clockwise.

Synopsis

booleana ST_IsEmpty(geometria geomA);

Descrição

Returns true if all polygonal components of the input geometry use a counter-clockwise orientation for their exterior ring, and a clockwise direction for all interior rings.

Retorna verdadeiro se essa geometria é uma coleção vazia, polígono, ponto etc.

[Note]

Closed linestrings are not considered polygonal components, so you would still get a true return by passing a single closed linestring no matter its orientation.

[Note]

If a polygonal geometry does not use reversed orientation for interior rings (i.e., if one or more interior rings are oriented in the same direction as an exterior ring) then both ST_IsPolygonCW and ST_IsPolygonCCW will return false.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This function supports M coordinates.


Name

ST_IsCollection — Returns true if all exterior rings are oriented clockwise and all interior rings are oriented counter-clockwise.

Synopsis

booleana ST_IsEmpty(geometria geomA);

Descrição

Returns true if all polygonal components of the input geometry use a clockwise orientation for their exterior ring, and a counter-clockwise direction for all interior rings.

Retorna verdadeiro se essa geometria é uma coleção vazia, polígono, ponto etc.

[Note]

Closed linestrings are not considered polygonal components, so you would still get a true return by passing a single closed linestring no matter its orientation.

[Note]

If a polygonal geometry does not use reversed orientation for interior rings (i.e., if one or more interior rings are oriented in the same direction as an exterior ring) then both ST_IsPolygonCW and ST_IsPolygonCCW will return false.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This function supports M coordinates.


Name

ST_IsClosed — Retorna VERDADEIRO se os pontos de começo e fim da LINESTRING são coincidentes. Para superfície poliédrica está fechada (volumétrica).

Synopsis

booleana ST_IsClosed(geometria g);

Descrição

Retorna VERDADEIRO se os pontos de começo e fim da LINESTRING são coincidentes. Para superfícies poliédricas, isso lhe diz se a superfície é territorial (aberta) ou volumétrica (fechada).

This method implements the OpenGIS Simple Features Implementation Specification for SQL 1.1.

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 7.1.5, 9.3.3

[Note]

SQL-MM define o resultado do ST_IsClosed(NULO) para ser 0, enquanto o PostGIS retorna NULO.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This method supports Circular Strings and Curves

Melhorias: 2.0.0 suporte a superfícies poliédricas foi introduzido.

This function supports Polyhedral surfaces.

Exemplos de line string e ponto

postgis=# SELECT ST_IsClosed('LINESTRING(0 0, 1 1)'::geometry);
 st_isclosed
-------------
 f
(1 row)

postgis=# SELECT ST_IsClosed('LINESTRING(0 0, 0 1, 1 1, 0 0)'::geometry);
 st_isclosed
-------------
 t
(1 row)

postgis=# SELECT ST_IsClosed('MULTILINESTRING((0 0, 0 1, 1 1, 0 0),(0 0, 1 1))'::geometry);
 st_isclosed
-------------
 f
(1 row)

postgis=# SELECT ST_IsClosed('POINT(0 0)'::geometry);
 st_isclosed
-------------
 t
(1 row)

postgis=# SELECT ST_IsClosed('MULTIPOINT((0 0), (1 1))'::geometry);
 st_isclosed
-------------
 t
(1 row)

Exemplos de Superfície Poliedral

-- A cube --
                SELECT ST_IsClosed(ST_GeomFromEWKT('POLYHEDRALSURFACE( ((0 0 0, 0 0 1, 0 1 1, 0 1 0, 0 0 0)),
                ((0 0 0, 0 1 0, 1 1 0, 1 0 0, 0 0 0)), ((0 0 0, 1 0 0, 1 0 1, 0 0 1, 0 0 0)),
                ((1 1 0, 1 1 1, 1 0 1, 1 0 0, 1 1 0)),
                ((0 1 0, 0 1 1, 1 1 1, 1 1 0, 0 1 0)), ((0 0 1, 1 0 1, 1 1 1, 0 1 1, 0 0 1)) )'));

 st_isclosed
-------------
 t


 -- Same as cube but missing a side --
 SELECT ST_IsClosed(ST_GeomFromEWKT('POLYHEDRALSURFACE( ((0 0 0, 0 0 1, 0 1 1, 0 1 0, 0 0 0)),
                ((0 0 0, 0 1 0, 1 1 0, 1 0 0, 0 0 0)), ((0 0 0, 1 0 0, 1 0 1, 0 0 1, 0 0 0)),
                ((1 1 0, 1 1 1, 1 0 1, 1 0 0, 1 1 0)),
                ((0 1 0, 0 1 1, 1 1 1, 1 1 0, 0 1 0)) )'));

 st_isclosed
-------------
 f

Veja também

ST_IsRing


Name

ST_IsCollection — Retorna VERDADEIRO se o argumento é uma coleção (MULTI*, GEOMETRYCOLLECTION, ...)

Synopsis

booleana ST_IsCollection(geometria g);

Descrição

Retorna VERDADEIRO se o tipo da geometria do argumento é:

  • COLEÇÃO DE GEOMETRIA

  • MULTI{PONTO, POLÍGONO, LINESTRING, CURVA, SUPERFÍCIE}

  • CURVA COMPOSTA

[Note]

Essa função analisa o tipo da geometria. Isso significa que vai retornar VERDADEIRO nas coleções que são vazias ou que contêm apenas um elemento.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This method supports Circular Strings and Curves

Exemplos

postgis=# SELECT ST_IsCollection('LINESTRING(0 0, 1 1)'::geometry);
 st_iscollection
-------------
 f
(1 row)

postgis=# SELECT ST_IsCollection('MULTIPOINT EMPTY'::geometry);
 st_iscollection
-------------
 t
(1 row)

postgis=# SELECT ST_IsCollection('MULTIPOINT((0 0))'::geometry);
 st_iscollection
-------------
 t
(1 row)

postgis=# SELECT ST_IsCollection('MULTIPOINT((0 0), (42 42))'::geometry);
 st_iscollection
-------------
 t
(1 row)

postgis=# SELECT ST_IsCollection('GEOMETRYCOLLECTION(POINT(0 0))'::geometry);
 st_iscollection
-------------
 t
(1 row)

Veja também

ST_NumGeometries


Name

ST_IsEmpty — Retorna verdadeiro se essa geometria é uma coleção vazia, polígono, ponto etc.

Synopsis

booleana ST_IsEmpty(geometria geomA);

Descrição

Retorna verdadeiro se essa geometria se é vazia. Se verdadeira, ela representa uma coleção vazia, polígono, ponto etc.

[Note]

SQL-MM define o resultado da ST_IsEmpty(NULA) para ser 0, enquanto o PostGIS retorna NULO.

This method implements the OpenGIS Simple Features Implementation Specification for SQL 1.1. s2.1.1.1

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 5.1.7

This method supports Circular Strings and Curves

[Warning]

Alterações: 2.0.0 Nas versões anteriores do PostGIS ST_GeomFromText('GEOMETRYCOLLECTION(EMPTY)') era permitido. Agora isso é ilegal no PostGIS 2.0.0 para se adequar aos padrões SQL/MM.

Exemplos

SELECT ST_IsEmpty(ST_GeomFromText('GEOMETRYCOLLECTION EMPTY'));
 st_isempty
------------
 t
(1 row)

 SELECT ST_IsEmpty(ST_GeomFromText('POLYGON EMPTY'));
 st_isempty
------------
 t
(1 row)

SELECT ST_IsEmpty(ST_GeomFromText('POLYGON((1 2, 3 4, 5 6, 1 2))'));

 st_isempty
------------
 f
(1 row)

 SELECT ST_IsEmpty(ST_GeomFromText('POLYGON((1 2, 3 4, 5 6, 1 2))')) = false;
 ?column?
----------
 t
(1 row)

 SELECT ST_IsEmpty(ST_GeomFromText('CIRCULARSTRING EMPTY'));
  st_isempty
------------
 t
(1 row)


                

Name

ST_IsRing — Retorna VERDADEIRO se essa LINESTRING for fechada e simples.

Synopsis

booleana ST_IsRing(geometria g);

Descrição

Retorna VERDADEIRO se essa LINESTRING for ST_IsClosed (ST_StartPoint(g) ~= ST_Endpoint(g)) e ST_IsSimple (não cruzar consigo mesma).

This method implements the OpenGIS Simple Features Implementation Specification for SQL 1.1. 2.1.5.1

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 7.1.6

[Note]

SQL-MM define o resultado do ST_IsRing(NULO) para ser 0, enquanto o PostGIS retorna NULO.

Exemplos

SELECT ST_IsRing(the_geom), ST_IsClosed(the_geom), ST_IsSimple(the_geom)
FROM (SELECT 'LINESTRING(0 0, 0 1, 1 1, 1 0, 0 0)'::geometry AS the_geom) AS foo;
 st_isring | st_isclosed | st_issimple
-----------+-------------+-------------
 t         | t           | t
(1 row)

SELECT ST_IsRing(the_geom), ST_IsClosed(the_geom), ST_IsSimple(the_geom)
FROM (SELECT 'LINESTRING(0 0, 0 1, 1 0, 1 1, 0 0)'::geometry AS the_geom) AS foo;
 st_isring | st_isclosed | st_issimple
-----------+-------------+-------------
 f         | t           | f
(1 row)

Name

ST_IsSimple — Retorna (VERDADEIRA) se essa geometria não tem nenhum ponto irregular, como auto intersecção ou tangenciação.

Synopsis

booleana ST_IsSimple(geometria geomA);

Descrição

Retorna verdadeira se essa geometria não tem nenhum ponto geométrico irregular, como auto intersecção ou tangenciação. Para maiores informações na definição OGC da simplicidade e validade das geometrias, use "Ensuring OpenGIS compliancy of geometries"

[Note]

SQL-MM define o resultado da ST_IsSimple(NULA) para ser 0, enquanto o PostGIS retorna NULO.

This method implements the OpenGIS Simple Features Implementation Specification for SQL 1.1. s2.1.1.1

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 5.1.8

This function supports 3d and will not drop the z-index.

Exemplos

SELECT ST_IsSimple(ST_GeomFromText('POLYGON((1 2, 3 4, 5 6, 1 2))'));

st_issimple

-------------

t

(1 row)



SELECT ST_IsSimple(ST_GeomFromText('LINESTRING(1 1,2 2,2 3.5,1 3,1 2,2 1)'));

st_issimple

-------------

f

(1 row)

Veja também

ST_IsValid


Name

ST_IsValid — Retorna verdadeira se a ST_Geometry é bem formada.

Synopsis

booleana ST_IsValid(geometria g);

booleana ST_IsValid(geometria g, inteiro flags);

Descrição

Testa se um valor ST_Geometry é bem formado. Para geometrias que são inválidas, o PostgreSQL NOTICE irá fornecer detalhes da razão de não serem válidas. Para maiores informações na definição OGC da simplicidade e validade de geometrias, use "Ensuring OpenGIS compliancy of geometries"

[Note]

SQL-MM define o resultado da ST_IsValid(NULA) para ser 0, enquanto o PostGIS retorna NULO.

A versão que aceita bandeiras está disponível com a 2.0.0 e requer GEOS >= 3.3.0. Tal versão não imprime um AVISO explicando a invalidade. As bandeiras permitidas estão documentadas em ST_IsValidDetail.

This method implements the OpenGIS Simple Features Implementation Specification for SQL 1.1.

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 5.1.9

[Note]

Nem as especificações do OGC-SFS ou do SQL-MM incluem um argumento bandeira para ST_IsValid. A bandeira é uma extensão do PostGIS.

Exemplos

SELECT ST_IsValid(ST_GeomFromText('LINESTRING(0 0, 1 1)')) As good_line,
        ST_IsValid(ST_GeomFromText('POLYGON((0 0, 1 1, 1 2, 1 1, 0 0))')) As bad_poly
--results
NOTICE:  Self-intersection at or near point 0 0
 good_line | bad_poly
-----------+----------
 t         | f

Name

ST_IsValidReason — Retorna texto declarando se uma geometria é válida ou não e se não for válida, uma razão do porquê.

Synopsis

texto ST_IsValidReason(geometria geomA);

text ST_IsValidReason(geometria geomA, inteiro flags);

Descrição

Retorna texto declarando se uma geometria é válida ou não e se não for válida, uma razão do porquê.

Vantajoso em combinação com ST_IsValid para gerar um relato detalhado das geometrias inválidas e seus motivos.

As bandeiras permitidas estão documentadas em ST_IsValidDetail.

Disponibilidade: 1.4 - requer GEOS >= 3.1.0.

Disponibilidade: 2.0 - requer GEOS >= 3.3.0 para a versão pegando bandeiras.

Exemplos

--First 3 Rejects from a successful quintuplet experiment
SELECT gid, ST_IsValidReason(the_geom) as validity_info
FROM
(SELECT ST_MakePolygon(ST_ExteriorRing(e.buff), ST_Accum(f.line)) As the_geom, gid
FROM (SELECT ST_Buffer(ST_MakePoint(x1*10,y1), z1) As buff, x1*10 + y1*100 + z1*1000 As gid
        FROM generate_series(-4,6) x1
        CROSS JOIN generate_series(2,5) y1
        CROSS JOIN generate_series(1,8) z1
        WHERE x1 > y1*0.5 AND z1 < x1*y1) As e
        INNER JOIN (SELECT ST_Translate(ST_ExteriorRing(ST_Buffer(ST_MakePoint(x1*10,y1), z1)),y1*1, z1*2) As line
        FROM generate_series(-3,6) x1
        CROSS JOIN generate_series(2,5) y1
        CROSS JOIN generate_series(1,10) z1
        WHERE x1 > y1*0.75 AND z1 < x1*y1) As f
ON (ST_Area(e.buff) > 78 AND ST_Contains(e.buff, f.line))
GROUP BY gid, e.buff) As quintuplet_experiment
WHERE ST_IsValid(the_geom) = false
ORDER BY gid
LIMIT 3;

 gid  |      validity_info
------+--------------------------
 5330 | Self-intersection [32 5]
 5340 | Self-intersection [42 5]
 5350 | Self-intersection [52 5]

 --simple example
SELECT ST_IsValidReason('LINESTRING(220227 150406,2220227 150407,222020 150410)');

 st_isvalidreason
------------------
 Valid Geometry

                

Veja também

ST_IsValid, ST_Summary


Name

ST_IsValidDetail — Retorna uma fila valid_detail (válida, motivo, localização) se uma geometria é válida ou não e, se não for, uma razão do porquê e uma localização.

Synopsis

valid_detail ST_IsValidDetail(geometry geom);

valid_detail ST_IsValidDetail(geometria geom, inteiro flags);

Descrição

Retorna uma linha valid_detail, formada por uma declaração booleana (válida) se uma geometria é válida, uma declaração varchar (motivo) uma razão de porquê é inválida e uma geometria (localização) pontuando onde ela é inválida.

Vantajoso para substituir e melhorar a combinação de ST_IsValid e ST_IsValidReason para gerar um relato detalhado de geometrias inválidas.

O argumento das "bandeiras" é um bitfield. Não pode ter os seguintes valores:

  • 1: Considere anéis que tem auto intersecção formando buracos como válidos. Isso também pode ser conhecido como "a bandeira ESRI". Note que isso vai contra o modelo OGC.

Disponibilidade: 2.0.0 - requer GEOS >= 3.3.0.

Exemplos

--First 3 Rejects from a successful quintuplet experiment
SELECT gid, reason(ST_IsValidDetail(the_geom)), ST_AsText(location(ST_IsValidDetail(the_geom))) as location
FROM
(SELECT ST_MakePolygon(ST_ExteriorRing(e.buff), ST_Accum(f.line)) As the_geom, gid
FROM (SELECT ST_Buffer(ST_MakePoint(x1*10,y1), z1) As buff, x1*10 + y1*100 + z1*1000 As gid
        FROM generate_series(-4,6) x1
        CROSS JOIN generate_series(2,5) y1
        CROSS JOIN generate_series(1,8) z1
        WHERE x1 > y1*0.5 AND z1 < x1*y1) As e
        INNER JOIN (SELECT ST_Translate(ST_ExteriorRing(ST_Buffer(ST_MakePoint(x1*10,y1), z1)),y1*1, z1*2) As line
        FROM generate_series(-3,6) x1
        CROSS JOIN generate_series(2,5) y1
        CROSS JOIN generate_series(1,10) z1
        WHERE x1 > y1*0.75 AND z1 < x1*y1) As f
ON (ST_Area(e.buff) > 78 AND ST_Contains(e.buff, f.line))
GROUP BY gid, e.buff) As quintuplet_experiment
WHERE ST_IsValid(the_geom) = false
ORDER BY gid
LIMIT 3;

 gid  |      reason       |  location
------+-------------------+-------------
 5330 | Self-intersection | POINT(32 5)
 5340 | Self-intersection | POINT(42 5)
 5350 | Self-intersection | POINT(52 5)

 --simple example
SELECT * FROM ST_IsValidDetail('LINESTRING(220227 150406,2220227 150407,222020 150410)');

 valid | reason | location
-------+--------+----------
 t     |        |

                

Name

ST_M — Retorna a coordenada M do ponto, ou NULA se não estiver disponível. Entrada deve ser um ponto.

Synopsis

float ST_M(geometria a_point);

Descrição

Retorna a coordenada M do ponto, ou NULA se não estiver disponível. Entrada deve ser um ponto.

[Note]

Isso não faz parte (ainda) do OGC spec, mas está listado aqui para completar a função lista do ponto coordenado extrator.

This method implements the OpenGIS Simple Features Implementation Specification for SQL 1.1.

This method implements the SQL/MM specification.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

Exemplos

SELECT ST_M(ST_GeomFromEWKT('POINT(1 2 3 4)'));

st_m

------

4

(1 row)

                

Veja também

ST_GeomFromEWKT, ST_X, ST_Y, ST_Z


Name

ST_NDims — Retorna a dimensão coordenada da geometria como uma small int. Os valores são: 2, 3 ou 4.

Synopsis

integer ST_NDims(geometria g1);

Descrição

Retorna a dimensão coordenada da geometria. O PostGIS suporta 2 - (x,y) , 3 - (x,y,z) ou 2D com medida - x,y,m, e 4 - 3D com espaço de medida x,y,z,m

This function supports 3d and will not drop the z-index.

Exemplos

SELECT ST_NDims(ST_GeomFromText('POINT(1 1)')) As d2point,
        ST_NDims(ST_GeomFromEWKT('POINT(1 1 2)')) As d3point,
        ST_NDims(ST_GeomFromEWKT('POINTM(1 1 0.5)')) As d2pointm;

         d2point | d3point | d2pointm
---------+---------+----------
           2 |       3 |        3
                        

Name

ST_NPoints — Retorna o número de pontos (vértices) em uma geometria.

Synopsis

inteiro ST_NPoints(geometria g1);

Descrição

Retorna o número de pontos em uma geometria. Funciona para todas as geometrias.

Melhorias: 2.0.0 suporte a superfícies poliédricas foi introduzido.

[Note]

Anteriores a 1.3.4, essa função falha se usada com geometrias que contêm CURVAS. Isso é consertado em 1.3.4+

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This method supports Circular Strings and Curves

This function supports Polyhedral surfaces.

Exemplos

SELECT ST_NPoints(ST_GeomFromText('LINESTRING(77.29 29.07,77.42 29.26,77.27 29.31,77.29 29.07)'));
--result
4

--Polygon in 3D space
SELECT ST_NPoints(ST_GeomFromEWKT('LINESTRING(77.29 29.07 1,77.42 29.26 0,77.27 29.31 -1,77.29 29.07 3)'))
--result
4

Veja também

ST_NumPoints


Name

ST_NRings — Se a geometria for um polígono ou multi polígono, retorna o número de anéis.

Synopsis

inteiro ST_NRings(geometria geomA);

Descrição

Se a geometria for um polígono ou multi polígono, retorna o número de anéis. Diferente do NumInteriorRings, esse conta os anéis de fora também.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This method supports Circular Strings and Curves

Exemplos

SELECT ST_NRings(the_geom) As Nrings, ST_NumInteriorRings(the_geom) As ninterrings
                                        FROM (SELECT ST_GeomFromText('POLYGON((1 2, 3 4, 5 6, 1 2))') As the_geom) As foo;
         nrings | ninterrings
--------+-------------
          1 |           0
(1 row)

Name

ST_NumGeometries — Se a geometria é uma GEOMETRYCOLLECTION (ou MULTI*), retorna o número de geometria, para geometrias únicas retornará 1, senão retorna NULO.

Synopsis

inteiro ST_NumGeometries(geometria geom);

Descrição

Retorna o número de geometrias. Se a geometria é uma GEOMETRYCOLLECTION (ou MULTI*), retorna o número de geometria, para geometrias únicas retornará 1, senão retorna NULO.

Melhorias: 2.0.0 suporte para superfícies poliédricas, triângulos e TIN introduzido.

Alterações: 2.0.0 Em versões anteriores retornaria NULO se a geometria não fosse do tipo coleção/MULTI. 2.0.0+ agora retorna 1 para geometrias únicas ex: POLÍGONO, LINESTRING, PONTO.

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 9.1.4

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This function supports Polyhedral surfaces.

This function supports Triangles and Triangulated Irregular Network Surfaces (TIN).

Exemplos

--Prior versions would have returned NULL for this -- in 2.0.0 this returns 1
SELECT ST_NumGeometries(ST_GeomFromText('LINESTRING(77.29 29.07,77.42 29.26,77.27 29.31,77.29 29.07)'));
--result
1

--Geometry Collection Example - multis count as one geom in a collection
SELECT ST_NumGeometries(ST_GeomFromEWKT('GEOMETRYCOLLECTION(MULTIPOINT(-2 3 , -2 2),
LINESTRING(5 5 ,10 10),
POLYGON((-7 4.2,-7.1 5,-7.1 4.3,-7 4.2)))'));
--result
3

Veja também

ST_GeometryN, ST_Multi


Name

ST_NumInteriorRings — Retorna o número de anéis interiores de um polígono.

Synopsis

inteiro ST_NumInteriorRings(geometria a_polygon);

Descrição

Retorna o número de anéis interiores de um polígono. Retorna NULO se a geometria não for um polígono.

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 8.2.5

Alterações: 2.0.0 - nas versões anteriores isso permitiria um MULTIPOLÍGONO, retornando o número de anéis interiores do primeiro POLÍGONO.

Exemplos

--If you have a regular polygon
SELECT gid, field1, field2, ST_NumInteriorRings(the_geom) AS numholes
FROM sometable;

--If you have multipolygons
--And you want to know the total number of interior rings in the MULTIPOLYGON
SELECT gid, field1, field2, SUM(ST_NumInteriorRings(the_geom)) AS numholes
FROM (SELECT gid, field1, field2, (ST_Dump(the_geom)).geom As the_geom
        FROM sometable) As foo
GROUP BY gid, field1,field2;
                        

Veja também

ST_NumInteriorRing


Name

ST_NumInteriorRing — Retorna o número de anéis interiores de um polígono na geometria. Sinônimo para ST_NumInteriorRings.

Synopsis

inteiro ST_NumInteriorRing(geometria a_polygon);


Name

ST_NumPatches — Retorna o número de faces em uma superfícies poliédrica. Retornará nulo para geometrias não poliédricas.

Synopsis

inteiro ST_NumPatches(geometria g1);

Descrição

Retorna o número de faces em uma superfície poliédrica. Retornará nulo para geometrias não poliédricas. Isso é um heterônimo para ST_NumGeometries para suportar a nomeação MM. É mais rápido utilizar ST_NumGeometries se você não se importa com a convenção MM.

Disponibilidade: 2.0.0

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This method implements the OpenGIS Simple Features Implementation Specification for SQL 1.1.

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: ?

This function supports Polyhedral surfaces.

Exemplos

SELECT ST_NumPatches(ST_GeomFromEWKT('POLYHEDRALSURFACE( ((0 0 0, 0 0 1, 0 1 1, 0 1 0, 0 0 0)),
                ((0 0 0, 0 1 0, 1 1 0, 1 0 0, 0 0 0)), ((0 0 0, 1 0 0, 1 0 1, 0 0 1, 0 0 0)),
                ((1 1 0, 1 1 1, 1 0 1, 1 0 0, 1 1 0)),
                ((0 1 0, 0 1 1, 1 1 1, 1 1 0, 0 1 0)), ((0 0 1, 1 0 1, 1 1 1, 0 1 1, 0 0 1)) )'));
                --result
                6
                

Name

ST_NumPoints — Retorna o número de pontos em um valor ST_LineString ou ST_CircularString.

Synopsis

inteiro ST_NumPoints(geometria g1);

Descrição

Retorna o número de pontos em um valor ST_LineString ou ST_CircularString. Anteriores a 1.4 só funcionam com Linestrings como as specs declaram. A partir de 1.4 isso é um heterônimo para ST_NPoints, que retorna o número de vértices apenas para as line strings. Considere utilizar ST_NPoints que tem vários objetivos e funciona com vários tipos de geometrias.

This method implements the OpenGIS Simple Features Implementation Specification for SQL 1.1.

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 7.2.4

Exemplos

SELECT ST_NumPoints(ST_GeomFromText('LINESTRING(77.29 29.07,77.42 29.26,77.27 29.31,77.29 29.07)'));

--result

4
                

Veja também

ST_NPoints


Name

ST_PatchN — Retorna a geometria (face) de 1-base Nth se a geometria é uma POLYHEDRALSURFACE, POLYHEDRALSURFACEM. Senão, retorna NULA.

Synopsis

geometria ST_PatchN(geometria geomA, inteiro n);

Descrição

> Retorna a geometria (face) de 1-base Nth se a geometria é POLYHEDRALSURFACE, POLYHEDRALSURFACEM. Senão, retorna NULA. Retorna a mesma resposta como ST_GeometryN para superfícies poliédricas. Utilizar ST_GemoetryN é mais rápido.

[Note]

Index é 1-base.

[Note]

Se você quiser extrair todas as geometrias, de uma geometria, ST_Dump é mais eficiente.

Disponibilidade: 2.0.0

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: ?

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This function supports Polyhedral surfaces.

Exemplos

--Extract the 2nd face of the polyhedral surface
SELECT ST_AsEWKT(ST_PatchN(geom, 2)) As geomewkt
FROM (
VALUES (ST_GeomFromEWKT('POLYHEDRALSURFACE( ((0 0 0, 0 0 1, 0 1 1, 0 1 0, 0 0 0)),
        ((0 0 0, 0 1 0, 1 1 0, 1 0 0, 0 0 0)), ((0 0 0, 1 0 0, 1 0 1, 0 0 1, 0 0 0)),
        ((1 1 0, 1 1 1, 1 0 1, 1 0 0, 1 1 0)),
        ((0 1 0, 0 1 1, 1 1 1, 1 1 0, 0 1 0)), ((0 0 1, 1 0 1, 1 1 1, 0 1 1, 0 0 1)) )')) ) As foo(geom);

              geomewkt
---+-----------------------------------------
 POLYGON((0 0 0,0 1 0,1 1 0,1 0 0,0 0 0))

Name

ST_PointN — Retorna o ponto Nth na primeira linestring ou linestring circular na geometria. Valores negativos são contados tardiamente do fim da linestring. Retorna NULA se não há uma linestring na geometria.

Synopsis

geometria ST_PointN(geometria a_linestring, inteiro n);

Descrição

Retorna o ponto Nth na primeira linestring ou linestring circular na geometria. Valores negativos são contados tardiamente do fim da linestring, tornando o ponto -1 o último ponto. Retorna NULA se não há uma linestring na geometria.

[Note]

O Index é 1-base como para OGC specs desde a versão 0.8.0. Indexing atrasado (negativo) não está nas versões OGC anteriores implementadas com 0-base.

[Note]

Se você quiser o ponto nth de cada line string em uma multilinestring, utilize em conjunção com ST_Dump

This method implements the OpenGIS Simple Features Implementation Specification for SQL 1.1.

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 7.2.5, 7.3.5

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This method supports Circular Strings and Curves

[Note]

Alterações: 2.0.0 não funciona mais com geometrias multilinestrings únicas. Em verões mais antigas do PostGIS -- uma única linha multilinestring trabalharia normalmente e retornaria o ponto inicial. Na 2.0.0 só retorna NULA como qualquer outra multilinestring.

Alterações: 2.3.0 : indexing negativo disponível (-1 é o último ponto)

Exemplos

-- Extract all POINTs from a LINESTRING
SELECT ST_AsText(
   ST_PointN(
          column1,
          generate_series(1, ST_NPoints(column1))
   ))
FROM ( VALUES ('LINESTRING(0 0, 1 1, 2 2)'::geometry) ) AS foo;

 st_astext
------------
 POINT(0 0)
 POINT(1 1)
 POINT(2 2)
(3 rows)

--Example circular string
SELECT ST_AsText(ST_PointN(ST_GeomFromText('CIRCULARSTRING(1 2, 3 2, 1 2)'),2));

st_astext
----------
POINT(3 2)

SELECT st_astext(f)
FROM ST_GeometryFromtext('LINESTRING(0 0 0, 1 1 1, 2 2 2)') as g
        ,ST_PointN(g, -2) AS f -- 1 based index

st_astext
----------
"POINT Z (1 1 1)"

Veja também

ST_NPoints


Name

ST_Points — Retorna uma multilinestring contendo todas as coordenadas de uma geometria.

Synopsis

geometria ST_Points( geometria geom );

Descrição

Retorna uma multilinestring contendo todas as coordenadas de uma geometria. Não remove pontos que são duplicados na entrada da geometria, incluindo pontos inciais e finais de geometrias de anéis. (Se essa comportamento não é desejável, duplicadas podem ser removidas utilizando ST_RemoveRepeatedPoints).

As ordenadas serão preservadas, se existentes.

This method supports Circular Strings and Curves

This function supports 3d and will not drop the z-index.

Disponibilidade: 2.3.0

Exemplos

SELECT ST_AsText(ST_Points('POLYGON Z ((30 10 4,10 30 5,40 40 6, 30 10))'));

--result
MULTIPOINT Z (30 10 4,10 30 5,40 40 6, 30 10 4)
                        

Name

ST_SRID — Retorna o identificador de referência espacial para a ST_Geometry como definido na table spatial_ref_sys.

Synopsis

inteiro ST_SRID(geometria g1);

Descrição

Retorna o identificador de referência espacial para a ST_Geometry como definido na table spatial_ref_sys. Section 4.3.1, “The SPATIAL_REF_SYS Table and Spatial Reference Systems”

[Note]

A table spatial_ref_sys cataloga todos os sistemas de referência espacial conhecidos pelo PostGIS e é usada para transformações de um sistema de referência espacial para outro. Portanto, verificar que você possui o identificador de sistema de referência espacial é importante se planeja transformar suas geometrias em algum momento.

This method implements the OpenGIS Simple Features Implementation Specification for SQL 1.1. s2.1.1.1

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 5.1.5

This method supports Circular Strings and Curves

Exemplos

SELECT ST_SRID(ST_GeomFromText('POINT(-71.1043 42.315)',4326));

--result

4326
                

Name

ST_StartPoint — Retorna ao último ponto de uma LINESTRING geometria como um PONTO.

Synopsis

geometria ST_StartPoint(geometria geomA);

Descrição

Retorna ao último ponto de uma LINESTRING ou CIRCULARLINESTRING geometria como um PONTO ou NULO se o parâmetro de entrada não é uma LINESTRING.

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 7.1.3

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This method supports Circular Strings and Curves

[Note]

Alterações: 2.0.0 não funciona mais com geometrias de multilinestrings. Em verões mais antigas do PostGIS -- uma linha multilinestring sozinha trabalharia normalmente com essa função e voltaria o ponto de início. Na 2.0.0 ela retorna NULA como qualquer outra multilinestring. O antigo comportamento não foi uma característica documentada, mas as pessoas que consideravam que tinham seus dados armazenados como uma LINESTRING, agora podem experimentar essas que retornam NULAS em 2.0.

Exemplos

SELECT ST_AsText(ST_StartPoint('LINESTRING(0 1, 0 2)'::geometry));
 st_astext
------------
 POINT(0 1)
(1 row)

SELECT ST_StartPoint('POINT(0 1)'::geometry) IS NULL AS is_null;
  is_null
----------
 t
(1 row)

--3d line
SELECT ST_AsEWKT(ST_StartPoint('LINESTRING(0 1 1, 0 2 2)'::geometry));
 st_asewkt
------------
 POINT(0 1 1)
(1 row)

-- circular linestring --
SELECT ST_AsText(ST_StartPoint('CIRCULARSTRING(5 2,-3 1.999999, -2 1, -4 2, 5 2)'::geometry));
 st_astext
------------
 POINT(5 2)

Veja também

ST_EndPoint, ST_PointN


Name

ST_Summary — Retorna um texto resumo dos conteúdos da geometria.

Synopsis

texto ST_Summary(geometria g);

text ST_Summary(geografia g);

Descrição

Retorna um texto resumo dos conteúdos da geometria.

As bandeiras mostraram colchetes depois do tipo de geometria ter o seguinte significado:

  • M: tem ordenada M

  • Z: tem ordenada Z

  • B: tem uma caixa limitante salva

  • G: é geodésico (geografia)

  • S: tem um sistema de referência espacial

This method supports Circular Strings and Curves

This function supports Polyhedral surfaces.

This function supports Triangles and Triangulated Irregular Network Surfaces (TIN).

Disponibilidade: 1.2.2

Melhorias: 2.0.0 suporte para geografia adicionado

melhorias: 2.1.0 Bandeira S para indicar se existe um sistema de referência espacial conhecido

Melhorias: 2.2.0 Suporte para TIN e Curvas adicionado

Exemplos

=# SELECT ST_Summary(ST_GeomFromText('LINESTRING(0 0, 1 1)')) as geom,
        ST_Summary(ST_GeogFromText('POLYGON((0 0, 1 1, 1 2, 1 1, 0 0))')) geog;
            geom             |          geog
-----------------------------+--------------------------
 LineString[B] with 2 points | Polygon[BGS] with 1 rings
                             | ring 0 has 5 points
                             :
(1 row)


=# SELECT ST_Summary(ST_GeogFromText('LINESTRING(0 0 1, 1 1 1)')) As geog_line,
        ST_Summary(ST_GeomFromText('SRID=4326;POLYGON((0 0 1, 1 1 2, 1 2 3, 1 1 1, 0 0 1))')) As geom_poly;
;
           geog_line             |        geom_poly
-------------------------------- +--------------------------
 LineString[ZBGS] with 2 points | Polygon[ZBS] with 1 rings
                                :    ring 0 has 5 points
                                :
(1 row)


Name

ST_X — Retorna a coordenada X do ponto, ou NULA se não estiver disponível. Entrada deve ser um ponto.

Synopsis

float ST_X(geometria a_point);

Descrição

Retorna a coordenada X do ponto, ou NULA se não estiver disponível. Entrada deve ser um ponto.

[Note]

Se você quer valores máximos e mínimos de x de qualquer geometria, veja nas funções ST_XMin, ST_XMax.

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 6.1.3

This function supports 3d and will not drop the z-index.

Exemplos

SELECT ST_X(ST_GeomFromEWKT('POINT(1 2 3 4)'));

st_x

------

1

(1 row)



SELECT ST_Y(ST_Centroid(ST_GeomFromEWKT('LINESTRING(1 2 3 4, 1 1 1 1)')));

st_y

------

1.5

(1 row)

                

Name

ST_XMax — Retorna o X máximo de uma caixa limitante 2d ou 3d ou uma geometria.

Synopsis

float ST_XMax(box3d aGeomorBox2DorBox3D);

Descrição

Retorna o X máximo de uma caixa limitante 2d ou 3d ou uma geometria.

[Note]

Embora essa função só seja definida para caixa3d, ela funcionará para caixa2d e geometria, por causa do comportamento auto-casting definido para geometria e caixa2d. Entretanto você não pode abastecer uma geometria ou uma representação de texto de uma caixa2d com ele, já que não irá auto-cast.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This method supports Circular Strings and Curves

Exemplos

SELECT ST_XMax('BOX3D(1 2 3, 4 5 6)');
st_xmax
-------
4

SELECT ST_XMax(ST_GeomFromText('LINESTRING(1 3 4, 5 6 7)'));
st_xmax
-------
5

SELECT ST_XMax(CAST('BOX(-3 2, 3 4)' As box2d));
st_xmax
-------
3
--Observe THIS DOES NOT WORK because it will try to autocast the string representation to a BOX3D
SELECT ST_XMax('LINESTRING(1 3, 5 6)');

--ERROR:  BOX3D parser - doesn't start with BOX3D(

SELECT ST_XMax(ST_GeomFromEWKT('CIRCULARSTRING(220268 150415 1,220227 150505 2,220227 150406 3)'));
st_xmax
--------
220288.248780547
                

Name

ST_XMin — Retorna o X mínimo de uma caixa limitante 2d ou 3d ou uma geometria.

Synopsis

float ST_XMin(box3d aGeomorBox2DorBox3D);

Descrição

Retorna o X mínimo de uma caixa limitante 2d ou 3d ou uma geometria.

[Note]

Embora essa função só seja definida para caixa3d, ela funcionará para caixa2d e geometria, por causa do comportamento auto-casting definido para geometria e caixa2d. Entretanto você não pode abastecer uma geometria ou uma representação de texto de uma caixa2d com ele, já que não irá auto-cast.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This method supports Circular Strings and Curves

Exemplos

SELECT ST_XMin('BOX3D(1 2 3, 4 5 6)');
st_xmin
-------
1

SELECT ST_XMin(ST_GeomFromText('LINESTRING(1 3 4, 5 6 7)'));
st_xmin
-------
1

SELECT ST_XMin(CAST('BOX(-3 2, 3 4)' As box2d));
st_xmin
-------
-3
--Observe THIS DOES NOT WORK because it will try to autocast the string representation to a BOX3D
SELECT ST_XMin('LINESTRING(1 3, 5 6)');

--ERROR:  BOX3D parser - doesn't start with BOX3D(

SELECT ST_XMin(ST_GeomFromEWKT('CIRCULARSTRING(220268 150415 1,220227 150505 2,220227 150406 3)'));
st_xmin
--------
220186.995121892
                

Name

ST_Y — Retorna a coordenada Y do ponto, ou NULA se não estiver disponível. Entrada deve ser um ponto.

Synopsis

float ST_Y(geometria a_point);

Descrição

Retorna a coordenada Y do ponto, ou NULA se não estiver disponível. Entrada deve ser um ponto.

This method implements the OpenGIS Simple Features Implementation Specification for SQL 1.1.

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 6.1.4

This function supports 3d and will not drop the z-index.

Exemplos

SELECT ST_Y(ST_GeomFromEWKT('POINT(1 2 3 4)'));
 st_y
------
        2
(1 row)

SELECT ST_Y(ST_Centroid(ST_GeomFromEWKT('LINESTRING(1 2 3 4, 1 1 1 1)')));
 st_y
------
  1.5
(1 row)


                

Name

ST_YMax — Retorna o Y máximo de uma caixa limitante 2d ou 3d ou uma geometria.

Synopsis

float ST_YMax(box3d aGeomorBox2DorBox3D);

Descrição

Retorna o Y máximo de uma caixa limitante 2d ou 3d ou uma geometria.

[Note]

Embora essa função só seja definida para caixa3d, ela funcionará para caixa2d e geometria, por causa do comportamento auto-casting definido para geometria e caixa2d. Entretanto você não pode abastecer uma geometria ou uma representação de texto de uma caixa2d com ele, já que não irá auto-cast.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This method supports Circular Strings and Curves

Exemplos

SELECT ST_YMax('BOX3D(1 2 3, 4 5 6)');
st_ymax
-------
5

SELECT ST_YMax(ST_GeomFromText('LINESTRING(1 3 4, 5 6 7)'));
st_ymax
-------
6

SELECT ST_YMax(CAST('BOX(-3 2, 3 4)' As box2d));
st_ymax
-------
4
--Observe THIS DOES NOT WORK because it will try to autocast the string representation to a BOX3D
SELECT ST_YMax('LINESTRING(1 3, 5 6)');

--ERROR:  BOX3D parser - doesn't start with BOX3D(

SELECT ST_YMax(ST_GeomFromEWKT('CIRCULARSTRING(220268 150415 1,220227 150505 2,220227 150406 3)'));
st_ymax
--------
150506.126829327
                

Name

ST_YMin — Retorna o Y mínimo de uma caixa limitante 2d ou 3d ou uma geometria.

Synopsis

float ST_YMin(box3d aGeomorBox2DorBox3D);

Descrição

Retorna o Y mínimo de uma caixa limitante 2d ou 3d ou uma geometria.

[Note]

Embora essa função só seja definida para caixa3d, ela funcionará para caixa2d e geometria, por causa do comportamento auto-casting definido para geometria e caixa2d. Entretanto você não pode abastecer uma geometria ou uma representação de texto de uma caixa2d com ele, já que não irá auto-cast.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This method supports Circular Strings and Curves

Exemplos

SELECT ST_YMin('BOX3D(1 2 3, 4 5 6)');
st_ymin
-------
2

SELECT ST_YMin(ST_GeomFromText('LINESTRING(1 3 4, 5 6 7)'));
st_ymin
-------
3

SELECT ST_YMin(CAST('BOX(-3 2, 3 4)' As box2d));
st_ymin
-------
2
--Observe THIS DOES NOT WORK because it will try to autocast the string representation to a BOX3D
SELECT ST_YMin('LINESTRING(1 3, 5 6)');

--ERROR:  BOX3D parser - doesn't start with BOX3D(

SELECT ST_YMin(ST_GeomFromEWKT('CIRCULARSTRING(220268 150415 1,220227 150505 2,220227 150406 3)'));
st_ymin
--------
150406
                

Name

ST_Z — Retorna a coordenada Z do ponto, ou NULA se não estiver disponível. Entrada deve ser um ponto.

Synopsis

float ST_Z(geometria a_point);

Descrição

Retorna a coordenada Z do ponto, ou NULA se não estiver disponível. Entrada deve ser um ponto.

This method implements the SQL/MM specification.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

Exemplos

SELECT ST_Z(ST_GeomFromEWKT('POINT(1 2 3 4)'));

st_z

------

3

(1 row)

                

Name

ST_ZMax — Retorna o Z mínimo de uma caixa limitante 2d ou 3d ou uma geometria.

Synopsis

float ST_ZMax(box3d aGeomorBox2DorBox3D);

Descrição

Retorna o Z máximo de uma caixa limitante 2d ou 3d ou uma geometria.

[Note]

Embora essa função só seja definida para caixa3d, ela funcionará para caixa2d e geometria, por causa do comportamento auto-casting definido para geometria e caixa2d. Entretanto você não pode abastecer uma geometria ou uma representação de texto de uma caixa2d com ele, já que não irá auto-cast.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This method supports Circular Strings and Curves

Exemplos

SELECT ST_ZMax('BOX3D(1 2 3, 4 5 6)');
st_zmax
-------
6

SELECT ST_ZMax(ST_GeomFromEWKT('LINESTRING(1 3 4, 5 6 7)'));
st_zmax
-------
7

SELECT ST_ZMax('BOX3D(-3 2 1, 3 4 1)' );
st_zmax
-------
1
--Observe THIS DOES NOT WORK because it will try to autocast the string representation to a BOX3D
SELECT ST_ZMax('LINESTRING(1 3 4, 5 6 7)');

--ERROR:  BOX3D parser - doesn't start with BOX3D(

SELECT ST_ZMax(ST_GeomFromEWKT('CIRCULARSTRING(220268 150415 1,220227 150505 2,220227 150406 3)'));
st_zmax
--------
3
                

Name

ST_Zmflag — Retorna a bandeira ZM (dimensão semântica) das geometrias como uma small int. Os valores são: 0=2d, 1=3dm, 2=3dz, 3=4d.

Synopsis

smallint ST_Zmflag(geometria geomA);

Descrição

Retorna a bandeira ZM (dimensão semântica) das geometrias como uma small int. Os valores são: 0=2d, 1=3dm, 2=3dz, 3=4d.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This method supports Circular Strings and Curves

Exemplos

SELECT ST_Zmflag(ST_GeomFromEWKT('LINESTRING(1 2, 3 4)'));
 st_zmflag
-----------
                 0

SELECT ST_Zmflag(ST_GeomFromEWKT('LINESTRINGM(1 2 3, 3 4 3)'));
 st_zmflag
-----------
                 1

SELECT ST_Zmflag(ST_GeomFromEWKT('CIRCULARSTRING(1 2 3, 3 4 3, 5 6 3)'));
 st_zmflag
-----------
                 2
SELECT ST_Zmflag(ST_GeomFromEWKT('POINT(1 2 3 4)'));
 st_zmflag
-----------
                 3

Name

ST_ZMin — Retorna o Z mínimo de uma caixa limitante 2d ou 3d ou uma geometria.

Synopsis

float ST_ZMin(box3d aGeomorBox2DorBox3D);

Descrição

Retorna o Z mínimo de uma caixa limitante 2d ou 3d ou uma geometria.

[Note]

Embora essa função só seja definida para caixa3d, ela funcionará para caixa2d e geometria, por causa do comportamento auto-casting definido para geometria e caixa2d. Entretanto você não pode abastecer uma geometria ou uma representação de texto de uma caixa2d com ele, já que não irá auto-cast.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This method supports Circular Strings and Curves

Exemplos

SELECT ST_ZMin('BOX3D(1 2 3, 4 5 6)');
st_zmin
-------
3

SELECT ST_ZMin(ST_GeomFromEWKT('LINESTRING(1 3 4, 5 6 7)'));
st_zmin
-------
4

SELECT ST_ZMin('BOX3D(-3 2 1, 3 4 1)' );
st_zmin
-------
1
--Observe THIS DOES NOT WORK because it will try to autocast the string representation to a BOX3D
SELECT ST_ZMin('LINESTRING(1 3 4, 5 6 7)');

--ERROR:  BOX3D parser - doesn't start with BOX3D(

SELECT ST_ZMin(ST_GeomFromEWKT('CIRCULARSTRING(220268 150415 1,220227 150505 2,220227 150406 3)'));
st_zmin
--------
1
                

8.6. Editores de geometria

ST_AddPoint — Adicione um ponto para uma LineString.
ST_Affine — Aplique uma 3a transformação afim em uma geometria.
ST_Force2D — Força a geometria para o modo de 2 dimensões.
ST_Force3D — Força a geometria para um modo XYZ. Este é um apelido para a função ST_Force_3DZ.
ST_Force3DZ — Força as geometrias para o modo XYZ.
ST_Force3DM — Força as geometrias para o modo XYM.
ST_Force4D — Força as geometrias para o modo XYZM.
ST_ForceCollection — Orients all exterior rings counter-clockwise and all interior rings clockwise.
ST_ForceCollection — Converte a geometria para um GEOMETRYCOLLECTION.
ST_ForceCollection — Orients all exterior rings clockwise and all interior rings counter-clockwise.
ST_ForceSFS — Força as geometrias a utilizarem os tipos disponíveis na especificação SFS 1.1.
ST_ForceRHR — Força a orientação dos vértices em um polígono a seguir a regra da mão direita.
ST_ForceCurve — Converte para cima uma geometria para seu tipo curvo, se aplicável.
ST_LineMerge — Retorna um (conjunto de) LineString(s), costuradas em uma MULTILINESTRING.
ST_CollectionExtract — Dada uma (multi)geometria, retorna uma (multi)geometria consistida apenas por elementos do tipo especificado.
ST_CollectionHomogenize — Dada uma coleção geométrica, retorna a representação "mais simples" dos conteúdos.
ST_Multi — Restitui a geometria como uma MULTI* geometria.
ST_Normalize — Retorna a geometria na sua forma canônica.
ST_RemovePoint — Remove um ponto de uma linestring.
ST_Reverse — Retorna a geometria com a ordem dos vértices revertida.
ST_Rotate — Rotaciona uma geometria em rotRadians em sentido anti-horário de sua origem.
ST_RotateX — Rotaciona uma geometria rotRadians em cima do eixo X.
ST_RotateY — Rotaciona uma geometria rotRadians em cima do eixo Y.
ST_RotateZ — Rotaciona uma geometria rotRadians em cima do eixo Z.
ST_Scale — Escala uma geometria pelos fatores dados.
ST_Segmentize — Retorna uma geometria/geografia alterada não tendo nenhum segmento maior que a distância dada.
ST_SetPoint — Substitui ponto de uma linestring com um dado ponto.
ST_SetSRID — Configure SRID em uma geometria para um valor inteiro específico.
ST_SnapToGrid — Rompe todos os pontos da geometria de entrada para uma rede regular.
ST_Snap — Rompe segmentos e vértices de geometria de entrada para vértices de uma geometria de referência.
ST_Transform — Retorna uma nova geometria com suas coordenadas transformadas em diferentes referências espaciais.
ST_Translate — Translação de uma geometria pelos dados deslocamentos.
ST_TransScale — Translada uma geometria dando coeficientes e deslocamentos.

Name

ST_AddPoint — Adicione um ponto para uma LineString.

Synopsis

geometry ST_AddPoint(geometry linestring, geometry point);

geometry ST_AddPoint(geometry linestring, geometry point, integer position);

Descrição

Adiciona um ponto a uma LineString antes do ponto <position> (índice inicia-se em 0). O terceiro parâmetro pode ser omitido ou configuradoc omo -1 para acrescentar ao final.

Disponibilitade: 1.1.0

This function supports 3d and will not drop the z-index.

Exemplos

--guarantee all linestrings in a table are closed
                --by adding the start point of each linestring to the end of the line string
                --only for those that are not closed
                UPDATE sometable
                SET the_geom = ST_AddPoint(the_geom, ST_StartPoint(the_geom))
                FROM sometable
                WHERE ST_IsClosed(the_geom) = false;

                --Adding point to a 3-d line
                SELECT ST_AsEWKT(ST_AddPoint(ST_GeomFromEWKT('LINESTRING(0 0 1, 1 1 1)'), ST_MakePoint(1, 2, 3)));

                --result
                st_asewkt
                ----------
                LINESTRING(0 0 1,1 1 1,1 2 3)
                        

Name

ST_Affine — Aplique uma 3a transformação afim em uma geometria.

Synopsis

geometry ST_Affine(geometry geomA, float a, float b, float c, float d, float e, float f, float g, float h, float i, float xoff, float yoff, float zoff);

geometry ST_Affine(geometry geomA, float a, float b, float d, float e, float xoff, float yoff);

Descrição

Aplica uma 3a transformação afim na geometria para fazer coisas como translação, rotação e escala em apenas um passo.

Versão 1: A chamada

ST_Affine(geom, a, b, c, d, e, f, g, h, i, xoff, yoff, zoff) 

representa a matriz de trnsformação

/ a  b  c  xoff \
| d  e  f  yoff |
| g  h  i  zoff |
\ 0  0  0     1 /

e os vértices são trnsformados como segue:

x' = a*x + b*y + c*z + xoff
y' = d*x + e*y + f*z + yoff
z' = g*x + h*y + i*z + zoff

Todas as funções de translação / escala estão expressadas via tal qual uma transformação afim.

Versão 2: Aplica uma 2a transformação afim para a geometria. A chamada

ST_Affine(geom, a, b, d, e, xoff, yoff)

representa a matriz de transformação

/  a  b  0  xoff  \       /  a  b  xoff  \
|  d  e  0  yoff  | rsp.  |  d  e  yoff  |
|  0  0  1     0  |       \  0  0     1  /
\  0  0  0     1  /

e os vértices são transformados como segue:

x' = a*x + b*y + xoff
y' = d*x + e*y + yoff
z' = z 

Esse método é um subcaso do caso 3D acima.

Melhorias: 2.0.0 suporte para superfícies polihédricas, triângulos e TINs introduzido.

Disponibilidade: 1.1.2. Mudança de nome de Affine para ST_Affine na versão 1.2.2.

[Note]

Antes da versão 1.3.4, esta função falha se utilizada em geometrias que continham curvas. Resolvido nas versões 1.3.4+.

This function supports Polyhedral surfaces.

This function supports Triangles and Triangulated Irregular Network Surfaces (TIN).

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This method supports Circular Strings and Curves

Exemplos

--Rotaciona uma linha 3d 180 graus no eixo z. Note que esta é uma maneira difícil de utilizar o método ST_Rotate (que teria o mesmo efeito prático)
SELECT ST_AsEWKT(ST_Affine(the_geom, cos(pi()), -sin(pi()), 0, sin(pi()), cos(pi()), 0, 0, 0, 1, 0, 0, 0)) As using_affine,
ST_AsEWKT(ST_Rotate(the_geom, pi())) As using_rotate
FROM (SELECT ST_GeomFromEWKT('LINESTRING(1 2 3, 1 4 3)') As the_geom) As foo;
using_affine | using_rotate
-----------------------------+-----------------------------
LINESTRING(-1 -2 3,-1 -4 3) | LINESTRING(-1 -2 3,-1 -4 3)
(1 row)


--Rotaciona uma linha 3d em 180 graus nos eixos x e y
SELECT ST_AsEWKT(ST_Affine(the_geom, cos(pi()), -sin(pi()), 0, sin(pi()), cos(pi()), -sin(pi()), 0, sin(pi()), cos(pi()), 0, 0, 0))
FROM (SELECT ST_GeomFromEWKT('LINESTRING(1 2 3, 1 4 3)') As the_geom) As foo;
st_asewkt
-------------------------------
LINESTRING(-1 -2 -3,-1 -4 -3)
(1 row)
                

Name

ST_Force2D — Força a geometria para o modo de 2 dimensões.

Synopsis

geometry ST_Force2D(geometry geomA);

Descrição

Força a geometria a possuir apenas duas dimensões, para que todas saídas tenham apenas as coordenadas X e Y. Esta função é útil para forçar geometrias de acordo a norma OGC (a OGC apenas especifica geometrias de duas dimensões).

Melhorias: 2.0.0 suporte a superfícies polihédricas foi introduzido.

Alterado: 2.1.0. Até versão 2.0.x isto era chamado de ST_Force_2D.

This method supports Circular Strings and Curves

This function supports Polyhedral surfaces.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

Exemplos

SELECT ST_AsEWKT(ST_Force2D(ST_GeomFromEWKT('CIRCULARSTRING(1 1 2, 2 3 2, 4 5 2, 6 7 2, 5 6 2)')));
                st_asewkt
-------------------------------------
CIRCULARSTRING(1 1,2 3,4 5,6 7,5 6)

SELECT  ST_AsEWKT(ST_Force2D('POLYGON((0 0 2,0 5 2,5 0 2,0 0 2),(1 1 2,3 1 2,1 3 2,1 1 2))'));

                                  st_asewkt
----------------------------------------------
 POLYGON((0 0,0 5,5 0,0 0),(1 1,3 1,1 3,1 1))

                

Veja também

ST_Force3D


Name

ST_Force3D — Força a geometria para um modo XYZ. Este é um apelido para a função ST_Force_3DZ.

Synopsis

geometry ST_Force3D(geometry geomA);

Descrição

Força a geometria a possuir 3 dimensões. Este é um apelido para a função ST_Force_3DZ. Se a geometria não possuir um componente Z, então uma coordenada Z de valor 0 será adicionada.

Melhorias: 2.0.0 suporte a superfícies polihédricas foi introduzido.

Alterado: 2.1.0. Até versão 2.0.x isto era chamado de ST_Force_3D.

This function supports Polyhedral surfaces.

This method supports Circular Strings and Curves

This function supports 3d and will not drop the z-index.

Exemplos

--Nada acontece com uma geometria que já é 3D.

SELECT ST_AsEWKT(ST_Force3D(ST_GeomFromEWKT('CIRCULARSTRING(1 1 2, 2 3 2, 4 5 2, 6 7 2, 5 6 2)')));
                                   st_asewkt
-----------------------------------------------
 CIRCULARSTRING(1 1 2,2 3 2,4 5 2,6 7 2,5 6 2)


SELECT  ST_AsEWKT(ST_Force3D('POLYGON((0 0,0 5,5 0,0 0),(1 1,3 1,1 3,1 1))'));

                                                 st_asewkt
--------------------------------------------------------------
 POLYGON((0 0 0,0 5 0,5 0 0,0 0 0),(1 1 0,3 1 0,1 3 0,1 1 0))
                

Name

ST_Force3DZ — Força as geometrias para o modo XYZ.

Synopsis

geometry ST_Force3DZ(geometry geomA);

Descrição

Força a geometria para o modo XYZ. Este é um sinônimo para ST_Force3DZ. Se a geometria não possuir um componente Z, então uma coordenada Z de valor 0 será adicionada.

Melhorias: 2.0.0 suporte a superfícies polihédricas foi introduzido.

Alterado: 2.1.0. Até versão 2.0.x isto era chamado de ST_Force_3DZ.

This function supports Polyhedral surfaces.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This method supports Circular Strings and Curves

Exemplos

--Nothing happens to an already 3D geometry
SELECT ST_AsEWKT(ST_Force3DZ(ST_GeomFromEWKT('CIRCULARSTRING(1 1 2, 2 3 2, 4 5 2, 6 7 2, 5 6 2)')));
                                   st_asewkt
-----------------------------------------------
 CIRCULARSTRING(1 1 2,2 3 2,4 5 2,6 7 2,5 6 2)


SELECT  ST_AsEWKT(ST_Force3DZ('POLYGON((0 0,0 5,5 0,0 0),(1 1,3 1,1 3,1 1))'));

                                                 st_asewkt
--------------------------------------------------------------
 POLYGON((0 0 0,0 5 0,5 0 0,0 0 0),(1 1 0,3 1 0,1 3 0,1 1 0))
                

Name

ST_Force3DM — Força as geometrias para o modo XYM.

Synopsis

geometry ST_Force3DM(geometry geomA);

Descrição

Força a geometria para o modo XYM. Se uma geometria não possui componente M, então uma ordenada M é associada a mesma. Se ela possui um componente Z, a ordenada Z é removida.

Alterado: 2.1.0. Até a versão 2.0.x esta função era chamada de ST_Force_3DM.

This method supports Circular Strings and Curves

Exemplos

--Nada ocorre com uma geometria já 3D.
SELECT ST_AsEWKT(ST_Force3DM(ST_GeomFromEWKT('CIRCULARSTRING(1 1 2, 2 3 2, 4 5 2, 6 7 2, 5 6 2)')));
                                   st_asewkt
------------------------------------------------
 CIRCULARSTRINGM(1 1 0,2 3 0,4 5 0,6 7 0,5 6 0)


SELECT  ST_AsEWKT(ST_Force3DM('POLYGON((0 0 1,0 5 1,5 0 1,0 0 1),(1 1 1,3 1 1,1 3 1,1 1 1))'));

                                                  st_asewkt
---------------------------------------------------------------
 POLYGONM((0 0 0,0 5 0,5 0 0,0 0 0),(1 1 0,3 1 0,1 3 0,1 1 0))

                

Name

ST_Force4D — Força as geometrias para o modo XYZM.

Synopsis

geometry ST_Force4D(geometry geomA);

Descrição

Forças as geometrias para o modo XYZM. 0 é utilizado nas componentes Z e M faltantes.

Alterado: 2.1.0. Até a versão 2.0.x esta função era chamada ST_Force_4D.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This method supports Circular Strings and Curves

Exemplos

--Nada ocorre com uma geometria já 4D.
SELECT ST_AsEWKT(ST_Force4D(ST_GeomFromEWKT('CIRCULARSTRING(1 1 2, 2 3 2, 4 5 2, 6 7 2, 5 6 2)')));
                                                st_asewkt
---------------------------------------------------------
 CIRCULARSTRING(1 1 2 0,2 3 2 0,4 5 2 0,6 7 2 0,5 6 2 0)



SELECT  ST_AsEWKT(ST_Force4D('MULTILINESTRINGM((0 0 1,0 5 2,5 0 3,0 0 4),(1 1 1,3 1 1,1 3 1,1 1 1))'));

                                                                          st_asewkt
--------------------------------------------------------------------------------------
 MULTILINESTRING((0 0 0 1,0 5 0 2,5 0 0 3,0 0 0 4),(1 1 0 1,3 1 0 1,1 3 0 1,1 1 0 1))

                

Name

ST_ForceCollection — Orients all exterior rings counter-clockwise and all interior rings clockwise.

Synopsis

geometry ST_ForceCollection(geometry geomA);

Descrição

Forces (Multi)Polygons to use a counter-clockwise orientation for their exterior ring, and a clockwise orientation for their interior rings. Non-polygonal geometries are returned unchanged.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This function supports M coordinates.


Name

ST_ForceCollection — Converte a geometria para um GEOMETRYCOLLECTION.

Synopsis

geometry ST_ForceCollection(geometry geomA);

Descrição

Converte a geometria em um GEOMETRYCOLLECTION. Isto é útil para simplificar a representação WKB.

Melhorias: 2.0.0 suporte a superfícies polihédricas foi introduzido.

Disponibilidade: 1.2.2, antes da versão 1.3.4 esta função irá reportar um erro com curvas. Resolvido na versão 1.3.4+.

Alterado: 2.1.0. Até a versão 2.0.x esta função era chamada de ST_Force_Collection.

This function supports Polyhedral surfaces.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This method supports Circular Strings and Curves

Exemplos

SELECT  ST_AsEWKT(ST_ForceCollection('POLYGON((0 0 1,0 5 1,5 0 1,0 0 1),(1 1 1,3 1 1,1 3 1,1 1 1))'));

                                                                   st_asewkt
----------------------------------------------------------------------------------
 GEOMETRYCOLLECTION(POLYGON((0 0 1,0 5 1,5 0 1,0 0 1),(1 1 1,3 1 1,1 3 1,1 1 1)))


  SELECT ST_AsText(ST_ForceCollection('CIRCULARSTRING(220227 150406,2220227 150407,220227 150406)'));
                                                                   st_astext
--------------------------------------------------------------------------------
 GEOMETRYCOLLECTION(CIRCULARSTRING(220227 150406,2220227 150407,220227 150406))
(1 row)

                
-- exemplo POLYHEDRAL --
SELECT ST_AsEWKT(ST_ForceCollection('POLYHEDRALSURFACE(((0 0 0,0 0 1,0 1 1,0 1 0,0 0 0)),
 ((0 0 0,0 1 0,1 1 0,1 0 0,0 0 0)),
 ((0 0 0,1 0 0,1 0 1,0 0 1,0 0 0)),
 ((1 1 0,1 1 1,1 0 1,1 0 0,1 1 0)),
 ((0 1 0,0 1 1,1 1 1,1 1 0,0 1 0)),
 ((0 0 1,1 0 1,1 1 1,0 1 1,0 0 1)))'))

                                                                   st_asewkt
----------------------------------------------------------------------------------
GEOMETRYCOLLECTION(
  POLYGON((0 0 0,0 0 1,0 1 1,0 1 0,0 0 0)),
  POLYGON((0 0 0,0 1 0,1 1 0,1 0 0,0 0 0)),
  POLYGON((0 0 0,1 0 0,1 0 1,0 0 1,0 0 0)),
  POLYGON((1 1 0,1 1 1,1 0 1,1 0 0,1 1 0)),
  POLYGON((0 1 0,0 1 1,1 1 1,1 1 0,0 1 0)),
  POLYGON((0 0 1,1 0 1,1 1 1,0 1 1,0 0 1))
)
                

Name

ST_ForceCollection — Orients all exterior rings clockwise and all interior rings counter-clockwise.

Synopsis

geometry ST_ForceCollection(geometry geomA);

Descrição

Forces (Multi)Polygons to use a clockwise orientation for their exterior ring, and a counter-clockwise orientation for their interior rings. Non-polygonal geometries are returned unchanged.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This function supports M coordinates.


Name

ST_ForceSFS — Força as geometrias a utilizarem os tipos disponíveis na especificação SFS 1.1.

Synopsis

geometry ST_ForceSFS(geometry geomA);

geometry ST_ForceSFS(geometry geomA, text version);

Descrição

This function supports Polyhedral surfaces.

This function supports Triangles and Triangulated Irregular Network Surfaces (TIN).

This method supports Circular Strings and Curves

This function supports 3d and will not drop the z-index.


Name

ST_ForceRHR — Força a orientação dos vértices em um polígono a seguir a regra da mão direita.

Synopsis

geometry ST_ForceRHR(geometry g);

Descrição

Força a orientação dos vértices de um polígono a seguir a regra da mão direita. Na terminologia dos SIGs, isto significa que a área compreendida pelo polígono está a direita do limite. O exterior do anel é orientado na direção horária e os anéis interiores no sentido anti-horária.

[Note]

The above definition of the Right-Hand-Rule conflicts with definitions used in other contexts. To avoid confusion, it is recommended to use ST_ForcePolygonCW.

Melhorias: 2.0.0 suporte a superfícies polihédricas foi introduzido.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This function supports Polyhedral surfaces.

Exemplos

SELECT ST_AsEWKT(
  ST_ForceRHR(
        'POLYGON((0 0 2, 5 0 2, 0 5 2, 0 0 2),(1 1 2, 1 3 2, 3 1 2, 1 1 2))'
  )
);
                                                  st_asewkt
--------------------------------------------------------------
 POLYGON((0 0 2,0 5 2,5 0 2,0 0 2),(1 1 2,3 1 2,1 3 2,1 1 2))
(1 row)

Name

ST_ForceCurve — Converte para cima uma geometria para seu tipo curvo, se aplicável.

Synopsis

geometry ST_ForceCurve(geometry g);

Descrição

Transforma uma geometria em sua representação curva, se aplicável. linhas se transformar em compoundcurves, multi-linhas se transformam em multicurves, polígonos em curvepolygons, multi-polígonos em multisurfaces. Se a entrada já é do tipo curvo, a função retorna a mesma entrada·

Disponibilidade: 2.2.0

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This method supports Circular Strings and Curves

Exemplos

SELECT ST_AsText(
  ST_ForceCurve(
        'POLYGON((0 0 2, 5 0 2, 0 5 2, 0 0 2),(1 1 2, 1 3 2, 3 1 2, 1 1 2))'::geometry
  )
);
                              st_astext
----------------------------------------------------------------------
 CURVEPOLYGON Z ((0 0 2,5 0 2,0 5 2,0 0 2),(1 1 2,1 3 2,3 1 2,1 1 2))
(1 row)

Veja também

ST_LineToCurve


Name

ST_LineMerge — Retorna um (conjunto de) LineString(s), costuradas em uma MULTILINESTRING.

Synopsis

geometry ST_LineMerge(geometry amultilinestring);

Descrição

Retorna um conjunto de LineStrings, costuradas em uma MULTILINESTRING.

[Note]

Somente use com MULTILINESTRING/LINESTRINGs. Se você utilizar um polígono ou uma coleção de geometrias como entrada desta função, o retorno será um GEOMETRYCOLLECTION vazio.

Disponibilitade: 1.1.0

[Note]

Requer GEOS >= 2.1.0

Exemplos

SELECT ST_AsText(ST_LineMerge(
ST_GeomFromText('MULTILINESTRING((-29 -27,-30 -29.7,-36 -31,-45 -33),(-45 -33,-46 -32))')
                )
);
st_astext
--------------------------------------------------------------------------------------------------
LINESTRING(-29 -27,-30 -29.7,-36 -31,-45 -33,-46 -32)
(1 row)

--If can't be merged - original MULTILINESTRING is returned
SELECT ST_AsText(ST_LineMerge(
ST_GeomFromText('MULTILINESTRING((-29 -27,-30 -29.7,-36 -31,-45 -33),(-45.2 -33.2,-46 -32))')
)
);
st_astext
----------------
MULTILINESTRING((-45.2 -33.2,-46 -32),(-29 -27,-30 -29.7,-36 -31,-45 -33))
                        

Name

ST_CollectionExtract — Dada uma (multi)geometria, retorna uma (multi)geometria consistida apenas por elementos do tipo especificado.

Synopsis

geometry ST_CollectionExtract(geometry collection, integer type);

Descrição

Dada uma (multi)geometria, retorna uma (multi)geometria, apenas do tipo geométrico especificado. Sub-geometrias que não são dos tipos especificados são ignorados. Se não existem sub-geometrias do tipo escolhido, uma geometria vazia será retornada. Somente pontos, linhas e polígonos são suportados. Os tipos numéricos são 1 == POINT 2 == LINESTRING, 3 == POLYGON.

Disponibilidade: 1.5.0

[Note]

Antes da versão 1.5.3, está função retornava entradas que não eram coleções sem alterá-las, independente do tipo. Na versão 1.5.3, geometrias solitárias retornam NULL. Na versão 2.0.0, todo caso de resultados não encontrados retornam uma geometria VAZIA do tipo escolhido.

[Warning]

Quando especificar 3 == POLYGON, um multi-polígono é retornado, mesmo quando os limites são compartilhados. Isto resulta em multi-polígonos inválidos em vários casos, como aplicar esta função ao resultado de ST_Split.

Exemplos

-- Constantes: 1 == POINT, 2 == LINESTRING, 3 == POLYGON
SELECT ST_AsText(ST_CollectionExtract(ST_GeomFromText('GEOMETRYCOLLECTION(GEOMETRYCOLLECTION(POINT(0 0)))'),1));
st_astext
---------------
MULTIPOINT(0 0)
(1 row)

SELECT ST_AsText(ST_CollectionExtract(ST_GeomFromText('GEOMETRYCOLLECTION(GEOMETRYCOLLECTION(LINESTRING(0 0, 1 1)),LINESTRING(2 2, 3 3))'),2));
st_astext
---------------
MULTILINESTRING((0 0, 1 1), (2 2, 3 3))
(1 row)
                        

Name

ST_CollectionHomogenize — Dada uma coleção geométrica, retorna a representação "mais simples" dos conteúdos.

Synopsis

geometry ST_CollectionHomogenize(geometry collection);

Descrição

Dada uma coleção geométrica, retorna a representação mais simples de seu conteúdo. Geometrias solitárias serão retornadas como solitárias. Coleções homogêneas serão retornadas com o tipo múltiplo apropriado.

[Warning]

Quando especificar 3 == POLYGON, um multi-polígono é retornado, mesmo quando os limites são compartilhados. Isto resulta em multi-polígonos inválidos em vários casos, como aplicar esta função ao resultado de ST_Split.

Disponibilidade: 2.0.0

Exemplos

SELECT ST_AsText(ST_CollectionHomogenize('GEOMETRYCOLLECTION(POINT(0 0))'));

        st_astext
        ------------
         POINT(0 0)
        (1 row)

  SELECT ST_AsText(ST_CollectionHomogenize('GEOMETRYCOLLECTION(POINT(0 0),POINT(1 1))'));

        st_astext
        ---------------------
         MULTIPOINT(0 0,1 1)
        (1 row)

                                

Name

ST_Multi — Restitui a geometria como uma MULTI* geometria.

Synopsis

geometry ST_Multi(geometry g1);

Descrição

Retorna a geometria como uma MULTI* geometria. Se a geometria já é MULTI*, ela retorna inalterada.

Exemplos

SELECT ST_AsText(ST_Multi(ST_GeomFromText('POLYGON((743238 2967416,743238 2967450,
                        743265 2967450,743265.625 2967416,743238 2967416))')));
                        st_astext
                        --------------------------------------------------------------------------------------------------
                        MULTIPOLYGON(((743238 2967416,743238 2967450,743265 2967450,743265.625 2967416,
                        743238 2967416)))
                        (1 row)
                        

Veja também

ST_AsText


Name

ST_Normalize — Retorna a geometria na sua forma canônica.

Synopsis

geometry ST_Normalize(geometry geom);

Descrição

Retorna a geometria na sua forma normalizada/canônica. Talvez rearranja vértices em anéis de polígonos, anéis em um polígono, elementos em um complexo de multi-geometria.

Mais usada para teste (comparando resultados obtidos e esperados).

Exemplos

SELECT ST_AsText(ST_Normalize(ST_GeomFromText(
  'GEOMETRYCOLLECTION(
    POINT(2 3),
    MULTILINESTRING((0 0, 1 1),(2 2, 3 3)),
    POLYGON(
      (0 10,0 0,10 0,10 10,0 10),
      (4 2,2 2,2 4,4 4,4 2),
      (6 8,8 8,8 6,6 6,6 8)
    )
  )'
)));
                                                                     st_astext
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
 GEOMETRYCOLLECTION(POLYGON((0 0,0 10,10 10,10 0,0 0),(6 6,8 6,8 8,6 8,6 6),(2 2,4 2,4 4,2 4,2 2)),MULTILINESTRING((2 2,3 3),(0 0,1 1)),POINT(2 3))
(1 row)
                        

Veja também

ST_Equals,


Name

ST_RemovePoint — Remove um ponto de uma linestring.

Synopsis

geometry ST_RemovePoint(geometry linestring, integer offset);

Descrição

Remove um ponto de uma linestring, dado seu index com base 0. Útil para transformar um anel fechado em uma line string aberta.

Disponibilitade: 1.1.0

This function supports 3d and will not drop the z-index.

Exemplos

--garante que as LINESTRINGS não são fechadas removendo o ponto final
UPDATE sometable
        SET the_geom = ST_RemovePoint(the_geom, ST_NPoints(the_geom) - 1)
        FROM sometable
        WHERE ST_IsClosed(the_geom) = true;
                

Name

ST_Reverse — Retorna a geometria com a ordem dos vértices revertida.

Synopsis

geometry ST_Reverse(geometry g1);

Descrição

Pode ser usado em qualquer geometria e reverte a ordem dos vértices.

Melhorias: 2.1.0 suporte para geografia foi introduzido.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This function supports Polyhedral surfaces.

Exemplos

SELECT ST_AsText(the_geom) as line, ST_AsText(ST_Reverse(the_geom)) As reverseline
FROM
(SELECT ST_MakeLine(ST_MakePoint(1,2),
                ST_MakePoint(1,10)) As the_geom) as foo;
--result
                line         |     reverseline
---------------------+----------------------
LINESTRING(1 2,1 10) | LINESTRING(1 10,1 2)

Name

ST_Rotate — Rotaciona uma geometria em rotRadians em sentido anti-horário de sua origem.

Synopsis

geometry ST_Rotate(geometry geomA, float rotRadians);

geometry ST_Rotate(geometry geomA, float rotRadians, float x0, float y0);

geometry ST_Rotate(geometry geomA, float rotRadians, geometry pointOrigin);

Descrição

Rotaciona uma geometria rotRadians em sentido anti-horário da origem. O ponto de origem da rotação pode ser especificado como uma ponto, ou como coordenadas XY. Se a origem não é especificada a geometria é rotacionada na origem POINT(0 0).

Melhorias: 2.0.0 suporte para superfícies polihédricas, triângulos e TINs introduzido.

Melhoria: 2.0.0 parâmetros adicionais para especificação da origem de rotação adicionados.

Disponibilidade: 1.1.2. Mudança de nome de Affine para ST_Affine na versão 1.2.2.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This method supports Circular Strings and Curves

This function supports Polyhedral surfaces.

This function supports Triangles and Triangulated Irregular Network Surfaces (TIN).

Exemplos

--Rotate 180 degrees
SELECT ST_AsEWKT(ST_Rotate('LINESTRING (50 160, 50 50, 100 50)', pi()));
               st_asewkt
---------------------------------------
 LINESTRING(-50 -160,-50 -50,-100 -50)
(1 row)

--Rotate 30 degrees counter-clockwise at x=50, y=160
SELECT ST_AsEWKT(ST_Rotate('LINESTRING (50 160, 50 50, 100 50)', pi()/6, 50, 160));
                                 st_asewkt
---------------------------------------------------------------------------
 LINESTRING(50 160,105 64.7372055837117,148.301270189222 89.7372055837117)
(1 row)

--Rotate 60 degrees clockwise from centroid
SELECT ST_AsEWKT(ST_Rotate(geom, -pi()/3, ST_Centroid(geom)))
FROM (SELECT 'LINESTRING (50 160, 50 50, 100 50)'::geometry AS geom) AS foo;
                           st_asewkt
--------------------------------------------------------------
 LINESTRING(116.4225 130.6721,21.1597 75.6721,46.1597 32.3708)
(1 row)
                

Name

ST_RotateX — Rotaciona uma geometria rotRadians em cima do eixo X.

Synopsis

geometry ST_RotateX(geometry geomA, float rotRadians);

Descrição

Rotaciona uma geometria geomA - rotRadians sobre o eixo X.

[Note]

ST_RotateX(geomA, rotRadians) é um atalho para ST_Affine(geomA, 1, 0, 0, 0, cos(rotRadians), -sin(rotRadians), 0, sin(rotRadians), cos(rotRadians), 0, 0, 0).

Melhorias: 2.0.0 suporte para superfícies polihédricas, triângulos e TINs introduzido.

Disponibilidade: 1.1.2. Mudança de nome de Affine para ST_Affine na versão 1.2.2.

This function supports Polyhedral surfaces.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This function supports Triangles and Triangulated Irregular Network Surfaces (TIN).

Exemplos

--Rotaciona uma linha 90 graus ao longo do eixo X
SELECT ST_AsEWKT(ST_RotateX(ST_GeomFromEWKT('LINESTRING(1 2 3, 1 1 1)'), pi()/2));
                 st_asewkt
---------------------------
 LINESTRING(1 -3 2,1 -1 1)

Name

ST_RotateY — Rotaciona uma geometria rotRadians em cima do eixo Y.

Synopsis

geometry ST_RotateY(geometry geomA, float rotRadians);

Descrição

Rotaciona uma geometria geomA - rotRadians sobre o eixo Y.

[Note]

ST_RotateY(geomA, rotRadians) é um atalho para ST_Affine(geomA, cos(rotRadians), 0, sin(rotRadians), 0, 1, 0, -sin(rotRadians), 0, cos(rotRadians), 0, 0, 0).

Disponibilidade: 1.1.2. Mudança de nome de Affine para ST_Affine na versão 1.2.2.

Melhorias: 2.0.0 suporte para superfícies polihédricas, triângulos e TINs introduzido.

This function supports Polyhedral surfaces.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This function supports Triangles and Triangulated Irregular Network Surfaces (TIN).

Exemplos

--Rotaciona uma linha 90 graus ao longo do eixo Y
 SELECT ST_AsEWKT(ST_RotateY(ST_GeomFromEWKT('LINESTRING(1 2 3, 1 1 1)'), pi()/2));
                 st_asewkt
---------------------------
 LINESTRING(3 2 -1,1 1 -1)

Name

ST_RotateZ — Rotaciona uma geometria rotRadians em cima do eixo Z.

Synopsis

geometry ST_RotateZ(geometry geomA, float rotRadians);

Descrição

Rotaciona uma geometria geomA - rotRadians sobre o eixo Z.

[Note]

Esta função é um sinônimo para ST_Rotate

[Note]

ST_RotateZ(geomA, rotRadians) é um atalho para SELECT ST_Affine(geomA, cos(rotRadians), -sin(rotRadians), 0, sin(rotRadians), cos(rotRadians), 0, 0, 0, 1, 0, 0, 0).

Melhorias: 2.0.0 suporte para superfícies polihédricas, triângulos e TINs introduzido.

Disponibilidade: 1.1.2. Mudança de nome de Affine para ST_Affine na versão 1.2.2.

[Note]

Antes da versão 1.3.4, esta função falha se utilizada em geometrias que continham curvas. Resolvido nas versões 1.3.4+.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This method supports Circular Strings and Curves

This function supports Polyhedral surfaces.

This function supports Triangles and Triangulated Irregular Network Surfaces (TIN).

Exemplos

--Rotaciona uma linha 90 graus ao longo do eixo Z
SELECT ST_AsEWKT(ST_RotateZ(ST_GeomFromEWKT('LINESTRING(1 2 3, 1 1 1)'), pi()/2));
                 st_asewkt
---------------------------
 LINESTRING(-2 1 3,-1 1 1)

 --Rotate a curved circle around z-axis
SELECT ST_AsEWKT(ST_RotateZ(the_geom, pi()/2))
FROM (SELECT ST_LineToCurve(ST_Buffer(ST_GeomFromText('POINT(234 567)'), 3)) As the_geom) As foo;

                                                                                                           st_asewkt
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
 CURVEPOLYGON(CIRCULARSTRING(-567 237,-564.87867965644 236.12132034356,-564 234,-569.12132034356 231.87867965644,-567 237))


Name

ST_Scale — Escala uma geometria pelos fatores dados.

Synopsis

geometria ST_Scale(geometria geomA, flutuar XFactor, flutuar YFactor, float ZFactor);

geometry ST_Scale(geometria geomA, flutuar XFactor, float YFactor);

geometria ST_Scale(geometria geom, geometry fator);

Descrição

Escala a geometria para um tamanho novo multiplicando as ordenadas com os parâmetros correspondentes do coeficiente.

A versão tomando uma geometria como fator o parâmetro permite passar um 2d, 3dm, 3dz ou 4d ponto para configurar coeficiente de escala para todas as dimensões suportadas. Dimensões perdidas no fator ponto são equivalentes a nenhuma escala na dimesão correspondente.

[Note]

Antes da versão 1.3.4, esta função falha se utilizada em geometrias que continham curvas. Resolvido nas versões 1.3.4+.

Disponibilidade: 1.1.0

Melhorias: 2.0.0 suporte para superfícies polihédricas, triângulos e TINs introduzido.

Melhorias: 2.2.0 suporte para escalar todas as dimensões (parâmetro de geometria) foi introduzido.

This function supports Polyhedral surfaces.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This method supports Circular Strings and Curves

This function supports Triangles and Triangulated Irregular Network Surfaces (TIN).

This function supports M coordinates.

Exemplos

--Version 1: scale X, Y, Z
SELECT ST_AsEWKT(ST_Scale(ST_GeomFromEWKT('LINESTRING(1 2 3, 1 1 1)'), 0.5, 0.75, 0.8));
                          st_asewkt
--------------------------------------
 LINESTRING(0.5 1.5 2.4,0.5 0.75 0.8)

--Version 2: Scale X Y
 SELECT ST_AsEWKT(ST_Scale(ST_GeomFromEWKT('LINESTRING(1 2 3, 1 1 1)'), 0.5, 0.75));
                        st_asewkt
----------------------------------
 LINESTRING(0.5 1.5 3,0.5 0.75 1)

--Version 3: Scale X Y Z M
 SELECT ST_AsEWKT(ST_Scale(ST_GeomFromEWKT('LINESTRING(1 2 3 4, 1 1 1 1)'),
   ST_MakePoint(0.5, 0.75, 2, -1)));
                               st_asewkt
----------------------------------------
 LINESTRING(0.5 1.5 6 -4,0.5 0.75 2 -1)



Name

ST_Segmentize — Retorna uma geometria/geografia alterada não tendo nenhum segmento maior que a distância dada.

Synopsis

geometry ST_Segmentize(geometry geom, float max_segment_length);

geography ST_Segmentize(geography geog, float max_segment_length);

Descrição

Retorna a geometria alterada não tendo nenhum segmento maior que o dado max_segment_length. O cáculo de distância é efetuado somente no 2o dia. Para geometria, unidades de comprimento estão em unidades de referência espacial. Para geografia, unidades estão em metros.

Disponibilidade: 1.2.2

Enhanced: 2.3.0 Segmentize geography now uses equal length segments

Melhorias: 2.1.0 suporte para geografia foi introduzido.

Alteração: 2.1.0 Como um resultado da introdução do suporte de geografia: A construção SELECT ST_Segmentize('LINESTRING(1 2, 3 4)',0.5);irá resultar em uma função de erro ambíguo. Você precisa ter o objeto propriamente digitado ex. uma coluna geometria/geografia, use ST_GeomFromText, ST_GeogFromText or SELECT ST_Segmentize('LINESTRING(1 2, 3 4)'::geometry,0.5);

[Note]

Isso só irá aumentar segmentos. Não irá alongar segmentos menores que o comprimento máximo

Exemplos

SELECT ST_AsText(ST_Segmentize(
ST_GeomFromText('MULTILINESTRING((-29 -27,-30 -29.7,-36 -31,-45 -33),(-45 -33,-46 -32))')
                ,5)
);
st_astext
--------------------------------------------------------------------------------------------------
MULTILINESTRING((-29 -27,-30 -29.7,-34.886615700134 -30.758766735029,-36 -31,
-40.8809353009198 -32.0846522890933,-45 -33),
(-45 -33,-46 -32))
(1 row)

SELECT ST_AsText(ST_Segmentize(ST_GeomFromText('POLYGON((-29 28, -30 40, -29 28))'),10));
st_astext
-----------------------
POLYGON((-29 28,-29.8304547985374 37.9654575824488,-30 40,-29.1695452014626 30.0345424175512,-29 28))
(1 row)

                        

Veja também

ST_LineSubstring


Name

ST_SetPoint — Substitui ponto de uma linestring com um dado ponto.

Synopsis

geometry ST_SetPoint(geometry linestring, integer zerobasedposition, geometry point);

Descrição

Substitui ponto N de linstring com um dado ponto. Index é de base 0. Index negativo são contados atrasados, logo -1 é o último ponto. Isso é especialmente usado em causas tentando manter relações juntas quando um vértice se move.

Disponibilitade: 1.1.0

Atualizado 2.3.0: indexing negativo

This function supports 3d and will not drop the z-index.

Exemplos

--Change first point in line string from -1 3 to -1 1
SELECT ST_AsText(ST_SetPoint('LINESTRING(-1 2,-1 3)', 0, 'POINT(-1 1)'));
           st_astext
-----------------------
 LINESTRING(-1 1,-1 3)

---Change last point in a line string (lets play with 3d linestring this time)
SELECT ST_AsEWKT(ST_SetPoint(foo.the_geom, ST_NumPoints(foo.the_geom) - 1, ST_GeomFromEWKT('POINT(-1 1 3)')))
FROM (SELECT ST_GeomFromEWKT('LINESTRING(-1 2 3,-1 3 4, 5 6 7)') As the_geom) As foo;
           st_asewkt
-----------------------
LINESTRING(-1 2 3,-1 3 4,-1 1 3)

SELECT ST_AsText(ST_SetPoint(g, -3, p))
FROM ST_GEomFromText('LINESTRING(0 0, 1 1, 2 2, 3 3, 4 4)') AS g
        , ST_PointN(g,1) as p;
           st_astext
-----------------------
LINESTRING(0 0,1 1,0 0,3 3,4 4)

                        

Name

ST_SetSRID — Configure SRID em uma geometria para um valor inteiro específico.

Synopsis

geometry ST_SetSRID(geometry geom, integer srid);

Descrição

Configura SRID em uma geometria para um valor inteiro específico. Útil em construir caixas seguras para pequisas.

[Note]

Essa função não transforma as coordenadas da geometria em nenhuma maneira - ela simplesmente configura os dados meta definindo o sistema de referência espacial que a geometria supostamente está. Use ST_Transform se você quiser transformar a geometria em uma nova projeção.

This method implements the OpenGIS Simple Features Implementation Specification for SQL 1.1.

This method supports Circular Strings and Curves

Exemplos

-- Marque um ponto como WGS 84 extensa latitude --

SELECT ST_SetSRID(ST_Point(-123.365556, 48.428611),4326) As wgs84long_lat;
-- the ewkt representation (wrap with ST_AsEWKT) -
SRID=4326;POINT(-123.365556 48.428611)
                        

-- Marque um ponto com WGS 84 extensa latitude e então transforme para mercator web (Mercator Esférico) --

SELECT ST_Transform(ST_SetSRID(ST_Point(-123.365556, 48.428611),4326),3785) As spere_merc;
-- the ewkt representation (wrap with ST_AsEWKT) -
SRID=3785;POINT(-13732990.8753491 6178458.96425423)
                        

Name

ST_SnapToGrid — Rompe todos os pontos da geometria de entrada para uma rede regular.

Synopsis

geometry ST_SnapToGrid(geometry geomA, float originX, float originY, float sizeX, float sizeY);

geometry ST_SnapToGrid(geometry geomA, float sizeX, float sizeY);

geometry ST_SnapToGrid(geometry geomA, float size);

geometry ST_SnapToGrid(geometry geomA, geometry pointOrigin, float sizeX, float sizeY, float sizeZ, float sizeM);

Descrição

Variante1,2,3: Rompe todos os pontos da geometria de entrada para a rede definida por sua origem e tamanho da célula. Remove pontos consecutivos caindo na mesma célula, finalmente retornando NULO se os pontos de saída não são suficientes para definir uma geometria do tipo dado. Geometrias colapsadas em uma coleção são desguarnecidas disso. Útil para reduzi a precisão.

Variante4: Introduzido 1.1.0 - Rompe todos os pontos da geometria de entrada para a rede definida por sua origem (o segundo argumento deve ser um ponto) e tamanhos de células. Especifica 0 como um tamanho para qualquer dimensão que você não quer romper para uma rede.

[Note]

A geometria de retorno pode perder sua simplicidade (veja ST_IsSimple).

[Note]

Antes de lançar 1.1.0, essa função sempre retornou uma geometria 2d. Começando em 1.1.0 a geometria de retorno terá a mesma dimensionalidade da entrada com maiores valores intocados de dimensão. Use a versão pegando um segundo argumento de geometria para definir todas as dimensões de rede.

Disponibilidade: 1.0.0RC1

Disponibilidade: 1.1.0 - suporte a Z e M

This function supports 3d and will not drop the z-index.

Exemplos

--Snap your geometries to a precision grid of 10^-3
UPDATE mytable
   SET the_geom = ST_SnapToGrid(the_geom, 0.001);

SELECT ST_AsText(ST_SnapToGrid(
                        ST_GeomFromText('LINESTRING(1.1115678 2.123, 4.111111 3.2374897, 4.11112 3.23748667)'),
                        0.001)
                );
                          st_astext
-------------------------------------
 LINESTRING(1.112 2.123,4.111 3.237)
 --Snap a 4d geometry
SELECT ST_AsEWKT(ST_SnapToGrid(
        ST_GeomFromEWKT('LINESTRING(-1.1115678 2.123 2.3456 1.11111,
                4.111111 3.2374897 3.1234 1.1111, -1.11111112 2.123 2.3456 1.1111112)'),
 ST_GeomFromEWKT('POINT(1.12 2.22 3.2 4.4444)'),
 0.1, 0.1, 0.1, 0.01) );
                                                                  st_asewkt
------------------------------------------------------------------------------
 LINESTRING(-1.08 2.12 2.3 1.1144,4.12 3.22 3.1 1.1144,-1.08 2.12 2.3 1.1144)


--With a 4d geometry - the ST_SnapToGrid(geom,size) only touches x and y coords but keeps m and z the same
SELECT ST_AsEWKT(ST_SnapToGrid(ST_GeomFromEWKT('LINESTRING(-1.1115678 2.123 3 2.3456,
                4.111111 3.2374897 3.1234 1.1111)'),
           0.01)      );
                                                st_asewkt
---------------------------------------------------------
 LINESTRING(-1.11 2.12 3 2.3456,4.11 3.24 3.1234 1.1111)

                

Name

ST_Snap — Rompe segmentos e vértices de geometria de entrada para vértices de uma geometria de referência.

Synopsis

geometry ST_Snap(geometry input, geometry reference, float tolerance);

Descrição

Rompe os vértices e segmentos de uma geometria outros vértices de geometria. Uma distância de tolerância é usada para controlar onde é representada.

Romper uma geometria para outra pode melhorar robusteza para operações de cobertura eliminando limites quase coincidentes (os quais causam problemas durante o sinal e cálculo de intersecção).

Romper muito pode resultar na criação de topologia inválida, então o número e localização dos vértices rompidos são decididos usando heurísticos para determinar quando é seguro romper. Entretanto, isso pode resultar em alguns rompimentos potencialmente omitidos.

[Note]

A geometria devolvida pode perder sua simplicidade (veja ST_IsSimple) e validade (veja ST_IsValid).

Disponibilidade: 2.0.0. requer GEOS >=3.3.0

Exemplos

Um multi polígono apresentado com uma linestring (antes de qualquer rompimento)

Um multi polígono rompido para linestring para tolerância: 1.01 de distância. O novo multi polígono é mostrado com linestring de referência

SELECT ST_AsText(ST_Snap(poly,line, ST_Distance(poly,line)*1.01)) AS polysnapped
FROM (SELECT
   ST_GeomFromText('MULTIPOLYGON(
     ((26 125, 26 200, 126 200, 126 125, 26 125 ),
      ( 51 150, 101 150, 76 175, 51 150 )),
      (( 151 100, 151 200, 176 175, 151 100 )))') As poly,
       ST_GeomFromText('LINESTRING (5 107, 54 84, 101 100)') As line

        ) As foo;

                             polysnapped
---------------------------------------------------------------------
 MULTIPOLYGON(((26 125,26 200,126 200,126 125,101 100,26 125),
 (51 150,101 150,76 175,51 150)),((151 100,151 200,176 175,151 100)))
                                

Um multi polígono rompido para linestring para tolerância: 1.25 de distância. O novo multi polígono é mostrado com linestring de referência

SELECT ST_AsText(
    ST_Snap(poly,line, ST_Distance(poly,line)*1.25)
  ) AS polysnapped
FROM (SELECT
  ST_GeomFromText('MULTIPOLYGON(
    (( 26 125, 26 200, 126 200, 126 125, 26 125 ),
      ( 51 150, 101 150, 76 175, 51 150 )),
      (( 151 100, 151 200, 176 175, 151 100 )))') As poly,
       ST_GeomFromText('LINESTRING (5 107, 54 84, 101 100)') As line

        ) As foo;

                             polysnapped
---------------------------------------------------------------------
MULTIPOLYGON(((5 107,26 200,126 200,126 125,101 100,54 84,5 107),
(51 150,101 150,76 175,51 150)),((151 100,151 200,176 175,151 100)))
                                

A linestring rompida para o multi polígono original em tolerância de 1.01 de distância. As nova linestring é mostrada com multi polígono de referência

SELECT ST_AsText(
   ST_Snap(line, poly, ST_Distance(poly,line)*1.01)
  ) AS linesnapped
FROM (SELECT
  ST_GeomFromText('MULTIPOLYGON(
     ((26 125, 26 200, 126 200, 126 125, 26 125),
      (51 150, 101 150, 76 175, 51 150 )),
      ((151 100, 151 200, 176 175, 151 100)))') As poly,
       ST_GeomFromText('LINESTRING (5 107, 54 84, 101 100)') As line
        ) As foo;

              linesnapped
----------------------------------------
 LINESTRING(5 107,26 125,54 84,101 100)
                                

A linestring rompida para o polígono original de tolerância 1.25 de distância. A nova linestring é mostrada com multi polígono de referência

SELECT ST_AsText(
 ST_Snap(line, poly, ST_Distance(poly,line)*1.25)
  ) AS linesnapped
FROM (SELECT
  ST_GeomFromText('MULTIPOLYGON(
     (( 26 125, 26 200, 126 200, 126 125, 26 125 ),
      (51 150, 101 150, 76 175, 51 150 )),
      ((151 100, 151 200, 176 175, 151 100 )))') As poly,
       ST_GeomFromText('LINESTRING (5 107, 54 84, 101 100)') As line
        ) As foo;
              linesnapped
---------------------------------------
LINESTRING(26 125,54 84,101 100)
                                

Veja também

ST_SnapToGrid


Name

ST_Transform — Retorna uma nova geometria com suas coordenadas transformadas em diferentes referências espaciais.

Synopsis

geometry ST_Transform(geometry g1, integer srid);

geometry ST_Transform(geometry geom, text to_proj);

geometry ST_Transform(geometry geom, text from_proj, text to_proj);

geometry ST_Transform(geometry geom, text from_proj, integer to_srid);

Descrição

Retorna uma nova geometria com suas coordenadas transformadas em um sistema de referência espacial diferente. O destino da referência espacial to_srid pode ser identificado por um parâmetro inteiro válido SRID (ele deve existir na spatial_ref_sys table). Alternativamente, uma referência espacial é definida como uma string PROJ.4 pode ser usada para to_proj e/ou from_proj, entretanto esses métodos não são otimizados. Se o destino do sistema de referência espacial é expressado com uma string PROJ.4 ao invés de uma SRID, a SRID da geometria de saída será configurada para zero. Com exceção das funções com from_proj, geometrias de entrada devem ter uma SRID definida.

ST_Transform é confundido com ST_SetSRID(). ST_Transform na verdade altera as coordenadas de uma geometria de um sistema de referência espacial para outro, enquanto ST_SetSRID() simplesmente muda o identificador SRID da geometria.

[Note]

Requer que PostGIS seja compilado com o suporte Porj. Use PostGIS_Full_Version para confirmar que você o suporte proj compilado.

[Note]

Se utilizar mais de uma transformação, é útil ter um index prático nas transformações comumente usadas para ter vantagem do uso index.

[Note]

Antes da versão 1.3.4, esta função falha se utilizada em geometrias que continham curvas. Resolvido nas versões 1.3.4+.

Melhorias: 2.0.0 suporte a superfícies polihédricas foi introduzido.

Melhorias: 2.3.0 suporte para texto direto PROJ.4 foi introduzido.

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 5.1.6

This method supports Circular Strings and Curves

This function supports Polyhedral surfaces.

Exemplos

Alterar a geometria do estado plano de Massachusetts EUA para WGS 84 long lat

SELECT ST_AsText(ST_Transform(ST_GeomFromText('POLYGON((743238 2967416,743238 2967450,
        743265 2967450,743265.625 2967416,743238 2967416))',2249),4326)) As wgs_geom;

 wgs_geom
---------------------------
 POLYGON((-71.1776848522251 42.3902896512902,-71.1776843766326 42.3903829478009,
-71.1775844305465 42.3903826677917,-71.1775825927231 42.3902893647987,-71.177684
8522251 42.3902896512902));
(1 row)

--3D Circular String example
SELECT ST_AsEWKT(ST_Transform(ST_GeomFromEWKT('SRID=2249;CIRCULARSTRING(743238 2967416 1,743238 2967450 2,743265 2967450 3,743265.625 2967416 3,743238 2967416 4)'),4326));

                                 st_asewkt
--------------------------------------------------------------------------------------
 SRID=4326;CIRCULARSTRING(-71.1776848522251 42.3902896512902 1,-71.1776843766326 42.3903829478009 2,
 -71.1775844305465 42.3903826677917 3,
 -71.1775825927231 42.3902893647987 3,-71.1776848522251 42.3902896512902 4)

                

Exemplo da criação de um index funcional parcial. Para tables onde você não tem certeza que todas as geometrias caberão, é melhor usar um index parcial que deixa geometrias nulas que irão conservar seu espaço e farão seu index menor e mais eficiente.

CREATE INDEX idx_the_geom_26986_parcels
  ON parcels
  USING gist
  (ST_Transform(the_geom, 26986))
  WHERE the_geom IS NOT NULL;
                

Exemplos usando PROJ.4 para transformar com referências espaciais personalizadas.

-- Find intersection of two polygons near the North pole, using a custom Gnomic projection
-- See http://boundlessgeo.com/2012/02/flattening-the-peel/
 WITH data AS (
   SELECT
     ST_GeomFromText('POLYGON((170 50,170 72,-130 72,-130 50,170 50))', 4326) AS p1,
     ST_GeomFromText('POLYGON((-170 68,-170 90,-141 90,-141 68,-170 68))', 4326) AS p2,
     '+proj=gnom +ellps=WGS84 +lat_0=70 +lon_0=-160 +no_defs'::text AS gnom
 )
 SELECT ST_AsText(
   ST_Transform(
     ST_Intersection(ST_Transform(p1, gnom), ST_Transform(p2, gnom)),
   gnom, 4326))
 FROM data;
                                          st_astext
 --------------------------------------------------------------------------------
  POLYGON((-170 74.053793645338,-141 73.4268621378904,-141 68,-170 68,-170 74.053793645338))
                

Configurando comportamento de transformação

Algumas vezes transformações coordenadas envolvendo mudança de rede podem falhar, por exemplo se PROJ.4 não tiver sido construída com arquivos de mudança de rede ou a coordenada não se encontra com a extensão para qual a mudança de rede é definida. Por padrão, PostGIS irá lançar um erro se um arquivo de mudança de rede não estiver presente, mas esse comportamento pode ser configurado em uma base per-SRID e até mesmo testando diferentes to_proj valores do texto PROJ.4, ou alterando o proj4text valor com a spatial_ref_sys table.

Por exemplo, o proj4text parameter +datum=NAD87 é uma forma estenográfica para os parâmetros +nadgrids seguintes:

+nadgrids=@conus,@alaska,@ntv2_0.gsb,@ntv1_can.dat

O prefixo @ significa que nenhum erro foi relatado se os arquivos não estão presentes, mas se o fim da lista chega sem nenhum arquivo ser apropriado (encontrado ou sobreposto) então um erro é o problema.

Se, por outro lado, você queria garantir que pelo menos os arquivos padrões estivessem presentes, mas que se todos os arquivos tivessem sido escaneados sem atingir uma transformação nula é empregada, você poderia usar:

+nadgrids=@conus,@alaska,@ntv2_0.gsb,@ntv1_can.dat,null

O arquivo nulo de mudança de rede é um arquivo válido cobrindo o mundo todo e não aplicando nenhuma mudança. Então para um exemplo completo, se você quisesse alterar PostGIS para que as transformações para o SRID 4267 que não se encontraram com a variação correta não lançassem um erro, você deveria utilizar o seguinte:

UPDATE spatial_ref_sys SET proj4text = '+proj=longlat +ellps=clrk66 +nadgrids=@conus,@alaska,@ntv2_0.gsb,@ntv1_can.dat,null +no_defs' WHERE srid = 4267;

Name

ST_Translate — Translação de uma geometria pelos dados deslocamentos.

Synopsis

geometry ST_Translate(geometry g1, float deltax, float deltay);

geometry ST_Translate(geometry g1, float deltax, float deltay, float deltaz);

Descrição

Retorna uma nova geometria cujas coordenadas são transladações unidades delta x, delta y, delta z. Unidades são baseadas nas unidades definidas na referência espacial (SRID) para essa geometria.

[Note]

Antes da versão 1.3.4, esta função falha se utilizada em geometrias que continham curvas. Resolvido nas versões 1.3.4+.

Disponibilidade: 1.2.2

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This method supports Circular Strings and Curves

Exemplos

Move um ponto 1 grau de latitude

SELECT ST_AsText(ST_Translate(ST_GeomFromText('POINT(-71.01 42.37)',4326),1,0)) As wgs_transgeomtxt;

        wgs_transgeomtxt
        ---------------------
        POINT(-70.01 42.37)
                

Move uma linestring 1 grau de longitude e 1/2 grau latitude

SELECT ST_AsText(ST_Translate(ST_GeomFromText('LINESTRING(-71.01 42.37,-71.11 42.38)',4326),1,0.5)) As wgs_transgeomtxt;
                   wgs_transgeomtxt
        ---------------------------------------
        LINESTRING(-70.01 42.87,-70.11 42.88)
                

Move um ponto 3d

SELECT ST_AsEWKT(ST_Translate(CAST('POINT(0 0 0)' As geometry), 5, 12,3));
        st_asewkt
        ---------
        POINT(5 12 3)
                

Move uma curva e um ponto

SELECT ST_AsText(ST_Translate(ST_Collect('CURVEPOLYGON(CIRCULARSTRING(4 3,3.12 0.878,1 0,-1.121 5.1213,6 7, 8 9,4 3))','POINT(1 3)'),1,2));
                                                                                                                 st_astext
------------------------------------------------------------------------------------------------------------
 GEOMETRYCOLLECTION(CURVEPOLYGON(CIRCULARSTRING(5 5,4.12 2.878,2 2,-0.121 7.1213,7 9,9 11,5 5)),POINT(2 5))

Name

ST_TransScale — Translada uma geometria dando coeficientes e deslocamentos.

Synopsis

geometry ST_TransScale(geometry geomA, float deltaX, float deltaY, float XFactor, float YFactor);

Descrição

Translada a geometria utilizando o deltaX e deltaY args, depois escala ela utilizando o XFactor, YFactor args, trabalhando somente com 2D.

[Note]

ST_TransScale(geomA, deltaX, deltaY, XFactor, YFactor) is short-hand for ST_Affine(geomA, XFactor, 0, 0, 0, YFactor, 0, 0, 0, 1, deltaX*XFactor, deltaY*YFactor, 0).

[Note]

Antes da versão 1.3.4, esta função falha se utilizada em geometrias que continham curvas. Resolvido nas versões 1.3.4+.

Disponibilidade: 1.1.0

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This method supports Circular Strings and Curves

Exemplos

SELECT ST_AsEWKT(ST_TransScale(ST_GeomFromEWKT('LINESTRING(1 2 3, 1 1 1)'), 0.5, 1, 1, 2));
                  st_asewkt
-----------------------------
 LINESTRING(1.5 6 3,1.5 4 1)


--Buffer a point to get an approximation of a circle, convert to curve and then translate 1,2 and scale it 3,4
  SELECT ST_AsText(ST_Transscale(ST_LineToCurve(ST_Buffer('POINT(234 567)', 3)),1,2,3,4));
                                                                                                                  st_astext
------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
 CURVEPOLYGON(CIRCULARSTRING(714 2276,711.363961030679 2267.51471862576,705 2264,698.636038969321 2284.48528137424,714 2276))

Veja também

ST_Affine, ST_Translate

8.7. Saídas de geometria

ST_AsBinary — Retorna a representação do binário bem conhecido (WKB) da geometria/geografia sem os meta dados SRID.
ST_AsEncodedPolyline — Retorna uma Polilinha Encoded de uma geometria LineString.
ST_AsEWKB — Retorna a representação binária bem conhecida (WKB) da geometria com os meta dados SRID.
ST_AsEWKT — Retorna a representação de texto bem conhecida (WKT) da geometria com os meta dados SRID.
ST_AsGeoJSON — Retorna a geometria com um elemento GeoJSON.
ST_AsGML — Retorna a geometria como uma versão GML com 2 ou 3 elementos.
ST_AsHEXEWKB — Retorna uma geometria no formato HEXEWKB (como texto) usando little-endian (NDR) ou big-endian (XDR) encoding.
ST_AsKML — Retorna a geometria como um elemento KML. Muitas variantes. Versão padrão=2, precisão padrão=15
ST_AsLatLonText — Retorna a representação de Graus, Minutos, Segundos do ponto dado.
ST_AsSVG — Retorna uma geometria em dados SVG path, dado um objeto de geometria ou geografia.
ST_AsText — Retorna a representação de texto bem conhecida (WKT) da geometria/geografia sem os meta dados do SRID.
ST_AsTWKB — Retorna a geometria como TWKB, também conhecido como "Tiny Well-Known Binary"
ST_AsX3D — Retorna uma geometria em X3D nó xml formato do elemento: ISO-IEC-19776-1.2-X3DEncodings-XML
ST_GeoHash — Retorna uma representação GeoHash da geometria.
ST_AsGeoJSON — Retorna uma representação GeoHash da geometria.
ST_AsSVG — Transform a geometry into the coordinate space of a Mapbox Vector Tile.
ST_AsGML — Return a Mapbox Vector Tile representation of a set of rows.

Name

ST_AsBinary — Retorna a representação do binário bem conhecido (WKB) da geometria/geografia sem os meta dados SRID.

Synopsis

bytea ST_AsBinary(geometry g1);

bytea ST_AsBinary(geometry g1, text NDR_or_XDR);

bytea ST_AsBinary(geography g1);

bytea ST_AsBinary(geography g1, text NDR_or_XDR);

Descrição

Retorna a representação binária bem conhecida da geometria. Existem 2 variantes da função. A primeira variante não pega nenhum parâmetro endian encoding e descumpre a máquina endian. A segunda variante pega um segundo argumento indicando o encoding - usando little-endian ('NDR') ou big-endian ('XDR') encoding.

Isso é útil em cursores binários para empurrar dados do banco de dados sem converter para uma representação de string.

[Note]

O WKB spec não inclui o SRID. Para obter o WKB com o formato SRID use: ST_AsEWKB

[Note]

ST_AsBinary é o reverso de ST_GeomFromWKB para geometria. Use ST_GeomFromWKB para converter para uma geometria postgis de uma representação ST_AsBinary.

[Note]

O comportamento padrão no PostgreSQL 9.0 foi alterado para saída bytes no hex encoding. ST_AsBinary é o reverso de ST_GeomFromWKB para geometria. Se suas ferramentas GUI requerem o comportamento antigo, então CONFIGURE bytea_output='escape' no seu banco de dados.

Melhorias: 2.0.0 suporte para superfícies poliédricas, triângulos e TINs introduzido.

Melhorias: 2.0.0 suporte para maiores dimensões de coordenadas foi introduzido.

Melhorias: 2.0.0 suporte para edian especificando com geografia foi introduzido.

Disponibilidade: 1.5.0 suporte para geografia foi introduzido.

Alterações: 2.0.0 Entrada para esta função não pode ser desconhecida -- deve ser geometria. Construções como ST_AsBinary('POINT(1 2)') não são mais válidas e você terá n st_asbinary(desconhecido) não é um erro único. Códigos assim, precisam ser alterados para ST_AsBinary('POINT(1 2)'::geometry);. Se não for possível, instale: legacy.sql.

This method implements the OpenGIS Simple Features Implementation Specification for SQL 1.1. s2.1.1.1

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 5.1.37

This method supports Circular Strings and Curves

This function supports Polyhedral surfaces.

This function supports Triangles and Triangulated Irregular Network Surfaces (TIN).

This function supports 3d and will not drop the z-index.

Examples

SELECT ST_AsBinary(ST_GeomFromText('POLYGON((0 0,0 1,1 1,1 0,0 0))',4326));

                   st_asbinary
--------------------------------
\001\003\000\000\000\001\000\000\000\005
\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000
\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000
\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000
\000\000\000\360?\000\000\000\000\000\000
\360?\000\000\000\000\000\000\360?\000\000
\000\000\000\000\360?\000\000\000\000\000
\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000
\000\000\000\000\000\000\000\000
(1 row)
SELECT ST_AsBinary(ST_GeomFromText('POLYGON((0 0,0 1,1 1,1 0,0 0))',4326), 'XDR');
                   st_asbinary
--------------------------------
\000\000\000\000\003\000\000\000\001\000\000\000\005\000\000\000\000\000
\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000
\000?\360\000\000\000\000\000\000?\360\000\000\000\000\000\000?\360\000\000
\000\000\000\000?\360\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000
\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000
(1 row)

Name

ST_AsEncodedPolyline — Retorna uma Polilinha Encoded de uma geometria LineString.

Synopsis

text ST_AsEncodedPolyline(geometry geom, integer precision=5);

Descrição

Retorna a geometria como uma Polilinha Encoded. Este é um formato muito útil se você estiver usando o google maps

Disponibilidade: 2.2.0

Examples

Básico

SELECT ST_AsEncodedPolyline(GeomFromEWKT('SRID=4326;LINESTRING(-120.2 38.5,-120.95 40.7,-126.453 43.252)'));
        --result--
        |_p~iF~ps|U_ulLnnqC_mqNvxq`@
        

Use em conjunto com a linestring geografia e segmentize geografia, e coloque no google maps

-- the SQL for Boston to San Francisco, segments every 100 KM
        SELECT ST_AsEncodedPolyline(
                ST_Segmentize(
                        ST_GeogFromText('LINESTRING(-71.0519 42.4935,-122.4483 37.64)'),
                                100000)::geometry) As encodedFlightPath;

javascript irá parecer em algo com isso, onde a variável $ você substitui com o resultado da pesquisa

<script type="text/javascript" src="http://maps.googleapis.com/maps/api/js?libraries=geometry"
></script>
<script type="text/javascript">
         flightPath = new google.maps.Polyline({
                        path:  google.maps.geometry.encoding.decodePath("$encodedFlightPath"),
                        map: map,
                        strokeColor: '#0000CC',
                        strokeOpacity: 1.0,
                        strokeWeight: 4
                });
</script>
        

Name

ST_AsEWKB — Retorna a representação binária bem conhecida (WKB) da geometria com os meta dados SRID.

Synopsis

bytea ST_AsEWKB(geometry g1);

bytea ST_AsEWKB(geometry g1, text NDR_or_XDR);

Descrição

Retorna a representação binária bem conhecida da geometria com os meta dados SRID. Existem 2 variantes da função. A primeira variante não pega nenhum parâmetro endian encoding e descumpre o pequeno endian. A segunda variante pega um segundo argumento indicando o encoding - usando little-endian ('NDR') ou big-endian ('XDR') encoding.

Isso é útil em cursores binários para empurrar dados do banco de dados sem converter para uma representação de string.

[Note]

O WKB spec não inclui o SRID. Para obter o formato OGC WKB use:

[Note]

ST_AsEWKB é o reverso de ST_GeomFromEWKB. Use ST_GeomFromEWKB para converter uma geometria postgis de uma representação ST_AsEWKB.

Melhorias: 2.0.0 suporte para superfícies poliédricas, triângulos e TINs introduzido.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This method supports Circular Strings and Curves

This function supports Polyhedral surfaces.

This function supports Triangles and Triangulated Irregular Network Surfaces (TIN).

Examples

SELECT ST_AsEWKB(ST_GeomFromText('POLYGON((0 0,0 1,1 1,1 0,0 0))',4326));

                   st_asewkb
--------------------------------
\001\003\000\000 \346\020\000\000\001\000
\000\000\005\000\000\000\000
\000\000\000\000\000\000\000\000
\000\000\000\000\000\000\000\000\000
\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000
\000\000\360?\000\000\000\000\000\000\360?
\000\000\000\000\000\000\360?\000\000\000\000\000
\000\360?\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000
\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000
(1 row)
SELECT ST_AsEWKB(ST_GeomFromText('POLYGON((0 0,0 1,1 1,1 0,0 0))',4326), 'XDR');
                   st_asewkb
--------------------------------
\000 \000\000\003\000\000\020\346\000\000\000\001\000\000\000\005\000\000\000\000\
000\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000?
\360\000\000\000\000\000\000?\360\000\000\000\000\000\000?\360\000\000\000\000
\000\000?\360\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000
\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000\000
                

Name

ST_AsEWKT — Retorna a representação de texto bem conhecida (WKT) da geometria com os meta dados SRID.

Synopsis

text ST_AsEWKT(geometry g1);

text ST_AsEWKT(geography g1);

Descrição

Retorna a representação de texto bem conhecida da geometria prefixada com o SRID.

[Note]

O WKT spec não inclui o SRID. Para obter o formato OGC WKT use: ST_AsText

O formato WKT não mantém a precisão, então para prevenir truncamento flutuante, use formato ST_AsBinary ou ST_AsEWKB para o transporte.

[Note]

ST_AsEWKT é o reverso de ST_GeomFromEWKT. Use ST_GeomFromEWKT para converter para uma geometria de uma representação ST_AsEWKT.

Melhorias: 2.0.0 suporte para geografia, superfícies poliédricas, triângulos e TIN foi introduzido.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This method supports Circular Strings and Curves

This function supports Polyhedral surfaces.

This function supports Triangles and Triangulated Irregular Network Surfaces (TIN).

Examples

SELECT ST_AsEWKT('0103000020E61000000100000005000000000000
                        000000000000000000000000000000000000000000000000000000
                        F03F000000000000F03F000000000000F03F000000000000F03
                        F000000000000000000000000000000000000000000000000'::geometry);

                   st_asewkt
--------------------------------
SRID=4326;POLYGON((0 0,0 1,1 1,1 0,0 0))
(1 row)

SELECT ST_AsEWKT('0108000080030000000000000060E30A4100000000785C0241000000000000F03F0000000018
E20A4100000000485F024100000000000000400000000018
E20A4100000000305C02410000000000000840')

--st_asewkt---
CIRCULARSTRING(220268 150415 1,220227 150505 2,220227 150406 3)

Name

ST_AsGeoJSON — Retorna a geometria com um elemento GeoJSON.

Synopsis

text ST_AsGeoJSON(geometry geom, integer maxdecimaldigits=15, integer options=0);

text ST_AsGeoJSON(geography geog, integer maxdecimaldigits=15, integer options=0);

text ST_AsGeoJSON(integer gj_version, geometry geom, integer maxdecimaldigits=15, integer options=0);

text ST_AsGeoJSON(integer gj_version, geography geog, integer maxdecimaldigits=15, integer options=0);

Descrição

Retorna a geometria como um elemento Geometry Javascript Object Notation (GeoJSON). (Cf GeoJSON specifications 1.0). As geometrias 2D e 3D são suportadas. GeoJSON somente suporta geometria tipo SFS 1.1 (nenhuma curva é suportada, por exemplo).

O parâmetro gj_version é a maior versão do GeoJSON spec. Se especificado, deve ser 1. Isto representa a versão spec do

O terceiro argumento pode ser usado para reduzir o máximo números de casas decimais usados na saída (padrão para 15).

O último argumento "opções" poderia ser usado para adicionar Bbox ou Crs na saída GeoJSON:

  • 0: significa sem opção (valor padrão)

  • 1: GeoJSON Bbox

  • 2: GeoJSON Short CRS (e.g EPSG:4326)

  • 4: GeoJSON Long CRS (e.g urn:ogc:def:crs:EPSG::4326)

Versão 1: ST_AsGeoJSON(geom) / precisão=15 versão=1 opções=0

Versão 2: ST_AsGeoJSON(geom, precision) / versão=1 opções=0

Versão 3: ST_AsGeoJSON(geom, precisão, opções) / versão=1

Versão 4: ST_AsGeoJSON(gj_versão, geom) / precisão=15 opções=0

Versão 5: ST_AsGeoJSON(gj_versão, geom, precisão) /opções=0

Versão 6: ST_AsGeoJSON(gj_versão, geom, precisão,opções)

Disponibilidade: 1.3.4

Disponibilidade: 1.5.0 suporte para geografia foi introduzido.

Alterações: 2.0.0 suporte padrão args e args nomeados.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

Examples

O formato GeoJSON é, geralmente, mais eficiente que outros formatos para o uso em mapeamentos ajax. Um cliente popular javascript que suporta ele é o Open Layers. Exemplo deste use é: OpenLayers GeoJSON Example

SELECT ST_AsGeoJSON(the_geom) from fe_edges limit 1;
                                           st_asgeojson
-----------------------------------------------------------------------------------------------------------

{"type":"MultiLineString","coordinates":[[[-89.734634999999997,31.492072000000000],
[-89.734955999999997,31.492237999999997]]]}
(1 row)
--3d point
SELECT ST_AsGeoJSON('LINESTRING(1 2 3, 4 5 6)');

st_asgeojson
-----------------------------------------------------------------------------------------
 {"type":"LineString","coordinates":[[1,2,3],[4,5,6]]}


Name

ST_AsGML — Retorna a geometria como uma versão GML com 2 ou 3 elementos.

Synopsis

text ST_AsGML(geometry geom, integer maxdecimaldigits=15, integer options=0);

text ST_AsGML(geography geog, integer maxdecimaldigits=15, integer options=0);

text ST_AsGML(integer version, geometry geom, integer maxdecimaldigits=15, integer options=0, text nprefix=null, text id=null);

text ST_AsGML(integer version, geography geog, integer maxdecimaldigits=15, integer options=0, text nprefix=null, text id=null);

Descrição

Retorna a geometria como um elemento Geography Markup Language (GML). Esta versão de parâmetro, se especificada, pode ser 2 ou 3. Se nenhuma versão de parâmetro estiver especificada, então, o padrão é assumido para ser 2. O argumento de precisão pode ser usado para reduzir o número máximo de casas decimais (maxdecimaldigits) usado na saída (padrão 15).

GML 2 refere-se a versão 2.1.2 , GML 3 para a versão 3.1.1

O argumento "opções" é um bitfield. Ele poderia ser usado para definir o tipo de saída CRS na saída GML, e para declarar dados como lat/lon:

  • 0: GML Short CRS (ex: EPSG:4326), valor padrão

  • 1: GML Long CRS (ex: urn:ogc:def:crs:EPSG::4326)

  • 2: Para GML 3 somente, remove srsDimension atribuída da saída.

  • 4: Para GML 3 somente, use <LineString> em vez de <Curve> tag para linhas.

  • 16: Declara que dados são lat/lon (ex: srid=4326). O padrão é supor que os dados são planos. Esta opção é útil apenas para saída GML 3.1.1, relacionada a ordem do eixo. Então, se você configurá-la, ela irá trocar as coordenadas, deixando a ordem sendo lat lon em vez do banco de dados.

  • 32: Gera a caixa da geometria (envelope).

O argumento 'namespace prefix' pode ser usado para especificar um namespace prefix personalizado ou nenhum prefixo (se vazio). Se nulo ou omitido, o prefixo 'gml' é usado

Disponibilidade: 1.3.2

Disponibilidade: 1.5.0 suporte para geografia foi introduzido.

Melhorias: 2.0.0 prefixo suportado foi introduzido. A opção 4 para o GML3 foi introduzida para permitir a utilização da LineString em vez da tag Curva para linhas. O suporte GML3 para superfícies poliédricas e TINS foi introduzidos. A Opção 32 foi introduzida para gerar a caixa.

Alterações: 2.0.0 use argumentos nomeados por padrão

Melhorias: 2.1.0 suporte para id foi introduzido, para GML 3.

[Note]

Somente a versão 3+ de ST_AsGML suporta superfícies poliédricas e TINS.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This function supports Polyhedral surfaces.

This function supports Triangles and Triangulated Irregular Network Surfaces (TIN).

Exemplos: Versão 2

SELECT ST_AsGML(ST_GeomFromText('POLYGON((0 0,0 1,1 1,1 0,0 0))',4326));
                st_asgml
                --------
                <gml:Polygon srsName="EPSG:4326"
><gml:outerBoundaryIs
><gml:LinearRing
><gml:coordinates
>0,0 0,1 1,1 1,0 0,0</gml:coordinates
></gml:LinearRing
></gml:outerBoundaryIs
></gml:Polygon
>
                        

Exemplos: Versão 3

-- Flip coordinates and output extended EPSG (16 | 1)--
SELECT ST_AsGML(3, ST_GeomFromText('POINT(5.234234233242 6.34534534534)',4326), 5, 17);
                        st_asgml
                        --------
                <gml:Point srsName="urn:ogc:def:crs:EPSG::4326"
><gml:pos
>6.34535 5.23423</gml:pos
></gml:Point
>
                        
-- Output the envelope (32) --
SELECT ST_AsGML(3, ST_GeomFromText('LINESTRING(1 2, 3 4, 10 20)',4326), 5, 32);
                st_asgml
                --------
        <gml:Envelope srsName="EPSG:4326">
                <gml:lowerCorner
>1 2</gml:lowerCorner>
                <gml:upperCorner
>10 20</gml:upperCorner>
        </gml:Envelope
>
                        
-- Output the envelope (32) , reverse (lat lon instead of lon lat) (16), long srs (1)= 32 | 16 | 1 = 49 --
SELECT ST_AsGML(3, ST_GeomFromText('LINESTRING(1 2, 3 4, 10 20)',4326), 5, 49);
        st_asgml
        --------
<gml:Envelope srsName="urn:ogc:def:crs:EPSG::4326">
        <gml:lowerCorner
>2 1</gml:lowerCorner>
        <gml:upperCorner
>20 10</gml:upperCorner>
</gml:Envelope
>
                        
-- Polyhedral Example --
SELECT ST_AsGML(3, ST_GeomFromEWKT('POLYHEDRALSURFACE( ((0 0 0, 0 0 1, 0 1 1, 0 1 0, 0 0 0)),
((0 0 0, 0 1 0, 1 1 0, 1 0 0, 0 0 0)), ((0 0 0, 1 0 0, 1 0 1, 0 0 1, 0 0 0)),
((1 1 0, 1 1 1, 1 0 1, 1 0 0, 1 1 0)),
((0 1 0, 0 1 1, 1 1 1, 1 1 0, 0 1 0)), ((0 0 1, 1 0 1, 1 1 1, 0 1 1, 0 0 1)) )'));
        st_asgml
        --------
 <gml:PolyhedralSurface>
<gml:polygonPatches>
   <gml:PolygonPatch>
                <gml:exterior>
                          <gml:LinearRing>
                                   <gml:posList srsDimension="3"
>0 0 0 0 0 1 0 1 1 0 1 0 0 0 0</gml:posList>
                          </gml:LinearRing>
                </gml:exterior>
   </gml:PolygonPatch>
   <gml:PolygonPatch>
                <gml:exterior>
                          <gml:LinearRing>
                                   <gml:posList srsDimension="3"
>0 0 0 0 1 0 1 1 0 1 0 0 0 0 0</gml:posList>
                          </gml:LinearRing>
                </gml:exterior>
   </gml:PolygonPatch>
   <gml:PolygonPatch>
                <gml:exterior>
                          <gml:LinearRing>
                                   <gml:posList srsDimension="3"
>0 0 0 1 0 0 1 0 1 0 0 1 0 0 0</gml:posList>
                          </gml:LinearRing>
                </gml:exterior>
   </gml:PolygonPatch>
   <gml:PolygonPatch>
                <gml:exterior>
                          <gml:LinearRing>
                                   <gml:posList srsDimension="3"
>1 1 0 1 1 1 1 0 1 1 0 0 1 1 0</gml:posList>
                          </gml:LinearRing>
                </gml:exterior>
   </gml:PolygonPatch>
   <gml:PolygonPatch>
                <gml:exterior>
                          <gml:LinearRing>
                                   <gml:posList srsDimension="3"
>0 1 0 0 1 1 1 1 1 1 1 0 0 1 0</gml:posList>
                          </gml:LinearRing>
                </gml:exterior>
   </gml:PolygonPatch>
   <gml:PolygonPatch>
                <gml:exterior>
                          <gml:LinearRing>
                                   <gml:posList srsDimension="3"
>0 0 1 1 0 1 1 1 1 0 1 1 0 0 1</gml:posList>
                          </gml:LinearRing>
                </gml:exterior>
   </gml:PolygonPatch>
</gml:polygonPatches>
</gml:PolyhedralSurface
>
                        

Veja também.

ST_GeomFromGML


Name

ST_AsHEXEWKB — Retorna uma geometria no formato HEXEWKB (como texto) usando little-endian (NDR) ou big-endian (XDR) encoding.

Synopsis

text ST_AsHEXEWKB(geometry g1, text NDRorXDR);

text ST_AsHEXEWKB(geometry g1);

Descrição

Retorna uma geometria no formato HEXEWKB (como texto) usando little-endian (NDR) ou big-endian (XDR) encoding. Se nenhum encoding estiver especificado, então o NDR é usado.

[Note]

Disponibilidade: 1.2.2

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This method supports Circular Strings and Curves

Examples

SELECT ST_AsHEXEWKB(ST_GeomFromText('POLYGON((0 0,0 1,1 1,1 0,0 0))',4326));
                which gives same answer as

                SELECT ST_GeomFromText('POLYGON((0 0,0 1,1 1,1 0,0 0))',4326)::text;

                st_ashexewkb
                --------
                0103000020E6100000010000000500
                00000000000000000000000000000000
                00000000000000000000000000000000F03F
                000000000000F03F000000000000F03F000000000000F03
                F000000000000000000000000000000000000000000000000

Name

ST_AsKML — Retorna a geometria como um elemento KML. Muitas variantes. Versão padrão=2, precisão padrão=15

Synopsis

text ST_AsKML(geometry geom, integer maxdecimaldigits=15);

text ST_AsKML(geography geog, integer maxdecimaldigits=15);

text ST_AsKML(integer version, geometry geom, integer maxdecimaldigits=15, text nprefix=NULL);

text ST_AsKML(integer version, geography geog, integer maxdecimaldigits=15, text nprefix=NULL);

Descrição

Retorna a geometria como um elemento Keyhole Markup Language (KML). Existem muitas variantes desta função. Número máximo de casas decimais usado na saída (padrão 15), versão para 2 e o namespace não tem prefixo.

Versão 1: ST_AsKML(geom_or_geog, maxdecimaldigits) / versão=2 / maxdecimaldigits=15

Versão 2: ST_AsKML(version, geom_or_geog, maxdecimaldigits, nprefix) maxdecimaldigits=15 / nprefix=NULL

[Note]

Requer que PostGIS seja compilado com o suporte Porj. Use PostGIS_Full_Version para confirmar que você o suporte proj compilado.

[Note]

Disponibilidade: 1.2.2 - variantes futuras que incluem parâmetro versão que veio em 1.3.2

[Note]

Melhorias: 2.0.0 - Adiciona namespace prefixo. O padrão é não ter nenhum prefixo

[Note]

Alterações: 2.0.0 - suporte padrão args e suporta args nomeados

[Note]

A saída AsKML não funcionará com geometrias que não possuem um SRID

This function supports 3d and will not drop the z-index.

Examples

SELECT ST_AsKML(ST_GeomFromText('POLYGON((0 0,0 1,1 1,1 0,0 0))',4326));

                st_askml
                --------
                <Polygon
><outerBoundaryIs
><LinearRing
><coordinates
>0,0 0,1 1,1 1,0 0,0</coordinates
></LinearRing
></outerBoundaryIs
></Polygon>

                --3d linestring
                SELECT ST_AsKML('SRID=4326;LINESTRING(1 2 3, 4 5 6)');
                <LineString
><coordinates
>1,2,3 4,5,6</coordinates
></LineString>
                
                

Veja também.

ST_AsSVG, ST_AsGML


Name

ST_AsLatLonText — Retorna a representação de Graus, Minutos, Segundos do ponto dado.

Synopsis

text ST_AsLatLonText(geometry pt, text format='');

Descrição

Returns the Degrees, Minutes, Seconds representation of the point.

[Note]

É suposto que o ponto é uma projeção lat/lon. As coordenadas X (lon) e Y (lat), são normalizadas na saída para o alcance "normal" (-180 to +180 para lon, -90 para +90 para lat).

O texto parâmetro é um formato string que contém o formato do texto resultante, parecido com uma string de formato data. Tokens válidos são "D" para graus, "M" para minutos, "S" para segundos e "C" para direções cardiais (NSLO). Os tokens DMS podem se repetir para indicar a largura e precisão desejadas ("SSS.SSSS" significa " 1.0023").

"M", "S", e "C" são opcionais. Se "C" estiverem omitidas, os graus são mostrados com um "-" se sul ou oeste. Se "S" estiver omitido, os minutos serão mostrados como decimais com com tanta precisão de dígitos quanto você especificar. Se "M" também estiver omitido, os graus serão mostrados como decimais com tanta precisão de dígitos quanto você especificar.

Se a string formato for omitida (ou tiver tamanho zero) um formato padrão será usado.

Disponibilidade: 2.0

Examples

Formato padrão.

SELECT (ST_AsLatLonText('POINT (-3.2342342 -2.32498)'));
      st_aslatlontext
----------------------------
 2°19'29.928"S 3°14'3.243"W

Fornecendo um formato (o mesmo do padrão).

SELECT (ST_AsLatLonText('POINT (-3.2342342 -2.32498)', 'D°M''S.SSS"C'));
      st_aslatlontext
----------------------------
 2°19'29.928"S 3°14'3.243"W

Outros caracteres além de D, M, S, C e . são somente passados.

SELECT (ST_AsLatLonText('POINT (-3.2342342 -2.32498)', 'D degrees, M minutes, S seconds to the C'));
                                   st_aslatlontext
--------------------------------------------------------------------------------------
 2 degrees, 19 minutes, 30 seconds to the S 3 degrees, 14 minutes, 3 seconds to the W

Graus assinados em vez de direções cardiais.

SELECT (ST_AsLatLonText('POINT (-3.2342342 -2.32498)', 'D°M''S.SSS"'));
      st_aslatlontext
----------------------------
 -2°19'29.928" -3°14'3.243"

Graus decimais.

SELECT (ST_AsLatLonText('POINT (-3.2342342 -2.32498)', 'D.DDDD degrees C'));
          st_aslatlontext
-----------------------------------
 2.3250 degrees S 3.2342 degrees W

Valores excessivamente grandes são normalizados.

SELECT (ST_AsLatLonText('POINT (-302.2342342 -792.32498)'));
        st_aslatlontext
-------------------------------
 72°19'29.928"S 57°45'56.757"E

Name

ST_AsSVG — Retorna uma geometria em dados SVG path, dado um objeto de geometria ou geografia.

Synopsis

text ST_AsSVG(geometry geom, integer rel=0, integer maxdecimaldigits=15);

text ST_AsSVG(geography geog, integer rel=0, integer maxdecimaldigits=15);

Descrição

Retorna a geometria como dados Scalar Vector Graphics (SVG). Use 1 como segundo argumento para ter os dados path implementados em termo de movimentos relacionados, o padrão (ou 0) utiliza movimento absolutos. O terceiro argumento pode ser usado para reduzir o máximo número de dígitos decimais usados na saída (padrão 15). Geometrias pontuais, serão renderizadas como cx/cy quando o argumento 'rel' for 0, x/y quando 'rel' for 1. Geometrias multipontuais são delimitadas por vírgulas (","). As geometrias GeometryCollection são delimitadas por ponto e vírgula (";").

[Note]

Disponibilidade: 1.2.2. Disponibilidade: 1.4.0 Alterado em PostGIS 1.4.0 para incluir comando L em path absoluto para entrar em conformidade com http://www.w3.org/TR/SVG/paths.html#PathDataBNF

Alterações: 2.0.0 para usar args padrão e suporta args nomeados

Examples

SELECT ST_AsSVG(ST_GeomFromText('POLYGON((0 0,0 1,1 1,1 0,0 0))',4326));

                st_assvg
                --------
                M 0 0 L 0 -1 1 -1 1 0 Z

Name

ST_AsText — Retorna a representação de texto bem conhecida (WKT) da geometria/geografia sem os meta dados do SRID.

Synopsis

text ST_AsText(geometry g1);

text ST_AsText(geography g1);

Descrição

Retorna a representação de texto bem conhecida da geometria/geografia.

[Note]

O WKB spec não inclui o SRID. Para obter o SRID como parte dos dados, use o PostGIS não padronizado ST_AsEWKT

O formato WKT não mantém a precisão, então para prevenir truncamento flutuante, use formato ST_AsBinary ou ST_AsEWKB para o transporte.

[Note]

ST_AsText é o reverso de ST_GeomFromText. Use ST_GeomFromText para converter para uma geometria postgis da representação ST_AsText.

Disponibilidade: 1.5 - suporte para geografia foi introduzido.

This method implements the OpenGIS Simple Features Implementation Specification for SQL 1.1. s2.1.1.1

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 5.1.25

This method supports Circular Strings and Curves

Examples

SELECT ST_AsText('01030000000100000005000000000000000000
000000000000000000000000000000000000000000000000
F03F000000000000F03F000000000000F03F000000000000F03
F000000000000000000000000000000000000000000000000');

                   st_astext
--------------------------------
 POLYGON((0 0,0 1,1 1,1 0,0 0))
(1 row)

Name

ST_AsTWKB — Retorna a geometria como TWKB, também conhecido como "Tiny Well-Known Binary"

Synopsis

bytea ST_AsTWKB(geometry g1, integer decimaldigits_xy=0, integer decimaldigits_z=0, integer decimaldigits_m=0, boolean include_sizes=false, boolean include_bounding boxes=false);

bytea ST_AsTWKB(geometry[] geometries, bigint[] unique_ids, integer decimaldigits_xy=0, integer decimaldigits_z=0, integer decimaldigits_m=0, boolean include_sizes=false, boolean include_bounding_boxes=false);

Descrição

Retorna a geometria no formato TWKB (Tiny Well-Known Binary). TWKB é um compressed binary format com foco em minimizar o tamanho da saída.

Os parâmetros de dígitos decimais controlam quanta precisão está armazenada na saída. Por padrão, valores são arredondados para a unidade mais pŕoxima antes de encoding. Por exemplo: um valor de 1 implica que o primeiro dígito a direita do ponto decimal será preservado.

Os tamanhos e os parâmetros das caixas limitadoras controlam onde as informações opcionais sobre o tamanho do encoding do objeto e os limites do objeto estão incluídas na saída. Por padrão elas não estão. Não as inclua a menos que o software do seu cliente tenha um uso para elas, como elas só ocupa espaço (e economizar espaço é o objeto do TWKB).

A forma arranjo entrada da função é usada para converter uma coleção de geometrias e identificadores únicos em uma coleção TWKB que preserva os identificadores. Isto é útil para clientes que esperam desempacotar uma coleção e acessar informações futuras sobre os objetos que estão dentro. Você pode criar os arranjos usando a função array_agg. Os outros parâmetros funcionam da mesma forma para o formato simples da função.

[Note]

O formato de especificação está disponível online em https://github.com/TWKB/Specification, e o código para construir um cliente JavaScript pode ser encontrado em https://github.com/TWKB/twkb.js.

Enhanced: 2.4.0 memory and speed improvements.

Disponibilidade: 2.2.0

Examples

SELECT ST_AsTWKB('LINESTRING(1 1,5 5)'::geometry);
                 st_astwkb
--------------------------------------------
\x02000202020808

Para criar um objeto TWKB agregado, incluir identificadores agrega as geometrias e objetos desejado primeiro, utilizando "array_agg()", então, utilize a função TWKB apropriada.

SELECT ST_AsTWKB(array_agg(geom), array_agg(gid)) FROM mytable;
                 st_astwkb
--------------------------------------------
\x040402020400000202

Name

ST_AsX3D — Retorna uma geometria em X3D nó xml formato do elemento: ISO-IEC-19776-1.2-X3DEncodings-XML

Synopsis

text ST_AsX3D(geometry g1, integer maxdecimaldigits=15, integer options=0);

Descrição

Retorna uma geometria como um elemento nó formatado X3D xml http://www.web3d.org/standards/number/19776-1. Se maxdecimaldigits (precisão) não estiver especificada, então, leva para 15.

[Note]

Existem vários motivos para traduzir as geometrias PostGIS para X3D já que os tipos de geometria X3D não mapeiam diretamente para os tipos de geometria do PostGIS e alguns tipos X3D mais novos, que podem ser os melhores mapeadores que estávamos evitando já que a maioria das ferramentas renderizadoras não suportam eles. Sinta-se livre para postar um comentário se você tiver ideias de como podemos permitir as pessoas a indicarem seus mapeamentos preferidos.

Abaixo está como nós mapeamos os tipos 2D/3D do PostGIS para os tipos X3D, no momento

O argumento 'opções' é um bitfield. Para o PostGIS 2.2+, isto é usado para indicar onde representar as coordenadas atuais com o nó X3D GeoCoordinates Geospatial e, além disso, onde derrubar os eixos x/y. Por padrão, ST_AsX3D gera na forma de banco de dados (long,lat or X,Y), mas X3D de lat/lon, y/x podem ser preferidos.

  • 0: X/Y na ordem de banco de dados (ex: ling/lat = X,Y é a ordem padrão de banco de dados), valor padrão e coordenadas não-espaciais (somente coordenada tag antiga).

  • 1: Lançar X e Y. Se usado em conjunção com a opção de trocar a geocoordenada, então, a saída será "latitude_first" e as coordenadas serão lançadas também.

  • 2: Gera coordenadas no GeoSpatial GeoCoordinates. Esta opção lançará um erro se as geometrias não estiverem na WGS 84 long lat (srid: 4326). Este é o único tipo GeoCoordinate suportado. Refer to X3D specs specifying a spatial reference system.. Saída padrão será: GeoCoordinate geoSystem='"GD" "WE" "longitude_first"'. If you prefer the X3D default of GeoCoordinate geoSystem='"GD" "WE" "latitude_first"' use (2 + 1) = 3

Tipo PostGIS Tipo 2D X3D Tipo 3D X3D
LINESTRINGainda não foi implementado - será PoliLinha2DLineSet
MULTILINESTRINGainda não foi implementado - será PoliLinha2DIndexedLineSet
MULTIPONTOPoliponto2DPointSet
PONTOgera as coordenadas delimitadas pelo espaçogera as coordenadas delimitadas pelo espaço
(MULTI) POLÍGONO, SUPERFÍCIE POLIÉDRICAMarcação X3D inválidaIndexedFaceSet (anéis interiores atualmente gerados como outro faceset)
TINTriangleSet2D (ainda não implementado)IndexedTriangleSet
[Note]

O suporte para geometrias 2D ainda não está completo. Os anéis interiores apenas desenhados como polígonos separados. Estamos trabalhando nisto.

Muitos avanços acontecendo no espaço 3D particularmente com X3D Integration with HTML5

Existe uma ótima fonte de visualizador X3D que você pode usar para ver as geometrias renderizadas. Free Wrl http://freewrl.sourceforge.net/ binários para Mac, Linux, and Windows. Use FreeWRL_Launcher compactados para visualizar as geometrias.

Veja tambémPostGIS minimalist X3D viewer que utiliza esta função e x3dDom html/js fonte aberta toolkit.

Disponibilidade: 2.0.0: ISO-IEC-19776-1.2-X3DEncodings-XML

Melhorias: 2.2.0: Suporte para GeoCoordinates e eixos (x/y, long/lat) lançando. Observe as opções para mais detalhes.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This function supports Polyhedral surfaces.

This function supports Triangles and Triangulated Irregular Network Surfaces (TIN).

Exemplo: Cria um documento X3D completamente funcional - Isto irá gerar um cubo visível no FreeWrl e outros visualizadores X3D.

SELECT '<?xml version="1.0" encoding="UTF-8"?>
<!DOCTYPE X3D PUBLIC "ISO//Web3D//DTD X3D 3.0//EN" "http://www.web3d.org/specifications/x3d-3.0.dtd">
<X3D>
  <Scene>
    <Transform>
      <Shape>
       <Appearance>
            <Material emissiveColor=''0 0 1''/>
       </Appearance
> ' ||
       ST_AsX3D( ST_GeomFromEWKT('POLYHEDRALSURFACE( ((0 0 0, 0 0 1, 0 1 1, 0 1 0, 0 0 0)),
((0 0 0, 0 1 0, 1 1 0, 1 0 0, 0 0 0)), ((0 0 0, 1 0 0, 1 0 1, 0 0 1, 0 0 0)),
((1 1 0, 1 1 1, 1 0 1, 1 0 0, 1 1 0)),
((0 1 0, 0 1 1, 1 1 1, 1 1 0, 0 1 0)), ((0 0 1, 1 0 1, 1 1 1, 0 1 1, 0 0 1)) )')) ||
      '</Shape>
    </Transform>
  </Scene>
</X3D
>' As x3ddoc;

                x3ddoc
                --------
<?xml version="1.0" encoding="UTF-8"?>
<!DOCTYPE X3D PUBLIC "ISO//Web3D//DTD X3D 3.0//EN" "http://www.web3d.org/specifications/x3d-3.0.dtd">
<X3D>
  <Scene>
    <Transform>
      <Shape>
       <Appearance>
            <Material emissiveColor='0 0 1'/>
       </Appearance>
       <IndexedFaceSet  coordIndex='0 1 2 3 -1 4 5 6 7 -1 8 9 10 11 -1 12 13 14 15 -1 16 17 18 19 -1 20 21 22 23'>
            <Coordinate point='0 0 0 0 0 1 0 1 1 0 1 0 0 0 0 0 1 0 1 1 0 1 0 0 0 0 0 1 0 0 1 0 1 0 0 1 1 1 0 1 1 1 1 0 1 1 0 0 0 1 0 0 1 1 1 1 1 1 1 0 0 0 1 1 0 1 1 1 1 0 1 1' />
      </IndexedFaceSet>
      </Shape>
    </Transform>
  </Scene>
</X3D
>

Exemplo: Um octógono elevado 3 unidades e com precisão decimal de 6

SELECT ST_AsX3D(
ST_Translate(
    ST_Force_3d(
        ST_Buffer(ST_Point(10,10),5, 'quad_segs=2')), 0,0,
    3)
  ,6) As x3dfrag;

x3dfrag
--------
<IndexedFaceSet coordIndex="0 1 2 3 4 5 6 7">
    <Coordinate point="15 10 3 13.535534 6.464466 3 10 5 3 6.464466 6.464466 3 5 10 3 6.464466 13.535534 3 10 15 3 13.535534 13.535534 3 " />
</IndexedFaceSet
>

Exemplo: TIN

SELECT ST_AsX3D(ST_GeomFromEWKT('TIN (((
                0 0 0,
                0 0 1,
                0 1 0,
                0 0 0
            )), ((
                0 0 0,
                0 1 0,
                1 1 0,
                0 0 0
            ))
            )')) As x3dfrag;

                x3dfrag
                --------
<IndexedTriangleSet  index='0 1 2 3 4 5'
><Coordinate point='0 0 0 0 0 1 0 1 0 0 0 0 0 1 0 1 1 0'/></IndexedTriangleSet
>

Exemplo: Multilinestring fechada (o limite de um polígono com buracos)

SELECT ST_AsX3D(
                    ST_GeomFromEWKT('MULTILINESTRING((20 0 10,16 -12 10,0 -16 10,-12 -12 10,-20 0 10,-12 16 10,0 24 10,16 16 10,20 0 10),
  (12 0 10,8 8 10,0 12 10,-8 8 10,-8 0 10,-8 -4 10,0 -8 10,8 -4 10,12 0 10))')
) As x3dfrag;

                x3dfrag
                --------
<IndexedLineSet  coordIndex='0 1 2 3 4 5 6 7 0 -1 8 9 10 11 12 13 14 15 8'>
    <Coordinate point='20 0 10 16 -12 10 0 -16 10 -12 -12 10 -20 0 10 -12 16 10 0 24 10 16 16 10 12 0 10 8 8 10 0 12 10 -8 8 10 -8 0 10 -8 -4 10 0 -8 10 8 -4 10 ' />
 </IndexedLineSet
>

Name

ST_GeoHash — Retorna uma representação GeoHash da geometria.

Synopsis

text ST_GeoHash(geometry geom, integer maxchars=full_precision_of_point);

Descrição

Retorna uma representação GeoHash (http://en.wikipedia.org/wiki/Geohash) da geometria. Uma GeoHash codifica um ponto dentro de uma forma de texto que é classificável e pesquisável baseado em prefixos. Um GeoHash menor é uma representação menos precisa de um ponto. Pode ser pensado como uma caixa que contém o ponto atual.

Se nenhum maxchars é especificado, ST_GeoHash retorna um GeoHash baseado na precisão completa do tipo de geometria de entrada. Os pontos retornam um GeoHash com 20 caracteres de precisão (o suficiente para segurar a precisão dupla da entrada). Or outros tipos retornam um GeoHash com uma quantidade de precisão variável, baseada no tamanho da característica. Traços maiores são representados com menos precisão, traços menores com mais precisão. A ideia é que a caixa sugerida pelo GeoHash sempre conterá o traço de entrada.

Se maxchars está especificado, ST_GeoHash retorna um GeoHash com no máximo muitos caracteres, então uma representação de precisão menor da geometria de entrada. Para não pontos, o ponto de início do cálculo é o centro da caixa limitadora da geometria.

Disponibilidade: 1.4.0

[Note]

ST_GeoHash não funcionará com geometrias que não estão nas coordenadas geográficas (lon/lat).

This method supports Circular Strings and Curves

Examples

SELECT ST_GeoHash(ST_SetSRID(ST_MakePoint(-126,48),4326));

         st_geohash
----------------------
 c0w3hf1s70w3hf1s70w3

SELECT ST_GeoHash(ST_SetSRID(ST_MakePoint(-126,48),4326),5);

 st_geohash
------------
 c0w3h
                
                

Veja também.

ST_GeomFromGeoHash


Name

ST_AsGeoJSON — Retorna uma representação GeoHash da geometria.

Synopsis

bytea ST_AsEWKB(geometry g1);

bytea ST_AsEWKB(geometry g1, text NDR_or_XDR);

Descrição

Return a Geobuf representation (https://github.com/mapbox/geobuf) of a set of rows corresponding to a FeatureCollection. Every input geometry is analyzed to determine maximum precision for optimal storage. Note that Geobuf in its current form cannot be streamed so the full output will be assembled in memory.

row row data with at least a geometry column.

geom_name is the name of the geometry column in the row data. If NULL it will default to the first found geometry column.

Disponibilidade: 2.2.0

Examples

SELECT encode(ST_AsGeobuf(q, 'geom'), 'base64')
    FROM (SELECT ST_GeomFromText('POLYGON((0 0,0 1,1 1,1 0,0 0))') AS geom) AS q;
 st_asgeobuf
----------------------------------
 GAAiEAoOCgwIBBoIAAAAAgIAAAE=

                
                

Name

ST_AsSVG — Transform a geometry into the coordinate space of a Mapbox Vector Tile.

Synopsis

text ST_AsHEXEWKB(geometry g1, text NDRorXDR);

text ST_AsHEXEWKB(geometry g1);

Descrição

Transform a geometry into the coordinate space of a Mapbox Vector Tile of a set of rows corresponding to a Layer. Makes best effort to keep and even correct validity and might collapse geometry into a lower dimension in the process.

geom is the geometry to transform.

bounds is the geometric bounds of the tile contents without buffer.

extent is the tile extent in tile coordinate space as defined by the specification. If NULL it will default to 4096.

buffer is the buffer distance in tile coordinate space to optionally clip geometries. If NULL it will default to 256.

clip_geom is a boolean to control if geometries should be clipped or encoded as is. If NULL it will default to true.

Disponibilidade: 2.2.0

Examples

SELECT ST_AsText(ST_AsMVTGeom(
        ST_GeomFromText('POLYGON ((0 0, 10 0, 10 5, 0 -5, 0 0))'),
        ST_MakeBox2D(ST_Point(0, 0), ST_Point(4096, 4096)),
        4096, 0, false));
                              st_astext
--------------------------------------------------------------------
 MULTIPOLYGON(((5 4096,10 4096,10 4091,5 4096)),((5 4096,0 4096,0 4101,5 4096)))

                
                

Name

ST_AsGML — Return a Mapbox Vector Tile representation of a set of rows.

Synopsis

text ST_AsKML(geometry geom, integer maxdecimaldigits=15);

text ST_AsKML(geography geog, integer maxdecimaldigits=15);

text ST_AsKML(integer version, geometry geom, integer maxdecimaldigits=15, text nprefix=NULL);

text ST_AsKML(integer version, geography geog, integer maxdecimaldigits=15, text nprefix=NULL);

Descrição

Return a Mapbox Vector Tile representation of a set of rows corresponding to a Layer. Multiple calls can be concatenated to a tile with multiple Layers. Geometry is assumed to be in tile coordinate space and valid as per specification. Typically ST_AsSVG can be used to transform geometry into tile coordinate space. Other row data will be encoded as attributes.

The Mapbox Vector Tile format can store features with a different set of attributes per feature. To make use of this feature supply a JSONB column in the row data containing Json objects one level deep. The keys and values in the object will be parsed into feature attributes.

[Important]

Do not call with a GEOMETRYCOLLECTION as an element in the row. However you can use ST_AsSVG to prep a geometry collection for inclusion.

row row data with at least a geometry column.

name is the name of the Layer. If NULL it will use the string "default".

extent is the tile extent in screen space as defined by the specification. If NULL it will default to 4096.

geom_name is the name of the geometry column in the row data. If NULL it will default to the first found geometry column.

Disponibilidade: 2.2.0

Examples

SELECT ST_AsMVT(q, 'test', 4096, 'geom') FROM (SELECT 1 AS c1,
    ST_AsMVTGeom(ST_GeomFromText('POLYGON ((35 10, 45 45, 15 40, 10 20, 35 10), (20 30, 35 35, 30 20, 20 30))'),
    ST_MakeBox2D(ST_Point(0, 0), ST_Point(4096, 4096)), 4096, 0, false) AS geom) AS q;
                              st_asmvt
--------------------------------------------------------------------
 \x1a320a0474657374121d12020000180322150946ec3f1a14453b0a09280f091413121e09091e0f1a026331220228012880207802

                
                

Veja também.

ST_AsSVG

8.8. Operadores

&& — Retorna VERDADE se a caixa limitadora 2D de A intersecta a caixa limitadora 2D de B.
&&(geometry,box2df) — Retorna VERDADE se a caixa limitadora 2D de A intersecta a caixa limitadora 2D de B.
&&(box2df,geometry) — Retorna VERDADE se a caixa limitadora 2D de A intersecta a caixa limitadora 2D de B.
&&(box2df,box2df) — Retorna VERDADE se a caixa limitadora 2D de A intersecta a caixa limitadora 2D de B.
&&& — Retorna VERDADE se a caixa limitadora n-D de A intersecta a caixa limitadora n-D de B.
&&& — Retorna VERDADE se a caixa limitadora n-D de A intersecta a caixa limitadora n-D de B.
&&& — Retorna VERDADE se a caixa limitadora n-D de A intersecta a caixa limitadora n-D de B.
&&& — Retorna VERDADE se a caixa limitadora n-D de A intersecta a caixa limitadora n-D de B.
&< — Retorna VERDADE se a caixa limitadora de A sobrepõe ou está à esquerda de B.
&<| — Retorna VERDADE se a caixa limitadora de A sobrepõe ou está abaixo de B.
&> — Retorna VERDADE se a caixa limitadora de A sobrepõe ou está à direita de B.
<< — Retorna VERDADE se uma caixa limitadora de A está estritamente à esquerda da de B.
<<| — Retorna VERDADE se uma caixa limitadora de A está estritamente abaixo da de B.
= — O operador ~ retorna VERDADE se a caixa limitadora da geometria/geografia A for a mesma da caixa limitadora da geometria/geografia B.
>> — Returns TRUE if A's bounding box is strictly to the right of B's.
@ — Retorna VERDADE se uma caixa limitadora de A está contida pela de B.
@(geometry,box2df) — Retorna VERDADEse a caixa limitadora de A for a mesma de B. Utiliza precisão dupla de caixa limitadora.
@(box2df,geometry) — Retorna VERDADE se a caixa limitadora 2D de A intersecta a caixa limitadora 2D de B.
@(box2df,box2df) — Retorna VERDADEse a caixa limitadora de A for a mesma de B. Utiliza precisão dupla de caixa limitadora.
|&> — Retorna VERDADE se a caixa limitadora de A sobrepõe ou está acima de B.
|>> — Retorna VERDADE se uma caixa limitadora de A está estritamente acima da de B.
~ — Retorna VERDADE se uma caixa limitadora de A contém a de B.
~(geometry,box2df) — Retorna VERDADE se a caixa limitadora 2D de A intersecta a caixa limitadora 2D de B.
~(box2df,geometry) — Retorna VERDADE se a caixa limitadora 2D de A intersecta a caixa limitadora 2D de B.
~(box2df,box2df) — Retorna VERDADEse a caixa limitadora de A for a mesma de B. Utiliza precisão dupla de caixa limitadora.
~= — Retorna VERDADE se a caixa limitadora de A é a mesma de B.
<-> — Retorna a distância 2D entre A e B.
|=| — Retorna a distância entre As trajetórias A e B ao ponto de aproximação mais perto.
<#> — Retorna a distância 2D entre as caixas limitadoras de A e B.
<<->> — Retorna a distância n-D entre as centroides das caixas limitadoras de A e B.
<<#>> — Retorna a distância n-D entre as caixas limitadoras de A e B.

Name

&& — Retorna VERDADE se a caixa limitadora 2D de A intersecta a caixa limitadora 2D de B.

Synopsis

boolean &&( geometry A , geometry B );

boolean &&( geography A , geography B );

Descrição

O operador && retorna VERDADE se a caixa limitadora 2D da geometria A intersecta a caixa limitadora 2D da geometria B.

[Note]

Esse operador fará uso de qualquer um dos indexes que talvez estejam disponíveis nas geometrias.

Melhorias: 2.0.0 suporte a superfícies poliédricas foi introduzido.

Disponibilidade: 1.5.0 Suporte para geografia foi introduzido

This method supports Circular Strings and Curves

This function supports Polyhedral surfaces.

Exemplos

SELECT tbl1.column1, tbl2.column1, tbl1.column2 && tbl2.column2 AS overlaps
FROM ( VALUES
        (1, 'LINESTRING(0 0, 3 3)'::geometry),
        (2, 'LINESTRING(0 1, 0 5)'::geometry)) AS tbl1,
( VALUES
        (3, 'LINESTRING(1 2, 4 6)'::geometry)) AS tbl2;

 column1 | column1 | overlaps
---------+---------+----------
           1 |       3 | t
           2 |       3 | f
(2 rows)

Veja também.

|&>, &>, &<|, &<, ~, @


Name

&&(geometry,box2df) — Retorna VERDADE se a caixa limitadora 2D de A intersecta a caixa limitadora 2D de B.

Synopsis

boolean &&&( geometry A , geometry B );

Descrição

O operador && retorna VERDADE se a caixa limitadora 2D da geometria A intersecta a caixa limitadora 2D da geometria B.

[Note]

This operand is intended to be used internally by BRIN indexes, more than by users.

Disponibilidade: 1.5.0 Suporte para geografia foi introduzido

This method supports Circular Strings and Curves

This function supports Polyhedral surfaces.

Exemplos

SELECT ST_MakePoint(1,1) && ST_MakeBox2D(ST_MakePoint(0,0), ST_MakePoint(2,2)) AS overlaps;

 overlaps
----------
 t
(1 row)

Name

&&(box2df,geometry) — Retorna VERDADE se a caixa limitadora 2D de A intersecta a caixa limitadora 2D de B.

Synopsis

boolean &&&( geometry A , geometry B );

Descrição

O operador &< retorna VERDADE se a caixa limitadora da geometria A sobrepõe ou está à esquerda da caixa da geometria B, ou mais precisamente, sobrepõe ou NÃO está à direita da caixa limitadora da geometria B.

[Note]

This operand is intended to be used internally by BRIN indexes, more than by users.

Disponibilidade: 1.5.0 Suporte para geografia foi introduzido

This method supports Circular Strings and Curves

This function supports Polyhedral surfaces.

Exemplos

SELECT ST_MakeBox2D(ST_MakePoint(0,0), ST_MakePoint(2,2)) && ST_MakePoint(1,1) AS overlaps;

 overlaps
----------
 t
(1 row)

Name

&&(box2df,box2df) — Retorna VERDADE se a caixa limitadora 2D de A intersecta a caixa limitadora 2D de B.

Synopsis

boolean &&&( geometry A , geometry B );

Descrição

O operador &< retorna VERDADE se a caixa limitadora da geometria A sobrepõe ou está à esquerda da caixa da geometria B, ou mais precisamente, sobrepõe ou NÃO está à direita da caixa limitadora da geometria B.

[Note]

This operator is intended to be used internally by BRIN indexes, more than by users.

Disponibilidade: 1.5.0 Suporte para geografia foi introduzido

This method supports Circular Strings and Curves

This function supports Polyhedral surfaces.

Exemplos

SELECT ST_MakeBox2D(ST_MakePoint(0,0), ST_MakePoint(2,2)) && ST_MakeBox2D(ST_MakePoint(1,1), ST_MakePoint(3,3)) AS overlaps;

 overlaps
----------
 t
(1 row)

Veja também.

&&(geometry,box2df), &>, &<|, &<, ~, @


Name

&&& — Retorna VERDADE se a caixa limitadora n-D de A intersecta a caixa limitadora n-D de B.

Synopsis

boolean &&&( geometry A , geometry B );

Descrição

O operador &&& retorna VERDADE se a caixa limitadora n-D da geometria A intersecta a caixa limitadora n-D da geometria B.

[Note]

Esse operador fará uso de qualquer um dos indexes que talvez estejam disponíveis nas geometrias.

Disponibilidade: 2.0.0

This method supports Circular Strings and Curves

This function supports Polyhedral surfaces.

This function supports Triangles and Triangulated Irregular Network Surfaces (TIN).

This function supports 3d and will not drop the z-index.

Exemplos: LineStrings 3D

SELECT tbl1.column1, tbl2.column1, tbl1.column2 &&& tbl2.column2 AS overlaps_3d,
                                    tbl1.column2 && tbl2.column2 AS overlaps_2d
FROM ( VALUES
        (1, 'LINESTRING Z(0 0 1, 3 3 2)'::geometry),
        (2, 'LINESTRING Z(1 2 0, 0 5 -1)'::geometry)) AS tbl1,
( VALUES
        (3, 'LINESTRING Z(1 2 1, 4 6 1)'::geometry)) AS tbl2;

 column1 | column1 | overlaps_3d | overlaps_2d
---------+---------+-------------+-------------
       1 |       3 | t           | t
       2 |       3 | f           | t

Exemplos: LineStrings 3M

SELECT tbl1.column1, tbl2.column1, tbl1.column2 &&& tbl2.column2 AS overlaps_3zm,
                                    tbl1.column2 && tbl2.column2 AS overlaps_2d
FROM ( VALUES
        (1, 'LINESTRING M(0 0 1, 3 3 2)'::geometry),
        (2, 'LINESTRING M(1 2 0, 0 5 -1)'::geometry)) AS tbl1,
( VALUES
        (3, 'LINESTRING M(1 2 1, 4 6 1)'::geometry)) AS tbl2;

 column1 | column1 | overlaps_3zm | overlaps_2d
---------+---------+-------------+-------------
       1 |       3 | t           | t
       2 |       3 | f           | t

Veja também.

&&


Name

&&& — Retorna VERDADE se a caixa limitadora n-D de A intersecta a caixa limitadora n-D de B.

Synopsis

boolean &&&( geometry A , geometry B );

Descrição

O operador &&& retorna VERDADE se a caixa limitadora n-D da geometria A intersecta a caixa limitadora n-D da geometria B.

[Note]

This operator is intended to be used internally by BRIN indexes, more than by users.

Disponibilidade: 1.5.0 Suporte para geografia foi introduzido

This method supports Circular Strings and Curves

This function supports Polyhedral surfaces.

This function supports Triangles and Triangulated Irregular Network Surfaces (TIN).

This function supports 3d and will not drop the z-index.

Exemplos

SELECT ST_MakePoint(1,1,1) &&& ST_3DMakeBox(ST_MakePoint(0,0,0), ST_MakePoint(2,2,2)) AS overlaps;

 overlaps
----------
 t
(1 row)

Veja também.

&&&, &&


Name

&&& — Retorna VERDADE se a caixa limitadora n-D de A intersecta a caixa limitadora n-D de B.

Synopsis

boolean &&&( geometry A , geometry B );

Descrição

O operador &&& retorna VERDADE se a caixa limitadora n-D da geometria A intersecta a caixa limitadora n-D da geometria B.

[Note]

This operator is intended to be used internally by BRIN indexes, more than by users.

Disponibilidade: 1.5.0 Suporte para geografia foi introduzido

This method supports Circular Strings and Curves

This function supports Polyhedral surfaces.

This function supports Triangles and Triangulated Irregular Network Surfaces (TIN).

This function supports 3d and will not drop the z-index.

Exemplos

SELECT ST_3DMakeBox(ST_MakePoint(0,0,0), ST_MakePoint(2,2,2)) &&& ST_MakePoint(1,1,1) AS overlaps;

 overlaps
----------
 t
(1 row)

Veja também.

&&&, &&


Name

&&& — Retorna VERDADE se a caixa limitadora n-D de A intersecta a caixa limitadora n-D de B.

Synopsis

boolean &&&( geometry A , geometry B );

Descrição

O operador &&& retorna VERDADE se a caixa limitadora n-D da geometria A intersecta a caixa limitadora n-D da geometria B.

[Note]

This operator is intended to be used internally by BRIN indexes, more than by users.

Disponibilidade: 1.5.0 Suporte para geografia foi introduzido

This method supports Circular Strings and Curves

This function supports Polyhedral surfaces.

This function supports Triangles and Triangulated Irregular Network Surfaces (TIN).

This function supports 3d and will not drop the z-index.

Exemplos

SELECT ST_3DMakeBox(ST_MakePoint(0,0,0), ST_MakePoint(2,2,2)) &&& ST_3DMakeBox(ST_MakePoint(1,1,1), ST_MakePoint(3,3,3)) AS overlaps;

 overlaps
----------
 t
(1 row)

Veja também.

&&&, &&


Name

&< — Retorna VERDADE se a caixa limitadora de A sobrepõe ou está à esquerda de B.

Synopsis

boolean &<( geometry A , geometry B );

Descrição

O operador &< retorna VERDADE se a caixa limitadora da geometria A sobrepõe ou está à esquerda da caixa da geometria B, ou mais precisamente, sobrepõe ou NÃO está à direita da caixa limitadora da geometria B.

[Note]

Esse operador fará uso de qualquer um dos indexes que talvez estejam disponíveis nas geometrias.

Exemplos

SELECT tbl1.column1, tbl2.column1, tbl1.column2 &< tbl2.column2 AS overleft
FROM
  ( VALUES
        (1, 'LINESTRING(1 2, 4 6)'::geometry)) AS tbl1,
  ( VALUES
        (2, 'LINESTRING(0 0, 3 3)'::geometry),
        (3, 'LINESTRING(0 1, 0 5)'::geometry),
        (4, 'LINESTRING(6 0, 6 1)'::geometry)) AS tbl2;

 column1 | column1 | overleft
---------+---------+----------
           1 |       2 | f
           1 |       3 | f
           1 |       4 | t
(3 rows)

Veja também.

&&, |&>, &>, &<|


Name

&<| — Retorna VERDADE se a caixa limitadora de A sobrepõe ou está abaixo de B.

Synopsis

boolean &<|( geometry A , geometry B );

Descrição

O operador &<| retorna VERDADE se a caixa limitadora da geometria A sobrepõe ou está abaixo da caixa da geometria B, ou mais precisamente, sobrepõe ou NÃO está acima da caixa limitadora da geometria B.

This method supports Circular Strings and Curves

This function supports Polyhedral surfaces.

[Note]

Esse operador fará uso de qualquer um dos indexes que talvez estejam disponíveis nas geometrias.

Exemplos

SELECT tbl1.column1, tbl2.column1, tbl1.column2 &<| tbl2.column2 AS overbelow
FROM
  ( VALUES
        (1, 'LINESTRING(6 0, 6 4)'::geometry)) AS tbl1,
  ( VALUES
        (2, 'LINESTRING(0 0, 3 3)'::geometry),
        (3, 'LINESTRING(0 1, 0 5)'::geometry),
        (4, 'LINESTRING(1 2, 4 6)'::geometry)) AS tbl2;

 column1 | column1 | overbelow
---------+---------+-----------
           1 |       2 | f
           1 |       3 | t
           1 |       4 | t
(3 rows)

Veja também.

&&, |&>, &>, &<


Name

&> — Retorna VERDADE se a caixa limitadora de A sobrepõe ou está à direita de B.

Synopsis

boolean &>( geometry A , geometry B );

Descrição

O operador &> retorna VERDADE se a caixa limitadora da geometria A sobrepõe ou está à direita da caixa da geometria B, ou mais precisamente, sobrepõe ou NÃO está à esquerda da caixa limitadora da geometria B.

[Note]

Esse operador fará uso de qualquer um dos indexes que talvez estejam disponíveis nas geometrias.

Exemplos

SELECT tbl1.column1, tbl2.column1, tbl1.column2 &> tbl2.column2 AS overright
FROM
  ( VALUES
        (1, 'LINESTRING(1 2, 4 6)'::geometry)) AS tbl1,
  ( VALUES
        (2, 'LINESTRING(0 0, 3 3)'::geometry),
        (3, 'LINESTRING(0 1, 0 5)'::geometry),
        (4, 'LINESTRING(6 0, 6 1)'::geometry)) AS tbl2;

 column1 | column1 | overright
---------+---------+-----------
           1 |       2 | t
           1 |       3 | t
           1 |       4 | f
(3 rows)

Veja também.

&&, |&>, &<|, &<


Name

<< — Retorna VERDADE se uma caixa limitadora de A está estritamente à esquerda da de B.

Synopsis

boolean <<( geometry A , geometry B );

Descrição

O operador << retorna VERDADE se a caixa limitadora da geometria A está estritamente à esquerda da caixa limitadora da geometria B.

[Note]

Esse operador fará uso de qualquer um dos indexes que talvez estejam disponíveis nas geometrias.

Exemplos

SELECT tbl1.column1, tbl2.column1, tbl1.column2 << tbl2.column2 AS left
FROM
  ( VALUES
        (1, 'LINESTRING (1 2, 1 5)'::geometry)) AS tbl1,
  ( VALUES
        (2, 'LINESTRING (0 0, 4 3)'::geometry),
        (3, 'LINESTRING (6 0, 6 5)'::geometry),
        (4, 'LINESTRING (2 2, 5 6)'::geometry)) AS tbl2;

 column1 | column1 | left
---------+---------+------
           1 |       2 | f
           1 |       3 | t
           1 |       4 | t
(3 rows)

Veja também.

>>, |>>, <<|


Name

<<| — Retorna VERDADE se uma caixa limitadora de A está estritamente abaixo da de B.

Synopsis

boolean <<|( geometry A , geometry B );

Descrição

O operador <<| retorna VERDADE se a caixa limitadora da geometria A está estritamente à esquerda da caixa limitadora da geometria B.

[Note]

Esse operador fará uso de qualquer um dos indexes que talvez estejam disponíveis nas geometrias.

Exemplos

SELECT tbl1.column1, tbl2.column1, tbl1.column2 <<| tbl2.column2 AS below
FROM
  ( VALUES
        (1, 'LINESTRING (0 0, 4 3)'::geometry)) AS tbl1,
  ( VALUES
        (2, 'LINESTRING (1 4, 1 7)'::geometry),
        (3, 'LINESTRING (6 1, 6 5)'::geometry),
        (4, 'LINESTRING (2 3, 5 6)'::geometry)) AS tbl2;

 column1 | column1 | below
---------+---------+-------
           1 |       2 | t
           1 |       3 | f
           1 |       4 | f
(3 rows)

Veja também.

<<, >>, |>>


Name

= — O operador ~ retorna VERDADE se a caixa limitadora da geometria/geografia A for a mesma da caixa limitadora da geometria/geografia B.

Synopsis

boolean =( geometry A , geometry B );

boolean =( geography A , geography B );

Descrição

O operador = retorna VERDADE se a caixa limitadora da geometria/geografia A é a mesma da de B. O PostgreSQL usa o operadores =, <, e > definidos para geometrias para representar ordens e comparações internas de geometrias (ex. em um GRUPO ou ORDEM por oração).

[Note]

Only geometry/geography that are exactly equal in all respects, with the same coordinates, in the same order, are considered equal by this operator. For "spatial equality", that ignores things like coordinate order, and can detect features that cover the same spatial area with different representations, use ST_OrderingEquals or ST_Equals

[Caution]

Esse operador NÃO fará uso de qualquer um dos indexes que talvez estejam disponíveis nas geometrias.

Changed: 2.4.0, in prior versions this was bounding box equality not a geometric equality. If you need bounding box equality, use ~= instead.

This method supports Circular Strings and Curves

This function supports Polyhedral surfaces.

Exemplos

SELECT 'LINESTRING(0 0, 0 1, 1 0)'::geometry = 'LINESTRING(1 1, 0 0)'::geometry;
 ?column?
----------
 t
(1 row)

SELECT ST_AsText(column1)
FROM ( VALUES
        ('LINESTRING(0 0, 1 1)'::geometry),
        ('LINESTRING(1 1, 0 0)'::geometry)) AS foo;
          st_astext
---------------------
 LINESTRING(0 0,1 1)
 LINESTRING(1 1,0 0)
(2 rows)

-- Note: the GROUP BY uses the "=" to compare for geometry equivalency.
SELECT ST_AsText(column1)
FROM ( VALUES
        ('LINESTRING(0 0, 1 1)'::geometry),
        ('LINESTRING(1 1, 0 0)'::geometry)) AS foo
GROUP BY column1;
          st_astext
---------------------
 LINESTRING(0 0,1 1)
(1 row)

-- In versions prior to 2.0, this used to return true --
 SELECT ST_GeomFromText('POINT(1707296.37 4820536.77)') =
        ST_GeomFromText('POINT(1707296.27 4820536.87)') As pt_intersect;

--pt_intersect --
f

Veja também.

ST_Equals, ST_OrderingEquals, =


Name

>> — Returns TRUE if A's bounding box is strictly to the right of B's.

Synopsis

boolean >>( geometry A , geometry B );

Descrição

O operador >> retorna VERDADE se a caixa limitadora da geometria A está estritamente à direita da caixa limitadora da geometria B.

[Note]

Esse operador fará uso de qualquer um dos indexes que talvez estejam disponíveis nas geometrias.

Exemplos

SELECT tbl1.column1, tbl2.column1, tbl1.column2 >> tbl2.column2 AS right
FROM
  ( VALUES
        (1, 'LINESTRING (2 3, 5 6)'::geometry)) AS tbl1,
  ( VALUES
        (2, 'LINESTRING (1 4, 1 7)'::geometry),
        (3, 'LINESTRING (6 1, 6 5)'::geometry),
        (4, 'LINESTRING (0 0, 4 3)'::geometry)) AS tbl2;

 column1 | column1 | right
---------+---------+-------
           1 |       2 | t
           1 |       3 | f
           1 |       4 | f
(3 rows)

Veja também.

<<, |>>, <<|


Name

@ — Retorna VERDADE se uma caixa limitadora de A está contida pela de B.

Synopsis

boolean @( geometry A , geometry B );

Descrição

O operador @ retorna VERDADE se a caixa limitadora da geometria A estiver completamente contida pela caixa limitadora da geometria B.

[Note]

Esse operador fará uso de qualquer um dos indexes que talvez estejam disponíveis nas geometrias.

Exemplos

SELECT tbl1.column1, tbl2.column1, tbl1.column2 @ tbl2.column2 AS contained
FROM
  ( VALUES
        (1, 'LINESTRING (1 1, 3 3)'::geometry)) AS tbl1,
  ( VALUES
        (2, 'LINESTRING (0 0, 4 4)'::geometry),
        (3, 'LINESTRING (2 2, 4 4)'::geometry),
        (4, 'LINESTRING (1 1, 3 3)'::geometry)) AS tbl2;

 column1 | column1 | contained
---------+---------+-----------
           1 |       2 | t
           1 |       3 | f
           1 |       4 | t
(3 rows)

Veja também.

~, &&


Name

@(geometry,box2df) — Retorna VERDADEse a caixa limitadora de A for a mesma de B. Utiliza precisão dupla de caixa limitadora.

Synopsis

boolean @( geometry A , geometry B );

Descrição

The @ operator returns TRUE if the A geometry's 2D bounding box is contained the 2D bounding box B, using float precision. This means that if B is a (double precision) box2d, it will be internally converted to a float precision 2D bounding box (BOX2DF)

[Note]

This operand is intended to be used internally by BRIN indexes, more than by users.

Disponibilidade: 1.5.0 Suporte para geografia foi introduzido

This method supports Circular Strings and Curves

This function supports Polyhedral surfaces.

Exemplos

SELECT ST_Buffer(ST_GeomFromText('POINT(2 2)'), 1) @ ST_MakeBox2D(ST_MakePoint(0,0), ST_MakePoint(5,5)) AS is_contained;

 is_contained
--------------
 t
(1 row)

Veja também.

&&(geometry,box2df), &>, &<|, &<, ~, @


Name

@(box2df,geometry) — Retorna VERDADE se a caixa limitadora 2D de A intersecta a caixa limitadora 2D de B.

Synopsis

boolean @( geometry A , geometry B );

Descrição

O operador &< retorna VERDADE se a caixa limitadora da geometria A sobrepõe ou está à esquerda da caixa da geometria B, ou mais precisamente, sobrepõe ou NÃO está à direita da caixa limitadora da geometria B.

[Note]

This operand is intended to be used internally by BRIN indexes, more than by users.

Disponibilidade: 1.5.0 Suporte para geografia foi introduzido

This method supports Circular Strings and Curves

This function supports Polyhedral surfaces.

Exemplos

SELECT ST_MakeBox2D(ST_MakePoint(2,2), ST_MakePoint(3,3)) @ ST_Buffer(ST_GeomFromText('POINT(1 1)'), 10) AS is_contained;

 is_contained
--------------
 t
(1 row)

Veja também.

&&(geometry,box2df), &>, &<|, &<, ~, @


Name

@(box2df,box2df) — Retorna VERDADEse a caixa limitadora de A for a mesma de B. Utiliza precisão dupla de caixa limitadora.

Synopsis

boolean @( geometry A , geometry B );

Descrição

O operador &< retorna VERDADE se a caixa limitadora da geometria A sobrepõe ou está à esquerda da caixa da geometria B, ou mais precisamente, sobrepõe ou NÃO está à direita da caixa limitadora da geometria B.

[Note]

This operand is intended to be used internally by BRIN indexes, more than by users.

Disponibilidade: 1.5.0 Suporte para geografia foi introduzido

This method supports Circular Strings and Curves

This function supports Polyhedral surfaces.

Exemplos

SELECT ST_MakeBox2D(ST_MakePoint(2,2), ST_MakePoint(3,3)) @ ST_MakeBox2D(ST_MakePoint(0,0), ST_MakePoint(5,5)) AS is_contained;

 is_contained
--------------
 t
(1 row)

Veja também.

&&(geometry,box2df), &>, &<|, &<, ~, @


Name

|&> — Retorna VERDADE se a caixa limitadora de A sobrepõe ou está acima de B.

Synopsis

boolean |&>( geometry A , geometry B );

Descrição

O operador |&> retorna VERDADE se a caixa limitadora da geometria A sobrepõe ou está acima da caixa da geometria B, ou mais precisamente, sobrepõe ou NÃO está abaixo da caixa limitadora da geometria B.

[Note]

Esse operador fará uso de qualquer um dos indexes que talvez estejam disponíveis nas geometrias.

Exemplos

SELECT tbl1.column1, tbl2.column1, tbl1.column2 |&> tbl2.column2 AS overabove
FROM
  ( VALUES
        (1, 'LINESTRING(6 0, 6 4)'::geometry)) AS tbl1,
  ( VALUES
        (2, 'LINESTRING(0 0, 3 3)'::geometry),
        (3, 'LINESTRING(0 1, 0 5)'::geometry),
        (4, 'LINESTRING(1 2, 4 6)'::geometry)) AS tbl2;

 column1 | column1 | overabove
---------+---------+-----------
           1 |       2 | t
           1 |       3 | f
           1 |       4 | f
(3 rows)

Veja também.

&&, &>, &<|, &<


Name

|>> — Retorna VERDADE se uma caixa limitadora de A está estritamente acima da de B.

Synopsis

boolean |>>( geometry A , geometry B );

Descrição

O operador <<| retorna VERDADE se a caixa limitadora da geometria A está estritamente à esquerda da caixa limitadora da geometria B.

[Note]

Esse operador fará uso de qualquer um dos indexes que talvez estejam disponíveis nas geometrias.

Exemplos

SELECT tbl1.column1, tbl2.column1, tbl1.column2 |>> tbl2.column2 AS above
FROM
  ( VALUES
        (1, 'LINESTRING (1 4, 1 7)'::geometry)) AS tbl1,
  ( VALUES
        (2, 'LINESTRING (0 0, 4 2)'::geometry),
        (3, 'LINESTRING (6 1, 6 5)'::geometry),
        (4, 'LINESTRING (2 3, 5 6)'::geometry)) AS tbl2;

 column1 | column1 | above
---------+---------+-------
           1 |       2 | t
           1 |       3 | f
           1 |       4 | f
(3 rows)

Veja também.

<<, >>, <<|


Name

~ — Retorna VERDADE se uma caixa limitadora de A contém a de B.

Synopsis

boolean ~( geometry A , geometry B );

Descrição

O operador ~ retorna VERDADE se a caixa limitadora da geometria A estiver completamente contida pela caixa limitadora da geometria B.

[Note]

Esse operador fará uso de qualquer um dos indexes que talvez estejam disponíveis nas geometrias.

Exemplos

SELECT tbl1.column1, tbl2.column1, tbl1.column2 ~ tbl2.column2 AS contains
FROM
  ( VALUES
        (1, 'LINESTRING (0 0, 3 3)'::geometry)) AS tbl1,
  ( VALUES
        (2, 'LINESTRING (0 0, 4 4)'::geometry),
        (3, 'LINESTRING (1 1, 2 2)'::geometry),
        (4, 'LINESTRING (0 0, 3 3)'::geometry)) AS tbl2;

 column1 | column1 | contains
---------+---------+----------
           1 |       2 | f
           1 |       3 | t
           1 |       4 | t
(3 rows)

Veja também.

@, &&


Name

~(geometry,box2df) — Retorna VERDADE se a caixa limitadora 2D de A intersecta a caixa limitadora 2D de B.

Synopsis

boolean ~( geometry A , geometry B );

Descrição

O operador |&> retorna VERDADE se a caixa limitadora da geometria A sobrepõe ou está acima da caixa da geometria B, ou mais precisamente, sobrepõe ou NÃO está abaixo da caixa limitadora da geometria B.

[Note]

This operand is intended to be used internally by BRIN indexes, more than by users.

Disponibilidade: 1.5.0 Suporte para geografia foi introduzido

This method supports Circular Strings and Curves

This function supports Polyhedral surfaces.

Exemplos

SELECT ST_Buffer(ST_GeomFromText('POINT(1 1)'), 10) ~ ST_MakeBox2D(ST_MakePoint(0,0), ST_MakePoint(2,2)) AS contains;

 contains
----------
 t
(1 row)

Name

~(box2df,geometry) — Retorna VERDADE se a caixa limitadora 2D de A intersecta a caixa limitadora 2D de B.

Synopsis

boolean ~( geometry A , geometry B );

Descrição

O operador @ retorna VERDADE se a caixa limitadora da geometria A estiver completamente contida pela caixa limitadora da geometria B.

[Note]

This operand is intended to be used internally by BRIN indexes, more than by users.

Disponibilidade: 1.5.0 Suporte para geografia foi introduzido

This method supports Circular Strings and Curves

This function supports Polyhedral surfaces.

Exemplos

SELECT ST_MakeBox2D(ST_MakePoint(0,0), ST_MakePoint(5,5)) ~ ST_Buffer(ST_GeomFromText('POINT(2 2)'), 1) AS contains;

 contains
----------
 t
(1 row)

Name

~(box2df,box2df) — Retorna VERDADEse a caixa limitadora de A for a mesma de B. Utiliza precisão dupla de caixa limitadora.

Synopsis

boolean ~( geometry A , geometry B );

Descrição

O operador @ retorna VERDADE se a caixa limitadora da geometria A estiver completamente contida pela caixa limitadora da geometria B.

[Note]

This operand is intended to be used internally by BRIN indexes, more than by users.

Disponibilidade: 1.5.0 Suporte para geografia foi introduzido

This method supports Circular Strings and Curves

This function supports Polyhedral surfaces.

Exemplos

SELECT ST_MakeBox2D(ST_MakePoint(0,0), ST_MakePoint(5,5)) ~ ST_MakeBox2D(ST_MakePoint(2,2), ST_MakePoint(3,3)) AS contains;

 contains
----------
 t
(1 row)

Veja também.

&&(geometry,box2df), &>, &<|, &<, ~, @


Name

~= — Retorna VERDADE se a caixa limitadora de A é a mesma de B.

Synopsis

boolean ~=( geometry A , geometry B );

Descrição

O operador ~ retorna VERDADE se a caixa limitadora da geometria/geografia A for a mesma da caixa limitadora da geometria/geografia B.

[Note]

Esse operador fará uso de qualquer um dos indexes que talvez estejam disponíveis nas geometrias.

Disponibilidade: 1.5.0 comportamento alterado

This function supports Polyhedral surfaces.

[Warning]

Esse operador mudou seu comportamento no PostGIS 1.5 de teste para igualdade geométrica de verdade, de apenas checar para igualdade de caixa limitadora. Para complicar as coisas, ele também depende se você fez uma atualização hard ou soft e qual comportamento seu banco de dados tem. Para encontrar qual comportamento seu banco de dados, você pode executar a pesquisa abaixo. Para verificar igualdade verdadeira, use: ST_OrderingEquals or ST_Equals e para verificar igualdade de caixas limitadoras: =; operador é uma opção mais segura.

Exemplos

select 'LINESTRING(0 0, 1 1)'::geometry ~= 'LINESTRING(0 1, 1 0)'::geometry as equality;
 equality   |
-----------------+
          t    |
                        

Name

<-> — Retorna a distância 2D entre A e B.

Synopsis

double precision <->( geometry A , geometry B );

double precision <->( geography A , geography B );

Descrição

O operador <-> retorna a distância 2D entre duas geometrias. Usado nas orações "ORDEM" que fornecem configurações de resultado index-assisted nearest-neighbor. Para o PostgreSQL menor que 9.5 somente fornece a distância centroide das caixas limitadoras e para PostgreSQL 9.5+, a verdadeira distância KNN procura dando verdadeiras distâncias entre geometrias, e distância esférica para geografias.

[Note]

Esse operador fará uso dos indexes 2D GiST que podem estar disponíveis nas geometrias. É diferente de outros operadores que usam indexes espaciais em que eles só são usados quando o operador está na oração ORDEM.

[Note]

O index só rejeita se uma das geometrias é uma constante (não em uma subquery/cte). ex. 'SRID=3005;POINT(1011102 450541)'::geometria ao invés de uma .geom

Vá para OpenGeo workshop: Nearest-Neighbour Searching para um exemplo real.

melhorias: 2.2.0 -- Verdadeiro comportamento KNN ("vizinho mais perto de K") para geometria e geografia para PostgreSQL 9.5+. Note que para geografia o KNN é baseado em esfera ao invés de esferoide. Para o PostgreSQL 9.4 ou menor, o suporte para geografia é novo, mas só suporta caixa centroide.

Alterações: 2.2.0 -- Para usuários do PostgreSQL 9.5, a sintaxe Hybrid antiga pode ser ais lenta, então, você vai querer se livrar daquele hack se você está executando seu código só no PostGIS 2.2+ 9.5+. Veja os exemplos abaixo.

Disponibilidade: 2.0.0 -- O KNN mais fraco fornece vizinho mais próximos baseados em distâncias centroides de geometrias, ao invés de distâncias reais. Resultados corretos para pontos, incorretos para todos os outros tipos. Disponível para PostgreSQL 9.1+

Exemplos

SELECT ST_Distance(geom, 'SRID=3005;POINT(1011102 450541)'::geometry) as d,edabbr, vaabbr
FROM va2005
ORDER BY d limit 10;

        d         | edabbr | vaabbr
------------------+--------+--------
                0 | ALQ    | 128
 5541.57712511724 | ALQ    | 129A
 5579.67450712005 | ALQ    | 001
  6083.4207708641 | ALQ    | 131
  7691.2205404848 | ALQ    | 003
 7900.75451037313 | ALQ    | 122
 8694.20710669982 | ALQ    | 129B
 9564.24289057111 | ALQ    | 130
  12089.665931705 | ALQ    | 127
 18472.5531479404 | ALQ    | 002
(10 rows)

Então, a resposta KNN crua:

SELECT st_distance(geom, 'SRID=3005;POINT(1011102 450541)'::geometry) as d,edabbr, vaabbr
FROM va2005
ORDER BY geom <-> 'SRID=3005;POINT(1011102 450541)'::geometry limit 10;

        d         | edabbr | vaabbr
------------------+--------+--------
                0 | ALQ    | 128
 5541.57712511724 | ALQ    | 129A
 5579.67450712005 | ALQ    | 001
  6083.4207708641 | ALQ    | 131
  7691.2205404848 | ALQ    | 003
 7900.75451037313 | ALQ    | 122
 8694.20710669982 | ALQ    | 129B
 9564.24289057111 | ALQ    | 130
  12089.665931705 | ALQ    | 127
 18472.5531479404 | ALQ    | 002
(10 rows)

Se você executar "ANÁLISE EXPLICATIVA" nas duas pesquisas, você verá uma apresentação melhorada para a segunda.

Para usuários com PostgreSQL < 9.5, use uma pesquisa hybrid para encontrar os vizinhos verdadeiros mais próximos. Primeiro, uma pesquisa CTE usando o index-assisted KNN, e depois, uma pesquisa exata para pegar a ordem certa:

WITH index_query AS (
  SELECT ST_Distance(geom, 'SRID=3005;POINT(1011102 450541)'::geometry) as d,edabbr, vaabbr
        FROM va2005
  ORDER BY geom <-> 'SRID=3005;POINT(1011102 450541)'::geometry LIMIT 100)
  SELECT *
        FROM index_query
  ORDER BY d limit 10;

        d         | edabbr | vaabbr
------------------+--------+--------
                0 | ALQ    | 128
 5541.57712511724 | ALQ    | 129A
 5579.67450712005 | ALQ    | 001
  6083.4207708641 | ALQ    | 131
  7691.2205404848 | ALQ    | 003
 7900.75451037313 | ALQ    | 122
 8694.20710669982 | ALQ    | 129B
 9564.24289057111 | ALQ    | 130
  12089.665931705 | ALQ    | 127
 18472.5531479404 | ALQ    | 002
(10 rows)

                        

Veja também.

ST_DWithin, ST_Distance, <#>


Name

|=| — Retorna a distância entre As trajetórias A e B ao ponto de aproximação mais perto.

Synopsis

double precision |=|( geometry A , geometry B );

Descrição

O operador |=| retorna a distância 3D entre duas trajetórias (Veja ST_IsValidTrajectory). Isso é o mesmo que ST_DistanceCPA, mas como um operador pode ser usado para fazer pesquisas de vizinhos próximos usando um index n-dimensional (requer PostgreSQL 9.5.0 ou superior).

[Note]

Esse operador fará uso dos indexes ND GiST que podem estar disponíveis nas geometrias. É diferente de outros operadores que usam indexes espaciais em que eles só são usados quando o operador está na oração ORDEM.

[Note]

O index só rejeita se uma das geometrias é uma constante (não em uma subquery/cte). ex.'SRID=3005;LINESTRINGM(0 0 0,0 0 1)'::geometria ao invés de uma .geom

Disponibilidade: 2.2.0. Index suportado disponível somente para PostgreSQL 9.5+

Exemplos

-- Save a literal query trajectory in a psql variable...
\set qt 'ST_AddMeasure(ST_MakeLine(ST_MakePointM(-350,300,0),ST_MakePointM(-410,490,0)),10,20)'
-- Run the query !
SELECT track_id, dist FROM (
  SELECT track_id, ST_DistanceCPA(tr,:qt) dist
  FROM trajectories
  ORDER BY tr |=| :qt
  LIMIT 5
) foo;
 track_id        dist
----------+-------------------
      395 | 0.576496831518066
      380 |  5.06797130410151
      390 |  7.72262293958322
      385 |   9.8004461358071
      405 |  10.9534397988433
(5 rows)

Name

<#> — Retorna a distância 2D entre as caixas limitadoras de A e B.

Synopsis

double precision <#>( geometry A , geometry B );

Descrição

O operador <#> retorna a distância entre dois pontos flutuantes, possivelmente lendo eles de um index espacial (PostgreSQL 9.1+ requerido). Útil para tornar vizinhos mais próximos aproximar a distância pedida.

[Note]

Esse operador fará uso dos indexes que podem estar disponíveis nas geometrias. É diferente de outros operadores que usam indexes espaciais em que eles só são usados quando o operador está na oração ORDEM.

[Note]

O index só rejeita se uma das geometrias é uma constante ex. ORDER BY (ST_GeomFromText('POINT(1 2)') <#> geom) ao invés de uma g1.geom <#>.

Disponibilidade: 2.0.0 -- KNN só está disponível para PostgreSQL 9.1+

Exemplos

SELECT *
FROM (
SELECT b.tlid, b.mtfcc,
        b.geom <#
> ST_GeomFromText('LINESTRING(746149 2948672,745954 2948576,
                745787 2948499,745740 2948468,745712 2948438,
                745690 2948384,745677 2948319)',2249) As b_dist,
                ST_Distance(b.geom, ST_GeomFromText('LINESTRING(746149 2948672,745954 2948576,
                745787 2948499,745740 2948468,745712 2948438,
                745690 2948384,745677 2948319)',2249)) As act_dist
    FROM bos_roads As b
    ORDER BY b_dist, b.tlid
    LIMIT 100) As foo
    ORDER BY act_dist, tlid LIMIT 10;

   tlid    | mtfcc |      b_dist      |     act_dist
-----------+-------+------------------+------------------
  85732027 | S1400 |                0 |                0
  85732029 | S1400 |                0 |                0
  85732031 | S1400 |                0 |                0
  85734335 | S1400 |                0 |                0
  85736037 | S1400 |                0 |                0
 624683742 | S1400 |                0 | 128.528874268666
  85719343 | S1400 | 260.839270432962 | 260.839270432962
  85741826 | S1400 | 164.759294123275 | 260.839270432962
  85732032 | S1400 |           277.75 | 311.830282365264
  85735592 | S1400 |           222.25 | 311.830282365264
(10 rows)

Veja também.

ST_DWithin, ST_Distance, <->


Name

<<->> — Retorna a distância n-D entre as centroides das caixas limitadoras de A e B.

Synopsis

double precision <<->>( geometry A , geometry B );

Descrição

O operador <<->> retorna a distância (euclidiana) n-D entre as centroides das caixas limitadoras de duas geometrias. Útil para para tornar vizinhos mais próximos aproximar a distância perdida.

[Note]

Esse operador fará uso dos indexes n-D GiST que podem estar disponíveis nas geometrias. É diferente de outros operadores que usam indexes espaciais em que eles só são usados quando o operador está na oração ORDEM.

[Note]

O index só rejeita se uma das geometrias é uma constante (não em uma subquery/cte). ex. 'SRID=3005;POINT(1011102 450541)'::geometria ao invés de uma .geom

Disponibilidade: 2.2.0 -- KNN só está disponível para PostgreSQL 9.1+

Veja também.

<<#>>, <->


Name

<<#>> — Retorna a distância n-D entre as caixas limitadoras de A e B.

Synopsis

double precision <<#>>( geometry A , geometry B );

Descrição

O operador <<#>> retorna a distância entre dois pontos flutuantes, possivelmente lendo eles de um index espacial (PostgreSQL 9.1+ requerido). Útil para tornar vizinhos mais próximos aproximar uma distância pedida.

[Note]

Esse operador fará uso dos indexes que podem estar disponíveis nas geometrias. É diferente de outros operadores que usam indexes espaciais em que eles só são usados quando o operador está na oração ORDEM.

[Note]

O index só rejeita se uma das geometrias é ua constante ex. ORDER BY (ST_GeomFromText('POINT(1 2)') <<#>> geom) ao invés de g1.geom <<#>>.

Disponibilidade: 2.2.0 -- KNN só está disponível para PostgreSQL 9.1+

Veja também.

<<->>, <#>

8.9. Relações espaciais e medidas

ST_3DClosestPoint — Retorna o ponto 3 dimensional em g1 que é o mais próximo de g2. Este é o primeiro ponto da linha mais curta em três dimensões.
ST_3DDistance — Para tipo geometria, retorna a menor distância cartesiana 3-dimensional (baseado no sistema de referência espacial) entre duas geometrias em unidades projetadas.
ST_3DDWithin — Para tipo de geometria 3d (z) verdadeiro se a distância entre duas geometrias 3d está dentro de números de unidades.
ST_3DDFullyWithin — Retorna verdade se todas as geometrias 3D estiverem dentro da distância especificada de um outro.
ST_3DIntersects — Retorna VERDADE se as geometrias "intersectadas espacialmente" em 3d - somente para pontos, linestrings, polígonos, superfícies poliédricas (área). Com o backend SFCGAL ativado, também suporta TINS
ST_3DLongestLine — Retorna a linha 3-dimensional mais longa entre duas geometrias
ST_3DMaxDistance — Para tipo de geometria retorna a maior distância 3-dimensional cartesiana (baseada na referência espacial) entre duas geometrias em unidade projetadas.
ST_3DShortestLine — Retorna a menor linha 3-dimensional entre duas geometrias
ST_Area — Retorna a área da superfície se ela for um polígono ou multipolígono. Para geometria, uma área cartesiana 2D é determinada com unidades especificadas pelo SRID. Para geografia, a área é determinada em uma superfície com unidades em metros quadrados.
ST_Azimuth — Retorna o azimute baseado em norte como o ângulo em radianos medidos em sentido horário da vertical no pontoA para o pontoB.
ST_Centroid — Retorna o centro geométrico de uma geometria.
ST_ClosestPoint — Retorna o ponto 2-dimensional no g1 que está mais perto de g2. Este é o primeiro ponto da enor linha.
ST_ClusterDBSCAN — Função do Windows que retorna id inteira para o grupo que cada geometria de entrada está, baseada na implementação 2D de agrupamento de densidade espacial de aplicações com algorítimo barulhento (DBSCAN).
ST_ClusterIntersecting — Agregado. Retorna um arranjo com os componentes conectados de um conjunto de geometrias
ST_ClusterKMeans — Função do Windows que retorna id inteira para o grupo que cada geometria de entrada está.
ST_ClusterWithin — Agregado. Retorna um arranjo de coleções de geometrias, onde cada coleção representa um conjunto de geometrias separados por nada mais que a distância especificada.
ST_Contains — Retorna verdade se nenhum ponto de B estiverem no exterior de A, e pelo menos um ponto do interior de B estiver no interior de A.
ST_ContainsProperly — Retorna verdade se B intersecta o interior de A, mas não o limite (ou exterior). A não se contém propriamente, mas se contém.
ST_Covers — Retorna 1 (VERDADE) se nenhum ponto na geometria B estiver fora da geometria A
ST_CoveredBy — Retorna 1 (VERDADE) se nenhum ponto na geometria/geografia A estiver fora da geometria/geografia B
ST_Crosses — Retorna TRUE se as geometrias fornecidas têm alguns, não todos, pontos em comum.
ST_LineCrossingDirection — Dadas as 2 linestrings, retorna um número entre -3 e 3 indicando qual tipo de comportamento de travessia. 0 não é travessia.
ST_Disjoint — Retorna VERDADE se as geometrias não se "intersectam espacialmente" - se elas não dividem nenhum espaço.
ST_Distance — Para tipo de geometrias, retorna a distância cartesiana 2D entre duas geometrias em unidades projetadas (baseado em referência espacial). Para tipo de geografia retorna a menor distância geodésica entre duas geografias em metros.
ST_MinimumClearance — Retorna a liquidação mínima de uma geometria, uma medida de uma robustez de uma geometria.
ST_MinimumClearanceLine — Retorna a LineString de dois pontos abrangendo a liquidação mínima de uma geometria.
ST_HausdorffDistance — Retorna a distância Hausdorff entre duas geometrias. Basicamente, uma medida de quão parecidas ou diferentes 2 geometrias são. As unidades estão nas medidas do sistema de referência espacial das geometrias.
ST_Distance — Retorna a distância Hausdorff entre duas geometrias. Basicamente, uma medida de quão parecidas ou diferentes 2 geometrias são. As unidades estão nas medidas do sistema de referência espacial das geometrias.
ST_MaxDistance — Retorna a maior distância 2-dimensional entre duas geometrias em unidades projetadas.
ST_DistanceSphere — Retorna a distância mínima em metros entre duas geometrias long/lat. Usa uma terra esférica e raio derivado do esferoide definido pelo SRID. Mais rápido que a ST_DistanceSpheroid ST_DistanceSpheroid, mas menos preciso. As versões do PostGIS anteriores a 1.5 só implementavam para pontos.
ST_DistanceSpheroid — Retorna a menor distância entre duas geometrias lon/lat dado um esferoide específico. As versões anteriores a 1.5 só suportam pontos.
ST_DFullyWithin — Retorna verdade se todas as geometrias estiverem dentro da distância especificada de um outro.
ST_DWithin — Retorna verdade se as geometrias estiverem dentro da distância especificada de outra. Para geometria, as unidades estão na referência espacial e para geografia, elas estão em metros e a medição é use_spheroid=true (medida em volta do esferoide), para uma verificação mais rápida, use_spheroid=false para medir ao longo da esfera.
ST_Equals — Retorna verdade se as geometrias representam a mesma geometria. A direcionalidade é ignorada.
ST_GeometricMedian — Retorna a mediana de um MultiPonto.
ST_HasArc — Retorna verdade se uma geometria ou coleção de geometria contém uma string circular
ST_Intersects — Retorna VERDADE se as geometrias/geografia 'intersectam espacialmente em 2D" - (dividem qualquer porção de espaço) e FALSO se elas não (estão disjuntas). Para geografia -- a tolerância é de 0.00001 metros (então quaisquer pontos que estão mais perto estão intersectando)
ST_Length — Retorna o comprimento 2D da geometria se ela é uma LineString ou MultiLineString. A geometria está em unidades da referência espacial e geografia em metros (padrão esferoide)
ST_Length2D — Retorna o comprimento 2-dimensional da geometria se for uma linestring ou multi-linestring. Isto é um heterônimo para ST_Length
ST_3DLength — Retorna o comprimento 3-dimensional ou 2-dimensional da geometria se for uma linestring ou multi-linestring.
ST_LengthSpheroid — Calcula o comprimento/perímetro 2D ou 3D de uma geometria em um elipsoide. É útil se as coordenadas da geometria estão em longitude/latitude e um comprimento é desejado sem reprojeção.
ST_Length2D_Spheroid — Calcula o comprimento/perímetro 2D de uma geometria em um elipsoide. É útil se as coordenadas da geometria estão em longitude/latitude e um comprimento é desejado sem reprojeção.
ST_LongestLine — Retorna a linha de pontos 2-dimensional mais longa entre duas geometrias. A função só retornará a primeira linha, se existirem mais de uma que a função encontra. A linha retornada sempre começará em g1 e acabará em g2. O comprimento da linha essa função sempre será o mesmo da st_maxdistance retorna para g1 e g2.
ST_OrderingEquals — Retorna verdade se as geometrias dadas representam a mesma geometrias e os pontos estão na mesma ordem direcional.
ST_Overlaps — Retorna VERDADE se as geometrias dividem espaço, são da mesma dimensão, mas não estão completamente contidas uma pela outra.
ST_Perimeter — Retorna o comprimento do limite de uma geometria ou geografia ST_Surface ou ST_MultiSurface. (Polígono, Multipolígono). A medição das unidades de geometria está na referência espacial e a da geografia em metros.
ST_Perimeter2D — Retorna o perímetro 2-dimensional da geometria, se for um polígono ou multi-polígono. Isto é, no momento, um heterômio para ST_Perimeter.
ST_3DPerímetro — Retorna o perímetro 3-dimensional da geometria, se for uma polígono ou multi-polígono.
ST_PointOnSurface — Retorna um POINT garantido a ficar na superfície.
ST_Project — Retorna um POINT projetado de um ponto inicial usando uma distância em metros e suportando (azimute) em radianos.
ST_Relate — Retorna verdade se esta geometria estiver relacionada a outra geometria, testando interseções entre o interior, limite e exterior das duas geometrias como especificado pelos valores na intersectionMatrixPattern. Se nenhuma intersectionMatrixPattern passa, retorna a intersectionMatrixPattern máxima que relaciona as 2 geometrias.
ST_RelateMatch — Retorna verdade se intersectionMattrixPattern1 insinuar intersectionMattrixPattern2
ST_ShortestLine — Retorna a menor linha 2-dimensional entre duas geometrias
ST_Touches — Retorna TRUE se as geometrias têm pelo menos um ponto em comum, mas seus interiores não se intersectam.
ST_Within — Retorna verdade se a geometria A estiver completamente dentro da geometria B

Name

ST_3DClosestPoint — Retorna o ponto 3 dimensional em g1 que é o mais próximo de g2. Este é o primeiro ponto da linha mais curta em três dimensões.

Synopsis

geometry ST_3DClosestPoint(geometry g1, geometry g2);

Descrição

Retorne o ponto 3-dimensional no g1 que é mais perto ao g2. Esse é o primeiro ponto da menor linha 3D. O comprimento 3D da menor linha 3D é a distância 3D.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This function supports Polyhedral surfaces.

Disponibilidade: 2.0.0

Alterações: 2.2.0 - se 2 geometrias 2D são entradas, um ponto 2D retorna (em vez do antigo comportamento assumindo 0 para Z perdido). Em caso de 2D e 3D, o Z não é mais 0 para Z perdido.

Exemplos

linestring e ponto -- pontos 3d e 2d mais próximos

SELECT ST_AsEWKT(ST_3DClosestPoint(line,pt)) AS cp3d_line_pt,
                ST_AsEWKT(ST_ClosestPoint(line,pt)) As cp2d_line_pt
        FROM (SELECT 'POINT(100 100 30)'::geometry As pt,
                        'LINESTRING (20 80 20, 98 190 1, 110 180 3, 50 75 1000)'::geometry As line
                ) As foo;


 cp3d_line_pt                                                |               cp2d_line_pt
-----------------------------------------------------------+------------------------------------------
 POINT(54.6993798867619 128.935022917228 11.5475869506606) | POINT(73.0769230769231 115.384615384615)
                                        

linestring e multiponto -- pontos 3d e 2d mais próximos

SELECT ST_AsEWKT(ST_3DClosestPoint(line,pt)) AS cp3d_line_pt,
                ST_AsEWKT(ST_ClosestPoint(line,pt)) As cp2d_line_pt
        FROM (SELECT 'MULTIPOINT(100 100 30, 50 74 1000)'::geometry As pt,
                        'LINESTRING (20 80 20, 98 190 1, 110 180 3, 50 75 900)'::geometry As line
                ) As foo;


                       cp3d_line_pt                        | cp2d_line_pt
-----------------------------------------------------------+--------------
 POINT(54.6993798867619 128.935022917228 11.5475869506606) | POINT(50 75)
                                        

Multilinestring e polígono pontos 3d e 2d mais próximos

SELECT ST_AsEWKT(ST_3DClosestPoint(poly, mline)) As cp3d,
    ST_AsEWKT(ST_ClosestPoint(poly, mline)) As cp2d
        FROM (SELECT  ST_GeomFromEWKT('POLYGON((175 150 5, 20 40 5, 35 45 5, 50 60 5, 100 100 5, 175 150 5))') As poly,
                ST_GeomFromEWKT('MULTILINESTRING((175 155 2, 20 40 20, 50 60 -2, 125 100 1, 175 155 1),
                (1 10 2, 5 20 1))') As mline ) As foo;
                   cp3d                    |     cp2d
-------------------------------------------+--------------
 POINT(39.993580415989 54.1889925532825 5) | POINT(20 40)
             


Name

ST_3DDistance — Para tipo geometria, retorna a menor distância cartesiana 3-dimensional (baseado no sistema de referência espacial) entre duas geometrias em unidades projetadas.

Synopsis

float ST_3DDistance(geometry g1, geometry g2);

Descrição

Para tipo geometria, retorna a menor distância cartesiana 3-dimensional entre duas geometrias em unidades projetadas (spatial ref units).

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This function supports Polyhedral surfaces.

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM ?

This method is also provided by SFCGAL backend.

Disponibilidade: 2.0.0

Alterações: 2.2.0 - Em caso de 2D e 3D, o Z não é mais 0 para Z perdido.

Exemplos

-- Geometry example - units in meters (SRID: 2163 US National Atlas Equal area) (3D point and line compared 2D point and line)
-- Note: currently no vertical datum support so Z is not transformed and assumed to be same units as final.
SELECT ST_3DDistance(
                        ST_Transform(ST_GeomFromEWKT('SRID=4326;POINT(-72.1235 42.3521 4)'),2163),
                        ST_Transform(ST_GeomFromEWKT('SRID=4326;LINESTRING(-72.1260 42.45 15, -72.123 42.1546 20)'),2163)
                ) As dist_3d,
                ST_Distance(
                        ST_Transform(ST_GeomFromText('POINT(-72.1235 42.3521)',4326),2163),
                        ST_Transform(ST_GeomFromText('LINESTRING(-72.1260 42.45, -72.123 42.1546)', 4326),2163)
                ) As dist_2d;

     dist_3d      |     dist_2d
------------------+-----------------
 127.295059324629 | 126.66425605671
-- Multilinestring and polygon both 3d and 2d distance
-- Same example as 3D closest point example
SELECT ST_3DDistance(poly, mline) As dist3d,
    ST_Distance(poly, mline) As dist2d
        FROM (SELECT  ST_GeomFromEWKT('POLYGON((175 150 5, 20 40 5, 35 45 5, 50 60 5, 100 100 5, 175 150 5))') As poly,
                ST_GeomFromEWKT('MULTILINESTRING((175 155 2, 20 40 20, 50 60 -2, 125 100 1, 175 155 1),
                (1 10 2, 5 20 1))') As mline ) As foo;
      dist3d       | dist2d
-------------------+--------
 0.716635696066337 |      0

Name

ST_3DDWithin — Para tipo de geometria 3d (z) verdadeiro se a distância entre duas geometrias 3d está dentro de números de unidades.

Synopsis

boolean ST_3DDWithin(geometry g1, geometry g2, double precision distance_of_srid);

Descrição

Para tipo de geometria retorna verdade se a distância 3d entre dois objetos estiver dentro da unidades projetadas distance_of_srid especificadas (unidades de referência espacial).

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This function supports Polyhedral surfaces.

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM ?

Disponibilidade: 2.0.0

Exemplos

-- Geometry example - units in meters (SRID: 2163 US National Atlas Equal area) (3D point and line compared 2D point and line)
-- Note: currently no vertical datum support so Z is not transformed and assumed to be same units as final.
SELECT ST_3DDWithin(
                        ST_Transform(ST_GeomFromEWKT('SRID=4326;POINT(-72.1235 42.3521 4)'),2163),
                        ST_Transform(ST_GeomFromEWKT('SRID=4326;LINESTRING(-72.1260 42.45 15, -72.123 42.1546 20)'),2163),
                        126.8
                ) As within_dist_3d,
ST_DWithin(
                        ST_Transform(ST_GeomFromEWKT('SRID=4326;POINT(-72.1235 42.3521 4)'),2163),
                        ST_Transform(ST_GeomFromEWKT('SRID=4326;LINESTRING(-72.1260 42.45 15, -72.123 42.1546 20)'),2163),
                        126.8
                ) As within_dist_2d;

 within_dist_3d | within_dist_2d
----------------+----------------
 f              | t

Name

ST_3DDFullyWithin — Retorna verdade se todas as geometrias 3D estiverem dentro da distância especificada de um outro.

Synopsis

boolean ST_3DDFullyWithin(geometry g1, geometry g2, double precision distance);

Descrição

Retorna verdade se todas as geometrias 3D estiverem completamente dentro da distância especificada de um outro. A distância é especificada em unidade definidas pelo sistema de referência espacial de geometrias. Para esta função fazer sentido, as geometrias fonte devem ser da mesma projeção coordenada, tendo o mesmo SRID.

[Note]

Esta função pode, automaticamente, incluir uma comparação de caixa delimitadora que usará quaisquer índices que estejam disponíveis nas geometrias.

Disponibilidade: 2.0.0

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This function supports Polyhedral surfaces.

Exemplos

-- This compares the difference between fully within and distance within as well
                -- as the distance fully within for the 2D footprint of the line/point vs. the 3d fully within
                SELECT ST_3DDFullyWithin(geom_a, geom_b, 10) as D3DFullyWithin10, ST_3DDWithin(geom_a, geom_b, 10) as D3DWithin10,
        ST_DFullyWithin(geom_a, geom_b, 20) as D2DFullyWithin20,
        ST_3DDFullyWithin(geom_a, geom_b, 20) as D3DFullyWithin20 from
                (select ST_GeomFromEWKT('POINT(1 1 2)') as geom_a,
                ST_GeomFromEWKT('LINESTRING(1 5 2, 2 7 20, 1 9 100, 14 12 3)') as geom_b) t1;
 d3dfullywithin10 | d3dwithin10 | d2dfullywithin20 | d3dfullywithin20
------------------+-------------+------------------+------------------
 f                | t           | t                | f 

Name

ST_3DIntersects — Retorna VERDADE se as geometrias "intersectadas espacialmente" em 3d - somente para pontos, linestrings, polígonos, superfícies poliédricas (área). Com o backend SFCGAL ativado, também suporta TINS

Synopsis

boolean ST_3DIntersects( geometry geomA , geometry geomB );

Descrição

Sobrepõe, toca, dentro de todas as interseções espaciais implicadas. Se qualquer dos anteriores retornarem verdade, então as geometrias também intersectam espacialmente. Desconjuntar implica falso para interseção espacial.

Disponibilidade: 2.0.0

[Note]

Esta função pode, automaticamente, incluir uma comparação de caixa delimitadora que usará quaisquer índices que estejam disponíveis nas geometrias.

[Note]

Com o objetivo de obter vantagem para TINS, você precisa ativar o backend SFCGAL. Isto pode ser feito na seção set postgis.backend = sfcgal;ou no banco de dados ou sistema de níveis. O nível do banco de dados pode ser feito com: set postgis.backend = sfcgal;

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This function supports Polyhedral surfaces.

This function supports Triangles and Triangulated Irregular Network Surfaces (TIN).

This method is also provided by SFCGAL backend.

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: ?

Exemplos de Geometria

SELECT ST_3DIntersects(pt, line), ST_Intersects(pt,line)
        FROM (SELECT 'POINT(0 0 2)'::geometry As pt,
                'LINESTRING (0 0 1, 0 2 3 )'::geometry As line) As foo;
 st_3dintersects | st_intersects
-----------------+---------------
 f               | t
(1 row)
                

Exemplos TIN

set postgis.backend = sfcgal;
SELECT ST_3DIntersects('TIN(((0 0,1 0,0 1,0 0)))'::geometry, 'POINT(.1 .1)'::geometry);
 st_3dintersects
-----------------
 t

Veja também

ST_Intersects


Name

ST_3DLongestLine — Retorna a linha 3-dimensional mais longa entre duas geometrias

Synopsis

geometry ST_3DLongestLine(geometry g1, geometry g2);

Descrição

Retorna a linha 3-dimensional mais longa entre duas geometrias. A função só retornará a primeira linha, se existirem mais de uma. A linha retornada sempre começará em g1 e acabará em g2. O comprimento da linha essa função sempre será o mesmo do ST_3DMaxDistance retorna para g1 e g2.

Disponibilidade: 2.0.0

Alterações: 2.2.0 - se 2 geometrias 2D são entradas, um ponto 2D retorna (em vez do antigo comportamento assumindo 0 para Z perdido). Em caso de 2D e 3D, o Z não é mais 0 para Z perdido.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This function supports Polyhedral surfaces.

Exemplos

linestring e ponto -- linhas 3d e 2d mais longas

SELECT ST_AsEWKT(ST_3DLongestLine(line,pt)) AS lol3d_line_pt,
                ST_AsEWKT(ST_LongestLine(line,pt)) As lol2d_line_pt
        FROM (SELECT 'POINT(100 100 30)'::geometry As pt,
                        'LINESTRING (20 80 20, 98 190 1, 110 180 3, 50 75 1000)'::geometry As line
                ) As foo;


           lol3d_line_pt           |       lol2d_line_pt
-----------------------------------+----------------------------
 LINESTRING(50 75 1000,100 100 30) | LINESTRING(98 190,100 100)
                                        

linestring e multiponto -- linhas 3d e 2d mais longas

SELECT ST_AsEWKT(ST_3DLongestLine(line,pt)) AS lol3d_line_pt,
                ST_AsEWKT(ST_LongestLine(line,pt)) As lol2d_line_pt
        FROM (SELECT 'MULTIPOINT(100 100 30, 50 74 1000)'::geometry As pt,
                        'LINESTRING (20 80 20, 98 190 1, 110 180 3, 50 75 900)'::geometry As line
                ) As foo;


          lol3d_line_pt          |      lol2d_line_pt
---------------------------------+--------------------------
 LINESTRING(98 190 1,50 74 1000) | LINESTRING(98 190,50 74)
                                        

Multilinestring e polígono linhas 3d e 2d mais longas

SELECT ST_AsEWKT(ST_3DLongestLine(poly, mline)) As lol3d,
    ST_AsEWKT(ST_LongestLine(poly, mline)) As lol2d
        FROM (SELECT  ST_GeomFromEWKT('POLYGON((175 150 5, 20 40 5, 35 45 5, 50 60 5, 100 100 5, 175 150 5))') As poly,
                ST_GeomFromEWKT('MULTILINESTRING((175 155 2, 20 40 20, 50 60 -2, 125 100 1, 175 155 1),
                (1 10 2, 5 20 1))') As mline ) As foo;
            lol3d             |          lol2d
------------------------------+--------------------------
 LINESTRING(175 150 5,1 10 2) | LINESTRING(175 150,1 10)
             


Name

ST_3DMaxDistance — Para tipo de geometria retorna a maior distância 3-dimensional cartesiana (baseada na referência espacial) entre duas geometrias em unidade projetadas.

Synopsis

float ST_3DMaxDistance(geometry g1, geometry g2);

Descrição

Para tipo geometria, retorna a menor distância cartesiana 3-dimensional entre duas geometrias em unidades projetadas (spatial ref units).

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This function supports Polyhedral surfaces.

Disponibilidade: 2.0.0

Alterações: 2.2.0 - Em caso de 2D e 3D, o Z não é mais 0 para Z perdido.

Exemplos

-- Geometry example - units in meters (SRID: 2163 US National Atlas Equal area) (3D point and line compared 2D point and line)
-- Note: currently no vertical datum support so Z is not transformed and assumed to be same units as final.
SELECT ST_3DMaxDistance(
                        ST_Transform(ST_GeomFromEWKT('SRID=4326;POINT(-72.1235 42.3521 10000)'),2163),
                        ST_Transform(ST_GeomFromEWKT('SRID=4326;LINESTRING(-72.1260 42.45 15, -72.123 42.1546 20)'),2163)
                ) As dist_3d,
                ST_MaxDistance(
                        ST_Transform(ST_GeomFromEWKT('SRID=4326;POINT(-72.1235 42.3521 10000)'),2163),
                        ST_Transform(ST_GeomFromEWKT('SRID=4326;LINESTRING(-72.1260 42.45 15, -72.123 42.1546 20)'),2163)
                ) As dist_2d;

     dist_3d      |     dist_2d
------------------+------------------
 24383.7467488441 | 22247.8472107251

Name

ST_3DShortestLine — Retorna a menor linha 3-dimensional entre duas geometrias

Synopsis

geometry ST_3DShortestLine(geometry g1, geometry g2);

Descrição

Retorna a menor linha 3-dimensional entre duas geometrias, a função só irá retornar a primeira linha menor se houverem mais de um, este a função encontra. Se g1 e g2 intersecta em apenas um ponto, a função retornará uma linha com os pontos de interseção da direita e esquerda. Se g1 e g2 estão intersectando em mais de um ponto, a função retornará uma linha com começo e fim no mesmo ponto, mas também pode ser qualquer um dos outros pontos. A linha que retorna sempre começará com g2 e acabará em g2. O comprimento 3D da linha, os retornos desta função serão sempre os mesmos dos retornos para g1 e g2 ST_3DDistance.

Disponibilidade: 2.0.0

Alterações: 2.2.0 - se 2 geometrias 2D são entradas, um ponto 2D retorna (em vez do antigo comportamento assumindo 0 para Z perdido). Em caso de 2D e 3D, o Z não é mais 0 para Z perdido.

This function supports 3d and will not drop the z-index.

This function supports Polyhedral surfaces.

Exemplos

linestring e ponto -- linhas 3d e 2d mais curtas

SELECT ST_AsEWKT(ST_3DShortestLine(line,pt)) AS shl3d_line_pt,
                ST_AsEWKT(ST_ShortestLine(line,pt)) As shl2d_line_pt
        FROM (SELECT 'POINT(100 100 30)'::geometry As pt,
                        'LINESTRING (20 80 20, 98 190 1, 110 180 3, 50 75 1000)'::geometry As line
                ) As foo;


 shl3d_line_pt                                                                 |               shl2d_line_pt
----------------------------------------------------------------------------+------------------------------------------------------
 LINESTRING(54.6993798867619 128.935022917228 11.5475869506606,100 100 30)  | LINESTRING(73.0769230769231 115.384615384615,100 100)
                                        

linestring e multiponto -- linhas 3d e 2d mais curtas

SELECT ST_AsEWKT(ST_3DShortestLine(line,pt)) AS shl3d_line_pt,
                ST_AsEWKT(ST_ShortestLine(line,pt)) As shl2d_line_pt
        FROM (SELECT 'MULTIPOINT(100 100 30, 50 74 1000)'::geometry As pt,
                        'LINESTRING (20 80 20, 98 190 1, 110 180 3, 50 75 900)'::geometry As line
                ) As foo;


                       shl3d_line_pt                                       | shl2d_line_pt
---------------------------------------------------------------------------+------------------------
 LINESTRING(54.6993798867619 128.935022917228 11.5475869506606,100 100 30) | LINESTRING(50 75,50 74)
                                        

Multilinestring e polígono linhas 3d e 2d mais curtas

SELECT ST_AsEWKT(ST_3DShortestLine(poly, mline)) As shl3d,
    ST_AsEWKT(ST_ShortestLine(poly, mline)) As shl2d
        FROM (SELECT  ST_GeomFromEWKT('POLYGON((175 150 5, 20 40 5, 35 45 5, 50 60 5, 100 100 5, 175 150 5))') As poly,
                ST_GeomFromEWKT('MULTILINESTRING((175 155 2, 20 40 20, 50 60 -2, 125 100 1, 175 155 1),
                (1 10 2, 5 20 1))') As mline ) As foo;
                   shl3d                                                                           |     shl2d
---------------------------------------------------------------------------------------------------+------------------------
 LINESTRING(39.993580415989 54.1889925532825 5,40.4078575708294 53.6052383805529 5.03423778139177) | LINESTRING(20 40,20 40)
             


Name

ST_Area — Retorna a área da superfície se ela for um polígono ou multipolígono. Para geometria, uma área cartesiana 2D é determinada com unidades especificadas pelo SRID. Para geografia, a área é determinada em uma superfície com unidades em metros quadrados.

Synopsis

float ST_Area(geometry g1);

float ST_Area(geography geog, boolean use_spheroid=true);

Descrição

Retorna a área da geometria se for um polígono ou multipolígono. Retorna a medida do comprimento de um valor ST_Surface ou ST_MultiSurface. Para geometria, uma área cartesiana 2D é determinada com unidades especificadas pelo SRID. Para geografia, por padrão, ela é determinada em um esferoide com unidade em metros quadrados. Para medir a esfera mais rápida, mas menos precisa, use: ST_Area(geog,false).

Melhorias: 2.0.0 - suporte a superfícies 2D poliédricas foi introduzido.

Melhorias: 2.2.0 - medição em esferoides desempenhada com GeographicLib para uma melhor precisão e força. Requer Proj >= 4.9.0 para tirar vantagem da nova característica.

This method implements the OpenGIS Simple Features Implementation Specification for SQL 1.1.

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 8.1.2, 9.5.3

This function supports Polyhedral surfaces.

[Note]

Para superfícies poliédricas, somente suporta superfícies poliédricas 2D (não 2.5D). Para 2.5D, pode ser dada uma resposta não zero, mas somente para as faces que se encaixam completamente no plano XY.

This method is also provided by SFCGAL backend.

Exemplos

Retorna uma área em pés quadrado para um terreno de Massachusetts e multiplica pela conversão para metros quadrados. Note que isto é em pés quadrados porque EPSG:2249 é o Massachusetts State Plane Feet

SELECT ST_Area(the_geom) As sqft, ST_Area(the_geom)*POWER(0.3048,2) As sqm
                FROM (SELECT
                ST_GeomFromText('POLYGON((743238 2967416,743238 2967450,
                        743265 2967450,743265.625 2967416,743238 2967416))',2249) ) As foo(the_geom);
  sqft   |     sqm
---------+-------------
 928.625 | 86.27208552

Retorna uma área em pés quadrados e transforma para Massachusetts state plane em metros (EPSG:26986) para pegar metros quadrados. Note que ele é em pés quadrados, porque 2249 é Massachusetts State Plane Feet e a área transformada está em em metros quadrados já que EPSG:26986 é o state plane Massachusetts em metros

SELECT ST_Area(the_geom) As sqft, ST_Area(ST_Transform(the_geom,26986)) As sqm
                FROM (SELECT
                ST_GeomFromText('POLYGON((743238 2967416,743238 2967450,
                        743265 2967450,743265.625 2967416,743238 2967416))',2249) ) As foo(the_geom);
  sqft   |       sqm
---------+------------------
 928.625 | 86.2724304199219
                        

Retorna uma área em pés quadrados e metros quadrados usado tipo de dados geografia. Note que transformamos nossa geometria para geografia (antes você pode certificar que sua geometria está em WGS 84 long lat 4326). A geografia sempre mede em metros. Isto é só para demonstração para comparar. Normalmente sua tabela já será armazenada no tipo de dados geografia.

SELECT ST_Area(the_geog)/POWER(0.3048,2) As sqft_spheroid,  ST_Area(the_geog,false)/POWER(0.3048,2) As sqft_sphere, ST_Area(the_geog) As sqm_spheroid
                FROM (SELECT
                geography(
                ST_Transform(
                        ST_GeomFromText('POLYGON((743238 2967416,743238 2967450,743265 2967450,743265.625 2967416,743238 2967416))',
                                2249
                                ) ,4326
                        )
                )
        ) As foo(the_geog);
  sqft_spheroid   |   sqft_sphere    |   sqm_spheroid
------------------+------------------+------------------
 928.684403538925 | 927.049336105925 | 86.2776042893529

 --if your data is in geography already
 SELECT ST_Area(the_geog)/POWER(0.3048,2) As  sqft, ST_Area(the_geog) As sqm
        FROM somegeogtable;

Name

ST_Azimuth — Retorna o azimute baseado em norte como o ângulo em radianos medidos em sentido horário da vertical no pontoA para o pontoB.

Synopsis

float ST_Azimuth(geometria pointA, geometria pointB);

float ST_Azimuth(geografia pointA, geografia pointB);

Descrição

Retorna o azimute em radianos do segmento definido pelos pontos dados, ou NULO se os dois pontos forem coincidentes. O azimute é um ângulo, está referenciado em norte e em sentido horário: Norte = 0; Leste = π/2; Sul = π; Oeste = 3π/2.

Para o tipo de geografia, o próximo azimute resolvido como parte do problema geodésico inverso.

O azimute é matematicamente conceituado como o ângulo entre um plano de referência e um ponto, com unidades angulares em radianos. As unidades podem ser convertidas para graus usando uma função PostgreSQL graus () embutida, como mostrado no exemplo.

Disponibilidade: 1.1.0

Melhorias: 2.0.0 suporte para geografia foi introduzido.

Melhorias: 2.2.0 medição em esferoides desempenhada com GeographicLib para uma melhor precisão e força. Requer Proj >= 4.9.0 para tirar vantagem da nova característica.

Azimute é especialmente útil em conjunto com ST_Translate para mudar um objeto ao longo do seu eixo perpendicular. Veja upgis_lineshift Plpgsqlfunctions PostGIS wiki section para um exemplo disto.

Exemplos

Azimute da geometria em graus

SELECT degrees(ST_Azimuth(ST_Point(25, 45), ST_Point(75, 100))) AS degA_B,
            degrees(ST_Azimuth(ST_Point(75, 100), ST_Point(25, 45))) AS degB_A;

      dega_b       |     degb_a
------------------+------------------
 42.2736890060937 | 222.273689006094

Verde: o Ponto(25,45) de início com sua vertical. Amarelo: degA_B com o caminho para viajar (azimute).

Verde: o Ponto(75,100) de início com sua vertical. Amarelo: degB_A com o caminho para viajar (azimute).


Name

ST_Centroid — Retorna o centro geométrico de uma geometria.

Synopsis

float ST_Area(geometry g1);

float ST_Area(geography geog, boolean use_spheroid=true);

Descrição

Calcula o centro geométrico de uma geometria, ou equivalentemente, o centro de massa da geometria como um POINT. Para [MULTI]POINTs, isto é calculado como o significado aritmético das coordenadas de entrada. Para [MULTI]LINESTRINGs, é calculado como o peso do comprimento de cada segmento de linha. Para [MULTI]POLYGONs, "peso" é pensado em termos de área. Se uma geometria vazia é fornecida, uma GEOMETRYCOLLECTION é retornada. Se NULL é fornecido, NULL retorna. Se CIRCULARSTRING ou COMPOUNDCURVE são fornecidos, eles sao convertidos para linestring com CurveToLine primeiro, depois o mesmo para LINESTRING

Novo em 2.3.0 : suporte para CIRCULARSTRING e COMPOUNDCURVE (usando CurveToLine)

Disponibilidade: 1.5.0 suporte para geografia foi introduzido

O centroide é igual ao centroide do conjunto de componentes de geometria da maior dimensão (já que as geometrias de menor dimensão contribuem com "peso" zero no centroide).

This method implements the OpenGIS Simple Features Implementation Specification for SQL 1.1.

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 8.1.4, 9.5.5

Exemplos

Em cada uma das ilustrações seguintes, o ponto azul representa o centroide da geometria fonte.

Centroide de um MULTIPOINT

Centroide de uma LINESTRING

Centroide de um POLYGON

Centroide de uma GEOMETRYCOLLECTION

SELECT ST_AsText(ST_Centroid('MULTIPOINT ( -1 0, -1 2, -1 3, -1 4, -1 7, 0 1, 0 3, 1 1, 2 0, 6 0, 7 8, 9 8, 10 6 )'));
                                st_astext
------------------------------------------
 POINT(2.30769230769231 3.30769230769231)
(1 row)

SELECT ST_AsText(ST_centroid(g))
FROM  ST_GeomFromText('CIRCULARSTRING(0 2, -1 1,0 0, 0.5 0, 1 0, 2 1, 1 2, 0.5 2, 0 2)')  AS g ;
------------------------------------------
POINT(0.5 1)


SELECT ST_AsText(ST_centroid(g))
FROM  ST_GeomFromText('COMPOUNDCURVE(CIRCULARSTRING(0 2, -1 1,0 0),(0 0, 0.5 0, 1 0),CIRCULARSTRING( 1 0, 2 1, 1 2),(1 2, 0.5 2, 0 2))' ) AS g;
------------------------------------------
POINT(0.5 1)

Veja também

ST_PointOnSurface


Name

ST_ClosestPoint — Retorna o ponto 2-dimensional no g1 que está mais perto de g2. Este é o primeiro ponto da enor linha.

Synopsis

geometria ST_ClosestPoint(geometria g1, geometria g2);

Descrição

Retorna o ponto 2-dimensional no g1 que está mais perto de g2. Este é primeiro ponto da menor linha.

[Note]

Se você tem uma geometria 3D, talvez prefira usar ST_3DClosestPoint.

Disponibilidade: 1.5.0

Exemplos

O mais perto entre um ponto e uma linestring é o ponto, mas o ponto mais perto entre uma linestring e um ponto é o ponto na line string que está mais perto.

SELECT ST_AsText(ST_ClosestPoint(pt,line)) AS cp_pt_line,
        ST_AsText(ST_ClosestPoint(line,pt)) As cp_line_pt
FROM (SELECT 'POINT(100 100)'::geometry As pt,
                'LINESTRING (20 80, 98 190, 110 180, 50 75 )'::geometry As line
        ) As foo;


   cp_pt_line   |                cp_line_pt
----------------+------------------------------------------
 POINT(100 100) | POINT(73.0769230769231 115.384615384615)
                                

ponto no polígono A mais próximo do polígono B

SELECT ST_AsText(
                ST_ClosestPoint(
                        ST_GeomFromText('POLYGON((175 150, 20 40, 50 60, 125 100, 175 150))'),
                        ST_Buffer(ST_GeomFromText('POINT(110 170)'), 20)
                        )
                ) As ptwkt;

                  ptwkt
------------------------------------------
 POINT(140.752120669087 125.695053378061)
                                


Name

ST_ClusterDBSCAN — Função do Windows que retorna id inteira para o grupo que cada geometria de entrada está, baseada na implementação 2D de agrupamento de densidade espacial de aplicações com algorítimo barulhento (DBSCAN).

Synopsis

inteiro ST_ClusterDBSCAN(geometria winset geom, float8 eps, inteiro minpoints);

Descrição

Retorna o número de grupo para cada geometria de entrada, baseado na implementação 2D do Density-based spatial clustering of applications with noise (DBSCAN) algorítimo. Diferente da ST_ClusterKMeans, ele não requer que o número de grupos seja especificado, mas usa a distância (eps) desejada e parâmetros de densidade (minpoints) para construir cada grupo.

Uma geometria de entrada será adicionada para um grupo se ele for:

  • Uma geometria "centro", que está dentro eps distância de pelo menos minpoints outras geometrias de entrada, ou

  • Uma geometria de "borda", que está dentro da distância eps de uma geometria central.

Note que as geometrias de borda podem estar dentro da distância eps de geometrias centrais e mais de um grupo; neste caso, qualquer atribuição estaria correta, e a geometria de borda seria designada arbitrariamente para um dos grupos disponíveis. Nestes casos, é possível um grupo correto ser gerado com menos que geometrias minpoints. Quando a atribuição de uma geometria de borda for ambígua, chamadas repetidas para ST_ClusterDBSCAN irão produzir resultados idênticos se uma frase ORDER BY estiver incluída na definição da janela, mas as atribuições podem diferenciar de outras implementações do mesmo algorítimo.

[Note]

Geometrias de entrada que não encontram o critério para ingressar a qualquer outro grupo serão designadas para um número de grupo NULO.

Disponibilidade: 2.3.0 - requer GEOS

Exemplos

Assigning a cluster number to each polygon within 50 meters of each other. Require at least 2 polygons per cluster

within 50 meters at least 2 per cluster. singletons have NULL for cid

SELECT name, ST_ClusterDBSCAN(geom, eps := 50, minpoints := 2) over () AS cid
FROM boston_polys
WHERE name > '' AND building > ''
        AND ST_DWithin(geom,
        ST_Transform(
            ST_GeomFromText('POINT(-71.04054 42.35141)', 4326), 26986),
           500);

                name                 | bucket
-------------------------------------+--------
 Manulife Tower                      |      0
 Park Lane Seaport I                 |      0
 Park Lane Seaport II                |      0
 Renaissance Boston Waterfront Hotel |      0
 Seaport Boston Hotel                |      0
 Seaport Hotel & World Trade Center  |      0
 Waterside Place                     |      0
 World Trade Center East             |      0
 100 Northern Avenue                 |      1
 100 Pier 4                          |      1
 The Institute of Contemporary Art   |      1
 101 Seaport                         |      2
 District Hall                       |      2
 One Marina Park Drive               |      2
 Twenty Two Liberty                  |      2
 Vertex                              |      2
 Vertex                              |      2
 Watermark Seaport                   |      2
 Blue Hills Bank Pavilion            |   NULL
 World Trade Center West             |   NULL
(20 rows)

Combinando parcelas com o mesmo número de grupo dentro de uma única geometria. Utiliza chamada de argumentos nomeados

SELECT cid, ST_Collect(geom) AS cluster_geom, array_agg(parcel_id) AS ids_in_cluster FROM (
    SELECT parcel_id, ST_ClusterDBSCAN(geom, eps := 0.5, minpoints := 5) over () AS cid, geom
    FROM parcels) sq
GROUP BY cid;
    

Name

ST_ClusterIntersecting — Agregado. Retorna um arranjo com os componentes conectados de um conjunto de geometrias

Synopsis

geometry[] ST_ClusterIntersecting(geometry set g);

Descrição

A ST_ClusterIntersecting é uma função agregada que retorna um arranjo de coleções de geometrias, onde cada coleção representa um conjunto de geometrias interconectadas.

Disponibilidade: 2.2.0 - requer GEOS

Exemplos

WITH testdata AS
  (SELECT unnest(ARRAY['LINESTRING (0 0, 1 1)'::geometry,
                       'LINESTRING (5 5, 4 4)'::geometry,
                       'LINESTRING (6 6, 7 7)'::geometry,
                       'LINESTRING (0 0, -1 -1)'::geometry,
                       'POLYGON ((0 0, 4 0, 4 4, 0 4, 0 0))'::geometry]) AS geom)

SELECT ST_AsText(unnest(ST_ClusterIntersecting(geom))) FROM testdata;

--result

st_astext
---------
GEOMETRYCOLLECTION(LINESTRING(0 0,1 1),LINESTRING(5 5,4 4),LINESTRING(0 0,-1 -1),POLYGON((0 0,4 0,4 4,0 4,0 0)))
GEOMETRYCOLLECTION(LINESTRING(6 6,7 7))
        

Name

ST_ClusterKMeans — Função do Windows que retorna id inteira para o grupo que cada geometria de entrada está.

Synopsis

inteiro ST_ClusterKMeans(geometria winset geom, inteiro number_of_clusters);

Descrição

Retorna uma distância 2D k-means número de grupo para cada geometria de entrada. A distância usada para agrupar é a distância entre as centroides das geometrias.

Disponibilidade: 2.3.0 - requer GEOS

Exemplos

Gera conjunto fictício de parcelas para exemplos

CREATE TABLE parcels AS
SELECT lpad((row_number() over())::text,3,'0') As parcel_id, geom,
('{residential, commercial}'::text[])[1 + mod(row_number()OVER(),2)] As type
FROM
    ST_Subdivide(ST_Buffer('LINESTRING(40 100, 98 100, 100 150, 60 90)'::geometry,
    40, 'endcap=square'),12) As geom;

Parcelas originais

Pacotes codificados pelo número de grupo (cid)

SELECT ST_ClusterKMeans(geom, 5) OVER() AS cid, parcel_id, geom
FROM parcels;
-- result
 cid | parcel_id |   geom
-----+-----------+---------------
   0 | 001       | 0103000000...
   0 | 002       | 0103000000...
   1 | 003       | 0103000000...
   0 | 004       | 0103000000...
   1 | 005       | 0103000000...
   2 | 006       | 0103000000...
   2 | 007       | 0103000000...
(7 rows)

-- Partitioning parcel clusters by type
SELECT ST_ClusterKMeans(geom,3) over (PARTITION BY type) AS cid, parcel_id, type
FROM parcels;
-- result
 cid | parcel_id |    type
-----+-----------+-------------
   1 | 005       | commercial
   1 | 003       | commercial
   2 | 007       | commercial
   0 | 001       | commercial
   1 | 004       | residential
   0 | 002       | residential
   2 | 006       | residential
(7 rows)

Name

ST_ClusterWithin — Agregado. Retorna um arranjo de coleções de geometrias, onde cada coleção representa um conjunto de geometrias separados por nada mais que a distância especificada.

Synopsis

geometria[] ST_ClusterWithin(geometry set g, float8 distância);

Descrição

A ST_ClusterWithin é uma função agregada que retorna um arranjo de coleções de geometria, onde as coleções representam um conjunto de geometrias separadas por não mais que a distância especificada.

Disponibilidade: 2.2.0 - requer GEOS

Exemplos

WITH testdata AS
  (SELECT unnest(ARRAY['LINESTRING (0 0, 1 1)'::geometry,
                       'LINESTRING (5 5, 4 4)'::geometry,
                       'LINESTRING (6 6, 7 7)'::geometry,
                       'LINESTRING (0 0, -1 -1)'::geometry,
                       'POLYGON ((0 0, 4 0, 4 4, 0 4, 0 0))'::geometry]) AS geom)

SELECT ST_AsText(unnest(ST_ClusterWithin(geom, 1.4))) FROM testdata;

--result

st_astext
---------
GEOMETRYCOLLECTION(LINESTRING(0 0,1 1),LINESTRING(5 5,4 4),LINESTRING(0 0,-1 -1),POLYGON((0 0,4 0,4 4,0 4,0 0)))
GEOMETRYCOLLECTION(LINESTRING(6 6,7 7))
        

Name

ST_Contains — Retorna verdade se nenhum ponto de B estiverem no exterior de A, e pelo menos um ponto do interior de B estiver no interior de A.

Synopsis

booleana ST_Contains(geometria geomA, geometria geomB);

Descrição

Geometria A contém Geometria B se e somente se nenhum ponto de B estiver no exterior de A, e pelo menos um ponto do interior de B estiver no interior de A. Uma sutileza importante desta definição é que A não contém seu limite, mas A se contém. Contraste isto a ST_ContainsProperly onde a geometria A não se contenha propriamente.

Retorna VERDADE se a geometria B estiver completamente dentro da A. Para esta função funcionar, as geometrias fonte devem ser da mesma projeção de coordenada, tendo o mesmo SRID. ST_Contains é o inverso de ST_Within. Então, ST_Contains(A,B) sugere que ST_Within(B,A), exceto nos casos de geometrias inválidas, onde o resultado é sempre falso ou não definido.

Desempenhado pelo módulo GEOS

Melhorias: 2.3.0 Aprimoramento para o pequeno circuito estendido PIP para suportar MultiPOntos com pouco pontos. Versões anteriores só suportavam pontos em polígonos.

[Important]

Não chama com uma GEOMETRYCOLLECTION como um argumento

[Important]

Não usa esta função com geometrias inválidas. Você obterá resultados inesperados.

A chamada desta função irá, automaticamente, incluir uma comparação de caixa delimitadora que fará uso de quaisquer índices que esteja disponíveis nas geometrias. Para evitar o uso de índice, utilize a função _ST_Contains.

NOTA: esta é a versão "permissível" que retorna um booleano, não um inteiro.

This method implements the OpenGIS Simple Features Implementation Specification for SQL 1.1. s2.1.1.2 // s2.1.13.3 - same as within(geometry B, geometry A)

This method implements the SQL/MM specification. SQL-MM 3: 5.1.31

Existem certas sutilezas para ST_Contains e ST_Within que não são tão óbvias. Para detalhes, veja: Subtleties of OGC Covers, Contains, Within

Exemplos

O predicado ST_Contains retorna TRUE em todas as ilustrações seguintes.

LINESTRING / MULTIPOINT

POLYGON / POINT

POLYGON / LINESTRING

POLYGON / POLYGON

O predicado ST_Contains retorna FALSE em todas as ilustrações seguintes.

POLYGON / MULTIPOINT

POLYGON / LINESTRING

-- A circle within a circle
SELECT ST_Contains(smallc, bigc) As smallcontainsbig,
           ST_Contains(bigc,smallc) As bigcontainssmall,
           ST_Contains(bigc, ST_Union(smallc, bigc)) as bigcontainsunion,
           ST_Equals(bigc, ST_Union(smallc, bigc)) as bigisunion,
           ST_Covers(bigc, ST_ExteriorRing(bigc)) As bigcoversexterior,
           ST_Contains(bigc, ST_ExteriorRing(bigc)) As bigcontainsexterior
FROM (SELECT ST_Buffer(ST_GeomFromText('POINT(1 2)'), 10) As smallc,
                         ST_Buffer(ST_GeomFromText('POINT(1 2)'), 20) As bigc) As foo;

-- Result
  smallcontainsbig | bigcontainssmall | bigcontainsunion | bigisunion | bigcoversexterior | bigcontainsexterior
------------------+------------------+------------------+------------+-------------------+---------------------
 f                | t                | t                | t          | t        | f

-- Example demonstrating difference between contains and contains properly
SELECT ST_GeometryType(geomA) As geomtype, ST_Contains(geomA,geomA) AS acontainsa, ST_ContainsProperly(geomA, geomA) AS acontainspropa,
   ST_Contains(geomA, ST_Boundary(geomA)) As acontainsba, ST_ContainsProperly(geomA, ST_Boundary(geomA)) As acontainspropba
FROM (VALUES ( ST_Buffer(ST_Point(1,1), 5,1) ),
                         ( ST_MakeLine(ST_Point(1,1), ST_Point(-1,-1) ) ),
                         ( ST_Point(1,1) )
          ) As foo(geomA);

  geomtype    | acontainsa | acontainspropa | acontainsba | acontainspropba
--------------+------------+----------------+-------------+-----------------
ST_Polygon    | t          | f              | f           | f
ST_LineString | t          | f              | f           | f
ST_Point      | t          | t              | f           | f

 

Name

ST_ContainsProperly — Retorna verdade se B intersecta o interior de A, mas não o limite (ou exterior). A não se contém propriamente, mas se contém.

Synopsis

boolean ST_ContainsProperly(geometry geomA, geometry geomB);

Descrição

Retorna verdade se B intersecta o interior de A, mas não o limite (ou exterior).

O A não se contém propriamente, mas se contém.

Todo ponto da outra geometria é um ponto do interior desta geometria. A DE-9IM Intersection Matrix para as duas geometrias combinadas [T**FF*FF*] usada em ST_Relate

[Note]

Dos documentos JTS parafraseados: A vantagem de usar este predicado sobre ST_Contains e ST_Intersects é que ele pode ser calculado eficientemente, sem precisar calcular a topologia em pontos individuais.

Um caso exemplo de uso para este predicado é calcular as interseções de um conjunto de geometrias com um grande polígono. Já que a interseção é uma operação muito devagar, pode ser mais eficiente usar containsProperly para filtrar geometrias teste que situam-se completamente dentro da área. Nestes casos a interseção é conhecida, a princípio, por ser exatamente a geometrias teste original.

Disponibilidade: 1.4.0 - requer GEOS >= 3.1.0.

[Important]

Não chama com uma GEOMETRYCOLLECTION como um argumento

[Important]

Não usa esta função com geometrias inválidas. Você obterá resultados inesperados.

A chamada desta função irá, automaticamente, incluir uma comparação de caixa delimitadora que fará uso de quaisquer índices que esteja disponíveis nas geometrias. Para evitar o uso de índice, utilize a função_ST_ContainsProperly.

Exemplos

--a circle within a circle
        SELECT ST_ContainsProperly(smallc, bigc) As smallcontainspropbig,
        ST_ContainsProperly(bigc,smallc) As bigcontainspropsmall,
        ST_ContainsProperly(bigc, ST_Union(smallc, bigc)) as bigcontainspropunion,
        ST_Equals(bigc, ST_Union(smallc, bigc)) as bigisunion,
        ST_Covers(bigc, ST_ExteriorRing(bigc)) As bigcoversexterior,
        ST_ContainsProperly(bigc, ST_ExteriorRing(bigc)) As bigcontainsexterior
        FROM (SELECT ST_Buffer(ST_GeomFromText('POINT(1 2)'), 10) As smallc,
        ST_Buffer(ST_GeomFromText('POINT(1 2)'), 20) As bigc) As foo;
        --Result
  smallcontainspropbig | bigcontainspropsmall | bigcontainspropunion | bigisunion | bigcoversexterior | bigcontainsexterior
------------------+------------------+------------------+------------+-------------------+---------------------
 f                     | t                    | f                    | t          | t                 | f

 --example demonstrating difference between contains and contains properly
 SELECT ST_GeometryType(geomA) As geomtype, ST_Contains(geomA,geomA) AS acontainsa, ST_ContainsProperly(geomA, geomA) AS acontainspropa,
 ST_Contains(geomA, ST_Boundary(geomA)) As acontainsba, ST_ContainsProperly(geomA, ST_Boundary(geomA)) As acontainspropba
 FROM (VALUES ( ST_Buffer(ST_Point(1,1), 5,1) ),
                  ( ST_MakeLine(ST_Point(1,1), ST_Point(-1,-1) ) ),
                  ( ST_Point(1,1) )
        ) As foo(geomA);

  geomtype    | acontainsa | acontainspropa | acontainsba | acontainspropba
--------------+------------+----------------+-------------+-----------------
ST_Polygon    | t          | f              | f           | f
ST_LineString | t          | f              | f           | f
ST_Point      | t          | t              | f           | f
 

Name

ST_Covers — Retorna 1 (VERDADE) se nenhum ponto na geometria B estiver fora da geometria A

Synopsis

boolean ST_Covers(geometry geomA, geometry geomB);

boolean ST_Covers(geography geogpolyA, geography geogpointB);

Descrição

Retorna 1 (VERDADE) se nenhum ponto na geometria/geografia B estiver fora da geometria/geografia A

Desempenhado pelo módulo GEOS

[Important]

Não chama com uma GEOMETRYCOLLECTION como um argumento

[Important]

Não usa esta função com geometrias inválidas. Você obterá resultados inesperados.

A chamada desta função irá, automaticamente, incluir uma comparação de caixa delimitadora que fará uso de quaisquer índices que esteja disponíveis nas geometrias. Para evitar o uso de índice, utilize a função _ST_Covers.

Enhanced: 2.4.0 Support for polygon in polygon and line in polygon added for geography type

Melhorias: 2.3.0 Aprimoramento para o pequeno circuito estendido PIP para suportar MultiPontos com poucos pontos. Versões anteriores só suportavam pontos em polígonos.

Disponibilidade: 1.5 - suporte para geografia foi introduzido.

Disponibilidade: 1.2.2 - requer GEOS >= 3.0

NOTA: esta é a versão "permissível" que retorna um booleano, não um inteiro.

Não é um padrão OGC, mas o Oracle tem também.

Existem certas sutilezas para ST_Contains e ST_Within que não são tão óbvias. Para detalhes, veja: Subtleties of OGC Covers, Contains, Within

Exemplos

Exemplo de geometria

--a circle covering a circle
SELECT ST_Covers(smallc,smallc) As smallinsmall,
        ST_Covers(smallc, bigc) As smallcoversbig,
        ST_Covers(bigc, ST_ExteriorRing(bigc)) As bigcoversexterior,
        ST_Contains(bigc, ST_ExteriorRing(bigc)) As bigcontainsexterior
FROM (SELECT ST_Buffer(ST_GeomFromText('POINT(1 2)'), 10) As smallc,
        ST_Buffer(ST_GeomFromText('POINT(1 2)'), 20) As bigc) As foo;
        --Result
 smallinsmall | smallcoversbig | bigcoversexterior | bigcontainsexterior
--------------+----------------+-------------------+---------------------
 t            | f              | t                 | f
(1 row)        

Exemplo de Geografia

-- a point with a 300 meter buffer compared to a point, a point and its 10 meter buffer
SELECT ST_Covers(geog_poly, geog_pt) As poly_covers_pt,
        ST_Covers(ST_Buffer(geog_pt,10), geog_pt) As buff_10m_covers_cent
        FROM (SELECT ST_Buffer(ST_GeogFromText('SRID=4326;POINT(-99.327 31.4821)'), 300) As geog_poly,
                                ST_GeogFromText('SRID=4326;POINT(-99.33 31.483)') As geog_pt ) As foo;

 poly_covers_pt | buff_10m_covers_cent
----------------+------------------
 f              | t
                

Name

ST_CoveredBy — Retorna 1 (VERDADE) se nenhum ponto na geometria/geografia A estiver fora da geometria/geografia B

Synopsis

boolean ST_CoveredBy(geometry geomA, geometry geomB);

boolean ST_CoveredBy(geography geogA, geography geogB);

Descrição

Retorna 1 (VERDADE) se nenhum ponto na geometria/geografia A estiver fora da geometria/geografia B

Desempenhado pelo módulo GEOS

[Important]

Não chama com uma GEOMETRYCOLLECTION como um argumento

[Important]

Não usa esta função com geometrias inválidas. Você obterá resultados inesperados.

Disponibilidade: 1.2.2 - requer GEOS >= 3.0

A chamada desta função irá, automaticamente, incluir uma comparação de caixa delimitadora que fará uso de quaisquer índices que esteja disponíveis nas geometrias. Para evitar o uso de índice, utilize a função _ST_CoveredBy.

NOTA: esta é a versão "permissível" que retorna um booleano, não um inteiro.

Não é um padrão OGC, mas o Oracle tem também.

Existem certas sutilezas para ST_Contains e ST_Within que não são tão óbvias. Para detalhes, veja: Subtleties of OGC Covers, Contains, Within

Exemplos

--a circle coveredby a circle
SELECT ST_CoveredBy(smallc,smallc) As smallinsmall,
        ST_CoveredBy(smallc, bigc) As smallcoveredbybig,
        ST_CoveredBy(ST_ExteriorRing(bigc), bigc) As exteriorcoveredbybig,
        ST_Within(ST_ExteriorRing(bigc),bigc) As exeriorwithinbig
FROM (SELECT ST_Buffer(ST_GeomFromText('POINT(1 2)'), 10) As smallc,
        ST_Buffer(ST_GeomFromText('POINT(1 2)'), 20) As bigc) As foo;
        --Result
 smallinsmall | smallcoveredbybig | exteriorcoveredbybig | exeriorwithinbig
--------------+-------------------+----------------------+------------------
 t            | t                 | t                    | f
(1 row)        

Name

ST_Crosses — Retorna TRUE se as geometrias fornecidas têm alguns, não todos, pontos em comum.

Synopsis

boolean ST_Crosses(geometry g1, geometry g2);

Descrição

ST_Crosses pega dois objetos de geometria e retorna TRUE se sua interseção "cruza espacialmente", isto é, as geometrias têm alguns, não todos, pontos interiores em comum. A interseção dos interiores das geometrias não deve ser vazia e deve ter uma dimensionalidade menor que o máximo das duas geometrias de entrada. Além disso, a interseção das duas geometrias não deve ser igual às geometrias fonte. Caso contrário, ela retorna FALSE.

Em termos matemáticos, é expressado como:

TODO: Insira uma correção MathML apropriada aqui ou use um gif. Correção HTML simples não funciona bem em IE e Firefox.

A DE-9IM Intersection Matrix para as duas geometrias é:

  • T*T****** (para Ponto/Linha, Ponto/Área, e situações de Linha/Área)

  • T*****T** (para Linha/Ponto, Área/Ponto, e situações de Área/Linha)

  • 0******** (para situações de Linha/Linha)

Para qualquer outra combinação de dimensões, este predicado retorna falso.

As especificações de características simples definem este predicado somente para Ponto/Linha, Ponto/Área, Linha/Linha, e Linha/Área. JTS/ GEOS estende a definição para aplicar a Linha/Ponto, Área/Ponto e Área/Linha também. Isto torna a relação simétrica.

[Important]

Não chama com uma GEOMETRYCOLLECTION como um argumento

[Note]

Esta função pode, automaticamente, incluir uma comparação de caixa delimitadora que usará quaisquer índices que estejam disponíveis nas geometrias.</